Next Future logo

"Oreo", de Fran Ross, analisado na New Yorker

Published8 May 2015

Tags Negritude literatura Oreo Fran Ross

Oreo, de Fran Ross, de 1974, é um romance satirico e bem humorado, que conta a história de uma rapariga,  filha de pai judeu e mãe negra, que cresce com os avós e que na adolescência resolve procurar o pai. O livro passou espercebido na época da sua primeira edição e ganha hoje novas leituras, à luz das questões identitárias, a nível étnico e cultural. Na New Yorker, Danzy Senna compara-a com outras narrativas relacionadas com a identidade: 

 The titles themselves of these two texts—“Roots” and “Oreo”—imply the profound gap between the works, giving us a clue about the kind of black narratives we like to celebrate, and the kind we’ve tended to ignore. “Roots” looks toward the past. It offers black people an origin story, an imagined moment of racial purity—when the Mandinka warrior Kunta Kinte is kidnapped, off the shores of Gambia. It constructs a lost utopia for us and a clear fall from the Eden of Africa. “Oreo,” from the title alone and its first loony pages, suggests murkier, more polluted racial waters.

Indeed, Oreo’s origin story is one of gleeful miscegenation. The moment Samuel Schwartz falls for Helen (Honeychile) Clark, it’s too late to look back. An “oreo” is, of course, not simply a black-and-white cookie but also the standard taunt directed at black people who appear to “act white.” Ross embraces this epithet, embraces the idea of falling from racial grace. But it’s no mulatto sentimentalism, no simplistic “ebony and ivory” tale of racial mushiness. From page one, both sides of Oreo’s family—the black and the Jewish—are equally horrified by their children falling in love. In fact, James Clark, Helen’s father, Oreo’s black grandfather, is so horrified by his daughter’s coupling with a Jewish guy that his actual body becomes encoded by hate—paralyzed into the shape of a half-swastika.Oreo, born Christine Clark, the biracial progeny of the fall, is our heroine, and, like all good heroes and heroines, she’s on a quest. But, unlike Alex Haley, Oreo is trying to find her white side—her missing Jewish father. Her absent father is no site of longing; he’s a voice-over actor in Manhattan, who has left her an absurd list of clues to help locate him. He’s a bum, according to her mother. “I’m going to find that fucker” is how Oreo sets out on her search, which feels more like an excuse to wander away from her home than a real desire for a father.
O artigo completo em Shades of Blackness

Literatura entre Portugal e o Brasil

Published6 Apr 2015

Tags literatura portugal brasil

Portugal e o Brasil: dois países, dois continentes, uma língua. O que aproxima e afasta estas literaturas? O Público falou com escritores e editores, como Luis Rufatto, Alexandra Lucas Coelho, Gonçalo M. Tavares e Matilde Campilho. 

Cheirava a castanhas, mas já estava calor e havia flores nas árvores. Devia ser Maio. O brasileiro Luiz Ruffato não lembra de cor a data em que se hospedou por um mês num hotel no centro de Lisboa, fora dos circuitos turísticos.

Todas as manhãs apanhava transportes públicos para a periferia e regressava à noite. “Seguia para os bairros onde estavam os brasileiros que foram para Portugal, para empregos pouco qualificados.” Ruffato fora um dos seleccionados para participar no projecto Amores Expressos que financiou viagens de escritores a várias cidades do mundo para escreverem romances sobre o amor, mas o seu projecto era mais alargado: entender melhor o curso da emigração brasileira que tinha três grandes destinos: EUA, Japão e Portugal. A sua personagem, Sérgio – natural de Cataguases, Minas Gerais, como o escritor – iria para Portugal por uma questão de língua e de geografia. Seria o protagonista de Estive em Lisboa e Lembrei de Você (Companhia das Letras) publicado no Brasil em 2009, e um ano depois em Portugal com o título Estive em Lisboa e Lembrei-me de Ti (Quetzal).

Além de sublinhar a fala mineira de Serginho, com todos os seus trejeitos regionais e cambiantes em relação à expressão do português de S. Paulo ou do Rio de Janeiro, o autor, com aquele título, punha a nu involuntariamente mais uma camada do complexo tecido da língua. Apenas por atravessar o Atlântico o português de Portugal “pedia-lhe” uma adaptação, não fosse haver uma barreira ao entendimento. “Falar a mesma língua não é partilhar a mesma cultura”, refere Luiz Ruffato sobre a relação entre as literaturas portuguesa e brasileira, que classifica de “esquisita e preconceituosa”, feita em doses semelhantes de “desprezo e arrogância”. “Eles não crescem apaixonados por nós como nós crescemos apaixonados por eles”, refere por sua vez Valter Hugo Mãe, um dos escritores portugueses que mais sucesso tem actualmente no Brasil.

Artigo de Isabel Lucas: Portugal e o Brasil: orgulho e preconceito entre duas literaturas

Escritoras africanas: oito nomes

Published8 Mar 2015

Tags literatura Mulheres africanas

No Dia Internacional da Mulher, o site Afribuku recorda oito mulheres escritoras de países africanos, identificando os temas das suas obras e a recepção que tiveram. 


Reducir el papel de la mujer africana a los tópicos con los cuales es representada en la mayoría de los casos, es negar una historia repleta de luchas y de logros. No podemos olvidar la contumacia de las amazonas negras del Reino de Dahomey, que se organizaron en guerrillas para combatir al colonizador europeo. Existen varios casos de poliandria en algunas etnias, a través de la cual la mujer puede sumar varios esposos. El matriarcado supone una estructuración familiar frecuente en diferentes puntos del continente como en Mauritania. Y no son pocas las activistas que tratan de acabar con la mutilación genital femenina en las zonas más afectadas por esta práctica bárbara. En el norte del continente la escritora argelina Assia Djebar no dudó en denunciar en sus libros los múltiples episodios de violencia y represión vividos por sus compatriotas. En Túnez, Marruecos y Egipto el activismo de las mujeres logró extrapolar muchas de sus reivindicaciones a las primeras Constituciones nacionales. De hecho presidente egipcio Gamal Abdel Nasser fue el primero en rechazar y mofarse de la imposición del velo a la que aspiraban los Hermanos Musulmanes ya en los años 50. En África subsahariana, Miriam Makeba en Sudáfrica, Margaret Ekpo en Nigeria o Adelaide Casely Hayford en Sierra Leona son verdaderos símbolos nacionales de la lucha femenina contra el colonialismo, el machismo y el racismo. Y en la actualidad, Ruanda es el único país del mundo con mayoría de representación femenina en el Parlamento.

En África las corrientes feministas son tan diversas como también lo es el continente. Es un tanto arriesgado hablar de “feminismo africano” en general, pues supone volver a encasillar y negar la diversidad de miras que han existido, existen y existirán. En ningún caso podemos vincular estas posturas al llamado “black feminism” o “feminismo negro”, conceptos surgidos en la diáspora y que corresponden a contextos sociales que poco tienen que ver con la realidad de las mujeres africanas. Por lo tanto, nos centraremos en la obra de algunas de las escritoras que más han dado que hablar por su obra y posturas relacionadas con el feminismo en África.

O artigo completo, aqui

Pedro Lemebel (1952-2015)

Published25 Jan 2015

Tags literatura chile Pinochet

Morreu aos 62 anos Pedro Lemebel (22 Novembro 1952-13 Janeiro 2015), escritor chileno autor de Tengo Miedo Torero Loco AfánHáblame de amores. Contestatário e polémico, foi um critico ousado de Pinochet, tendo protagonizado várias intervenções artísticas de protesto e foi também uma referência no campo dos direitos das minoriais sexuais. Foi distinguido, em 2013, com o Premio Iberoamericano de las Letras José Donoso.

Durante la dictadura de Augusto Pinochet (1973-1990) integró junto a Francisco Casas el colectivo de arte “La Yeguas del Apocalipsis”, que protagonizó osadas y crudas acciones contra el régimen, como sepultarse en cal viva, desollando sus cuerpos, para representar a los detenidos desaparecidos.

El Movimiento de Integración y Liberación Homosexual (Movilh) afirmó en una nota de prensa que la pluma de Lemebel “representa y refleja la fuerza y vitalidad de los marginados, de los excluidos”.

Lemebel, que expuso una mirada homosexual y contestataria sobre la ciudad de su país, fue descrito como “un imprescindible para Chile” por el gobierno.

“Fue un creador incansable”, dijo en La Moneda la presidenta Michelle Bachelet, que definió a Lemebel como “un luchador social y un defensor de la libertad, que representó a los marginados y a los olvidados”.

No chileno Clinic 

Creativo, contestatario, asertivo y lúcido, Lemebel fue un artista integral que cambió la historia cultural de Chile, aunque inexplicablemente nunca se le llegó a conceder el Premio Nacional de Literatura. La marginalidad fue el motor de su trabajo y de su lenguaje propio, que lo convirtió en uno de los autores chilenos de mayor proyección internacional. Hijo de un panadero y nacido en una zona extremadamente pobre de Santiago, Lemebel saltó a las letras desde la seducción callejera. Profesor de Artes Plásticas que casi no llegó a ejercer el rechazo que despertaba, a finales de los ochenta fundó el colectivo artístico Las Yeguas del Apocalipsis, con el que montó performance atrevidas y con alto contenido político de izquierda en plena dictadura.

“Nos abrió un camino de libertad, rompió el doble estándar y nos obligó a reconocer un Chile complejo y diverso. Su aporte literario es enorme, pero sobre todo vino a cambiarnos la cabeza. Pedro nos ha permitido tener una mirada piadosa y limpia sobre territorios de la condición humana, que han sido maltratados y excluidos”, señaló la ministra de Cultura, Claudia Barattini, una de las decenas de autoridades que expresaron su pesar por la muerte del autor de Adiós, mariquita linda.

No espanhol El Pais 

"Un Verano": conto inédito de Selva Almada

Published22 Jan 2015

Tags literatura américa latina Selva Almada

Selva Almada, escritora argentina, esteve na Festa do Pensamento e da Literatura da América Latina, em Junho de 2014. Originária de Entre Ríos, em 2003 publicou o livro de poemas Mal de muñecas e depois os romances El Viento que arrasa (2012) e Ladrilleros (2013). Chicas muertas (Random House), o seu título mais recente, de não ficção, aborda os feminicídos que aconteceram nos anos 80 em várias províncias argentinas. Página 12 publica agora um conto seu.

Con el primo se conocían de vista; sus madres estaban distanciadas desde hacía tiempo, no sabía por qué ni desde cuándo. Pero esa vuelta, cuando se toparon en el parque de diversiones, los dos solos, sin amigos, se saludaron y simpatizaron enseguida. Empezaron a juntarse a la hora de la siesta y el primo le enseñó a disparar. Su madre nunca supo que había sacado la escopeta de su padre del escondite (la caja del vestido de novia, con el vestido de novia como mortaja, en la parte más alta del ropero). A ella no le habría gustado. Decían que el marido se le había muerto limpiando esa escopeta. Iban a practicar en los terrenos abandonados del ferrocarril.

La primera vez que salieron a cazar, desde el otro lado de la ruta, le llamaron la atención, en el montecito bajo, las copas salpicadas de cosas blancas, como bolsas de nylon o papeles que el viento hubiera ido depositando entre las ramas. Antes de cruzar miraron para los dos lados, venía un camión, así que esperaron. Cuando pasó, el chofer hizo pitar la bocina que sonó como el mugido de una vaca y sacó la mano por la ventanilla, saludándolos. No es que los conociera. Pero la gente que anda en la ruta es así, le toca bocina y saluda a todo lo que se mueve. De puro aburrimiento será.

Un Verano, em Página 12

Nadine Gordimer a olhar para a África do Sul

"No time like the present", o último romance da nobel da literatura sul africana Nadine Gordimer, é um retrato da actual sociedade sul africana. É desse olhar atento e fotográfico, e desse país, que nos dá conta a entrevista do jornal El Pais.

" Si no fuera porque lo suyo es la ficción, Gordimer podría ser considerada como la notaria o cronista sudafricana porque su obra está amarrada de los problemas, miedos, deseos, retos del país. “No he sido nunca una escritora política, pero la política está en mis huesos, mi sangre, mi cuerpo”, apunta, por lo que se entiende ese empecinamiento en que sus personajes respiren y sufran por los momentos políticos del país."

Toda a entrevista aqui

A grande lição de Milton Hatoum

Published24 Sep 2013

Tags grandes lições milton hatoum literatura

©Tatiana Macedo

A grande lição do escritor Milton Hatoum para ser escutada na calma dos dias. As histórias do autor brasileiro que refletem o seu processo individual, sem esquecer o contexto das cidades e das viagens que fazem a sua história. Uma ição de literatura e de Brasil.

"Lembro-me sem nostalgia do noite de 22 de Setembro de 1977, quando a polícia da ditadura, no Brasil, invadiu o campus da Universidade Catolica de S. Paulo, espancou e prendeu mais de 1000 estudantes. Esse acontecimento significou para mim o desfecho da década de 1970 no Brasil. E de facto, dois anos depois daquela noite nefasta, decidi ir embora do meu país, e os quatro meses que eu ia passar na Europa se prolongaram por quatro anos.

Essa decisão tinha a ver com a brutalidade da vida brasileira que começou com o golpe militar de 64 e obrigou a minha geração a viver toda a sua juventude sob uma ditadura"

Toda a lição pode ser ouvida aqui 

Act 29 a 12 de Abril

Published9 Apr 2013

Tags Mempo Giardinelli Colóquio act 29 literatura

Colóquio ACT 29 – Literaturas e Culturas em Portugal e na América Hispânica: Novas Perspetivas em Diálogo continua hoje na Fundação Gulbenkian.

Escritor e jornalista, o argentino Mempo Giardinelli é dos autores presentes

As horas de Clarice

Published4 Apr 2013

Tags Clarice Liespector exposição literatura Verão

No Verão do Próximo Futuro veremos depois a "Outra hora da Estrela" um espetáculo idealizado e dirigido por Eucanaã Ferraz para homenagear Clarice Lispector. Antes disso, já a partir de amanhã e até 23 de Junho, a Fundação Gulbenkian apresenta exposição "A hora da Estrela".

"A galeria de exposições temporárias do Museu receberá a mostra tal como foi vista no Brasil, dividida em seis núcleos, e onde se pretendem recriar ambientes dos seus livros ou passos da sua existência. Textos, fac-símiles, fotografias e documentos pessoais são mostrados nesta exposição, que também recria ambientes e cenários que inspiravam a escritora. Cartas de Erico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade, Lygia Fagundes e muitos outros, ajudam a conhecer melhor a personalidade de Clarice."

Pode saber-se mais sobre a exposição aqui e aqui

A escrita de Alejandra Pizarnik

Published26 Mar 2013

Tags literatura argentina poesia alejandra pizarnik

Alejandra Pizarnik, filha de emigrantes russos, de origem judia, é uma das mais talentosas poetas latino americanas, cuja vida e obra estão envoltas em mistérios e segredos que aos poucos se vão revelando.

"Se encienden más luces que amplían la leyenda de Alejandra Pizarnik, una de las poetas hispanohablantes más importantes de la segunda mitad del siglo XX, que aclaran su proceso creativo y aumentan la belleza de su enigmática y sobrecogedora poesía.

 Antes de empezar a balancearse en el borde del abismo, Alejandra Pizarnik(Buenos Aires, 1936-1972) ya escuchaba el seductor rugido del fondo silencioso."

Todo o artigo pode ser lido aqui

Ainda a propósito da escrita - “If you don’t like someone’s story, write your own.”

Published26 Mar 2013

Tags literatura nigéria chinua achebe

O NY Times publica uma crónica sobre a importância da escrita de Chinua Achebe, o nigeriano que nos últimos 50 anos influenciou a literatura africana e o olhar sobre África.

"It’s been more than 50 years since the publication of Mr. Achebe’s pioneering and canonical novel; it no longer seems to stand, to a Western audience at any rate, for African writing as a whole. His talent and success have helped spawn an array of postcolonial writing from across the continent. Among the talented young Nigerian writers alone who cite him as an influence are Chimamanda Ngozi Adichie, Adaobi Tricia Nwaubani and Lola Shoneyin."

Pode ler-se a crónica na íntegra aqui

Sobre ler e escrever

Published24 Mar 2013

Tags literatura livros

Uma crónica sobre o prazer de ler, a dor de escrever, a realidade, os livros, os leitores e os escritores.

"Leer da más felicidad que escribir. Escribir es una afición, una vocación, un trabajo incierto, que lo mismo da grandes alegrías que grandes disgustos, y que en el mejor de los casos siempre lo deja a uno vulnerable ante sí mismo y ante los demás: ante la incertidumbre que no cesa nunca de minarlo por dentro, aunque se le aplique con grados diversos de dedicación y eficacia el bálsamo de la vanidad; ante los juicios favorables o negativos, halagadores o insultantes, sinceros o fingidos."

toda a crónica aqui

As mulheres na Praça Tahir e em outras revoluções

Published20 Feb 2013

Tags literatura egipto Praça Tahir

Não foi apenas na Praça Tahir, há dois anos atrás, que o papel das mulheres se fez notar. São 100 anos de acção revolucionária feminina que Tahia Abdel Nasser analisa a partir dan perspectiva da literatura.

"Arabic literature has memorialised women’s involvement in revolutions that convulsed Egypt from 1919. In her famous 1960 novel Al-Bab Al-Maftuh (The Open Door), the Egyptian writer and political activist Latifa Al-Zayyat addresses women’s involvement in the national struggle throughout the 1950s, after the 1952 revolution, the evacuation of British forces, and the start of the resistance to the Tripartite Aggression by Israel, France, and Britain on Egypt in 1956."

Pode ler-se todo o artigo aqui

Situation Is Critical! Bringing African Writing Back Home

Published15 Feb 2013

Tags literatura Jeremy Weat

A análise de Jeremy Weat do estado da literatura africana - autores, edição e distribuição - no contexto actual, comparando-a com os imensos recursos naturais que são exportados do continente para o resto do mundo, sem garantir as necessidades internas.

"What is to be done? How does one ensure one’s dutifully collected shelf of African books is not ever more replete with child soldiers, AK47s and rapists? There are, I think, two parts to the answer: First, African writers should realise that there is a price to pay for a suburban existence in a sedated part of the world. Situation is critical. To engage with the world in writing, it is seldom enough to read of a world from afar. Even the most meticulous research will miss out on the subterranean processes that are continuously at work in a society; the gaps and tensions in speech and behaviour that point to unmet desires and a world in transition. It is the work of the writer to bring these silences to voice; it is an almost impossible task when the only source of information is internet news sites, visitors from home and the occasional trip back to the motherland.

(...)

Most of all, we need to realise that we have currently lost control of the African story generation. We can hardly remain friends with those who try to take the stories away. We publishers should realise that there is semiotic warfare at work and that she who owns the story, owns the story."

Todo o texto de Jeremy Weate pode ser lido aqui

Da Argélia

Yasmina Khadra definia-se como escritora, muçulmana praticante, casada aos 18 anos e mãe de dois filhos. Durante anos a situação argelina através dos seus policiais.

Yasmina Khadra é Mohamed Moulessehoul, um ex comandante do exército argelino que importa conhecer. É um dos autores importantes da literatura do Magreb que já não trata apenas as questões da Argélia mas tomou o terrorismo como matéria das suas obras.

"Ante las sospechas del periodista de que había algo raro en su identidad, entre otras cosas porque sus novelas relevan un conocimiento profunda de las sentinas del estado argelino y de la lucha feroz contra el terrorismo, utilizando a veces métodos similares, Khadra repondía: "No practico un estúpido juego del escondite. Para hacerme perdonar el anonimato le invito a que se dé una vuelta por nuestros cementerios. No es que tenga miedo: creo que Argelia cuenta ya con bastantes mártires y nuestro deber es seguir con vida, por y para ella".

Pode ler-se o artigo completo aqui

Os escritores latinos na literatura norte americana

Published25 Jan 2013

Tags literatura eua autores latinos El País

Foi um poeta de origem cubana que o presidente dos Estados Unidos convidou para a sua cerimónia de tomada de posse. Este convite reflecte o panorama autoral da literatura norte americana.

"De mitades armónicas. De raíces transnacionales, bilingües y multiculturales. De eso está hecha y a eso suena la literatura de Estados Unidos en los últimos sesenta años en la que ahora empiezan a sonar, cada vez con fuerza, los escritores de origen hispanohablante.

La mayoría de los autores de origen hispano, según Paz Soldán, "escribe en un inglés flexible, aderezado de palabras, giros idiomáticos e incluso algo de la sintaxis del español". Inevitable. Natural. Instintivo. Con un recorrido que el autor boliviano traza así: “El español se va filtrando de contrabando en el inglés y lo va cambiando desde adentro; en un país con una literatura tan oficialmente monolingüe —una literatura que no refleja la diversidad de la experiencia idiomática en los Estados Unidos—, se trata de un gesto notable que, gracias a estos autores, pronto dejará de serlo”.

O artigo completo do jornal El País pode ser lido aqui

O silêncio da Chuva

Published16 Jan 2013

Tags Luiz Alfredo Garcia-Rosa literatura brasil

x

Uma descoberta inesperada: autor e um livro.

Trata-se de Luiz Alfredo Garcia-Roza, formado em filosofia e psicologia; psicanalista escreveu este policial (o primeiro) aos 60 anos. O enredo de uma inteligência arrebatadora passa-se no bairro de Copacabana, o detective chama-se Espinosa e a trama decorre por camadas como se fosse um trabalho de limpeza de um palimpsesto...a leitura é compulsiva.

António Pinto Ribeiro

Do Arpoador...

clarice lispector

A mulher não está sabendo: mas está cumprindo uma coragem. Com a praia vazia nessa hora, ela não tem o exemplo de outros humanos, que transformam a entrada no mar em simples jogo leviano de viver. Lóri está sozinha. O mar salgado não é sozinho porque é salgado e grande, e isso é uma realização da Natureza. A coragem de Lóri é a de, não se conhecendo,no entanto prosseguir, e agir sem se conhecer exige coragem. 

Vai entrando. A água salgadíssima é de um frio que lhe arrepia e agride em ritual as pernas. 

Mas uma alegria fatal - a alegria é uma fatalidade- já a tomou, embora nem lhe ocorra sorrir. Pelo contrário, está muito séria. O cheiro é de uma maresia tonteante que a desperta do seu mais adormecido sono secular. 

E agora está alerta, mesmo sem pensar, como um pescador está alerta sem pensar. A mulher é agora uma compacta e uma leve e uma aguda - e abre caminho na gelidez que, líquida, se opõe a ela, e no entanto a deixa entrar, como no amor em que a oposição pode ser um pedido secreto. 

O caminho lento aumenta sua coragem secreta - e de repente ela se deixa cobrir pela primeira onda! O sal, o iodo, tudo líquido deixam-na por instantes cega, toda escorrendo. Espantada, de pé, fertilizada.

Agora que o corpo todo está molhado e dos cabelos escorre água, agora o frio se transforma em frígido. Avançando, ela abre as águas do mundo pelo meio. Já não precisa de coragem, agora já é antiga no ritual retomado que abandonara há milénios. Abaixa a cabeça dentro do brilho do mar, e retira uma cabeleira que sai escorrendo toda sobre os olhos salgados que ardem. Brinca com a mão na água, pausada, os cabelos ao sol, quase imediatamente já estão se endurecendo de sal. Com a concha das mãos e com a altivez dos que nunca darão explicações, nem a eles mesmos: com a concha das mãos cheias de água, bebe-a em goles grandes, bons para a saúde de um corpo. 

E era isso que lhe estava faltando: o mar por dentro como o líquido espesso de um homem.

"Uma aprendizagem ou o Livro dos Prazeres", Clarice Lispector

In Ramallah, Running

Published11 Jul 2012

Tags literatura médio oriente


In Ramallah, Running

Guy Mannes-Abbott

Edited by Guy Mannes-Abbott and Samar Martha

Introduction by Jean Fisher

Contributions from Jananne al-Ani, Francis Alÿs, Najwan Darwish, Emily Jacir,

Olaf Nicolai, Paul Noble, Khalil Rabah, Adania Shibli, Mark Titchner, Sharif Waked.

Co-produced by ArtSchool Palestine & Sharjah Art Foundation

Black Dog Publishing

Publication date: 26th July 2012

Paperback 160 pages 32 colour plus b/w ills 260 x 190 mm Price £19.95 

"I read it in one breath. A cunning simplicity of writing the complexity of today’s Palestine, through the alleys, roads, streets, hills, valleys, days and evenings in and around Ramallah, charged me with love of the art of writing, of Palestine... You showed me my place and made me hear my story. I loved the piece without limits."Mourid Barghouti, Palestinian Poet and author of classics memoirs; I Saw Ramallah & I Was Born There, I Was Born Here.

In Ramallah, Running represents Guy Mannes-Abbott's uniquely personal encounter with Palestine, interweaving short, highly condensed texts with longer, exploratory essays at the place. International artists and prominent writers have responded to the texts with newly commissioned works.

The principal text is a series in 14 parts, alternating running within the limits of the city and walking out from it to, along, beyond and off limits, discovering how insidiously mobile those limits are under Occupation. With singular style and compelling force, Mannes-Abbott generates a very special intimacy with a rarely seen or experienced Palestine; the actual place itself, the people in their place.

Jean Fisher contributes a substantial introductory essay, while the poet and critic Najwan Darwish and novelist Adania Shibli have written further captivating responses. Visual contributions include a project linked to a pair of paintings by Francis Alÿs, drawings of stoney aridity with ambiguous structures by Paul Noble, and a searingly intimate journal-based piece by Emily Jacir.

Jananne al-Ani, Khalil Rabah and Mark Titchner contribute varying photography-based projects focused on the place and its relationship to the body and word. Olaf Nicolai contributes an angular text-based project and Sharif Waked highlights the abysmal ambiguities of the political context.

Special thanks are due to Charles Asprey, Zina Jardaneh and Rana Sadik.

For interviews/images/queries please contact:

Guy Mannes-Abbott guy@g-m-a.net and/or Samar Martha samar@artschoolpalestine.com

For press/review copies please contact:

Black Dog’s press office on +44 [0] 207 713 5097 or via email press@blackdogonline.com

“Um mundo ao qual não conseguimos dar nome” – Carlos Fuentes (1928 – 2012)

Published17 May 2012

Tags carlos fuentes méxico literatura

O escritor mexicano Carlos Fuentes, nascido em 1928 na Cidade do Panamá, morreu hoje, 15 de maio. Recebeu diversos prêmios por sua obra, entre eles o prestigioso Cervantes, em 1987. De seus romances, destacam-se A morte de Artêmio Cruz e A campanha. Leia abaixo um trecho da última entrevista que cedeu, publicada no jornal El país ontem (a íntegra em espanhol pode ser acessada aqui).

P. Do que trata o seu último livro e o que você vai iniciar agora?

R. No que terminei, Federico en su balcón, Nietzsche aparece ressuscitado em uma varanda às cinco da manhã, e eu começo uma conversa com ele. O livro que vou iniciar, El Baile del Centenario, encerra uma trilogia da Idade Romântica, que cobre desde a celebração do centenário da independência, em setembro de 1910, oranizada por Porfirio Díaz, e a celebração do fim do centenário, em 1920, organizada por Álvaro Obregón e José Vasconcelos, de modo que abrange dez anos da vida no México. Já estou com muitos capítulos, anotações e personagens. Há uma mulher que me interessa muito,  que não quer contar nada sobre o seu passado  e que vai sendo descoberta pouco a pouco, até que chega ao mar e se liberta.

P. Há algo de específico nesse início de século que o atraia?

R. Sou fascinado pelas mudanças que estamos vivendo. Quem diria que as mudanças começariam no norte da África? E daí se estenderia para boa parte da Europa e dos Estados Unidos, onde muitos de meus alunos me dizem: “Sou doutor e não encontro emprego”. Ou… “Meu pai virou classe média e sinto que estou descendo para a classe proletária”. Na América Latina também acontecem mudanças grandes, ainda que lá tenha havido certa estabilidade. Antes, os problemas começavam na América Latina. Agora parece que vão chegar nela. E é um mundo ao qual não conseguimos dar um nome. Se uma pessoa perguntasse a Dante: “Como você se sente vivendo em plena Idade Média?”, ele responderia: “O que é a Idade Média?”. Não podemos dar um nome a essa época, mas sentimos que tudo está mudando. O Renascimento sabia que era o Renascimento, a Idade Média não sabia que era a Idade Média.

P. Como você lida com a internet e as redes sociais?

R. Eu parei no fax; escrevo à mão em uma página em branco com uma caneta, corrijo na página seguinte. A minha esposa que me informa das novidades. Antes, eu dizia: vou pesquisar na Enciclopédia Britânica. Agora, ela fala, não, aperta uma tecla e encontra o que procurava.



in Blog do Instituto Moreira Salles

Escrevo para continuar dançando

Published17 May 2012

Tags dança brasil literatura

Como bailarina, a escritora e crítica Inês Bogéa sempre foi além dos movimentos da dança. Ela criava um mundo imaginário sobre cada peça, envolvida pelas narrativas dos grandes balés. Esse interesse pelas aventuras e particularidades dos personagens a levou a escrever dois livros em que reconta histórias do balé clássico. O mais recente, Outros contos do balé, será lançado amanhã, 12/05, na Livraria da Vila (Fradique Coutinho), em São Paulo. Confira, a seguir, um bate-papo com a autora.

Sua vivência no balé teve início há mais de 30 anos, como bailarina clássica. Como você passou a escrever sobre dança, tendo sido crítica da Folha de S.Paulo por um longo período e autora de livros sobre o tema?

Minha história no balé começou de ponta cabeça, na ginástica olímpica, fazendo estrelas e outros tantos movimentos desse esporte, que tem muito de dança. Depois, passei para a capoeira e, numa das curvas da vida, triste por ter levado uma benção no peito numa das rodas, assisti, na TV, ao Lago dos Cisnes, no colo do meu pai. A sensação de ver as meninas flutuarem nas pontas e as imagens de múltiplas dançarinas de tutu me marcaram. Entrei para fazer balé clássico na academia da D. Lenira, em Vitória. Me formei na metodologia da Royal Academy of Dancing, em Londres. Em 1998, entrei para o Grupo Corpo, e nele fiquei por 12 anos. Viajamos o mundo dançando. Nesse tempo, tínhamos um grupo de estudos de dança. Um texto meu foi enviado para o editor da Ilustrada (Folha de S.Paulo), na época Sérgio Dávila, que me convidou para escrever no jornal. Quando chegou o meu tempo de parar de dançar, pesquisei a história do Grupo Corpo e organizei o livro Oito ou nove ensaios sobre o Grupo Corpo. Esse foi meu ritual de passagem para o outro lado da cena.

Como se dá esse processo de transformar em narrativa escrita histórias dançadas? Como bailarina, você procurava saber as histórias por trás dos movimentos?

Reconto as histórias a partir do movimento da dança; lembro no corpo as sensações e emoções dos personagens que dancei e vivo as histórias dos outros personagens para completar a narrativa. Ao dançar alguns dos grandes balés, procurava saber a história para conhecer mais e criar um mundo imaginário sobre cada dança.

Outros contos do balé é seu terceiro livro infantojuvenil [os dois primeiros são O livro da dança (Companhia das Letrinhas, 2002) e Contos do balé (Cosac Naify, 2007)]. Por que a escolha desse público leitor para suas narrativas sobre dança?

Meus livros são para crianças de todas as idades. São minhas lembranças do prazer de dançar e da alegria de me mover que me levam a criá-los. Escrevo para continuar dançando com leitores de diferentes idades.

Assim como em Contos do balé, em Outros contos do Balé você reconta cinco histórias de coreografias de dança clássica Como você chegou a essa seleção?

Assim como no primeiro livro, a ideia é contar balés de diferentes gêneros, tempos, acentos e cores da dança clássica. Em Outros Contos do Balé você pode ler A Sílfide, marco da dança romântica; O corsário, onde a tônica está na descoberta de terra distantes e exóticas; La Bayadère, inspirada na dança indiana; O Quebra-Nozes, um marco da dança clássica; e O Pássaro de Fogo, um balé clássico moderno. O novo livro dialoga com o primeiro e traz novas perspectivas, nas próprias histórias e nas notas informativas.

Você já dançou algumas das coreografias que compõem o livro? É possível eleger uma favorita?

Dancei A Sílfide, O Pássaro de Fogo e O Quebra-Nozes, em diferentes papeis de solista e de corpo de baile. De cada um, tenho uma história diferente para contar. O bom é estar em cena, dançando.

Neste livro, você apresenta aos leitores os profissionais que normalmente ficam nos bastidores de um espetáculo, mas que são igualmente importantes para sua realização. O que caracteriza, para você, uma montagem impecável?

Para que um espetáculo aconteça, todos têm que dançar juntos. Desde o tempo de abertura da cortina ao início do movimento do bailarino, em diálogo com a música, o figurino, a luz, a cenografia, até os detalhes técnicos – por exemplo, o fechamento da caixa preta, o tempo entre uma obra e outra, movimentos de cena –, tudo tem impacto na percepção do espectador. Uma montagem impecável deve apresentar qualidade em todos esses elementos.



in Blog da Cosac Naify

Morreu o escritor mexicano Carlos Fuentes

Published16 May 2012

Tags carlos fuentes méxico literatura

O Ministério da Cultura mexicano confirmou o óbito. E segundo a AFP, o presidente Felipe Calderón deixou uma mensagem na sua conta no Twitter: “Lamento profundamente o falecimento do nosso querido e admirado Carlos Fuentes, escritor e mexicano universal. Descanse em paz”. 

O Prémio Cervantes (1987) e Prémio Príncipe das Astúrias (1994) morreu de problemas cardíacos, aos 83 anos. Tinha começado a escrever aos 29 anos e o seu último romance editado, “Adão no Éden”, foi publicado recentemente pela Porto Editora. 

É autor de “O velho Gringo”; “Cristóvão Nonato”, “Constancia e outras Novelas para Virgens”, “Aura”, “A Laranjeira”, “Diana ou a Caçadora Solitária”, “A Campanha”, “Aquilo em que Acredito” (todos editados em Portugal pela Dom Quixote). 

A Porto Editora, depois de ter lançado o seu último romance publicado, tem prontos a publicar dois volumes que reúnem os contos do autor: “Contos Naturais” e “Contos Sobrenaturais”. O editor Manuel Alberto Valente disse ao PÚBLICO que já estão traduzidos, estavam agendados para 2013 mas agora poderá vir a ser antecipada a sua publicação. 

“Carlos Fuentes foi o mais ‘infeliz’ dos três grandes nomes do 'boom' da literatura latino-americana: Gabriel García Márquez, Mario Vargas Llosa e ele”, diz Manuel Alberto Valente. "Só que os outros dois ganharam o Prémio Nobel. Do Fuentes falava-se sempre que podia ser um candidato ao Nobel mas infelizmente não o teve". 

Manuel Valente lembra que, também em termos de vendas, foi sempre um autor menos lido do que os outros, Márquez e Llosa. “Pelo menos em Portugal nunca teve um grande sucesso de público. Mas é um autor extremamente importante e o facto de ter tido sempre menos sucesso que os outros dois pode explicar-se por ser o mais político dos três. A obra dele é muito o espelho do México e das suas vicissitudes políticas. É um autor muito marcado ideologicamente e isso talvez tenha contribuído para que não tenha sido um autor tão popular. Mas é indiscutivelmente um dos grandes nomes da literatura latino-americana e da literatura mundial.”

Filho de mexicanos, Carlos Fuentes nasceu no Panamá, a 11 de Novembro de 1928, numa família de diplomatas e passou a sua infância entre a Europa e o continente americano. Estudou na Suíça e nos Estados Unidos; viveu em Quito, no Equador; em Montevideo, no Uruguai; no Rio de Janeiro, no Brasil; em Santiago do Chile e em Buenos Aires, na Argentina, num percurso que acabou em Washington, nos Estados Unidos. Na adolescência, passou a viver no México.

Em 1955, fundou com Octávio Paz e Emmanuel Carballo, a “Revista Mexicana de Literatura”. Era um homem de esquerda, membro do Partido Comunista, próximo de Fidel Castro antes de se afastar depois da prisão do poeta cubano Ernesto Padilla (em 1971). Num ensaio da revista “Tiempo Mexicano”, de 1972, escreveu: “O que um escritor pode fazer politicamente deve fazê-lo também como cidadão. Num país como o nosso, o escritor, o intelectual, não pode alhear-se da luta pela mudança política que, em última instância, supõe também uma transformação cultural”.

Licenciou-se em Direito na Universidade Autónoma do México e no Instituto de Altos Estudos Internacionais de Genebra, e prosseguiu a carreira diplomática de tradição familiar, sobretudo com o trabalho em organismos internacionais, em particular nas Nações Unidas, em Genebra. Em meados da década de 1970, dedicou-se ao ensino e leccionou nas principais universidades mundiais, de Paris a Princeton, Harvard, Columbia ou Cambridge. 

Em 1974, foi nomeado embaixador em Paris e, em 1977, demitiu-se para protestar contra a nomeação para embaixador em Madrid do ex-presidente mexicano Gustavo Díaz Ordaz , que ele considerava responsável pelo massacre dos estudantes no México em 1968. 

Numa entrevista que deu recentemente a Geneton Moraes Neto, do canal brasileiro Globo News, dizia que não trocaria a literatura por nada e que, aos 83 anos, só lamentava não ter tempo para escrever todas as histórias que imaginava. Nessa entrevista em que falava em inglês (era bilingue e escrevia em espanhol porque considerava já existirem escritores suficientes em língua inglesa) revelava ainda que tinha acabado de escrever um novo romance "Federico en su balcón" ( sobre Nietzsche). Dizia também que havia um livro que gostava de ter escrito mas sabia que não o iria conseguir fazer. Era a história do último dia de vida do revolucionário e líder agrário mexicano Emiliano Zapata. Queria começar o livro a partir do momento em que o revolucionário acorda (no dia em que morreu) até ao momento em que é fuzilado. Era uma ideia que Carlos Fuentes tinha a rodar na sua cabeça e que nunca conseguiu concretizar. No entanto, dizia: "Se eu viver bastante, um dia escreverei esse livro!"

“'Adão no Éden’ não é uma novela inovadora no tema, recorrente no trabalho de Carlos Fuentes”, escrevia Fernando Sousa no Ípsilon de 11 de Maio de 2012. “É possível encontrar os mesmos cenários e personagens semelhantes em ‘La tierra más transparente’, a sua primeira obra, de 1958, um texto que é uma espécie de inventário da sociedade mexicana; em ‘Artemio Cruz’ (1962), reflexões-à-beira da morte de um antigo revolucionário convertido num político de esquemas, corrupto e corruptor, que à hora de desaparecer conta o passado com a sinceridade própria de quem já não tem nada a perder; e em ‘La silla del Àguila’, nova radiografia do poder onde Fuentes imagina o seu país no ano 2020.” 

E acrescentava o crítico: “Mas é na sua inspiração literária uma obra apoteótica no estilo que o autor adoptou para nos mostrar o que o México, o México sinistro, lhe mostrou a ele em mais de oito décadas, uma obra que remete por assim dizer para as inaugurais, as dos primeiros anos de escrita, quando a sua estrutura ainda se desenvolvia. Uma obra-mestra.”

No final da entrevista do programa Dossiê Globo News, Geneton Moraes Neto perguntou-lhe se havia alguma pergunta vital para a qual não tinha resposta. Carlos Fuentes respondeu: "Não sei se Deus existe. Mas em breve vou descobrir."



in Público

"Narrativa caribeña a ritmo femenino"

Published29 Mar 2012

Tags caraíbas literatura

“Yo vengo de una larga tradición de mujeres escritoras: Rosario Ferré, Giannina Braschi, Ana Lydia Vega” comienza a explicar la autora puertorriqueña Mayra Santos-Febres. El boom del cuento caribeño escrito por mujeres ocurre en la década de los 80. Por lo menos allí es donde lo sitúan Cristina Bravo, Evangelina Soltero, Paloma Jiménez y Juana Martínez, cuatro profesoras de la Universidad Complutense de Madrid embarcadas en la épica tarea de recompilar todos los cuentos escritos por mujeres antillanas.

Desde comienzos de siglo ya se había dejado sentir la fortaleza de estas mujeres cuyo reto no es solo aprender a contar una buena historia, sino también evitar la etiqueta que suele dar a la mujer caribe. “La gente espera que nos dediquemos a parir. Que tengamos cinco, seis o siete hijos. Tiene que ser una familia numerosa en todo caso. Se sorprenden cuando digo que no quiero hijos” dice la poeta colombiana Lilian Pallares. No quieren que se les obligue a ser una sola cosa: “¿Por qué hay escoger entre ser madre, esposa o escritora? ¿Por qué no todo al tiempo?”, se preguntan Pallares, Santos-Febres y la performer dominicana Josefina Báez.

Continuar a ler no El País.

“Se empieza a hablar en Argentina de cosas de las que nunca se habló”

Published28 Mar 2012

Tags argentina literatura

Leopoldo Brizuela tocaba el piano una noche de invierno de 1976 cuando entraron en su casa varios matones de la dictadura militar argentina. Vestían de forma muy elegante. Llamaron al timbre, no rompieron nada, pero portaban cada uno una especie de metralleta en el costado. Brizuela, que entonces tenía 12 años, siguió tocando el piano. La patota, el grupo de sicarios, llamó también en otra casa del barrio y secuestró a una vecina. Más de treinta años después la misma casa fue asaltada por varios policías ladrones. A Leopoldo Brizuela le sobrevino el clic de que todos los vecinos recibieron en su día la visita de los sicarios. Y cada uno calló o lo expresó de una forma distinta. Él nunca se había atrevido a contar nada a nadie sobre aquella noche, ni siquiera a sí mismo. Hasta que hace más de un año comenzó a escribir Una misma noche, novela con la que ganó ayer el Premio Alfaguara 2012.

“Decía Roberto Bolaño que la verdad literaria es la que sale de aquello que uno no le cuenta ni al psicoanalista”, comenta el autor. “Yo seguí tocando el piano y no me acordé nunca de eso. Pero eso nunca dejó de suceder. Sólo dejó de pasar cuando pude contarlo. Y solo he podido relatarlo a través de la escritura, que como ya le he dicho a mi psicoanalista, tiene un poder mucho más fuerte que la palabra hablada”.

Continuar a ler no El País.

"No Time Like the Present by Nadine Gordimer"

Published27 Mar 2012

Tags áfrica do sul literatura nadine gordimer

Nadine Gordimer turns her hard-eyed gaze on post-democratic South Africa.

After his recent expulsion from the ANC, former ANC Youth League leader Julius Malema, who has never been known for his humility, said the people of South Africa should treat him in the same way that they had treated Nelson Mandela. In reply, the cross-dressing comedian Evita Bezuidenhout said: "What a great idea. Let's start with 27 years in jail …"

Here is a moment in South Africa's contemporary history that would surely have made it into Nadine Gordimer's new novel had Malema's expulsion not happened after her book was finished. For Malema, and South Africa's president, Jacob Zuma, stalk the pages of No Time Like the Present. Gordimer, Nobel laureate and one of the best-known chroniclers of apartheid, turns her hard-eyed gaze on post-democratic South Africa. Each beat of Zuma's march to power, each accusation against him of bribery or of rape, along with his suspension from government, his constant repetition of the resistance song "Bring Me My Machine Gun" that helped him on his return to power, are picked over and reacted to by the book's cast, as is Malema's insistence that he would, if necessary, "kill for Zuma".

Politics, and the way they play out, are the lifeblood of the couple at the centre of this book. He is Steve, white son of a Jewish mother and a Christian father, who, having used his knowledge of chemistry to make explosives for the ANC, now teaches science to under-prepared university students. She is Jabulile (Jabu for short), beloved daughter of the patriarchal Baba, who defied his people's customs to send her across the border so she could get a proper education, after which she joined the ANC. There in Swaziland, she also met and married Steve, their lives defined by the needs of the exiled movement.

Continuar a ler no The Guardian.

"Fútbol por escrito"

Published23 Mar 2012

Tags argentina literatura

Racing, River y Lionel Messi son los temas de tres libros publicados recientemente en el país, que ofrecen una visión novedosa del deporte más popular entre los argentinos.

Hace veinte años, Nick Hornby publicó Fiebre en las gradas, donde contaba su infancia y su adolescencia en los suburbios de Londres a través de su vida como hincha del Arsenal. O quizás era al revés: Hornby contaba su obsesiva relación con el Arsenal a través de sus triunfos y derrotas escolares, la relación inestable con su padre, la sorpresa de las primeras novias y la mezcla de pánico y conformismo de la adultez.

En cualquier caso, el libro tuvo muchísimo éxito y prácticamente inauguró el género de los libros de fútbol que, en lugar de mirar a los 22 animalitos en pantalones cortos, se dan vuelta y ponen la vista en otros animalitos: los apasionados, entrañables y un poco patéticos animalitos que los miramos dar patadas desde las tribunas o desde nuestras casas, con lluvia o sol, con frío o calor, a medida que escribimos nuestras propias biografías usando como mojones las victorias o las catástrofes de nuestros equipos favoritos.

Hornby, que después escribió una docena de novelas (algunas muy exitosas), tiene muchos fans en la Argentina y en Latinoamérica, pero casi nadie había intentado hasta ahora adaptar su receta a los pantanos del "aguante" y las barras bravas porteñas. De hecho, para un país tan obsesionado por el fútbol como la Argentina, es relativamente poca la cantidad de libros de fútbol que se editan. Ahora, sin embargo, han llegado juntos tres libros que tienen una visión novedosa no sólo del fútbol (y del fenómeno del fútbol como espectáculo y como parte de nuestras vidas) sino también de la escritura de no ficción. Los tres (¡Academia, carajo!, de Alejandro Wall; Ser de River, de Andrés Burgo; y Messi, de Leonardo Faccio) están editados por Sudamericana-Mondadori, que en los últimos años parece haber hecho un esfuerzo por tener atentas sus antenas de no ficción.

Continuar a ler no La Nacion.

"Hora de Clarice"

Palestra de José Miguel Wisnik - Clarice LispectorIMS - Instituto Moreira Salles.

Conferência de José Miguel Wisnik sobre Clarice Lispector realizada no dia 10 de dezembro de 2011, no Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro. Nesse dia, comemorou-se a data de nascimento da escritora (1920-1977) em uma série de eventos intitulada Hora de Clarice. Ao lado de outras várias instituições, o IMS também prestou sua homenagem na ocasião.

Wisnik é ensaísta, professor de literatura brasileira na USP e compositor e falou no IMS sobre importantes obras da escritora, como Laços de família, A legião estrangeira e A hora da estrela.

Pessoal... e Transmissível

Carlos Vaz Marques conversa com Benjamin Moser, escritor, biógrafo, autor da biografia de Clarice Lispector.

"Leer a Latinoamérica"

Published13 Mar 2012

Tags améria latina literatura méxico

En su nuevo libro de ensayos, resumen de una vida de abundantes lecturas, Carlos Fuentes ofrece, más que un canon, un itinerario personal.

¿Cómo se gestan Latinoamérica y su literatura? ¿Bajo qué demandas históricas y socioculturales? ¿Qué representa y cómo se ubica hoy esta producción en el mapa universal? Tales preguntas vertebran este libro de síntesis conceptual y estética.

El concepto de "Latinoamérica" manejado por Fuentes es lo suficientemente amplio como para exceder la lengua castellana. Incluye al Brasil, con textos fundadores como los de Machado de Assis y novelas contemporáneas, como La república de los sueños , de Nélida Piñón, y a los autores no hispanófonos del Caribe. También se permite sobrepasar las fronteras de nuestro continente al dedicar un capítulo, como "persona grata", a Juan Goytisolo, en homenaje a su visión de una España plural, verdadero antepasado de una América Latina multicultural y multiétnica. Asimismo, el autor ensancha los límites de lo que suele entenderse por "novela" para remontarse, como matriz de toda ficción en estas tierras, a la crónica de Bernal Díaz del Castillo, en el siglo XVI, y reivindicar largamente a Borges en el siglo XX, como inmenso renovador de la imaginación verbal y posibilitador, por tanto, de una novela diferente.

Continuar a ler no La Nacion.

"La periferia de la periferia"

Published8 Mar 2012

Tags equador literatura

Cuando visitas Quito no tienes otra alternativa que ir a la Ciudad Mitad del Mundo. Son pocos minutos de viaje en vehículo, pagas tu entrada y recorres las instalaciones. No es Disney World, pero te puedes fotografiar con un pie en el hemisferio norte y otro en el hemisferio sur, por ejemplo. También puedes entrar a un edificio como pirámide alongada, que sostiene sobre sí una representación de la Tierra. Adentro, descubres hechos históricos del Ecuador y te cuentan sobre la Misión Geodésica que hizo la medición y dio un veredicto aproximadamente a mediados del siglo XVIII: esta es la Mitad del Mundo. Entonces alguien se acerca y te dice: “Mire, ¿sí sabía que esta no es la verdadera Mitad del Mundo?”. Y te quedas helado. “¿En serio?”, preguntas. “Sí. La de verdad está en el monte Catequilla, 240 metros al sur. Eso lo sabían nuestros ancestros” y te señalan lo que supones es el sur. Así, dudas de lo que tienes frente a ti, y sospechas que más allá habría algo de sentido. De golpe tienes una imagen que te ayuda a entender cómo la literatura de un país en el cual se habla español sigue siendo tan exótica en otras latitudes, a pesar del denominador común del idioma: quizás se deba dirigir la mirada a otro sitio, a otro punto más al sur, a algo que tal vez sea más real.

Continuar a ler no El País.

"Mulatice de Mário de Andrade é celebrada no Museu Afro Brasil"

Published17 Feb 2012

Tags arte latinoamericana brasil literatura

Para celebrar os 90 anos da Semana de Arte Moderna de 1922, o Museu Afro Brasil, em São Paulo, abrirá nesta quinta-feira (16), às 19h, uma exposição cenográfica sobre o escritor Mário de Andrade, um dos líderes do modernismo brasileiro, ao lado de Oswald de Andrade. Com o título inspirado em "Macunaíma" (''Mário - Eu Sou um Tupi Tangendo um Alaúde"), ela trará pinturas, objetos, imagens e poemas. O curador e escultor Emanoel Araújo pretende destacar a "mulatice" do intelectual paulistano.

- É o Mário total. Sou fascinado pela mulatice de Mário de Andrade. Ele encarna essa genialidade mulata. Ele fala da racialidade mulata que deu Domingos Caldas Barbosa, Aleijadinho e todos os outros. Mário entra pela África através da religiosidade, dos ex-votos. E faz aquele lindo livro sobre Jesuíno do Monte Carmelo, de São Paulo. A ideia da exposição é muito mais sobre Mário do que pela Semana de Arte Moderna - explica Araújo.

Para ler o artigo completo no Terra Magazine, clicar aqui.

"El locro filantrópico"

Published9 Feb 2012

Tags cultura gastronomia identidade literatura peru

Platos de Ceviche. / SANTI BURGOS

El patriotismo culinario no es perverso y hasta me inspira simpatía, pero quienes sí me parecen malignos y peligrosos son los modernos adalides de la cocina de vanguardia

Sospecho que todos estaremos de acuerdo en que los conceptos de extraño y extranjero suponen unas mínimas nociones acerca de lo normal y lo autóctono, pues sólo desde el idílico orden propio -aborigen o nacional- es posible experimentar pánico, estupor, perplejidad o fascinación hacia lo extranjero. A los niños de la década de los sesenta, por ejemplo, nos enseñaron que lo extranjero siempre era mejor que lo peruano, ya se tratara de ropa, chocolates o películas. Y así, cuando la dictadura del general Velasco suprimió todas las importaciones y especialmente las de juguetes, los niños de mi generación intuimos que había países a pilas y países a cuerda.

En realidad, el temor y la desconfianza hacia lo propio y lo nacional sobrevivieron a pesar de mi formación universitaria, pues cuando mi esposa estaba preparada para recibir una inyección epidural en la médula espinal y así dar a luz sin dolor a nuestra hija mayor en un hospital de Lima, el ginecólogo sacó dos frascos y me preguntó a bocajarro: “Esta anestesia es peruana y esta otra la importamos de Estados Unidos. ¿Cuál le ponemos a su señora?”. En mi descargo debo decir que aunque todos los patriotismos y doctrinas identitarias se me antojan una suerte de opiáceo narcótico, algo me decía que sería más sencillo despertarse de una anestesia extranjera que del patriotismo farmacológico.

EL PAÍS me pide una reflexión acerca del barullo montado a colación (y colisión) de un texto publicado en el blog Vano oficio, donde el escritor Iván Thays opinaba legítimamente sobre cocina, literatura, nutrición e identidad nacional; macedonia de temas que indignó a miles de blogueros peruanos y dejó perplejos a cientos de internautas croatas (“¿por qué Macedonia?”). La verdad es que siempre había pensado que mezclar la gastronomía con la identidad nacional era como preparar un arroz con mango, hasta que descubrí que ese plato se llama Kao Neaw y es bandera de la repostería thai. Por lo tanto, no he vuelto a usar esa expresión para que los tailandeses no piensen que me río de su gastronómica identidad nacional, porque insondables son las recetas del Señor.

Para continuar a ler o artigo de Fernando Iwasaki, basta navegar para aqui.

UNESCO - Aschberg Bursaries for Artists Programme 2012

Published25 Oct 2011

Tags artes visuais bolsas literatura música unesco

The UNESCO – Aschberg Bursaries for Artists Programme has the pleasure to announce the 2012 call for applications. The Programme promotes the mobility of young artists through art residencies abroad.

This call is open to creative writers, musicians and visual artists between 25 and 35 years old.

To consult the list of bursaries available for 2012 please visit our website at www.unesco.org/culture/aschberg.

You will find direct links to institutions and instructions on the application procedures and necessary dates.

+ info: UNESCO – Aschberg, Cities and Creativity 

Section
Division of Thematic Programmes for Diversity, Development and Dialogue

Email
aschberg@unesco.org

Website
www.unesco.org/culture/aschberg   

"Welcome Akwaba Bienvenue Karibu"

 

Para quem se interessa por literatura africana, aqui fica uma sugestão: L'Áfrique Écrite au Feminin (um site onde, por exemplo, se pode 'navegar' pelo Norte de África e obter alguns títulos de escritoras com relação privilegiada com o Egipto, Tunísia, Argélia e Marrocos). 

Ce site propose un survol des ouvrages publiés en français par les femmes écrivains du continent africain, au sud du Sahara. Il vous permet de découvrir leurs romans, leurs nouvelles, leurs pièces de théâtre, leur poésie, quelques textes inédits et des interviews.

a partir do Quénia: publicações, eventos, formações e redes

Published26 Jul 2011

Tags literatura quénia

 

Fundada em 2003, a Kwani Trust é uma rede queniana centrada na actividade literária com o propósito de desenvolver escrita criativa de qualidade e empenhada no crescimento da indústria criativa através da publicação e distribuição da literatura contemporânea africana, oferecendo também oportunidades de formação, produção de eventos literários, assim como o estabelecimento e manutenção de redes literárias globais. Pretendem "contribuir para uma sociedade que usa as suas histórias para se ver a si própria de um modo mais coerente".

Ler mais aqui.

'tour dos trópicos', 'pensamento canibal': em Paraty (VI)

 

 Bike em Paraty

"Tour dos Trópicos": David Byrne (músico) e Eduardo Vasconcellos (urbanista)

O primeiro a falar foi o David Byrne que estava lançando o livro "Diários de bicicleta".

Ele como turista gosta de visitar os lugares de bicicleta porque pode ver e apreciar coisas que de outra forma não veria.

Acredita que nosso modelo atual de cidade isola as pessoas, e a cidade na verdade é um lugar de diversidade e troca.

Mostrou com algumas imagens de Frank Lloyd Wright, Le Corbusier e outros, a ideia de cidade do futuro no Século XX. Ela é cheia de 'highways', sem lugares para interação humana ou o encontro de pessoas. São cidades cheias de torres isoladas, acabando com as ruas, uma ideia bastante influente do século passado... 

A GM era durante todo esse período a maior corporação do mundo e apoiava as ideias de construção de largos 'boulevards' para muitos carros. Essa configuração é hostil para os pedestres e as cidades hoje são assim graças a essas influências.

As ruas menores tem um modelo mais caótico, pois as pessoas se encontram mais, e você nunca sabe com quem vai cruzar. Na Europa as coisas já estão mudando. Já existem cidades que tem no mesmo espaço em conjunto, bicicletas, carros e pedestres.

O Eduardo também defendeu a mudança na qualidade de vida das cidades. Mas aqui no Brasil elas vão ter que passar antes por um aumento da cidadania da população. As pessoas não conhecem seus direitos nem deveres para poderem lutar por melhores condições. Aqui quem vai a pé ou de 'bike' trabalhar é porque não tem dinheiro, fazem parte de uma classe de baixa renda.

No Brasil também ainda há o mito que todos preferem o automóvel, que faz parte da proposta desenvolvimentista dos anos 70. Assim as classes de renda mais alta, que têm um ou mais carros, ocupam mais espaço público e gastam mais recursos (energia) e poluem mais que as de renda baixa.

É preciso gerar conhecimento para gerar constrangimento ético, para que as pessoas usem mais o transporte público, a bicicleta ou andem a pé. Transformar esse espaço hoje hostil às pessoas e caminhar em direção a uma nova cidade.

A palestra do David Byrne foi bastante esperada, foi legal, mas as pessoas claramente esperavam mais, talvez que ele cantasse? 

Praça

'Pensamento Canibal': Eduardo Sterzi e João Cezar de Castro Rocha

Essa mesa faz parte da homenagem ao Oswald, e eles falaram dos desdobramentos da antropofagia depois de seu momento inicial em ‘22.

João Cezar foi primeiro a falar e colocou uma pergunta para depois tentar responder:

“A antropofagia define a sensibilidade do brasileiro (se tiver caráter histórico) ou é universal (questão antropológica)?”

A resposta é e não é. Porque ela tanto pode ser uma teoria sobre a alteridade cultural, quanto foi elaborada num período específico para atender a um problema específico. Foi escrita em São Paulo em 1928.

Uma das questões é que, para assumi-la como universal precisaríamos ainda ter que despir o Oswald de sua “brasilidade”. Por ainda não termos superado um complexo de colonizado, não a transformamos numa teoria universal.

No Manifesto detectamos aspectos locais (necessidade de nos atualizarmos em relação à Europa, a colonização portuguesa), e também aspectos universais.

Assim a antropofagia é de fato uma teoria cultural, mas uma teoria onde as circunstâncias são assimétricas. Ou seja, ela é acionada pelo dominado, por quem está na posição de desfavorecido, por nós e não pelos europeus. Preservamos uma capacidade de seleção, pois ainda precisamos recorrer à Europa, mesmo hoje.

Ressaltou que é preciso se reinventar a crítica cultural no Brasil, que se baseia num modelo de falsa dicotomia entre local versus universal que foi útil até à década de ‘60.

O Eduardo ressaltou que o Oswald é visto como um clássico e assim fica circunscrito a dois períodos de ‘22 e de ‘60. E ele escreveu a vida toda, se aprimorando, até morrer.

Mais que uma teoria da cultura, nos seus escritos tem teoria para tudo: economia, direito, estética, religião.

A ideia da antropofagia não é original e o Oswald também fala isso. Lembraram Catão, Rabelais e em 1919 Picabia com “canibal-dada”...

O que o Oswald fez foi alterar o fluxo das trocas culturais, usando como matéria-prima um conceito que transformou para criar uma teoria. O poeta antropófago só sente a alegria da influência.

Doces

Imagens e textos de Madame de Stael, correspondente em Paraty

mais histórias de Paraty (V)

Barco (Amor Eterno)

Joe Sacco - 2 livros lançados aqui: "Notas sobre Gaza" e "Palestina"

O fluxo das informações é controlado pelos oligopólios da imprensa, por isso ele opta por um jornalismo em quadrinhos. Passa um tempo nos lugares, Bósnia, Palestina, etc... convivendo com as pessoas. Faz os desenhos tempos depois, mais amadurecidos e já mais carregados de sentido.
Está preocupado com a realidade dos civis que são os que mais sofrem com a guerra. Suas vidas lhe são retiradas, um dia você tem um futuro no outro não mais.
Através dos quadrinhos ele acredita que pode trazer o leitor mais próximo daquela realidade. No desenho ele pode voltar ao passado, pode desenhar de perspectivas que às vezes nao é possivel na fotografia. Em locais muito tensos, onde é proibido fotografar, como check points, ele faz sketchs. Nos quadrinhos pode mostrar repetidamente um cenário ao fundo, enquanto na ação principal apresenta um diálogo dando uma outra dimensão mais dramática, o que não é possivel na escrita. 

Ou ainda com múltiplas imagens pode ir para frente e para trás.
Uma outra coisa bem legal que ele falou, foi sobre a atividade de jornalista. O jornalismo é visto e ensinado com uma obsessão pela objetividade. Mas na realidade as coisas não são bem assim. As pessoas contam coisas que às vezes são contraditorias, existem vários pontos de vista e a memória engana. Ele mesmo como jornalista de outra cultura tem preconceitos, e tudo isso ele deixa a mostra, dando espaço para eventualmente ser confrontado pelas pessoas das quais ele fala.
O jornalismo e juntar informações não são uma ciência e ele quer mostrar essas contradições.
É autodidata no desenho e sua influência é Bruegel "The Elder". (Tem tudo a ver!)
Foi muito boa essa mesa!

Tenda dos Autores

João Ubaldo Ribeiro - 'alegorias da ilha brasil'

A palestra foi divertida, agradável, ele é incrivelmente bem humorado.
Entrevistado por Rodrigo Lacerda, sempre com uma pergunta sobre cada livro. As respostas sempre tinham muita história.
Aqui algumas respostas:
A primeira pergunta: Parece que Itaparica é o cenário dos livros. Seria uma metáfora do Brasil? Mas ele diz que não sabe, que acaba sendo assim. As ilhas são fictícias. Esse ambiente faz parte da sua formação, é o que conhece. Ele diz ter uma certa insegurança em escrever sobre o Rio. No final os textos saem com cara de Itaparica.

Não se preocupa com a veracidade mas com a verossimilhança. Não é realidade, mas invenção.

Em '63 quando publicou seu primeiro livro, se considerava engajado, político, que mudaria o destino da humanidade e iria ganhar o prémio Nobel... mas a vida não transcorreu assim... (Toda a conversa é falada com bom humor, cheia de risos... Aqui não vou conseguir expressar)

Diz que o escritor escolhe que tipo vai ser, a decisão é sempre de cada um.
Para o jovem que deseja ser escritor, é preciso ler muito, ser humilde, obstinado e o resto é um mistério. Sempre existe o imponderável para o êxito profissional, não há receita.

Sobre "Sargento Getúlio", fala ser esse o nome de um dos sargentos do pai, que era chefe de seguranca.

O livro foi comparado ao "Grande sertão veredas," porém ele não concorda. Diz que o seu santo não bate com o do Guimarães Rosa. Reconhece a importância dele na literatura, principalmente por que conhecia bem Graciliano Ramos e sabia do seu sofrimento em traduzir os diálogos do sertão numa prosa mais "culta" e Guimarães Rosa rompeu com isso.
Depois de um tempo e já com livros publicados, e: "sabendo que não ganharia o nobel," conta que as pessoas só falavam do Sargento Getúlio. Não queria ser reduzido a esse livro, e "Vencecavalo e o outro povo" título que ninguém nunca lembra, nem ele, partiu da vontade querer escrever: "o retorno do Sargento Getúlio," e queria (isso na gozação), escrever a volta, o filho, a cavalgada todas do Sargento Getúlio. Um desses títulos achou que poderia ser o título para o novo livro. Foi conversar com Jorge Amado que lhe deu um "esbregue"(bronca). Assim o livro de contos ficou com o título de um dos contos.... esse que ninguém nunca lembra.
"Vila Real" é um livro que ele adora, mas fica magoado que ninguém leu. Tem universo semelhante ao "Sargento Getúlio" com linguagem mais rebuscada. 
Um dia implicaram que por aqui só se escreviam livros finos. E essa foi a génese do "Viva o povo brasileiro." Ele queria mesmo era escrever um livro grosso. Conta que não queria entregar os manuscritos de jeito nenhum, não queria mais parar de escrever e reescrever. De tão grande, chegou até a pesar a pilha dos originais. Ainda hoje, se ele abre o livro, acha algo que quer reescrever.
O livro não teve nada a ver com querer reescrever a história do Brasil e falar dos oprimidos. Queria só fazer um romance caprichado e grosso para mostrar ao tal fulano que disse que ele escrevia "livrinho." (acho que foi um editor)
Para os personagens pensou em canalhas notórios e que se tivessem poder de vida e morte, o que poderiam fazer.
Em relação ao "Sorriso do lagarto" disse que tem medo do ser humano pilotando seu próprio destino. Não é otimista em relação a humanidade. Todos somos contraditórios e nossa ruindade tem prevalecido ao longo da história.
Sobre a "Casa dos budas ditosos" falou, e brincou com o fato que o livro agrada as mulheres e deixa os homens intranquilos. 
Ofereceram a ele escolher o pecado. Não escolheu a preguiçaa por ser baiano. Escolheu luxúria e sobre a inspiração disse: "cheque gera inspiração, foi uma encomenda, assim que se geram as obras de arte" (a conversa sempre em tom de humor e risadas e esse foi um desses momentos).
Sobre seus personagens ele disse que eles tem vida própria. Quer que casem e eles não casam."Eles só fazem o que querem." 
Foi divertido, leve, todos aplaudiram de pé. Típico espirituoso bom humor baiano brasileiro.
 

Telhados

Com James Ellroy

O livro que ele está lançando aqui é "Sangue Errante". Acontece depois dos assassinatos de Kennedy e Martin Luther King e antes de Watergate. É sobre homens ruins amando mulheres poderosas. Para ele o encontro entre um homem e uma mulher é o máximo e depois tudo é resto. A redenção vem através do amor. Os personagens são pessoas ruins, fazendo coisas más em nome do poder.

Ele é um showman. Disse que gosta mesmo de enterter a plateia. Fez várias piadas. Como a venda dos li vros para cinema ajudaram a pagar os divórcios dele. Não comenta se achou os filmes bons ou ruins, não liga. Não usa a internet nem computador. E diz que tenta "hold his curiosity in" para ficar no tempo dos livros dele. É vidrado em Beethoven. Tem bustos dele por toda a casa.

Quando perguntado o que ele achava de ter sido chamado de Dostoiévski americano responde: "I will take it but never read it, or Tolstoi or any russians, don't know anything about Russia", só alguns pianistas. Perguntaram também sobre a relação entre filmes noir e tragédias gregas com seus livros. Ele respondeu que já tinha namorado uma grega e que os gregos que conhecia eram donos de giro no Queens. Típico americano que nunca tinha vindo ao "third world e até que não é tao mal quanto ele imaginava".

Se diz cristão mas não vai a igreja. Tem um discurso moralista pois apesar de não julgar seus personagens eles fazem coisas ruins, se entregam aos pecados da carne, mas acabam indo para o inferno. A história é de sucesso e apesar daquela coisa típica americana (estava usando camisa florida), não sabia nada do resto do mundo...

Mas a sinceridade com que assumiu o que não conhece da literatura ou do mundo, sem rodeios me fez simpatizar com ele. Além disso tem uma história dark. O livro "Black Dhalia", foi uma maneira de expressar o que sentia pela morte da mãe através do que sentia pela morte da Elizabeth Short. A mãe também foi brutalmente assassinada num crime sem solução. Depois foi morar com o pai, um homem permissivo, se envolveu com drogas, etc... Beethoven é a figura masculina na vida dele. Seu ídolo desde os 12 anos. Disse que sempre quis ser 'novelist', queria uma identidade, os 'cool friends', 'cool car', dinheiro. Não boas razões para fazer arte. Até que deixou isso de lado, largou as drogas, uma história veio e só aí pode escrever.

Terminou recitando um poema para falar "why do I write" de Dylon Thomas.

Imagens e textos de Madame de Stael, correspondente em Paraty

'Ficções da diáspora', via Paraty (IV)

Na foto: Caryl Phillips

'Ficções da diáspora', com Kamila Shamsie (Paquistanesa - vive em Londres) e Caryl Phillips (Caribenho - vive nos EUA)

O livro "Sombras Marcadas" partiu de uma leitura que ela fez a respeito do bombardeio em Nagasaki. Chamou muito sua atenção o fato de que no momento do bombardeio as pessoas que estavam de kimono preto e branco (que absorve/repele calor), ficarem com as estampas impressas na pele. E seu livro parte da vontade de imaginar a história de uma mulher que passou pelo bombardeio. A narrativa se inicia no Japão, passa pela Índia, Paquistão, acabando na guerra ao terror.

Não me instigou. Ao contrário do Caryl. O livro "A travessia do rio" tem a intenção de contar a história do atlântico a partir de histórias pessoais. Nós no Rio, em NY, África e Europa temos essa história no nosso passado como uma grande narrativa, factual e também abstrata. Ao contá-la do ponto de vista das pessoas, das várias pessoas envolvidas, cria uma situação mais íntima com a qual nos relacionamos mais.
O personagem de quem ele mais fala, é um negro que vende seus filhos como escravos, porque perde sua plantação.
Falaram também sobre o trabalho do artista. É preciso ser um pouco louco, para achar que suas obsessões privadas possam interessar as pessoas. A arte seria também uma necessidade de entender o mundo (verdade). It's a leap of faith. 

Ele (que gostei muito) falou ainda que o trabalho do artista não é curar uma sociedade, mas levantar um espelho, com dignidade, para que a arte nos mostre quem somos. 

Texto de Madame de Stael, correspondente em Paraty

Uma aula de ciência e outra de filosofia, em Paraty (III)

Declamador na FLIP 

"Uma aula de ciência e outra de filosofia": Pola Oloixarac (Argentina) e valter hugo mãe (Angola/Portugal)

O livro dela "As teorias selvagens" parte da ideia de uma guerra cultural. Guerra por significados. Como o conhecimento pertencendo a uma casta separada das paixões "baixas."
Ela busca através da ironia dar conta de uma relação privilegiada com o conhecimento. Tenta criar uma imaginação política, pois há uma tradição da literatura política na América Latina ser muito militante e séria, que ela deseja quebrar com seu livro.
Mistura tecnologia, luta política no âmbito cultural, junto com uma subjetividade que emerge numa potência selvagem... Parece interessante. E ela tem uma aparente obsessão com a luta política.
O valter fala da morte, parece obsecado por ela. Conta que o pai vivia achando que ia morrer até que morre aos 59 anos. Muito simpático, sensivel, fala que busca nos livros que escreve suprir uma falta, algo que não tem na sua vida. Falou muito do outro, da tentativa de entender o outro, da procura pelo outro, como algo que pode ensinar-nos sobre nós mesmos. Seus livros começam sobre um outro e terminam nele, encontrando esse outro dentro de si mesmo.
Deixou todos muuuuito emocionados e foi realmente lindo, quando ele leu uma crônica que escreveu para falar da sua relação com o Brasil.
Foi tão lindo. Ele chorou, muita gente chorou, tenho certeza que vão por online. E tem que ver.
E o livro parece legal mas deve ser triste p'ra xuxu! 

Imagem e texto de Madame de Stael, correspondente em Paraty

'O Humano além do Humano' na FLIP, de Paraty (II)

Café na FLIP

"O Humano além do Humano": Miguel Nicolelia (Neurocientista) e Luiz Felipe Ponde (Filósofo)

Nicolelis pode ser candidato ao Nobel por suas descobertas sobre o funcionamento do cérebro. Ele mostrou como nosso cérebro pode continuar com consciência a viagem pelo mundo liberto do seu corpo.
Pode-se criar ação com as descargas elétricas, para recuperar funções motoras e vice-versa. Isso é uma vitória da ciência brasileira.
Quer na Copa que uma criança paraplégica chute o primeiro gole. Ele está muito próximo de alcançar isso.
Então foi um debate entre a ciência e o filósofo que acredita que o ser humano não é confiável, que esse projeto de superação vem desde a República de Platão, como um projeto da eugenia.
Que depois que os cristãos perdem a fé, surge a fé na ciência para substituir (Nietzsche).
Ele coloca que a vida humana não se sabe de onde veio, nem para onde vai e que o homem não se pode confiar em si mesmo.
O ser humano não é linear. O sofrimento sempre nos encontra, e sofrer é que nos faz humanos. E a vida dá sempre errado ao final.
Foi um debate mas eu acho que as 2 opções não são tão opostas ou distantes. Vêm do mesmo lugar. Essa coisa da vida dar sempre errado tem um algo darwinista, que está ligado a evolução que está ligado na ciência de certo modo e nessa busca por melhorar, ou sobreviver.
No final o Ponde diz que não. É que não temos que tentar ir para além do Humano para resolver os problemas, mas que vão se criar outros problemas.
Discutiu-se fé versus ciência, como ciência e religião estão próximos, etc...
Os 2 eram muito carismáticos, e são também professores, foi legal essa mesa.

Imagem e texto de Madame de Stael, correspondente em Paraty

Breyten Breytenbach

Um poema de Breyten Breytenbach

HÁ UM PÁSSARO IMENSO

há um pássaro imenso meu amor

talvez um cisne selvagem

ou um albatroz cativo

ou falcão da montanha meu amor

de imenso e luminoso pico de neve

o seu rumo nocturno não podemos vê-lo

pois negro é o seu peito e o seu bico

mas o seu canto vibra como uma estrela

o dorso, e as ósseas penas, são azuis

e assim, também de dia não o vemos

porque voa, na altura, de ventre virado ao sol

dele, apenas, por vezes, duas sombras

atravessam teus olhos meu amor

dúbia é a cor da cor do meu amor

escuro rondando o escuro, noite minha

e sempre, sempre entre os meus olhos e eu

trad. de Mário Cesariny

Dreams in a Time of War, A Childhood Memoir De Ngũgĩ Wa Thiong’o

Published18 Mar 2011

Tags literatura

(do blog da Cotovia)

Nas revistas especializadas em literatura surgem semanal, mensal, trimestralmente críticas, resenhas e listas dos livros publicados durante o ano e daqueles que se prevê para a próxima temporada – todos, supostamente, para serem lidos –, há programas de Tv. que anunciam, com simpatia, livros e novos autores, centenas de links de livrarias e de editoras listam centenas, milhares de obras de literatura, as nossas bibliotecas enchem-se de livros, amontoam-se livros pelas casas, tantos que nunca leremos, e nos jornais saem críticas, resenhas, algumas até que pontuam com estrelas para nos facilitar, supõe-se, a economia das aquisições e, no meio de tantas obras, tantas vezes nos parece tudo tão igual, “tão do mesmo ou tão copiado”, com mais ou menos interesse. (continuar a ler)

António Pinto Ribeiro

Patricia C. McKissac

Published14 Dec 2010

Tags África literatura patricia c. mckissac

Acaba de ser traduzido para francês a obra de Patricia C. McKissac. Em inglês "Nzhing: Warrior queen of Matamba". Em francês "Nzhinga, princesse africaine 1595-1596". Trata-se de um suposto diário que esta Rainha africana teria escrito durante um ano, teria ela 12 anos de idade. O diário trata dessa adolescência no contexto do que viria  a ser Angola, no momento da colonização aguerrida dos portugueses e, em particular no contexto da escravatura. Completamente ficccionado este diário tem a qualidade de apontar o que terá sido esta personagem esclarecida, futura rainha, negociadora implacável, que aprendeu a escrever português para "melhor conhecer o pensamento do seu inimigo" e ainda nos permite ter uma noção da complexa e fascinante da estrutura política e social do reino Ngola.

Lettre à Delacroix

Published10 Dec 2010

Tags África delacroix literatura tahar ben jelloun

Em edição de bolso da Folio, acaba de sair mais uma experiência literária do escritor marroquino há muitos anos a viver em Paris. Desta vez trata-se de, a partir dos desenhos em aguarela feitos por Eugène Delacroix em Marrocos em 1832 quando para ali viajou, escrever uma carta ao pintor em jeito de homenagem ao modo como o pintor tão bem retratou o "seu povo" e os ambientes quentes da África do Norte. Lindíssimas são as reproduções a cores de muitas dessas aguarelas, bem como as referências ao Diário de Viagem que Delacroix também realizou.

Crónicas da Minha Tia de África

Published7 Dec 2010

Tags África elisa santos literatura

 

de Elisa Santos

É assim uma combinação de cartas de longe a um sobrinho com pequenas narrativas fílmicas sobre lugares, personagens, situações, paisagens e ainda um conjunto de aporias disfarçadas de conselhos de tia. E tudo isto vem de África para o Continente, mais exactamente para o Porto como é identificado pelas ruas e lugares desta cidade referenciadas ao longo dos textos. O livro nada tem de textos inocentes - se os há?!- sobre a vida em  lugares da áfrica sub-sariana, pelo contrário são textos de enorme investimento da autora sobre a vida das populações, a mutação das cidades, a política dos governantes e o seu reflexo no quotidiano. Digamos que nestas curtas histórias há uma manifesta intenção de partilha de saberes sobre lugares de que supostamente o Nuno - assim se chama o sobrinho- desconhece mas que lhe são interessados como experiência de crescimento no mundo.

Há momentos particularmente encantatórios feitos a partir de uma realidade, ela própria em mutação e em crescimento, seja na aprendizagem da língua, seja na ocupação do espaço urbano. Por exemplo uma mensagem do Sebastião às 6h 18m : " DIA BOSS O GIRADOR ESTA VARIADA ASSIM PEDIMOS COM AMASSIMA URGENCIA".

Um outro aspecto, uma qualidade literária, sim, é a delicadeza com que todas as personagens são tratadas: na descrição dos membros de uma família muçulmana, na nomeação dos frutos e dos alimentos, na descrição das paisagens - tanta imensidão e tanta delicadeza. E as metáforas, poucas, quando aparecem, também elas são respeitosas: " A Beira é uma cidade feminina. Uma espécie de tia idosa, que usa bâton e pó-de-arroz, que mantém a elegância mas não esconde as ruas." Crescer a aprender África desta maneira é um privilégio de leitor.

O livro tem ainda a participação cuidada e inventiva do designer João Oliveira, do artista plástico Pinto e do fotógrafo Mauro Pinto.

TEMPO DE OUVIR O ‘OUTRO’ ENQUANTO O “OUTRO” AINDA EXISTE, ANTES QUE HAJA SÓ O OUTRO...

Published13 Aug 2010

Tags África angola literatura ruy duarte de carvalho

(Conferência proferida por RUY DUARTE DE CARVALHO a 27 de Outubro de 2008 no âmbito da Conferência 'Podemos viver sem o Outro?'/Programa Gulbenkian Distância e Proximidade. Este texto está publicado no  livro com o mesmo título pela Tinta da China/Fundação Calouste Gulbenkian)

Ruy Duarte de Carvalho

........fazendo eu parte, cívica, emotiva e intelectualmente, da categoria geral do OUTRO em relação à Europa, também por outro lado a questão do OUTRO, e dadas as condições fenotípicas e de origem que me assistem, tem feito sempre parte da minha experiência existencial e pessoal dentro do próprio contexto, africano e angolano, em que venho exercendo a vida e ofício......  isso me tem levado, para poder ver se consigo entender o mundo e entender-me nele e com ele, a identificar e a reconhecer uma multiplicidade de OUTROS........ no presente caso retive apenas três categorias de OUTRO, que são as que me parecem capazes de permitir-me  tentar expor o que poderei ter para dizer aqui..........

.....considerarei aqui como OUTRO, sublinhado ou em itálico, os indivíduos e os grupos, muitos deles já nascidos ou constituídos no territórios das ex-metrópoles a partir de genitores ex-colonizados ou provenientes de ex-colónias e que hoje integram, de pleno direito estatutário, as populações nacionais dessas mesmas ex-metrópoles embora reconhecidos como diferentes da massa dominante através de traços fenotípicos ou culturais......... como ‘OUTRO’, entre apóstrofos, o ex-colonizado ocidentalizado com que o ocidente lida nos contextos das ex-colónias........ e finalmente como “OUTRO”, entre aspas, aquele sujeito marcado por traços afetos a populações que, integradas embora como nacionais em estados-nação que hoje existem a partir de contornos ex-coloniais, mantêm usos, práticas e comportamentos mais afins a quadros pré-coloniais do que pós-coloniais ou mais ou menos ocidentalizados........ quer dizer, subsiste  aí, em muitos casos, um “outro” não, ou ainda não completamente, ocidentalizado ....... . o qual, no decurso de um presente que é também o nosso, continua a ser objeto, evidentemente, de uma pressão ocidentalizante que acaba por ser a marca dominante do seu comum dia-a-dia de pessoas que à luz dos proclamados direitos do homem valem tanto como quaisquer outras pessoas no mundo..........

......só que a sua situação e a sua condição se revelam tão diferenciadas nos contextos nacionais em que subsistem que, da mesma maneira que aqui na Europa, onde estou agora a falar, as ex-metrópoles parece não saberem muito bem às vezes o que fazer com o outro, em itálico, que vem ao mundo em território seu, também o ‘outro’, entre apóstrofos, que gere os territórios das ex-colónias, parece também por seu lado ter dificuldade em saber o que fazer com esse “outro”, plenamente entre  aspas.........

..........este será, em meu entender, um dos problemas, um dos impasses colocados ao mundo de hoje pelo processo histórico que veio a configurá-lo e continua a dinamizá-lo tal como ele hoje existe, e é evidente que estou a falar da expansão ocidental como ela se tem desenvolvido e mantém em curso.................

*

.........outros problemas porém, muitos dos quais, de novo em meu entender, acabam por constituir-se ou configurar-se como impasses, assistem ao mundo de hoje na decorrência, precisamente, e insisto, da expansão ocidental e do lugar que a matriz ocidental de civilização acabou por impor ao mundo inteiro.......... de um modo tal, aliás, que as evidências de uma situação assim não deixam de suceder-se e impor-se cada vez com mais premência, como está acontecendo exatamente neste preciso momento com a crise financeira que o mundo está enfrentando.......... parece que o mundo ocidental, e ocidentalizado, não pode decididamente ignorar mais a necessidade urgente de fazer alguma de inédito por si mesmo.......... do que nestas últimas semanas tenho insistentemente ouvido a tal respeito, retenho apenas que todos as instituições e os governos ocidentais chamados a pronunciar-se sobre a crise em presença se viram perante a necessidade de afirmar que as suas atuais preocupações dominantes com a finança não devem nem podem ofuscar, nem preterir, nem retardar a preocupação vital e global com a saúde, a preservação e salvação ambiental do planeta.......... e mais ainda que os developping countries, que não são exatamente aqueles que mais imediatamente são convocados para encarar a crise do mundo geral, ocidental e ocidentalizado, exigem ser ouvidos quanto antes........

............e é aqui que me ocorre formular a seguinte pergunta: sendo que o mundo global reconhece ter de fazer imperativamente alguma coisa por si mesmo em relação à sorte global do globo, sendo que as vozes emergentes terão obrigatoriamente de ser ouvidas, não seria talvez então também já agora altura de atender ao que toda a espécie de vozes que o mundo ainda comporta poderá ter eventualmente a dizer no interesse talvez de todos? ............. mesmo as vozes daquele “outro” que eu aqui identifico envolvido entre cerradas aspas?......... que podemos viver sem ele, recorrendo ao mote deste encontro, talvez possamos, até porque ele vai inexoravelmente desaparecer, mas não seria pertinente, para o debate e para a sorte do mundo, tentar ou ensaiar ouvi-lo ainda, enquanto existe?.........

*

.............estou a sair da Namíbia, onde de há cinco meses a esta parte tenho usufruído do luxo de poder dedicar-me exclusivamente a um livro que estou escrevendo........... é um livro de meia-ficção, na sequência de outros em que tenho tentado essa modalidade, e cuja ação se desenvolve em grande parte no Sudoeste de Angola e no Noroeste da Namíbia, onde subsistem precisamente populações que eu posso identificar com o tal OUTRO absoluto que tenho vindo a referir..... quando recebi lá o convite para participar neste encontro, acedi sem grande hesitação porque em meu entender me via colocado uma vez mais numa situação em que a realidade vem ao encontro da ficção e poderia de alguma forma integrar o estar agora aqui no programa que me tinha anteriormente imposto e via assim interrompido..........  na trama do enredo que tenho vindo tratando nesse livro em curso, dois dos seus personagens concebem a certa altura poder ter para propor ao mundo, a partir das cosmologias e das cosmogonias locais, australo-africanas, para o caso, a figura de um herói tutelar perfeitamente adequado às preocupações, às aflições e às urgências que parecem impor ao mundo em que vivemos uma resposta pronta, eficaz, adequada e no entanto bem difícil de conjeturar ou conceber porque essas preocupações, aflições e urgências decorrem afinal de pressupostos e de dinâmicas que o mundo moderno, ao mesmo tempo, parece pouco disposto a pôr em causa.............

.........o herói em questão dá pelo nome de Nambalisita, e é figura de grande estatura no imaginário e na expressões das populações da região a que me referi e que também costumo identificar como mancha clânica pastoril do Sudoeste da África, constituída sobretudo por populações herero, ovambo e nyaneka........ Nambalisita, com quem eu lido de muito perto desde que há mais de um quarto de século rodei um filme chamado Nelisita, é aquele que se gerou a si mesmo...... ele nasce de um ovo auto-fecundado.......  e contra o mal e os maus e os desconcertos do mundo, Nambalisita faz apelo aos animais todos da criação, seus irmãos, os seu s rapazes, e até mesmo à criação inteira.........

..........só que, sabem os personagens do meu livro muito bem, não será fácil propor um herói desses ao mundo ocidental e ocidentalizado, que detém as rédeas do mundo e dos seus destinos.... Nambalisita emerge de uma matriz  cosmogónica e cosmológica que não é a que conferiu ao ocidente o poder para vir a ocupar o lugar que hoje ocupa no mundo globalizado...........  enquanto para nós aqui, nesta borda da África, refere um desses personagens,  para a nossa maneira de ver as coisas a tudo quanto é vivo assiste uma alma igual que afinal cada ser vivo, seja ele pessoa, hiena ou lagartixa, exprime, vivendo, conforme o corpo de que dispõe, para os brancos e para aqueles que os brancos converteram, domesticaram à maneira deles, é tão só o corpo que identifica o homem enquanto animal, porque o que o que constitui como homem é ter uma alma de que o resto da criação não dispõe........ é essa a expressão da razão, da arrogância e da soberba invasora......... ela coloca o homem fora da condição biológica como se ele estivesse a salvo de tal baixeza e partilhasse com deus, só ele e não o resto da criação toda, da condição divina........... o homem no centro do universo e a servir de medida a tudo, até a deus....... antropoformização de tudo, mesmo de deus........ o divino configurado como um deus branco de barbas brancas.............. tudo domesticado segundo um modelo que previa até o selvagem que nós seríamos aqui, um meio-humano que só tem acesso ao patamar da humanidade, só é verdadeiramente humano, quando aferido em relação não à medida do resto da criação no mundo, mas à da maneira de certos  homens que têm uma versão do mundo e da vida que impõem aos outros, e armas, meios e dispositivos para tirar benefício disso....... o universo feito para uso deles e, em nome de deus e da civilização, autorizados a converter entretanto o mundo todo, divino, humano, animado e inanimado, às suas maneiras, à sua maneira........... uma maneira, a do paradigma que cobriu a expansão ocidental, portanto, que não pecava afinal por sobreestimar as pessoas......... não as colocava mas é tão alto quanto lhes cabe........ porque, mesmo depois de ter chegado o tempo das descolonizações e da entrega das soberanias locais aos ocidentalizados que provinham das populações indígenas anteriormente encontradas, o que de facto aconteceu foi legar-lhes, sem nação ou arranjo pluri-nacional, uma herança envenenada de estados modernos definidos por fronteiras políticas coloniais historicamente recentes e alheias aos diferentes e muitas vezes distintos grupos ou sociedades envolvidos ou retalhados........... e exigiu-se-lhes de pronto o desempenho de estados-nação num mundo universal onde as regionalides dominantes em vias de consumação no quadro político das globalidades operam, ao mesmo tempo, no sentido de se desembaraçarem dessa figura política de estado-nação, como está acontecendo por exemplo com a Comunidade Europeia..........

........só uma grande volta paradigmática, portanto, acrescenta então outro personagem plenamente ao corrente das terminologias ocidentais............ paradigmática e verdadeiramente pragmática....... mas que não contemplasse esses pragmatismos oportunistas e cínicos em que a categoria do necessário e do vantajoso substituiu completamente a do possível e consistem em não conseguir encarar nada sem fazer logo as contas do beneficio parcial que a  situação inspira e não olhar para o mundo senão em função disso........

.......da mesma maneira que seria necessário ter em conta que a uma tal volta paradigmática não bastaria admitir que o “OUTRO” pudesse ser capaz de ver os fenómenos e o mundo e avaliá-los e equacioná-los e aproveitar-se deles segundo as suas razões e os seus interesses, como faz o ocidental.... isso não é volta paradigmática nenhuma, é uma questão de bom senso.........            volta paradigmática será admitir, e reconhecer, que alguém, mesmo sendo o “OUTRO”, pensando de uma maneira radicalmente diferente, possa conseguir ver certas coisas e certos fenómenos de uma maneira melhor e mais adequada à efetiva configuração do mundo, e que os ocidentais e os ocidentalizados,  nesse caso,  é que teriam a aprender com o “OUTRO”, e que isso acabaria por convir a todos........... uma volta, assim, que permitisse, perante os impasses que a expansão e a imposição do paradigma ocidental produz no mundo inteiro – inclusive nessas partes do mundo de onde ele saiu porque estão agora a contas com o troco, que são os filhos dos ex-colonizados, que estão a nascer lá –, permitisse ao próprio saber ocidental achar ser tempo de prestar uma atenção diferente aos chamados discursos arcaicos, dar-se a uma contra-descoberta, por assim dizer, daqueles que antes foram descobertos pelas caravelas......... o que talvez, na linguagem dos especialistas, pudesse ser formulado dizendo que seria tempo de ouvir o ‘outro’ enquanto o “outro” ainda existe, antes que haja só o outro, o tal imprevisível mestiço universal que o tempo se encarregará de produzir.........

..........é isto que os meus personagens dizem no livro que estou a escrever e interrompi para poder estar agora aqui......... esse livro virá a estar à disposição de todos dentro de algum tempo, e só vou deter-me agora aqui num dos aspectos que enunciei: ouvir ainda esse “OUTRO” enquanto ele ainda existe....... ainda existe mesmo?...........

*

....existe ainda sim, em certas partes do mundo como aquela de onde estou a sair e me mobiliza de há décadas a esta parte a atenção total......... e se me empenho agora aqui em fazer campanha para que esse “outro” seja ainda tido em conta e ouvido não é tanto porque entenda que devemos ir todos escutar atentamente o que os mais-velhos de lá poderão ter ainda para dizer e para nos ensinar........ a minha experiência de antropólogo leva-me a encarar com a maior prudência o que os mais velhos de hoje poderão vir a dizer aos que os abordam para interrogá-los......... dizem exatamente aquilo que muito pragmaticamente entendem que lhes convém que os outros ouçam, como acontece seja com quem for em qualquer parte do mundo......... será antes imperativo, em meu entender, ter essas populações em conta porque elas ainda hoje, neste preciso momento, continuam a ser alvo de uma violentação, de uma lesão, que lhes é imposta pela expansão ocidental ainda em curso e acionada tanto por ocidentais estrangeiros como por ocidentalizados compatriotas seus.......

....não estou aqui mandatado por ninguém para falar em nome seja de quem for....... falo por mim.......... não defendo nenhuma causa, assumo uma questão que diz respeito à minha própria razão de existir......... mas não posso deixar de referir, quando sou chamado a pronunciar-me acerca de questões que se reportam ao lugar do OUTRO, de que forma me aflige, para não dizer de outra maneira, ver populações que eram assediadas antes por agentes da ocidentalização impondo-lhes assumir os sinais e as maneiras do modelo ocidental e do progresso tecnológico e que são assediadas hoje pelos mesmos agentes ou equivalentes que agora pretendem impor-lhes a preservação dos sinais e as maneiras dos seus modelos arcaicos e não-ocidentais porque isso passou a insinuar-se como o mais rentável tanto para uns como para os outros desde que se deixem integrar em menus de programas turísticos e se deixem representar como expressões de um exótico ecológico e redentor ao lado de outras atrações bizarras como manadas de zebras, de elefantes e de gazelas.............

....não me perguntem que soluções proponho para problemas desta ordem........ não sou nem político, nem profeta, nem militante seja do que for......... mas terão certamente o direito de pe rguntar-me aonde quero chegar se não tenho propostas para salvar o “OUTRO” e todavia ainda assim convido a que esse outro seja tido em consideração e ouvido embora também não proponha que vão lá ouvir o que os mais-velhos poderão ter para ensinar.......... que tipo de ação ou de atitude me leva ainda assim a pretender reter-vos a atenção?........

*

......o que eu proponho é bem simples e ao alcance de interessados e de profissionais susceptíveis de ser congregados à volta de questões desta natureza............. não é ter um caminho a propor....... é antes ter algumas idéias para uma eventual hipótese de poder vir a ajudar a encontrar maneira de achar um caminho....... admitir uma possível perturbação, reconfiguração ou mesmo substituição prospectiva, pragmática e programática do paradigma cosmogónico, cognitivo, institucional e político ocidental / global / universal, recorrendo a outros quadros paradigmáticos...... não se trataria de introduzir qualquer espécie de remedeio, de compensação ou de arranjo nos terrenos do paradigma humanista, mas antes de tentar configurar, ou  reconfigurar, um novo paradigma.............. no âmbito desta proposta a hipótese apenas seria encarada a partir e através da identificação, da convocação e da possível integração de dados provenientes de outros quadros de concepção, cognição, representação e ação afins a géneses  africanas e outras...... não se trataria seguramente de tentar suster a mudança mas de convocar outros saberes, outras visões, outras maneiras, outras hipóteses de mudança para além da que é imposta pelo programa ocidental........ nem se trataria de visar a substituição de um paradigma por outro ou de propor um melhor que o outro......... mas alvitrar apenas alguma ação que soubesse extrair do que se sabe, e de todos os meios e expressões, alguma maneira melhor de lidar com toda a ordem de impasses sem estar a criar sempre novos impasses civilizacionais, acrescentando novos impasses a toda a ordem deles.........

........voltando à proposta, pois: não será eventualmente possível encarar a hipótese de poder extrair de outros quadros paradigmáticos que não o do humanismo ocidental algo que venha ao encontro do próprio interesse global irreversivelmente marcado e conduzido pelo modelo que o ocidente impôs ao mundo inteiro e continua em expansão?............

................mas então se o meu programa não passa por ir muito voluntariosa, folclórica e militantemente ouvir o que os mais-velhos poderão ter para ensinar, passará por quê então?...... poderá talvez passar muito ortodoxa e academicamente, e será esse o meu sucinto e singelo e discreto programa, por ir ver o que a própria expansão ocidental terá produzido como registo sobre o “outro”.......... uma releitura, uma revisita, portanto, daquilo que existe escrito......... mas não uma releitura crítica clássica............ procurando antes tentar descortinar e extrair o que poderá estar por detrás dos documentos etnográficos que foram utilizados, se existirem, ou dos textos produzidos sem que os seus autores tivessem em conta a hipótese de poder existir qualquer outro paradigma susceptível de merecer alguma consideração....... uma releitura, portanto, que ensaiasse agora outra perspectiva, uma perspectiva, precisamente, que tivesse em conta outras maneiras de o homem ver a sua relação com o resto da criação, que conferisse, assim, uma importância e uma pertinência diferentes a paradigmas outros que não o paradigma humanista ocidental que se impôs, dominou, e impera a partir daí em exclusividade........... que tivesse até em conta que esta seria, talvez, uma oportunidade inovadora garantida aos intelectuais ocidentalizados, outros e ‘outros’, saídos tanto do campo do ‘outro’ como do do outro,e chamados sempre, sem alternativa, a situar a sua afirmação e o seu desempenho nos terrenos e nas arenas do exercício dos saberes e dos poderes de matriz ocidental......... poderiam assim talvez  finalmente intervir de uma maneira que lhes evitasse ceder ao folclore de fantasias autenticistas ou renascentistas e a coloboracionismos étnico-turísticos e nos abrisse enfim uma via para reivindicar para nós mesmos, também, o direito à exigência........... há muito tempo que me atrevo a dizer que a intelectualidade científica dominante só nos respeitará mesmo quando se vir obrigada a incorporar  na ciência global alguma coisa que saia de uma matriz  inequivocamente nossa............

*

.....o programa que eu então me atreveria a sugerir aqui, sem saber muito bem a quem propô-lo, seria o de encarar uma ação que partisse de imediato para uma releitura geral de tudo quanto está registado sobre o saber do Outro, sobre saberes Outros, à luz da hipótese de poder admitir a existência e a eventual pertinência de paradigmas outros para aferir a relação das pessoas com o resto da criação, sem deixar também, logo à partida, de ter igualmente em conta todas as ofensivas anti-humanistas que o próprio paradigma humanista terá gerado ao longo da sua própria história e o que estará, está de facto, entretanto neste momento a ser feito em relação ao mesmo objetivo ainda que formulado de outra maneira.........

........um programa, portanto, que viesse  ao encontro das preocupações, dos problemas, dos impasses do mundo atual mas que visasse muito para além das démarches salvacionistas e socorristas das militâncias que vemos em curso e afinal não conseguem pôr sistema nenhum, por mais lesivo que ele se tenha já revelado, em causa....... que visasse antes uma volta tão absoluta na maneira de olhar para o mundo que ela viesse a constituir um salto quântico, uma mutação, um clinamen capaz de inspirar um quadro de  relações do homem com o resto da criação e com o mundo em geral muito diferentes daquelas que o programa humanista desenhou para o futuro do mundo, a ponto de lhe estar agora a perturbar o presente de uma maneira que assusta a todos........... que reapontasse a práticas diferentes que até talvez acabassem por convir a todos, mesmo àqueles que só querem é tirar proveito do domínio de tudo............. um programa, enfim, que quanto mais não fosse criasse a possibilidade de autorizar que alguém pudesse ensaiar,  experimentar, tentar, ver o que poderá talvez esclarecer-se dentro do que é imediatamente possível averiguar sem fazer muito barulho nem gastar muito dinheiro............... permitisse tão-só talvez, sei lá, colocar alguns estudiosos a rever ao menos tudo o que está fixado, recolhido, escrito sobre as culturas outras...... novas leituras que permitissem novas extrações a partir dos mesmos materiais......... não haverá nada desprezado antes mas a extrair agora do paradigma animista, por exemplo, conforme as novas visões, as novas questões e os novos interesses que se impõem neste momento ao mundo?......... talvez assim os personagens do livro que ando escrevendo encontrassem então terreno propício para propor o seu herói tutelar, esse Nambalisita herói ecológico e da alma comum que é homem e herói fora da condição humanista e de uma genealogia divina que até agora só foi dizendo respeito aos homens de certas cores e de certa cultura e lhes foi conferindo autoridade e legitimidade para irem controlando e regulando tudo, a criação inteira, incluindo os homens de outras cores.......

....e talvez eu viesse então finalmente a encontrar fundamentos para formular em definitivo aquilo que ando a visar e a prometer há muito: um manifesto neo-animista proposto ao mundo inteiro como uma das vias da tal volta paradigmática e pragmática capaz de conferir lugar e sentido a todas as existências, divinas, biológicas e minerais até.........

Última lição do ciclo, pelo escritor Alan Pauls

Published1 Jul 2010

Tags argentina lições literatura

 

2 de Julho, sexta-feira. 18h30

Auditório 2. Entrada livre

Transmissão em directo online:  http://live.fccn.pt/fcg/

POSSIBILIDADES DE VIDA: LITERATURA E POÉTICAS EXISTENCIAIS

Alan Pauls

«Todo o escritor fabrica uma personagem conceptual para escrever sem escrever, para continuar a fazer literatura, onde não há outro suporte para além do ‘aqui e agora’ da experiência o que, à falta de uma palavra melhor, chamamos ’vida‘. Essas personagens conceptuais não são circunstanciais. São o próprio resultado daquilo que escrevem: a verdadeira obra das suas obras e, frequentemente, a obra-prima. Na invenção dessas máscaras estratégicas, espreitam formas inovadoras de colocarem a literatura e a vida em pé de igualdade.»

Um dos melhores escritores latino-americanos vivos, Roberto Bolaño (1953-2003) sobre Alan Pauls.

ALAN PAULS é escritor e nasceu em Buenos Aires (Argentina), em 1959. Publicou ensaios sobre cinema, literatura e artes visuais. É autor dos romances “El pudor del pornógrafo”, “El colóquio”, “Wasabi”, “El pasado” (prémio Herralde 2003), “Historia del llanto" e "Historia del pelo”, e dos ensaios “Manuel Puig. La traición de Rita Hayworth”, “Lino Palacio: la infancia de la risa”, “El factor Borges. Nueve ensayos ilustrados e La vida descalzo”. Os seus livros foram traduzidos para mais de doze idiomas.

Carlos Monsiváis (1938-2010)

Published21 Jun 2010

Tags literatura méxico

Morreu “o último escritor público” do México
21.06.2010 - 17:26 Por Sérgio C. Andrade

Em meados da década de 1990, José Saramago encontrou-se com o seu companheiro mexicano das letras Carlos Monsiváis na defesa da causa zapatista em Chiapas. No último fim-de-semana, o destino voltou a juntar os dois vultos da literatura: faleceram ambos, Saramago, na sexta-feira, Monsiváis, no sábado, igualmente vitimados por doenças que se tinham manifestado anteriormente. 

Carlos Monsiváis sucumbiu aos 72 anos, não tendo conseguido recuperar de um fibrose pulmonar que tinha obrigado ao seu internamento, no dia 1 de Abril, no Instituto Nacional de Ciências Médicas e Nutrição Salvador Zubirán, na Cidade do México.(...)

Notícia no Público online

2010 Commonwealth Writers Prize – Africa Region Awards

Published16 Mar 2010

Tags África literatura

As autoras Marié Heese e Adaobi Tricia Nwaubani são as vencedoras do 2010 Commonwealth Writers Prize – Africa Region Awards, com as obras The Double Crown e I do not comne to you by chance, respectivamente. A notícia completa aqui

Sobre I Do Not Come To You By Chance:
“I do not come to you by chance. Upon my quest for a trusted and reliable foreign businessman or company, I was given your contact by the Nigerian Chamber of Commerce and Industry ….” There are few e-mail users around the world who have not received a ‘419’ letter promising them a large share of an equally obscene amount of money. We have all wondered about the people behind these scams. Adaobi Tricia Nwaubani’s novel provides some of the answers. Taking its title from the opening line of an e-mail scam letter, I Do Not Come to You by Chance provides a behind-the-scenes look at the 419 phenomenon, which takes its name from the section of the Nigerian Criminal Code which deals with advance-fee fraud.
Agradecimentos a Elisa Santos, pelo alerta.

E de novo a beleza

Published18 Feb 2010

Tags jean-luc nancy la beauté literatura


Acaba de sair um pequeno livro que resulta de uma conferência dada pelo filósofo francês Jean-Luc Nancy a crianças com mais de dez anos. O tema é a beleza. Dita - e depois passada a livro numa linguagem simples e clara - a conversa de filosofia com os interlocutores, activos e perguntadores, aborda o conceito de Beleza, os equívocos gerados por vocábulos que se avizinham como bonito, prazenteiro, simpático, etc.
O autor que se posiciona numa linha de pensamento estético onde a metafísica subsiste, faz entender a beleza como conceito sem finitude, mas operatório de que as coisas participam ou não, para a qual caminham ou não. Os aspectos mais pertinentes desta conferência, e note-se que ela foi feita para crianças, são: a manifesta insistência de que ainda hoje se pode falar de beleza no meio de um contexto mediático de excesso de opinião e de valorização de obras por autoridades subjectivas, da insistência do pensador de que há sempre uma equivalência entre beleza e verdade e, finalmente, a de que a beleza se pode manifestar de modos inquietantes. A sua interpretação do mito do Narciso, distante da interpretação psicanalítica de Freud, é uma metáfora inteligente e pedagógica para explicar porque nós, enquanto espectadores, nos debruçamos sobre a arte correndo o risco de nos afogarmos. As perguntas das crianças são na sua aparente inocência de bastante dificuldade obrigando o filósofo a uma argumentação sólida e eficaz.
La Beauté, de Jean-Luc Nancy, Ed. Bayrad, Paris 2010
apr

Dany Laferrière

Published26 Jan 2010

Tags África caraíbas dany laferrière haiti literatura


Este livro estava na lista de espera para ser lido e acontece que acabou por sê-lo exactamente um dia antes do terramoto no Haiti. Este facto não pode deixar de ter um impacto na leitura. Trata-se da obra L'énigme du retour (Prix Médicis 2009 - Grande prémio do livro de Montréal) do haitiano Dany Laferrière (Port-au-Prince, 1953), escritor há muito imigrado no Canadá, onde tem escrito uma obra importante, sendo justamente considerado um dos mais relevantes escritores da diáspora haitiana.
A história parte do anúncio da morte do pai do narrador/autor, acontecimento que o obriga, passados 30 anos, a regressar à sua cidade natal, Port-au-Prince, de onde ambos haviam sido forçados a partir. A narrativa é construída a partir de uma mescla de formatos de textos, que variam entre a forma de versos e textos curtos, muito visuais, espécie de notas de viagem. A leitura deste "caderno de viagens" permite reconstituir toda a viagem: desde a decisão de partir, fazer a mala, recordar os episódios da distante infância, a viagem propriamente dita, com as suas surpresas, vicissitudes, reencontros, decepções. Num trabalho constante de reconstrução da memória, o autor revê as figuras heróicas da infância e da adolescência, o contacto com a escola e a partida. E, finalmente, a nova partida, de regresso ao Norte, à cidade onde agora reside. Do conjunto de textos que, como já se referiu, poderiam constituir todos pequenas "curtas", há alguns que se destacam pela precisão da descrição ou pela singularidade do tema: o sentimento do exilado "que vive sem reflexo no espelho", "o tempo dos livros" e a forma como eles organizam o espaço e a vida em cada nova morada, a vida de bairro na infância, um texto frio sobre a fome, a descrição do vento nas Caraíbas, uma pequena história das artes plásticas nas Caraíbas, etc..
Os relatos de viagem de regresso ao país de origem constituem alguma da melhor literatura africana, sul-americana e caribenha. Os seus autores são grandes escritores que tiveram a experiência do exílio, da diáspora e do sentimento sempre ambíguo entre a nostalgia do país e a dúvida do regresso. Recorde-se a este propósito esse texto maior da literatura das Caraíbas que é Cahier d'un retour au pays natal (1939), de Aimé Césaire, texto que é, aliás, fundador do movimento da Negritude.
O que chega a ser perturbante neste momento e na conclusão desta leitura, é imaginar que para Laferrière, a sua cidade revisitada, Port-au-Prince, já não existe. Destruída, não lhe restará mais do que apenas a recordação da infância e a ilusão do seu reencontro, breve e momentâneo.
Dany Laferrière, L'énigme du retour. Paris: Grasset, 2009

Piratas

Published21 Jan 2010

Tags américa do sul literatura peru



Pirataria literária no Peru, aqui
As a cultural artifact, the book has undeniable power, and the idea of a poor, developing country with a robust informal publishing industry is, on some level, romantic: the pirate as cultural entrepreneur, a Robin Hood figure, stealing from elitist multinational publishers and taking books to the people. The myth is seductive, and repeated often. In a country where a new book can cost 20% of the average workers’ weekly wage, it’s worth asking who could afford to read if it weren’t for pirates?
in Guardian

Luís Sepulveda

Published19 Jan 2010

Tags chile literatura luís sepulveda santiago

Luís Sepulveda é um contador de histórias exímio. Faz parte da melhor tradição da cultura da oralidade urbana que nasceu nos cafés de Santiago do Chile, de Buenos Aires e nos botecos do Rio de Janeiro. Há sempre algo de charla na maneira como Sepúlveda tece as suas narrativas, no tempo longo que as suas personagens se permitem ter, personagens que são sempre "figuras" da cidade, na aparente inverosimilhança dos episódios vividos, na sistemática presença de alcunhas, num psicologismo popular. Nesta sua última obra, intitulada "A Sombra do que Fomos", três antigos militantes de esquerda dos tempos da ditadura chilena, hoje sexagenários, decidem, apesar de viverem já num regime democrático, dar o seu último golpe revolucionário. Para tanto, e passados trinta e cinco anos, reunem-se comendo frangos de churrasco num velho armazém nos subúrbios de Santiago. Durante esta reunião discorrem sobre as suas aventuras passadas e sobre o lado tenebroso e mortífero do regime de Pinochet. Ao mesmo tempo, um casal desavindo - ele abandonou a guerrilha e agora passa os dias em casa vendo clássicos do cinema - mata por descuido uma outra personagem, que não era senão um quarto membro do grupo que se lhe juntaria para executar a acção revoluconária. Este episódio acaba por servir para introduzir a tónica de policial, com a entrada na acção de dois detectives - uma jovem e um veterano - que muito humanamente vão resolver o drama. O plano dos três ex-guerrilheiros acaba bem, descobrindo-se, afinal, que tinha sido forjado previamente por um anarquista. Desde o ínicio que as personagens ganham a empatia do leitor, pela candura que transportam e pelo seu idealismo romântico. Mas, atrás desta estória de bons e nostálgicos guerrilheiros, há um aspecto fulcral e profundamente histórico e político. Trata-se, para Sepúlveda, de olhar, estudar e enfrentar o período histórico da Ditadura. O Chile tem feito um esforço importante em tratar esses anos de uma forma histórica e acessível à maioria dos cidadãos, através de centros de documentação, de algum cinema, de muito teatro. Ao ler "A Sombra do que Fomos" percebe-se que todo esse esforço não é, contudo, ainda o suficiente. Até porque este período não está ainda encerrado. Até porque, "dizem que quando os «de cima chegaram», o inspector lia em voz alta o conteúdo de um caderno de contabilidade. Repetia nomes conhecidos, mencionava quantias alarmantes". Assim acaba a novela!
A Sombra do que fomos, trad. de Helena Pitta, Porto Editora, Outubro de 2009
apr

A pergunta não é: que pode a literatura? Mas sim: que podem os literatos?

Published16 Jan 2010

Tags chile literatura roberto bolaño

A três páginas, apenas a três páginas, do final da novela Noturno do Chile, o narrador afirma: "É assim que se faz literatura no Chile, mas não só no Chile, também na Argentina e no México, na Guatemala e no Uruguai, e na Espanha, na França e na Alemanha, e na verde Inglaterra, e na alegre Itália. Assim se faz literatura". É demolidora esta afirmação. Ela encerra a história ancestral da relação de comprometimento de muitos intelectuais, escritores, artistas, com o despotismo, o fascismo, a repressão. Neste livro, esta relação de comprometimento tem o seu contexto no Chile da ditadura de Pinochet e da junta militar, mas ela alastra-se à história dos intelectuais ocidentais. Um jovem padre de sólida formação intelectual clássica, crítico literário, poeta, professor, que leu todos os cânones da literatura e da filosofia ocidental, que viajou pela Europa herdeira do renascimento, do iluminismo, dos modernismos, vê-se, em determinada altura, constrangido a dar aulas de Marxismo a Pinochet e à Junta Militar. Entre o absurdo da situação e o despudor com que a aceita, há todo um mundo de acontecimentos de que permanentemente se alheia: "... Lafourcade publicou palomita blanca, fiz uma boa critica, quase uma glosa triunfal, embora no fundo eu soubesse que era um romancinho que não valia nada, organizou-se a primeira marcha das panelas contra Allende, (...) houve atentados, li Tucídides, as longas guerras de Tucídides (...), também reli Demóstenes, Menandro, Aristóteles e Platão (que sempre é proveitoso), houve greves, (...) depois mataram o ajudante de ordens naval de Allende, houve distúrbios, (...) depois veio o golpe de estado, o levante, o pronunciemiente militar, bombardearam La Moneda, e, quando terminou o bombardeio, o presidente se suicidou e tudo acabou. Então eu fiquei quieto, com um dedo na página que estava lendo, e pensei: que paz." Acabará por beneficiar da sua situação de professor de Pinochet e depois envolver-se em tertúlias literárias numa casa que, se saberá depois, ser um lugar de interrogatório e de tortura da policia política da ditadura. Já velho, remomoriza toda a sua vida. O mais grave não é ter sido cúmplice de Pinochet, o mais grave, sabe-o bem, é ter fingido que a sua actuação não era política. Como hoje, aliás, a acontece a muitos outros intelectuais : "e depois se desencadeia a tormenta de merda", última frase do livro.
Noturno do Chile, de Roberto Bolaño (2000) tradução de Eduardo Brandão. SP: Companhia das Letras, 2004
apr

Literatura febril e paulista

Published12 Jan 2010

Tags brasil literatura lourenço mutarelli

O Cheiro do Ralo, de Lourenço Mutarelli (S. Paulo, 1964), é uma obra que parece resultar de uma atitude de escrita automática, sem qualquer instância intermediária que a filtre, componha ou exercite. E, contudo, não é verdade. Esta ilusão estilística provém de um grande treino anterior do escritor, autor de várias obras de relevo de banda desenhada ou, como se diz no Brasil, de livros de quadrinhos. As frases são curtas, sincopadas, marcadas pelo recurso a onomatopeias e onde a função pragmática da linguagem é uma constante. O próprio aspecto gráfico das páginas evoca esse universo da literatura gráfica característico da BD. O Cheiro do Ralo relata o quotidiano do dono e único empregado de balcão de uma loja de penhores num universo urbano, cujos clientes são as figuras dos aflitos que a procuram pelas razões mais diversas. Como particularidade, esta loja tem um ralo (pia) entupido de onde sai um odor nauseabundo, que se intensifica sempre que as situações de tensão vividas pelo protagonista mais evidentes se tornam. É excelente esta metáfora urbana da condição de vida de um abandonado/homem só, cuja rotina diária se faz entre a mal-cheirosa loja, um quiosque de comida rápida e a sua casa, onde adormece fazendo zapping defronte da televisão. O insólito desta narrativa, escrita num ritmo avassalador, possessivo e febril, passa por uma ironia sofisticada, onde a evocação de obras maiores da literatura serve como inserts e os trechos sobre as fantasias sexuais são da autoria de “insuspeitas” personagens. O Cheiro do Ralo – adaptado ao cinema em 2006 - é um dos títulos interessantes da nova literatura brasileira e paulista.
Editora Devir Livraria, S. Paulo, 2002,
Do autor podem ser lidas várias obras de BD, uma das quais – O Rei do Ponto – foi premiada no 11º Festival de BD da Amadora
<input ... ><input ... >

Dennis Brutus


Morreu Dennis Brutus, poeta sul-africano. Mais aqui
1.
Golden oaks and jacarandas
flowering:
exquisite images
to wrench my heart.
2.
Each day, each hour
is not painful,
exile is not amputation,
there is no bleeding wound
no torn flesh and severed nerves;
the secret is clamping down
holding the lid of awareness tight shut—
sealing in the acrid searing stench
that scalds the eyes,
swallows up the breath
and fixes the brain in a wail—
until some thoughtless questioner
pries the sealed lid loose;
I can exclude awareness of exile
until someone calls me one.
3.
The agony returns;
after a crisis, delirium,
surcease and aftermath;
my heart knows an exhausted calm,
catharsis brings forgetfulness
but
with recovery, resilience
the agony returns.
4.
At night
to put myself to sleep
I play alphabet games
but something reminds me of you
and I cry out
and am wakened.
5.
I have been bedded
in London and Paris
Amsterdam and Rotterdam,
in Munich and Frankfort
Warsaw and Rome—
and still my heart cries out for home!
6.
Exile
is the reproach
of beauty
in a foreign landscape,
vaguely familiar
because it echoes
remembered beauty.
(1975)
E um dos maiores poetas africanos, um herói.