Next Future logo

"The Day after": um projecto colaborativo em torno das independências

Published15 Sep 2015

Tags fotografia Independências

Imagem: Maryam Jafri, ‚The Day After‘, detail of Maryam Jafri, ‚Idenpendence Day 1934 – 75‘, 2009, ongoing at Bétonsalon Cenzre for art and research, Paris, 2015 (c) Aurélie Molle

A exposição "The Day After", de Maryam Jafri, em Paris, reúne uma série de fotografias do dia seguinte à independência em países outrora colonizados. O projecto é também um exemplo de trabalho colaborativo entre artistas e o meio académico. A Contemporary and entrevista Virginie Bobin, uma das curadoras:

Gauthier Lesturgie : “The Day After” is collective in its purpose and realization, but it is also a collaboration between different organizations involved in the project. Can you explain the role of each of the actors who made this project, and how the collaborations worked? Did you follow a specific plan? 

Virginie Bobin  : Every project developed at Bétonsalon – Centre for Art and Research forms around collaborations and partnerships that allow the sharing of knowledge and resources, from a micro-local to an international level. Our aim is to create interactions between artistic and academic research, by creating the conditions for encounters between people who work in different fields and contexts. We believe that “research” can take many different forms, and that shifting the boundaries between disciplinary categories or networks can only encourage the production and sharing of knowledge. Bétonsalon is at the interface between the university we inhabit and the “art world” in which we operate. We can act as a mediator between the two, and with multiple collaborations around a project we can multiply the chance encounters and the circulation of ideas.
For “The Day After,” several groups of collaborators/partners were established. Short- and long-term research collaborations with Paris 7 University, for instance, as well as the UDPN network – a 3-year, collaborative research project that brings together several departments of universities across Paris to investigate the “uses of heritage” in relation to digitization, a question Bétonsalon has been concerned with for a while. (See the project from 2013,Something More Than a Succession of Notes). For us, these collaborations are an important way of sustaining long-term research in dialogue with academics and students, while giving a greater visibility to the artist’s work and facilitating conversations and crossover points.
Our role is also to ensure that the projects live on after an exhibition at Bétonsalon. For “The Day After,” we established a co-production partnership with Tabakalera (San Sebastian, Spain), which will tour the exhibition in April 2016. The team at San Sebastian will work closely with Maryam Jafri in the months prior to the exhibition, as we did here, to develop specific research aspects and new contributions. The exhibition will also tour to Blackwood Gallery in Toronto (Canada) in 2016, and Maryam is working on an artist’s book that will be partly shaped by all the above-mentioned conversations.

(...)

GL : The collected photographs of Independence Day : 1934-1975 are displayed in a large mosaic on one of the main exhibition walls. Originating from several archives in former colonized countries in Africa and Asia, they are shown out of geographical context, as part of an archive of archives. This extensive selection makes Independence Day very open to external interventions and comments. Was it decided from the beginning that Independence Day would constitute the starting point of the project? 

VB  : Independence Day 1934-1975 is a densely layered work, which triggers multiple questions about the way history is framed by its representations, about the role of photography in the dissemination of its narratives, and about the way the processes of independence were and are perceived in different contexts, national or non-national. The status of these images today is also important… So yes, from the very start we wanted to inscribe the work in a broader perspective and assemble materials in a constellation that would highlight multiple, albeit subjective and fragmentary, possible readings. As I have said, we already had an amazing source of materials in the work of all the researchers who helped Maryam since 2009. It was also very important that neither I.D. 1934-1975 nor the materials surrounding it would be dormant, hence the vivid program of workshops, talks and events to activate them, to generate frictions, to open alternative or even contradictory vantage points. This explains the very open title, “The Day After.”

A entrevista completa em Framing History

"Shadows in São Paulo": uma foto icónica de René Burri

Published27 Aug 2015

Tags fotografia Teju Cole são paulo

Teju Cole, escritor nascido na Nigéria e radicado nos Estados Unidos, dedica um artigo no New York Times à imagem "Men on a Rooftop", capturada pelo fotógrafo suiço René Burri em São Paulo nos anos 60. Uma reflexão sobre a força das imagens e a história da metrópole. 

Are they gangsters? Are they bankers? There are certain photographs that seem to have been pulled out of the world of dreams. ‘‘Men on a Rooftop,’’ by the Swiss photographer René Burri (1933–2014), is one such picture. The photograph, taken in São Paulo in 1960, shows four men on a rooftop, seen from the vantage point of an even higher building. Far below them, stark in black and white, are tram lines and cars, and tiny pedestrians so perfectly matched with their long shadows that they look like miniaturized sculptures by Giacometti.

 I’m not sure when my interest in ‘‘Men on a Rooftop’’ became an obsession. Through the years it gained a hold on my imagination until it came to stand as one of the handful of pictures that truly convey the oneiric possibilities of street photography. The celebrated Iranian photojournalist Abbas, who knew Burri well (they were both members of Magnum Photos), described ‘‘Men on a Rooftop’’ to me as ‘‘vintage René: superb form, no political or social dimension.’’ Abbas zeros in on the formal perfection of the image, but I’m not sure I agree that it lacks a social dimension. To me, it literally portrays the levels of social stratification and the enormous gap between those above and those below.

O artigo completo em Shadows in São Paulo

'The Uncanny': um documentário fotográfico por dentro do Congo


© Léonard Pongo da série The Uncanny 2011-2013

Léonard Pongo (b. 1988) é autor da série fotográfica The Uncanny, realizada na República do Congo em 2011, depois das eleições, com o objectivo de retratar as convulsões do país de forma indirecta, através do documentário da vida quotidiana dos seus habitantes,  vencedora de vários prémios, entre os quais o POPCAP ’14 Prize Africa. Em entrevista ao site Another Africa fala do seu trabalho e da sua perspectiva documental da fotografia.

Candice Jansen | Léonard your virtual journal  conveys a sense of your cerebral, eclectic influences as a thinking photographer. I also saw your work in film and print. I am curious how would you translate your artistic sensibilities into language? Would you be interested to write a brief textual accompaniment to a chosen image of yours? I am not asking for anything didactic, but as a kind of “opening shot” for readers to The Uncanny? Before you answer this, tell me, why have you titled the series The Uncanny?

Léonard Pongo |  The uncanny, (das Unheimlich), refers to the feeling of “homeyness”, a feeling of discomfort and lack of safety in a known but distorted environment. It relates to my experience of the Congo as an encounter between a world of conflicts that partly resonates in me as homey, but constantly challenges me in my condition that is part-alien, part family. It refers to my feeling of being an uncanny stranger whose presence disturbs, but is still tolerated.

About your first question, I usually avoid “explaining” images, as I believe photography is not the best tool to tell clear stories and talking too much undermines the evocative power of images. Photography allows this sort of atmospheric shots, where an image translates a certain way of looking at the world, a certain emotional state, without being too specific about it.

You’re right but maybe, I wasn’t clear. I didn’t mean for you to explain the image, rather tointerpret it. Guess I wanted you to write from a position like the one you described in response to my request…I love photography for its flaws, it opens up possibilities for interpretation, both by the photographer, and the spectator… and it is precisely in this interpretation that I try to position myself. Not delivering a specific truth, but shaping my message to make it faithful to my experiences”Do you also write?

Writing is always part of my larger process when making a photographic project. I usually keep some kind of journal, digital or analog. I would not call this “writing”, as it is more of a way to digest events. Watching, re-reading, re-writing, helps me understand where a project took me…. because photographs are failures at retelling the world truthfully. They abstract the world into a loaded atmosphere, without explanation. I try to bring forth a representation of the world based on experience, not facts, creating a faithful lie.

Textures of Small Realities

Visões sobre a negritude na fotografia

Published14 Jul 2015

Tags Negritude fotografia arquivo Sebastião Salgado

Imagem: Fotógrafo desconhecido, Retrato de estúdio do Rei Khama III. África do Sul, início do séc. XX

A exposição Distance and Desire: Encounters with the African Archive esteve patente no C/O Berlin, em colaboração com o African Photography from The Walther Collection. Elsa Guily, crítica de arte radicada em Berlim, analisa esta exposição, confrontando-a com outra, Genesis, de Sebastião Salgado, do ponto de vista da representação dos estereótipos e da perpetuação, ou não, da perspectiva ocidental dominante sobre a negritude.

 Its eloquent title, Distance and Desire: Encounter with the African Archive, announces its preconceived purpose upfront: asking questions as to the role of archives and the impact of the photographic image in the writing of history. The project was organized into three sections, beginning with photographs from the Walther Collection and juxtaposing images from historical archives of photos taken in southern and eastern Africa around the turn of the twentieth century with works by contemporary artists from African perspectives whose approaches seek to reinterpret the ethnographic and colonial archive. From the outset, the visitor is clued in:  it is impossible to view these photographs without realizing the violent relations inherent in European colonialism in Africa, and equally impossible to detach them from the historical contexts in which they were produced. The displacement of these archives invites us to examine our own gaze with a certain critical distance in order to reflect upon the processes of identifying and constructing difference, especially racial and gendered difference. The project re-envisions the archive as the bearer of collective memory, restoring the agency and individuality of the subjects portrayed and thereby creating alternative narratives of history.

In parallel to Distance and Desire, the Genesis project by photographer Sebastião Salgado intones an ecological message to humanity. These purportedly “socially conscious” photographs, which amount to a romantic invitation on an “eco-tourist” journey, perpetuate the representation of ethnicized bodies beside immaculate landscapes in black and white. The portraits’ subjects are made anonymous, their identities reduced to objectifying and vulgarizing captions that describe their practices and customs. Considering that both cultural visions are embedded in the same globalized, post-migratory space, it seemed to me that despite the Distance and Desire project’s noble intentions to deconstruct the white supremacist gaze, an ambivalent complicity might lodge in visitors’ minds. Thus I was compelled to interrogate both exhibition spaces jointly in light of the problems of images’ circulation and the act of “making visible.” How is the viewer positioned in relation to the discursive powers of representation? What relationships are formed between the photographer as an auteur, the individual photographed, and the viewer? At what point does the act of observation begin to dictate the subject’s development?

O texto completo em Gazing at a Distance

"O Império da Visão": uma aproximação à história fotográfica do império português

Published17 Mar 2015

Tags Colonialismo fotografia portugal


O Império da Visão. Fotografia no Contexto Colonial Português (1860-1960), lançado em final de 2014 (Edições 70), organizado por Filipa Lowndes Vicente, investigadora do Instituto de Ciências Sociais, resulta de anos de pesquisas em locais como a Feira da ladra, bibliotecas arquivos e museus. 500 páginas que contam a história do Império português em África, através de fotografias de anónimos, "umas servem a política de conquista e opressão, outras são usadas para denunciar e resistir" (Público), acompanhadas por 28 artigos organizados em quatro grandes capítulos, assinados  por historiadores, antropólogos e biólogos.

O Império da Visão, explica Filipa Vicente, é uma primeira tentativa de reunir uma série de contributos numa área de investigação que, embora tivesse já produzido conhecimento, não estava ainda consolidada: “Não há em Portugal uma genealogia, uma historiografia da fotografia no império. Há, sim, estudos fragmentados. Na Grã-Bretanha este trabalho de olhar para a fotografia como instrumento de poder e de colonização começou a ser feito no início da década de 1990.”

E começou a ser feito, como em Portugal, pelos antropólogos, mais habituados a problematizar a imagem do que os historiadores que, cruzando-se com ela entre os múltiplos materiais das suas investigações, tendem a tratá-la mais como uma ilustração do que como um documento em nome próprio, admite esta investigadora do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa: “Os antropólogos têm mais capacidade crítica quando pegam numa fotografia. As imagens são objectos difíceis, complicados. E nós, os historiadores, estamos pouco preparados para lidar com essa complexidade.”

Alguns dos autores que aqui escrevem sobre fotografia fazem-no pela primeira vez para este volume que acaba precisamente antes do começo da guerra colonial - há artigos que reflectem sobre realidades posteriores como o de Afonso Ramos (“Angola 1961, o horror das imagens”, sobre as fotografias atribuídas aos massacres da UPA no Norte e todas as questões, éticas ou de autenticidade, que levantam) e de Susana Martins/António Pinto Ribeiro (“A fotografia artística contemporânea como identidade pós-colonial”), mas são residuais. O trabalho que conduziu ao livro foi feito em apenas dois anos – deu origem a um colóquio, cursos, ciclos de cinema e a um portal que reúne informação sobre a área (www.fotografiacolonial.ics.ulisboa.pt) - e esse curto período de tempo explica algumas das opções de Vicente e justifica ausências

Texto de Lucinda Canelas, no jornal Público: As fotografias são objectos difíceis e as dos impérios coloniais ainda mais

"A chave do meu trabalho é o sorriso"

Published24 Feb 2015

Tags mauro pinto fotografia Present Tense

Imagem: Mauro Pinto: O ser e o nada

Mauro Pinto, fotógrafo moçambicano que integrou a exposição do Próximo Futuro, Present Tense, fala do seu percurso, influências e projectos ao site Afribuku.

¿Cuál es la clave de su trabajo?
Es la sonrisa. Si yo sonrío, sé que lo que transmito es verdadero y hace que la otra persona a la que quiero fotografiar se abra a mí. Es una forma de poder captar el verdadero ser de la gente.

¿Hasta qué punto su trabajo está influenciado por su herencia mozambiqueña?
Considero que mi fotografía es internacional. No puedo ponerle un rótulo para clasificarla y decir que es mozambiqueña, porque he tenido mucha influencia de fotógrafos europeos, africanos o americanos. Lo que sin duda tienen mis fotos, es algo de mí.

¿Qué fotógrafos le han influenciado?
Muchos pero tengo que reconocer que el mozambiqueño Ricardo Rangel como ser humano y profesional o el alemán Karl Kugel, a quien conocí en la Isla de la Reunión. Son personas de las que he aprendido y sigo aprendiendo. Son personas muy importantes para mí

A entrevista completa aqui 

Abertas as candidaturas para a 10ª Edição dos Encontros de Bamako

Estão abertas as candidaturas à 10ª Edição dos Encontros de Bamako, com trabalhos de fotografia e vídeo, até 30 Março, este ano sobre o tema "Telling Time". Organizados pelo Ministério da Cultura do Mali e pelo Instituto Francês, os Encontros de Bamako são a mais importante plataforma de fotografia e imagem do continente africano e realizam-se este ano entre 31 de Outubro e 31 de Dezembro. As candidaturas estão abertas a todos os fotógrafos e video-artistas de África, independentemente do seu local de residência, artistas profissionais, individuais ou colectivos. 

Mais info e o impresso de candidatura, aqui

The Humphrey Winterton Collection of East African Photographs: 1860-1960

Published20 Jan 2015

Tags fotografia arquivo África

Liz Timbs, historiadora, doutoranda em História Africana, escreve no site Africaisacountry a rubrica 'Digital Arquive', sobre fotografia e África. Neste artigo, debruça-se sobre The Humphrey Winterton Collection of East African Photographs: 1860-1960.

The Humphrey Winterton Collection is an expansive collection of over 7,500 photographs taken mainly in East Africa between 1860 and 1960. Part of the Melville J. Herskovits Library of African Studies Collection at Northwestern University, the Winterton Collection was assembled by British collector Humphrey Winterton. These photographs preserve a range of key historical moments in the region, from the opening of the Busoga Railway in 1912 to Hermann von Wissman’s 1889-1890 expedition to suppress the Abushiri Revolt. In addition to major historical events, this collection also captures life in this region from the mid-nineteenth- to mid-twentieth century.  From portraits to landscapes, this collection really does, as the site purports, represent “an unsurpassed resource for the study of the history of photography in East Africa.”  The photographs are tagged and cataloged in a variety of ways, but, to be honest, these efforts at organizing the collection make it quite difficult to find anything.  It’s much simpler to use the keyword search function to navigate the collection or, if you have the time, to browse the collection in its totality.

Mais aqui

Em modo Moda - Omar Victor Diop

Omar Victor Diop,  fotógrafo senegalês dedicado à moda, e a sua série Onomolliwood são tema de um dos artigos da CNN. Diop é um dos artistas presentes na 9ª Edição dos Encontros de Fotografia de Bamako que pode ser visitada até 1 de Setembro, no Edifício Sede da Fundação Calouste Gulbenkian.

"It is one of the iconic modern cinema scenes: Mena Suvari, as Angela in Oscar-winning "American Beauty," stretches her arms wide as she basks in a sea of floating rose petals during one of Lester's (Kevin Spacey) frequent fantasies.

But when Senegalese photographer Omar Victor Diop set out to recreate the provocative sequence for his latest project, finding a bed of red roses proved difficult. Undeterred, Diop found the solution by using a plant wall inside the hotel where the shoot was taking place."

Para ler e ver mais aqui 

Present Tense em Paris

© Sammy Baloji, “Kolwezi Shituru" 2009-2011

Present Tense, a exposição de fotografia do sul da África que inaugura em Lisboa no verão do Próximo Futuro, seguirá depois para Paris, integrando a Saison Afrique du Sud France. Uma mostra da produção mais recente de 14 fotógrafos africanos, algumas trabalhos feitos especialmente para esta exposição, numa abordagem às tensões actuais que ultrapassam o registo continental.

" S’intéresser à l’Afrique revient à s’intéresser à un continent où l’histoire de la photographie est particulièrement importante. Peu visibles en Europe bien que porteurs d’autant de talents que d’un regard aiguisé sur leurs sociétés, deux importantes générations de photographes sont ici présentées. Ces derniers développent deux tendances : alors que certains prouvent qu’ils n’oublient pas leur passé et leur histoire, d’autres se tournent désormais vers l’avenir."

Para saber mais aqui



Em preparação

A ser preparada há vários meses, Present Tense é a exposição de fotografia que ocupará a galeria do piso 01 em Lisboa a partir de 21 de Junho, e que depois seguirá para Paris.

António Pinto Ribeiro, curador da mostra, propõe uma reflexão sobre a contemporaneidade do sul da África e sobre a prática fotográfica naquela região. Délio Jasse, Dillon Marsh, Filipe Branquinho, Guy Tillim, Jo Ractliffe, Kiluanji Kia Henda, Mack Magagane, Malala Andrialavidrazana, Mauro Pinto, Paul Samuels, Pieter Hugo, Sabelo Mlangeni, Sammy Baloji e Tsvangirayi Mukwazhi são os fotógrafos convidados, alguns deles trazendo series produzidas especificamente para o Póximo Futuro.

"Independentemente dos géneros – retrato, paisagem documento, fotojornalismo – são as fotografias sobre o “Present Tense” que queremos mostrar e, este conceito de “Present Tense”, engloba também a tensão entre as linguagens, a opção pela cor ou pelo preto e branco e o detalhe divergindo do panorâmico."

Há mais informações aqui

A fotografia de e sobre África

Published30 Apr 2013

Tags fotografia Al Jazeera África

A fotografia de e sobre África pelos olhos de uma nova geração numa serie de 6 documentários realizados pelo canal Al Jazeera. Vale a pena vê-los aqui, enquanto a programação de Verão do Próximo Futuro não chega.

"The New African Photography is a documentary series which profiles six African artists determined to take back control of how their continent is portrayed.

This six-part series showcases how a new generation of African photographers are keen to celebrate what is unique about the region, while remaining unflinching about the real problems facing their countries. Ultimately, it shows their optimism about Africa's future."

Todos os documentários podem ser vistos aqui

Residência criativa na Market Photo Workshop

Mack Magagane

Estão abertas até 3 de Maio as candidaturas para a Tierney Fellowship na Market Photo Workshop em Johannesburgo. A residência é dirigida a jovens fotógrafos que não tenham realizado nenhuma exposição individual.

"As a school of photography, a gallery, and a project space, the Market Photo Workshop has played a pivotal role in the training of South Africa’s photographers, ensuring that visual literacy reaches neglected and marginalised parts of our society. Since it was founded in 1989 by world-renowned photographer David Goldblatt, the Photo Workshop has been an agent of change and representation, informing photographers, visual artists, educators, students and broader communities of trends, issues and debates in photography and visual culture."

O regulamento para candidaturas está aqui

Fotografias de Ryszard Kapuściński

Desde 4 de abril e até 2 de junho, o Matadero Madrid apresenta as fotografias feitas pelo jornalista Ryszard Kapuściński entre 1989 e 1991, na sua viagem pelas Repúblicas da ex-União Soviética.

O repórter polaco, que viveu grande parte da sua vida em África acompanhando os momentos mais importantes das descolonizações e da formação de novos países, foi também fotógrafo. As cerca de trinta fotografias que são agora apresentadas, foram recentemente descobertas e fazem parte de um consideravel espólio deixado pelo autor 

"El archivo fotográfico de Ryszard Kapuściński consta de casi diez mil imágenes, y posiblemente constituya una pequeña parte de su obra fotográfica: la que se ha salvado. Si bien en este archivo predominan las instantáneas de África, continente en el que se habían centrado las anteriores exposiciones, el carácter singular de  “El ocaso del Imperio” se debe precisamente a su contenido. El paisaje y la temática de estas fotografías difiere de las presentadas en ocasiones anteriores: la única frontera geográfica que el autor cruzó en los viajes recogidos en esta exposición fue la del imperio vecino. Un mundo aparentemente mucho más cercano, pero no por ello menos extraño…"

“Me he fijado en que a estas mujeres que extienden sus brazos para enseñar las fotografías de sus hijos muertos les gustaría que la gente se parara ante ellas”, dice Kapuscinski en un pasaje de El Imperio. La misma dureza documenta una de sus instantáneas: en plena manifestación ciudadana, una mujer porta sendas fotos de su hijo como soldado y en un ataúd. junto a ella, una pancarta que reza “mataron a mi hijo en el ejército”.

Pode ler-se mais aqui e aqui

Zanele Muholi

Published3 Apr 2013

Tags zanele muholi fotografia África Sul

Zanele MUHOLI (África do Sul), série “Miss Divine” (2007)

A fotógrafa sul africana Zanele Muholi venceu o prémio Freedom of Expression Awards, pela luta corajosa que tem empreendido contra a discriminação e a violência de que é vítima a comunidade lésbica na África do Sul onde a homossexualidade é um tabu.

"Zanele has shown tremendous bravery in the face of criticism and harassment for ground-breaking images which include intimate portraits of gay women in South Africa, where homosexuality is still taboo and lesbians are the target of horrific hate crimes. She has won the award both for her courage and the powerful statements made by her work."

Pode ler-se mais sobre o prémio aqui e rever-se o trabalho de Zanele Muholi na capa do Jornal Próximo Futuro nº 7 

Veneza - fábrica de arte contemporânea

Oito artistas africanos emergentes fizeram residência em Veneza entre 2008 e 2011. Kiluanji Kia Henda, o fotógrafo angolano que em Junho estará no Próximo Futuro, foi um dos residentes que "reinventou" o Mercador de Veneza.

"La Bienal de Arte de Venecia ha convertido la vieja urbe en la capital del arte contemporáneo. Cada dos años se repite el mismo guion: cuando en junio arranca, crecen como hongos muestras de arte contemporáneo en museos, fundaciones y organizaciones privadas. Una buena ocasión para pillar nuevos clientes, o bien, el auge de "las sedes parásito que viven a costa del trabajo de la Bienal", según el director de la Fundación Peggy Gugghenhiem, Philip Rylands. Y en cuanto soplan los primeros vientos invernales, en noviembre, la Bienal concluye; mientras, "los parásitos" cierran la billetería hasta que se mueva de nuevo la máquina de la Bienal."

Sobre a Bienal de Veneza e estas residências pode ler-se mais aqui

Adolphus Opara

Published5 Mar 2013

Tags Adolphus Opara CCA Lagos fotografia nigéria

Emissaries of an Iconic Religion é o projecto que o fotografo nigeriano apresentará na próxima semana no CCA em Lagos, Nigéria.

"Emissaries of an Iconic Religion, the first major solo exhibition in Nigeria of Adolphus Opara. This photographic series of portraits of diviners from the regions of South-Western Nigeria invoke the symbols and narratives of indigenous religious belief, as well as its relevance and function within the society."

Pode saber-se mais sobre a exposição aqui e sobre o fotógrafo aqui

Mário Macilau - Esquecidos

"Esquecidos" é a nova exposição de Mário Macilau que inaugurou há dias no Centro Cultural Franco Moçambicano em Maputo e pode ser visitada até 5 de Março.

"In affluent societies, the demands of the high-performance labour that is paired with the increasing life expectancy, a culture of care homes has been put in place. Elderly members of the family are placed in these homes under care of professionals who are often strangers to these vulnerable groups. Care homes are part social club, dispensaries and hospices.This culture of displacement stands in contrast with social values of the traditions of living together and growing old in one homestead, whereby senior members of the family were cared for by their offspring. Such cultures can still be found in rural areas and some parts of African countries."

A entrevista de Macilau ao blog Africa is a Country pode ler-se aqui

Schadeberg em ‘Rise and Fall of Apartheid’

Published1 Feb 2013

Tags fotografia áfrica do sul apartheid Schadeberg

Dez minutos de depoimento de Schadeberg. O fotógrafo alemão, que é considerado por muitos o "pai" da fotografia sul africana, e as suas imagens da África do Sul em pleno Apartheid constituiram uma parte importante da exposição do Centro Internacional de Fotografía de Nova Iorque, que enecerrou este mês.

"Cuando aterrizó allí, Schadeberg era como un habitante llegado de otro planeta, ni arte ni parte de ninguno de los dos lados de ese muro infranqueable que luego se iría resquebrajando. Pero tuvo ventaja: podía pasar y detenerse en uno y otro. Y retratar sin descanso. Y lo hizo con respeto y grandeza en todo caso."

Há mais para ler aqui

"Que resta das fronteiras africanas?"

kader attia

Kader Attia, 'Rochers Carres' (2009)

Artigo de Anne-Cécile Robert publicado na edição portuguesa do Le monde diplomatique (dezembro 2012) e ilustrado com imagens da 8.ª Bienal de Bamako, que esteve na Gulbenkian no verão de 2011 no âmbito do Programa Próximo Futuro, dedicada precisamente ao tema "Fronteiras".

A 9.ª edição Bienal, dedicada à questão "Por um mundo sustentável", será apresentada na Sede da Gulbenkian, no âmbito do Programa Próximo Futuro, no verão de 2013.


«Somos favoráveis a negociações e a que se encontre uma solução definitiva neste conflito entre o Mali e o Azawad», declarou em 16 de Novembro Bilal Ag Achérif, porta-voz dos rebeldes em Uagadugu (Burquina Faso), onde foi organizada uma mediação internacional. Por seu turno, as Nações Unidas discutem a possibilidade de uma intervenção militar. A divisão do Mali ilustra a fragilidade das fronteiras africanas, patente desde o fim da Guerra Fria.


Misteriosa, a explosão na fábrica de armamento de Yarmuk, perto de Cartum, em 23 de Outubro passado, continua a ser motivo de discórdia entre o Sudão, os países vizinhos e as organizações internacionais. Os edifícios destruídos, onde se fabricavam armas ligeiras, eram também armazém de outros equipamentos militares importados da China, segundo o centro de investigação suíço Small Arms Survey[[i]]. Na Organização das Nações Unidas (ONU), Cartum acusa Israel – sem adiantar provas – de os ter sabotado, ou mesmo de ter bombardeado as instalações, consideradas por Telavive como parte de um tráfico com destino à Faixa de Gaza e ao Irão.

Vasto país com quase dois milhões de quilómetros quadrados, o Sudão afronta a rebelião do Darfur no seu flanco oeste[[ii]]. Além disso, desde Julho de 2011, está amputado de uma parte dos seus territórios do Sul, que após décadas de guerra civil se tornaram independentes, com o nome de Sudão do Sul. Apesar de vários acordos a respeito do traçado das fronteiras e da divisão dos recursos, os dois Estados estão longe de ter alcançado a paz[[iii]].

O Sudão, atravessado por conflitos, ameaçado por movimentos centrífugos, não é um caso isolado no continente africano. Com efeito, embora as tensões no Sahel monopolizem a atenção diplomática e mediática, os acontecimentos que ali se desenrolam têm paralelo noutras regiões de África: aspirações autonómicas, insurreições armadas, incapacidade das autoridades para manter a ordem, tráficos transnacionais de armas e munições, ingerências estrangeiras, corrida aos recursos naturais, etc. Os Estados deliquescentes perderam o domínio das «zonas cinzentas», situadas à distância das capitais e com frequência autoadministradas de forma criminosa. Entre o Níger e a Nigéria estende-se agora uma faixa de trinta a quarenta quilómetros que se furta à supervisão de Niamei e de Abuja. As fronteiras, traçadas no tempo da colonização, deixaram por vezes de ter realidade, de tal modo são importantes os fluxos de migrantes, viajantes e comerciantes que as ignoram.

Para ler o artigo completo da Anne-Cécile Robert, via Buala, basta navegar até aqui.

Próximo Futuro no Mindelo até 12 Novembro!

vista geral das instalações fotográficas

Vista da instalação fotográfica de Filipe Branquinho nas ruas do Mindelo, Cabo Verde (foto de Ana Cordeiro/IC-CCP, Pólo do Mindelo, 2012)

O Pólo do Mindelo do Camões / Centro Cultural Português informa que de 6 a 12 de Novembro 2012, por iniciativa da Fundação Gulbenkian, estão instaladas nas ruas de Mindelo (Rua 5 de Julho e Praça D. Luís) um conjunto de 12 fotos, impressas em lona, de dois fotógrafos moçambicanos: Camila de Sousa e Filipe Branquinho.

Esta exposição, organizada em parceria com o Programa Gulbenkian Próximo Futuro,  tendo estado patente ao público em Lisboa (nos jardins da Fundação), de junho a setembro do corrente ano, é agora reinstalada no Mindelo por ocasião do 9º Encontro das Fundações da CPLP. 

A montagem destas instalações fotográficas no Mindelo foi organizada pelo Pólo do Mindelo do IC/CCP, com o apoio do Programa Gulbenkian de Ajuda ao Desenvolvimento.

Mais sobre os fotógrafos Filipe Branquinho e Camila de Sousa, aqui e aqui. E sobre o Pólo do Mindelo do Centro Cultural Português, aqui.

vista geral de instalação fotográfica

Vista da instalação fotográfica de Camila de Sousa nas ruas do Mindelo, Cabo Verde (foto de Ana Cordeiro/IC-CCP, Pólo do Mindelo, 2012)

Artigo dedicado à CAMILA DE SOUSA na NY Arts!

Published10 Oct 2012

Tags NY Arts fotografia camila de sousa

camila de sousa

Incarcerated Meanings 

By Álvaro Luis Lima

I have yet to meet anyone who enjoys having ID pictures taken. Should one smile at the camera or go for a serious look at the risk of having your picture compared to a mug shot? In some areas of the world, these pictures are named after their size, a mere “3x4” centimeters, whereas in others, they are called “passport photos” or “document pictures.” Despite our expressive choices made when photographed, most people dislike how those identification cards turn out because of the distorted presentation of how one might like her image to be perceived.

Playing with the anxieties associated with photography and its institutional framings, Camila de Sousa titles her photographic series 3x4 (2011). This up-and-coming Mozambican artist chooses to represent women who are known to society as inmates—some from a detention center in Maputo, and others from one in Ndlhavela. Intrigued by the women’s position as prisoners, De Sousa attempts to look at perspectives different from the representations made by the legal system, comparing the conventional archetypes of these women to “3x4” photographs.

In the hope of complicating the “3x4” representation of the women living in Mozambican prisons, the artist applied her training as an anthropologist and inhabited both prisons, along with her subjects, for several months. De Sousa’s artistic process developed organically through her day-to-day contact with these women; the photographs reveal a negotiation between the artist and her subjects regarding how the finished piece would look. Speaking to David Durbach for the South African Magazine Mahala, De Sousa explains: “My foundation in anthropology helped me a lot. I went there for three months and didn’t take anything—I just talked to them. But then suddenly, they started to open up.”

Para ler o artigo completo, basta ir aqui.

PHOTOGRAPHIES SOUDANAISES : EL NOUR (1885-2012)

Published8 Oct 2012

Tags fotografia sudão claude iverné pays des noirs

femme au collier

une proposition de description d'un territoire (2e volet)Paris | France | 11|10|2012 > 07|11|201

Comment donner à voir un territoire aussi complexe que le "Bilad es Sudan" ("Pays des Noirs", nom d'origine du pays en arabe) désormais scindé en deux États historiquement opposés, sans se laisser happer par l'immédiateté de l'urgence et de son traitement médiatique ? Le photographe Claude Iverné, familier des sociétés, des enjeux politiques et économiques de ces contrées méconnues, tente d'y répondre par une exposition en trois volets :
· ses propres travaux depuis quatorze ans, présentés comme un corpus
de documents visuels, par séries typologiques (Maison des métallos) ;
· les archives photographiques d'Elnour, bureau de documentation fondée par l'artiste avec seize photographes soudanais et des chercheurs internationaux, qui offrent un point de vue cette fois de l'intérieur (Usine Spring Court) ;
· une exposition de rue élaborée au jour le jour par les visiteurs et riverains eux-mêmes sur les murs du quartier, à partir des deux premières expositions (rues du quartier de Belleville).

(...)

PHOTOGRAPHIE SOUDANAISE, ARCHIVES ELNOUR
(1885/2010, extraits)
Rashid Mahdi (1923-2008)
Mohamed ABDARASSUL, né en 1922
Amin Rashid, né en 1945
Gadalla GUBARA, 1920 - 2008
Richard LOKIDEN WANI, né en 1978
Ahmed JOUA, né en 1957
Madani A. A. GAHORY, né en 1952
Mohamed YAHIA ISSA, né en 1952
Abbas HABIBALLA, né en 1950
Fouad HAMZA TIBIN, né en 1952

Para ler o artigo completo basta ir aqui.

Rise and Fall of Apartheid: Photography and the Bureaucracy of Everyday Life

apartheid

INTERNATIONAL CENTER OF PHOTOGRAPHY

SEPTEMBER 14–JANUARY 6, 2013

Rise and Fall of Apartheid: Photography and the Bureaucracy of Everyday Life is a photographic exhibition examining the legacy of the apartheid system and how it penetrated even the most mundane aspects of social existence in South Africa, from housing, public amenities, and transportation to education, tourism, religion, and businesses. Complex, vivid, evocative, and dramatic, it includes nearly 500 photographs, films, books, magazines, newspapers, and assorted archival documents and covers more than 60 years of powerful photographic and visual production that forms part of the historical record of South Africa. Several photographic strategies, from documentary to reportage, social documentary to the photo essay, were each adopted to examine the effects and after-effects of apartheid's political, social, economic, and cultural legacy. Curated by Okwui Enwezor with Rory Bester, the exhibition proposes a complex understanding of photography and the aesthetic power of the documentary form and honors the exceptional achievement of South African photographers.

Para saber mais sobre a exposição, basta ir aqui.

Héla Ammar na bienal de arte contemporânea Dream City"

héla ammar

Héla Ammar, Counfa, 2012

« Counfa » déformation du terme « convoi » propose une exploration de l’univers carcéral. A travers ses installations visuelles et sonores, Héla Ammar témoigne de l’atrocité des prisons. Elle y révèle avec pudeur la dure réalité de ces hommes et de ses femmes qui perdent en même temps que leur liberté, leur intimité et leur dignité. Dans ses installations, les regards et les sensations se superposent et des bruits traversent les murs pour questionner l’humain et la justice des hommes. Acteurs et spectateurs, regardants et regardés se confondent pour explorer les limites de la liberté et de l’enfermement.

Héla Ammar, uma das fotógrafas dos países árabes do Norte de África de quem publicámos imagens no Jornal Próximo Futuro (n.º 9), apresenta a sua mais recente instalação na Bienal de Arte Contemporânea "Dream City", em Tunes, no Parking Municipal da Kasba, entre 26 e 30 de Setembro.

2012 FNB Art Prize winner: Kudzanai Chiurai

The winner of the second FNB Art Prize is Zimbabwean artist, Kudzanai Chiurai.
Born in 1981 in Zimbabwe, Kudzanai Chiurai is an internationally acclaimed young artist now living and working in South Africa. Boldly stenciled figures and anonymous text provide running commentary, leading viewers on a journey through his intricately painted turn-of-the century buildings, bustling streets and congested transit systems.

Para ler o artigo completo basta clicar aqui.

Datas da Feira de Arte de Joanesburgo em 2012: 7 a 9 de Setembro!

Kok Nam (1939-2012)

Published13 Aug 2012

Tags kok nam fotografia jornalismo moçambique maputo

Kok Nam (foto: aps)

 

"É uma rua ali ao lado da 24 de julho... não, não é na Patrice Lumumba, é na outra, naquela discreta, tem aquela casa, aquela casa que tem um cão, aquela onde trabalha a Sara, onde o chão da cozinha tem tons de verde como a parede, tás a ver?! Essa, tás a ver?! Sabes, o Kok já não mora ali"

 

Um pouco mais sobre Kok Nam pode saber-se aqui.

Biennale Internationale de Casablanca

Dialogue autour des propositions artistiques de 250 artistes de 37 pays. 

Avec la participation de plus de 250 artistes de 37 pays qui seront exposés dans plusieurs lieux emblématiques de la ville, dont le Sofitel Casablanca Tour Blanche, la première édition de La B.I.C. (la Biennale Internationale de Casablanca) fera vivre la capitale économique du Royaume au rythme de l’art, du 15 au 30 juin 2012. Une première édition ambitieuse qui permettra à tous de se rendre compte de la qualité et du dynamisme de la scène artistique marocaine tout en connectant celle-ci aux circuits internationaux. Une connexion naturelle, puisque le Maroc est depuis toujours le carrefour, le hub comme l’on dit désormais, des routes reliant l’Afrique, l’Orient et l’Occident. 

Cette première édition de La B.I.C. permettra de découvrir les derniers travaux d’artistes marocains marquants. Ceux-ci côtoieront et entreront en résonance avec les propositions de plasticiens étrangers originaires des quatre continents. En prenant pour thème le dialogue, cette édition s’inscrit dans une démarche universaliste, à l’instar de la démarche plastique actuelle. 

En plus du dialogue interculturel et intergénérationnel, la biennale souhaite mettre en place un dialogue qu’elle estime tout aussi essentiel, celui qui va de l’artiste/de l’oeuvre au public. Un effort tout particulier sera fait sur la signalétique et les informations disponibles sur place. L’organisation de visites guidées, la mise en place de conférences à caractère didactique et de workshops ont pour but de donner à tous les publics accès à l’oeuvre. 

Rendez-vous donc dès le 15 juin prochain, au tout nouveau Sofitel Casablanca Tour Blanche, le cœur d’un parcours artistique qui conduira ensuite les visiteurs à l’Ecole des Beaux-Arts, l’ex-cathédrale du Sacré-Cœur, la Fabrique Culturelle (les anciens Abattoirs), l’Espace Actua et plusieurs galeries d’art partenaires, à la rencontre de propositions artistiques venues des quatre continents.


in Biennale Casablanca

Biennale Casablanca no Facebook.

Coleção Itaú de Fotografia Brasileira

Published30 May 2012

Tags brasil rio de janeiro fotografia

Exposição no Paço Imperial apresenta obras realizadas nos últimos 60 anos.

O Itaú Unibanco, o Itaú Cultural e o Paço Imperial apresentam, a partir de 1º de junho, a exposição Coleção Itaú de Fotografia Brasileira. Com curadoria de Eder Chiodetto, a mostra exibe obras pertencentes ao Acervo Banco Itaú.


Criado há quase um século pelos fundadores do Banco Itaú S.A., o acervo conta hoje com 12 mil obras, entre pinturas, gravuras, esculturas, fotografias, instalações e peças das coleções Itaú Numismática e Brasiliana Itaú. Esse importante conjunto, que é gerenciado pelo Itaú Cultural, cobre toda a história da arte brasileira, com peças referenciais de cada movimento e estilo.


“Nesta mostra, um recorte da Coleção Itaú de Fotografia com obras realizadas nos últimos 60 anos, optou-se por reunir as obras experimentais dos fotoclubes com trabalhos contemporâneos, estabelecendo um espelhamento lúdico. Relações formais, mas sobretudo uma semelhante atitude libertária diante da representação fotográfica, ecoam entre os dois tempos. Salienta-se assim que a evolução de uma linguagem não se dá de forma linear, mas em vertiginosas espirais desenhadas pelo tempo e pela cultura”, afirma Eder Chiodetto.


A exposição é fruto de uma parceria entre o Itaú Cultural e o Paço Imperial, que já proporcionou a realização de inúmeras exposições, graças ao alinhamento da missão das instituições ao fomentar e difundir o cenário artístico nacional.


Coleção Itaú de Fotografia Brasileira

sexta 1º de junho a domingo 5 de agosto

terça a domingo 12h às 18h



in Iatú Cultural

Nermine Hammam - Icons

Published22 May 2012

Tags nermine hammam fotografia photomed egipto



Nermine Hammam is a rising figure on the Egyptian art scene. She makes figurative works, pulling elements from painting and photography. She was born in Cairo in 1967 and worked with the famous director Youssef Chahine. She was also the production assistant for the film “Malcom X”. For Photomed, Nermine Hammam has selected a set of inconic and symbolic pictures. In the series “Ma’at”, she presents herself in the guise of characters such as Frida Kahlo and Marlène Dietrich, the embodiments of Amazon warriors who have come to restore harmony and peace. In the series “Alchemy”, she embeds her face in famous paintings and photographs, such as Bonaparte by David, or in the image of Johnny Weissmuller as Tarzan. In her series “Uppekha”, she presents young soldiers from the Arab Spring in Egypt standing in front of the idyllic backgrounds of old postcards. This work documents aspects of the war that are often ignored: not just the screams of pain, but as well the fear of teenagers riddled with anxiety. As modern icons, these images shock us and invite us to thinking about the ideology conveyed by the images posing as reality found in advertissements. Nermine Hammam is a militant artist. With her art, she offers a bittersweet reflection on the social and political reality of our time.



Festival PHOTOMED



Egyptian photography artist, Nermine Hammam, examines the nature and role of the iconic image at the Photomed 2nd edition of the Mediterranean Photography Festival, that runs from May 24 ‐ June 17 2012, at Sanary‐sur‐Mer, Bandol, Ile de Bendor, Toulon, France. As part of this annual group show, Hammam will be exhibiting over 40 images, in the Salle Barthélémy de Don, drawn from four separate series of work: Alchemy (2010), Ma’at (2011), Uppekha (2011) and her latest series, Unfolding (2012). Across these works, Hammam examines the constructed nature of reality and, by extension, that of the iconic image which is fabricated in our collective conscious, achieving a status of near universal recognition and appeal. Each in their own way, her works probe that dual existence of the iconic image as both sign and symbol capable of transcending its initial time‐specific, two‐dimensional state to attain an eternal, quasi‐religious significance becoming an object of worship and of ritual. Hammam’s work also explores the irony of the iconic image that, in its very universality, outlasts both its subject and producer becoming entirely removed from the original events that triggered its creation. In Alchemy (2010) Hammam tackles the iconic image head on. She brings together some of the most iconic images of our time, from Marlyn Monroe to Paul Newman, grafting her own face seamlessly onto the faces of the protagonists depicted. We experience, at once, the pull of recognition and the ‘shock of the strange’ as we examine these famous works only to find the artist looking back at us from every image. Hammam believes that we perceive reality through a series of signs and signifiers drawn from the “underbelly of our collective subconscious.” Alchemy plays with this notion of the constructed nature of perception and points to the role of memory in articulating our experiences of day‐to‐day reality. The work also raises important questions about the artificial nature of religious icons and the belief systems that exist around them. It explores the fabricated nature of identity itself and how we manipulate those aspects of ourselves that we present to others.

Africultures - Filipe Branquinho

Published15 May 2012

Tags filipe branquinho fotografia moçambique

Filipe M.C. Branquinho was born in 1977 in Maputo, Mozambique.

He works as a freelance photographer and illustrator. Hes graduating in Architecture by UEM (Universidade Eduardo Mondlane, Maputo / Mozambique) and attended the same course at UEL (Universidade Estadual de Londrina / Brazil).

His passion for the arts (including photography) was born in the environment they grew up in Maputo, the coexistence with the environment and many of the artistic masters and national benchmarks.

In Brazil the design and illustration appear systematically and consciously, through contact with the artistic disciplines together with architectural training. It is in this context that decides to try to photography as art.

He participated in several group and solo exhibitions in Brazil, Mozambique and South Africa has several works in private collections.

Ler em Africultures.

Ocupações, de Filipe Branquinho, poderá ser vista no Próximo Futuro a partir de 22 de Junho.

Cuando la ciudad no tiene límites

Published2 May 2012

Tags fotografia urbanismo cidades exposição

Hay días en que la contaminación es tan espesa que no se alcanza a ver el otro lado de la calle. Sus más de 20 millones de habitantes viven en un eterno embotellamiento “y temen tanto a los criminales como a la policía”. “Es un monstruo, un desastre urbano, una pesadilla posmoderna”. Y, al mismo tiempo, México es una de las capitales culturales y uno de los focos creativos más importantes del continente americano.

La reflexión de Rubén Gallo sobre esta ciudad comparte espacio con la del también escritor Suketu Mehta, que habla de su Mumbai. “Personifica las megaciudades del siglo XXI tales como São Paulo, Lagos o Yakarta. En todas ellas hay inmigración incontrolada, chabolismo a gran escala, problemas enormes de infraestructuras, y floración de barracas que pueden ser viveros de toda clase de extremismos. Estamos hablando de megaurbes con retos muy distintos de los que tenían las metrópolis que dominaron el siglo XX, Nueva York, Londres o París”.

Continuar a ler no El País.

Mauro Pinto é o vencedor da 8ª edição do Prémio BES Photo

Published23 Apr 2012

Tags moçambique mauro pinto besphoto fotografia

Mauro Pinto é o vencedor da 8ª edição do Prémio BES Photo, uma iniciativa do Banco Espírito Santo (BES) em parceria com o Museu Coleção Berardo, à qual se junta a Pinacoteca do Estado de São Paulo no seu alargamento à lusofonia.

O BES Photo, que já se afirmava como o principal prémio de arte contemporânea em Portugal de estatuto internacional, dá a conhecer trabalhos inéditos dos mais consagrados artistas da lusofonia num evento ímpar que atribui ao vencedor o prémio no valor pecuniário de 40.000 euros.

O Júri de premiação, de composição internacional, com nacionalidade distinta das representadas pelos artistas selecionados, escolheu por unanimidade, Mauro Pinto para vencedor do BES Photo2012, pela série “Dá Licença”, projeto fotográfico no Bairro da Mafalala, em Maputo.

Continuar a ler.

Galeria P3.

"OCUPAÇÕES"

Published20 Apr 2012

Tags moçambique filipe branquinho fotografia

OcupaçõesOcupações

, Filipe Branquinho

Moçambique tem uma área de 799,380 KM². Este território, está ocupado por homens e mulheres, crianças e velhos, nacionais e estrangeiros, católicos e muçulmanos, zions e ateus, doentes e sãos, famílias e órfãos, patrões e empregados, pedintes e doadores, justos e bandidos.

Esta serie de 12 retratos é um mosaico que ilustra a ocupação territorial, social e imagética de um país. O espaço tomado pelo individuo, a sua presença na paisagem e no tecido social são a materialização da sua existência. De igual forma, o retrato materializa códigos e valores associados à sua imagem e ao seu desempenho. O trabalho ou o passatempo fazem pose no corpo do retratado e o que a lente fixa são todas as singularidades de um ofício encarnadas pelo melhor modelo: aquele se ocupa do seu exercício.

Filipe Branquinho

PRIX {virginia}

Published17 Apr 2012

Tags fotografia

Prix international décerné à une femme photographe.

Pourquoi un prix pour une femme photographe ?

Les femmes de ma famille m’ont été fondatrices : Virginia ma grand mère pianiste, ma grande-tante peintre, et ma mère sculpteur ont nourri ma curiosité pour l’art depuis ma plus tendre enfance. Cette filiation a ouvert mon chemin d’artiste plasticienne

Créer le Prix Virginia, c’est affirmer mon soutien à la reconnaissance des femmes photographes. C’est aussi partager les passions qui m’ont été transmises.

Mais informações em PRIX {virginia}.

"Signe des temps : Le trans-africanisme, moteur de la photographie africaine"

Published13 Apr 2012

Tags África fotografia

De Bamako à Lagos, de Johannesburg à Khartoum les initiatives se multiplient et dynamisent la scène photographique africaine. Photographes, collectifs et structures informelles, forts de leur succès récent et enhardis par la conviction que l'artiste africain a son mot à dire, s'appuient moins sur les institutions locales (toujours faibles) ou internationales (toujours lointaines) que sur leur propre volonté de s'exprimer et de faire avancer leur art. C'est l'heure du trans-africanisme, qui par ses efforts de briser les frontières et encourager les échanges culturels, promeut une photographie d'origine contrôlée. Une photographie africaine par les Africains.

Continuar a ler em Photographie.com.

"El mundo gozoso y sesentero de Malick"

Published9 Apr 2012

Tags África fotografia malick sidibé

Se diría que lo suyo es puro swing. Se diría que están felices. Son jóvenes. Bailan. Tienen todo el tiempo del mundo. Disfrutan juntos, sin más. Amorosos. Así son muchas de las fotos de Malick Sidibé (Malí, 1936): libres, relajadas, despreocupadas... Una parte de África desconocida y gozosa. Algunas de ellas se pueden ver ahora, hasta el 23 de abril, en la galería Trinta arte contemporánea, de Santiago de Compostela.

Y ahora que está de actualidad por noticias político-militares, que son siempre las peores para un país, no queda más remedio que pensar en lo mucho que Malí representa para la fotografía africana y más allá. Como ya contamos en otra entrada, la Bienal de Bamako es referencia imprescindible para describir lo que se cuece en el continente (y en la diáspora); un punto de encuentro internacional de profesionales y amantes de la imagen, y uno de los eventos que muestran lo abierto al mundo que suele ser Malí, tan distinto a esas fronteras cerradas de hoy mismo, tras el reciente golpe de Estado y los disturbios del Norte.

Quizá por eso viene bien recordar a Sidibé (1936), un hombre que retrató con maestría el África social de esos años de aire nuevo y esperanza, los cincuenta y sesenta, y que ha sido, entre otros, premio de la Bienal de Venecia en 2007 (era la primera vez que un africano recibía tal distinción); premio PhotoEspaña Baume et Mercier en 2009 y World Press Photo en 2010. Desde que fue descubierto en uno de los primeros Rencontres Africaines de la Photographie en Bamako allá por 1994, Sidibé es de un modo u otro protagonista de todo evento fotográfico en y sobre África. En la última edición de los Rencontres lo fue al hilo de su obra clasificada y archivada en el Museo Nacional de Malí, que produjo hace tiempo un corto sobre él (realizado por Susan Vögel, ver comentario) junto a dos de sus paisanos: Abdourahmane Sakaly y Soungalo Malé.

Continuar a ler no El País.

"Disco Angola (in New York City)"

Published4 Apr 2012

Tags angola fotografia stan douglas

The photographer Stan Douglas’s new project “Disco Angola,” a work in progress, is on display at the David Zwirner Gallery in New York until April 28, 2012. The New Yorker announced the show in Goings on About Town with the image above. What’s amazing is that Douglas has not been to Angola, though from what I read in this interview with Monica Szewczyk he has done a good bit of studying up.

Here are some of the photos from the show which puts, as Douglas describes it to Szewczyk, postcolonial Angola and postindustrial New York in visual touch, makes capoeira and kung fu “visual rhymes.” I think he is on to something.

Stan Douglas: Disco Angola

Continuar a ler.

"Les Autoportraits d'Alain Polo"

Published22 Mar 2012

Tags alain polo fotografia kinshasa

Premières séries photographiques d’Alain Polo réalisées en 2008 – 2009, ce travail d’autoportrait révèle un moment intime de doute sur son identité. Il attendra 2 ans avant d’oser montrer ces photographies et, en quelque sorte, accepter sa propre réalité, même s’il aime son image. Les cadrages ne laissent voir que des morceaux de corps désarticulé dans l’atmosphère sombre de sa chambre à peine dévoilée. Quelques éléments d’apparat et objets quotidiens le rapprochent d’une réalité fantasmée, souvent prise d’un monde pour lui imaginaire, vu dans des magazines. Les reflets dans les miroirs cassés de sa propre image, bouleversée, ouvrent sur d’autres vertiges que la société congolaise ne comprend pas toujours.

Jean Loup Pivin, cofundador da Revue Noire

Continuar a ler no sítio Jeu de Paume

"Anachrony"

Published14 Mar 2012

Tags egipto fotografia nermine hammam





Photo-artist Nermine Hammam will show her series Anachrony (2010) at the Safarkhan Gallery in Cairo on 27th March 2012, in her first solo exhibition in Egypt in three years. Photographed in the desert around Fayoum, Anachrony is a series of mixed media images that depict anonymous human forms cocooned inside long, undulating drapes of fabric in a surrealist-inspired landscape of desert and mountains. A highly personal work, Anachrony was created in reaction to three months spent by Hammam photographing patients in Egypt’s state-run Abbasiya mental asylum.

The work emerged as an effort to purge the “unexpectedly strong personal reaction elicited by my experience of the asylum. It is an anguished search for solace and a cry for help. With this work, I beg forgiveness for the unspeakable horrors that I witnessed but was unable to prevent.” Anachrony represents a ‘working through’ of powerlessness and of shame: like the stills of a film the images together form a distinct narrative of time, a movement from the dark terrors of nightmare towards the quiet possibility of hope. “It is the landscape of my psychological state and of my soul at a particular moment in my time.

Nermine HammamAnachrony

SafarKhan Gallery, Cairo, de 27 Março até 14 Abril 2012.

Prémio União Latina - Martin Chambi 2012

Published9 Mar 2012

Tags fotografia união latina

Prémio União Latina para fotografia:

Appel à candidature pour les photographes / Prix Union Latine - Martin Chambi 2012

Fidèle à sa politique culturelle et attentive aux expressions contemporaines de l’interculturalité, l’Union Latine renouvelle son Prix Martin Chambi de la photographie en proposant aux artistes photographes des 36 États Membres de l’organisation le thème de la photographie de famille. 
Il leur est demandé de représenter la famille d’aujourd’hui avec un regard qui soit à la fois aigu et transversal.

L’inscription est gratuite. Les dossiers de candidature doivent être constitués par : 
- une série de 10 photos unies entre elles par un lien de cohérence thématique et esthétique, couleur ou noir et blanc, d’un format 30 x 40 ou 30 x 30 (titre de la photographie, nom et prénom de l’auteur devront figurer sur le dos de chaque photographie. Il est fortement conseillé d’emballer les photos à plat et non enroulées) ; 
- un papier libre avec : nom, prénom, adresse complète du candidat, numéro de téléphone et adresse électronique ; 
- une photocopie du document d‘identité ; 
- un curriculum vitæ ; 
- un texte (30 lignes maximum) de présentation de la série de 10 photographies envoyées et du parcours biographique de son auteur. 
Les candidats doivent envoyer les dossiers à leurs frais et les faire parvenir au plus tard le 31 mars 2012, le cachet de la poste faisant foi, à l’adresse suivante :

UNION LATINE - Direction Culture et Communication 
Prix Union Latine - Martin Chambi de Photographie 
204 rue de Vaugirard 
75015 Paris 
France

Mais informações aqui e aqui.

"El arte involuntario de las calles mexicanas"

Published7 Mar 2012

Tags fotografia méxico

Pasear por las abigarradas y caóticas calles mexicanas con su profusión de rótulos, carteles y anuncios en vallas, postes y comercios voceando colores, sabores y sonidos es recorrer una improvisada galería de arte al aire libre que explica como pocas otras cosas la aventura que es vivir en este país. En esa grafía espontánea y diseños imperfectos de autores anónimos se recogen con genial desparpajo el humor, las fantasías, incluso los secretos de las clases populares mexicanas. Desde la etiqueta del jabón “Amansa guapos” hasta el combate de “El Hijo de Aníbal contra la Bestia Maligna” pasando por el prometedor streaptease de Velma Collins, todo ese arte sin querer llega ahora a las pantallas de televisión.

Continuar a ler no El País.

"O jovem que fotografou a Primavera Árabe acabou morto por ela"

Published23 Feb 2012

Tags fotografia primavera árabe

O fotojornalista Rémi Ochlik, fundador da agência IP3 Press e que ontem perdeu a vida na Síria, era um jovem de 28 anos dedicado ao seu trabalho. Apesar de ainda não ter 30 anos, era um fotojornalista experimentado - cobriu a epidemia de cólera e as presidenciais no Haiti e no ano passado esteve na Tunísia, Egipto e Líbia - e premiado, tendo vencido um galardão do World Press Photo no início deste mês.

Ochlik nasceu em 1983 em Thionville, no leste de França. Estudou fotografia na escola Icart depois de terminar o ensino secundário, tendo pouco depois começado a trabalhar para a agência Wostok Press.

Para ler o artigo completo no Público, clicar aqui.

"Sergio Larraín, el gran fotógrafo chileno que dio la espalda al mundo"

Published15 Feb 2012

Tags chile fotografia

 Sergio Larraín, retratado em Londres en 1958

Sergio Larraín ,el fotógrafo chileno más reputado, exmiembro de Magnum, falleció el martes a los 81 años en su casa de Tulahuén, Chile. Había dado la espalda a la fotografía de primera línea al inicio de los 70, tras adquirir su prestigio en tan solo dos décadas. Su obra, acogida en museos como el MoMa, está enmarcada en temas como la injusticia social y en retratos a personajes claves de su época, como Pablo Neruda y Pelé.

Para ler o artigo completo no El País, clicar aqui.

"Foto/Gráfica: las imágenes que cuentan el continente latinoamericano"

Dos de los grandes fotógrafos que participan en la exposición 'Foto/Gráfica' en París comentan sus fotolibros, rescatados del olvido por Horacio Fernández (na foto)

Si lo dice el poseedor de una de las mayores colecciones privadas de libros de fotografía, debe de ser cierto o aproximarse a la verdad: "El fotolibro latinoamericano es el secreto mejor guardado de la historia de la fotografía". Martin Parr dixit. Para comprobar la nula presencia de exageración en esa frase, se puede acudir a Le Bal, el centro especializado en fotografía documental inaugurado en 2010 en París, para ver la exposición Foto/Gráfica. Una nueva historia de los libros de fotografía latinoamericanos, el muestrario de tesoros icónicos comisariado por el español Horacio Fernández que fue inaugurado la pasada semana en París.

Se trata de la première mundial de una exposición itinerante surgida a partir del libro El fotolibro latinoamericano, editado por RM y presentado el otoño pasado en Madrid. El público español tendrá que esperar a la primavera –o desplazarse hasta el XVIII distrito parisiense– para admirar esta exposición, que Antonio Sanz ha asegurado para la galería Ivorypress (Madrid) y Lesley Martin para Aperture (Nueva York), y que pasará también por Brasil y Argentina.

Fernández, cuya fotobibliofilia severa impulsó un esfuerzo titánico de documentación apoyado en su red mundial de informantes y oteadores, hace esfuerzos evidentes por quedar en segundo plano, a pesar del hito que supone lograr que Europa descubra las joyas que alberga la América Latina.  "La cultura latinoamericana siempre se ha defendido a sí misma como cultura letrada, pero esta muestra confirma la riqueza de la cultura visual en el continente", afirma. "No existe en todo el mundo una relación entre literatura y fotografía tan apasionante".

Para ler o artigo completo, basta navegar até aqui.

últimos dias para ver a obra de Huarcaya

Published9 Jan 2012

Tags exposição fotografia peru roberto huarcaya

ROBERTO HUARCAYA, "La Nave del Alto Peru"

(da série "Recreación Pictórica"), 2009-2011.

Últimos dias para ver a primeira exposição individual em Portugal do fotógrafo peruano Roberto Huarcaya, que em 2010 ganhou o Prémio de Fotografia "Petrobrás - Buenos Aires" com uma das 28 imagens que agora integram a sua mostra na galeria do Palácio Galveias ("Playa Pública / Playa Privada", 2010).

A mostra enquadra-se na programação do PRÓXIMO FUTURO, em parceria com o Programa Gulbenkian de Ajuda ao Desenvolvimento. É co-produzida pela Casa da América Latina (em Lisboa), com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa e da Embaixada do Peru. Intitula-se "Subtil Violência" e é também composta por 3 vídeos que partem de questões fotográficas.

Para ver até ao próximo dia 15 de Janeiro, com entrada livre (terça a sexta, das 10h00 às 19h00; sábado e domingo, das 14h às 19h).

"Subtil Violência", de ROBERTO HUARCAYA, em Lisboa

Published21 Nov 2011

Tags fotografia roberto huarcaya

© Roberto Huarcaya, "Playa Pública / Playa Privada", 2010. Cortesia do artista

Já inaugurou a primeira exposição individual em Portugal do fotógrafo peruano Roberto Huarcaya, que em 2010 ganhou o Prémio de Fotografia "Petrobrás - Buenos Aires" com uma das 28 imagens que agora integram a sua mostra na galeria do Palácio Galveias ("Playa Pública / Playa Privada", 2010).

A mostra enquadra-se na programação do PRÓXIMO FUTURO, em parceria com o Programa Gulbenkian de Ajuda ao Desenvolvimento. É co-produzida pela Casa da América Latina (em Lisboa), com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa e da Embaixada do Peru. Intitula-se "Subtil Violência" e é também composta por 3 vídeos que partem de questões fotográficas.

Aqui, encontram uma das várias notícias que têm saído sobre a exposição. Para ver até 15 de Janeiro de 2012, com entrada livre (terça a sexta, das 10h00 às 19h00; sábado e domingo, das 14h às 19h).

Mais informações no site do Próximo Futuro e/ou através do email proximofuturo@gulbenkian.pt

Les belles prises de Bamako

Published10 Nov 2011

Tags bamako bienal fotografia georges osodi

Série «Oil rich Niger delta», 2004, de Georges Osodi

REPORTAGE | 8 novembre 2011

Les belles prises de Bamako

Par BRIGITTE OLLIER Envoyée spéciale à Bamako Photo . Malgré une thématique floue, la 9e biennale du Mali révèle plusieurs talents.

Lézards, papillons et flonflons, le rituel d’ouverture des Rencontres de Bamako tient ses promesses, laissant toujours pantois, surtout quand l’orchestre national du Mali entame Auprès de ma blonde (Qu’il fait bon, fait bon, fait bon), en l’honneur de Frédéric Mitterrand, ministre de la Culture et de la Communication. Lequel se fait photographier par Cissé Mariam Kaïdama Sidibé, Première ministre du Mali, alors qu’à quelques pas d’elle, au deuxième rang des invités d’honneur, est assis Malick Sidibé, dans son légendaire boubou bleu, trésor national vivant entouré par ses fans.

«Diaphane». Entre jongleries diplomatiques et bienséances insolites, sous un soleil féroce, s’enracine la biennale africaine de la photographie, qui fête sa neuvième édition préparée, comme en 2009, par Laura Serani et Michket Krifa. «Un happening culturel», selon son délégué général, Samuel Sidibé, soulignant sa représentativité, vingt-sept pays, soit la moitié du continent. Le budget est de poids : plus d’un million d’euros, dont la majeure partie en provenance de l’Institut français et de l’Union européenne. Reste à régler, parmi d’autres questions, l’indépendance d’un festival encore peu implanté dans la capitale du Mali, plus préoccupée ces jours-ci par Tabaski, la fête du mouton, que par le thème de la biennale, qui sonne d’ailleurs ironiquement, tel un coucou suisse, «Pour un monde durable».

L’exposition phare au musée national, cœur du festival, réunit une cinquantaine d’artistes. Accrochage trop dense, aucune confrontation possible. Certains sélectionnés sont connus - Pieter Hugo qui a reçu le prix Seydou Keïta pour sa série sur le bidonville d’Agbogbloshie (Ghana) -, d’autres ont déjà présenté leur travail ici (Elise Fitte-Duval, Martinique, et ses nus qui défrisèrent quelques moralisateurs, en 1994). Quelle est l’idée ? Montrer comment, à travers leur diversité, s’accordent - ou se désaccordent - les preneurs d’images face à ce thème si vaste, «ce monde durable», alliance de politique, de business et d’esthétique. D’emblée, on note la suprématie de l’Afrique du Sud, comme d’habitude. Pieter Hugo, donc, mais aussi Daniel Naudé, et ses chiens-statues. Thandile Zwelibanzi, et ses vendeurs de rue à Johannesburg, poignants. Sabelo Mlangeni, en noir et blanc, dans le hors-champ de la Coupe du monde de football. Et la délicatesse «diaphane»,selon un connaisseur, de Lien Botha, mêlant, comme sur un éventail, les à-côtés d’un Eden mythique.

Hors l’Afrique du Sud et ses écoles de photo réputées, Ymane Fakhir (Maroc) et Bruno Hadjih (Algérie-France) frappent par leur naturel. La première, rassemblant son trousseau, torchons, perles, verres à thé, dévoile «la persistance d’un modèle, conditionnant cet enfant que j’étais à devenir une femme». Le second, avec ses tirages sensibles, aborde le vide tel l’équilibriste sur son fil : «Le désert, c’est d’abord une idée avant d’être un lieu géographique»,précise-t-il, racontant son Sahara avec des airs d’Ali Baba.

Brutalité. Autre duo attachant, Roberto Stephenson (Haïti), face au séisme du 12 janvier 2010, où il isole les tentes des rescapés, métamorphosées en voiles de bateaux ; et François-Xavier Gbré (Côte d’Ivoire-France), à l’aise dans les lieux oubliés, comme s’il y était chez lui. Joyeuse, la vidéo scrapbook du Camerounais Em’Kal Eyongakpa donne un air de fête à cette union panafricaine. Sur son vélo, un homme pédale, indifférent à l’eau qui monte derrière lui. Au mémorial Modibo Keïta, on est rattrapé par la brutalité de la réalité, avec George Osodi (Nigeria) et son work in progress,Old Rich Niger Delta. Osodi documente l’envers du décor du pétrole, son impact sur les habitants du delta, richesse pour quelques-uns, fléau pour tous les autres. Aucune différence visuelle entre une torchère de gaz Schell ou une torchère Agip, même flamme, même profit, même dégât. Osodi est un héritier de Gordon Parks, un militant inspiré, et la puissance de son témoignage ne fait aucun doute. Dernier temps fort des Rencontres, l’exposition de Nii Obodai (Ghana), à l’INA. Obodai crée des images entre jazz, pour l’improvisation, et poésie, pour l’abstraction. Il est heureux d’être à Bamako : «C’est une expérience qui permet de grandir. Mais nous avons besoin d’un lieu d’archives et d’un réseau qui lie les photographes entre deux biennales. Les autorités africaines doivent prendre cette décision.»

RENCONTRES DE BAMAKO Jusqu’au 1er janvier. Catalogue (42 euros). Rens. : www.rencontres-bamako.com

Pieter Hugo é o grande vencedor do "Prémio Seydou Keïta"

© Pieter Hugo, “Emeka Onu. Enugu, Nigéria”, 2008 (da série "Nollywood").

Cortesia STEVENSON, Cidade do Cabo e Yossi Milo, Nova Iorque 

O jovem fotógrafo sul-africano Pieter Hugo (n. 1976, Joanesburgo) foi o grande vencedor do mais importante prémio de fotografia africana - o "Prix Seydou Keïta" - atribuído pelos "Rencontres de Bamako", na edição actualmente em exibição (no Mali, até 1 de Janeiro 2012).

Pieter Hugo foi um dos talentos destacados pela exposição "Um Atlas de Acontecimentos", ainda em 2007 (no âmbito do Fórum Cultural "O Estado do Mundo") e assinou a primeira capa do Jornal "Próximo Futuro", em Abril de 2009.

No próximo dia 18 de Novembro, às 19h, inaugurará no Théâtre de la Ville a sua mais recente exposição individual, enquadrada nas actividades do Programa Gulbenkian Próximo Futuro em Paris. Fruto de uma parceria com o Théâtre de la Ville e em co-produção com o Programa Gulbenkian de Ajuda ao Desenvolvimento, esta mostra fotográfica é dedicada ao fenómeno "Nollywood" e tem a curadoria de Federica Angelucci e de António Pinto Ribeiro.

Mais informações no site do Próximo Futuro e/ou através do email proximofuturo@gulbenkian.pt

os "Encontros de Bamako'2011" já começaram!

Lien Botha, "Parrot Jungle", 2009 

Já inaugurou a mais recente edição dos "Rencontres de Bamako" (Encontros de Bamako)! Na sua 9.ª edição o tema geral desta bienal de fotografia é "Por um mundo duradouro" ("Pour un monde durable") e o Programador-Geral do Próximo Futuro, António Pinto Ribeiro, foi convidado a integrar o júri internacional.

Les Rencontres de Bamako proposent en 2011 une réflexion sur la quête d’un monde durable, avec la volonté d’esquisser un état des lieux et de prêter une attention particulière aux signes et aux formes de résistances possibles. La forte adhésion au thème proposé n’a fait que confirmer l’engagement social et politique des artistes africains.

Les préoccupations écologiques, jadis limitées à un cercle restreint de visionnaires alertes, font désormais partie de notre quotidien et sont au cœur de tous les débats.

Aqui encontram o programa completo desta edição (1 de Novembro de 2011 - 1 de Janeiro de 2012), e aqui a história dos "Encontros" que vêm sendo organizados desde 1994, constituindo a mais importante bienal de fotografia africana.

FOLi = Museo de la Fotografía de Lima

Published19 Oct 2011

Tags foli fotografia lima peru

 

El Museo de la Fotografía de LimaFOLi - es un museo independiente sin fines de lucro, dedicado a la colección, preservación y promoción de la fotografía contemporánea en Perú y Sudamérica. El objetivo del museo es coleccionar sistemáticamente fotografías con valor cultural y artístico de fotógrafos Peruanos, Latinoamericanos y otros; relevantes para la historia de la fotografía nacional y latinoamericana.

Através do website do museu FOLi é possível conhecer a instituição e ficar a par dos principais eventos relacionados com a fotografia contemporânea da América Latina, basta navegar por aqui.

fotografia em Paris com destaque para Bamako

Paris Photo will celebrate its 15th anniversary at the Grand Palais — a major step ahead for the renowned international event.
117 galleries from some 23 countries will present the best of 19th century, modern and contemporary photography in the heart of the French capital. To complete this panorama of worldwide photography, a selection of 18 publishers will have a dedicated space in the fair.
Paris Photo will celebrate African photography from Bamako to Cape Town, unveiling the creative wealth of historic and contemporary African artists.
These exciting developments put forward the new energy that Paris Photo is displaying by reinventing itself. Four programmes will articulate Paris Photo’s new identity: Institutions’ recent photography acquisitions, Private Collection from Artur Walther, Paris Photo conferences Platfotm, focus on the Photography Book and launching of the Paris Photo - Photo Book Prize.

Para saber mais, inclusive sobre os Encontros Fotográficos de Bamako em Paris, depois da sua recente passagem por Lisboa no Programa PRÓXIMO FUTURO, basta navegar até aqui.

Guatemala: "Nación" 2011

Published5 Sep 2011

Tags foto 30 fotografia guatemala nação

Em Outubro há mais fotografia para ver na Guatemala: 9.ª edição do Festival "Foto 30", dedicada ao conceito de "Nação".

La agenda de Foto30 contempla la realización de más de 35 actividades entre ellas, al menos 25 exposiciones y lo más significativo, la participación de más de 70 creadores exponiendo su obra en 27 salas, entre galerías, museos, instituciones binacionales, centros culturales, espacios independientes y alternativos en la ciudad de Guatemala, Antigua Guatemala, San Marcos y Quetzaltenango. Creadores y gestores culturales ponen a disposición un grupo de espacios expositivos, ofreciendo así una vista panorámica y diversa sobre lo que puede significar e implicar el concepto de “Nación”, tema elegido para la presente edición.

Aqui, para saber mais...

"Moments of Beauty" com J.D. 'Okhai Ojeikere

The Centre for Contemporary Art, Lagos presents Moments of Beauty, a groundbreaking exhibition of work by the Nigerian artist J.D. 'Okhai Ojeikere. Occasionally elegiac, but invariably elegant, the photographs in this exhibition reflect what the artist deems as "moments of beauty," referring to the ebullience of Nigerian life engendered by independence and decolonisation.

The exhibition highlights the breadth and depth of Ojeikere's practice, chronicling his experiences as a visual artist and commercial photographer by presenting works that cover a range of subjects including architecture, education, fashion, social life and cultural festivals. This first comprehensive survey of Ojeikere's work to date, with over 150 works, marks the beginning of rigorous scholarship and engagement with the artist's practice, which spans more than half of a century. As such Moments of Beauty provides in-depth perspectives to the practice of an artist whose formidable archive has become an important anthropological, ethnographic, and artistic treasure.

Para saber mais basta ir aqui.

continuam as instalações no jardim

Vista da instalação "Abrigo Sublocado", do artista Kboco, no jardim

do CARPE DIEM - Arte e Pesquisa (foto: Fernando Piçarra)

Terminou ontem a exposição "Fronteiras", mostra central dos 8.ºs Encontros Fotográficos de Bamako que pela primeira vez teve itinerância internacional com passagem por Portugal. Foi possível ver mais de 180 trabalhos de 53 artistas oriundos de cerca de 20 países africanos, no âmbito do Programa Gulbenkian PRÓXIMO FUTURO.

Mas as actividades do PRÓXIMO FUTURO continuam, estando ainda patente ao público, até ao próximo dia 30 de Setembro, as diversas instalações artísticas distribuídas pelo Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian: do "Casulo" da sul-africana Nandipha Mntambo ao "However Incongruous" do colectivo indiano Raqs Media, passando pelos Chapéus-de-Sol da arquitecta Inês Lobo, que neste ano têm desenhos de Bárbara Assis Pacheco (Portugal), Rachel Korman (Brasil), Délio Jasse (Angola) e Isaías Correa (Chile).

Fruto de uma parceria com o CARPE DIEM - Arte e Pesquisa, a instalação do artista brasileiro Kboco foi remontada no jardim deste espaço expositivo, onde pode ser vista a partir do próximo dia 7 de Setembro no horário de funcionamento habitual do CARPE DIEM. Para mais informações basta ir aqui.

Últimos dias para visitar os 'Encontros de BAMAKO', na FCG

Published24 Aug 2011

Tags bamako fotografia fronteiras

Vista do primeiro piso da exposição "Fronteiras" (fotografia: Catarina Botelho)

Últimos dias para visitar "Fronteiras": a exposição central dos últimos "Encontros Fotográficos de Bamako", organizados desde 1994 e pela primeira vez com passagem por Portugal.

A mostra conta com mais de 180 obras de 53 artistas (dos quais 10 são mulheres), sendo representativa da produção artística contemporânea em mais de 20 países africanos: Mali, Egito, Líbia, Chade, Tunísia, África do Sul, Argélia, Burkina Faso, Costa do Marfim, Ilha da Reunião, Quénia, Marrocos, República do Congo, República Centro-Africana, Nigéria, Sudão, Trindade e Tobago, Madagáscar, Camarões, Moçambique, Senegal.

Aqui encontram mais informação sobre a exposição no âmbito do Programa Gulbenkian PRÓXIMO FUTURO (estando o respectivo Encarte disponível para download) e aqui mais detalhes sobre a edição que agora se mostra em Lisboa. Destaque dado pela RDP África à exposição, por aqui.

As mais diversas "fronteiras" abordadas nesta 8.ª edição dos 'Encontros de Bamako' (fronteiras geográficas, mas também tecnológicas, políticas, sociais, linguísticas, de género, etc) são visitáveis nas galerias de exposições temporárias do edifício-sede da Fundação Calouste Gulbenkian até ao próximo domingo - 28 de Agosto 2011 -  sempre das 10h00 às 17h45m. Para adquirir bilhetes basta clicar aqui.

Baudouin Mouanda

 Da série "La Sapologie" (2008) - Baudouin Mouanda

O fotógrafo Baudouin Mouanda, baseado em Brazzaville (República do Congo), apresenta durante este verão a sua primeira exposição individual no Reino Unido. A mostra continua visitável na GASWORKS, em Londres, até 18 de Setembro de 2011 e surge na sequência da participação de Mouanda na residência Deveron Arts, na Escócia. Para saber mais basta navegar por aqui.

Baudouin Mouanda é um dos 53 artistas presentes na exposição "Fronteiras", que constituiu o núcleo central dos 8.ºs Encontros Fotográficos de Bamako. Esta edição ainda é visitável em Lisboa, no edifício-sede da Fundação Calouste Gulbenkian, até ao próximo dia 28 de Agosto, no âmbito do Programa Gulbenkian PRÓXIMO FUTURO.

É a primeira vez que a bienal de fotografia do Mali, a mais importante bienal africana - e cuja criação remonta a 1994 -, tem passagem por Portugal.

Para agendar uma visita guiada, bastará contactar o serviço Descobrir.

Entrada gratuita até aos 25 anos no Dia Internacional da Juventude

Published11 Aug 2011

Tags bamako fotografia fronteiras mali

Amanhã, dia 12 de Agosto, comemora-se o Dia Internacional da Juventude e por isso a entrada na exposição "FRONTEIRAS" é gratuita até aos 25 anos de idade.

Aproveitem para conhecer as obras dos 53 artistas representados naquela que foi a exposição central dos 8.ºs Encontros Fotográficos de Bamako, no Mali, com propostas oriundas de 23 países africanos.

Podem começar por espreitar os trabalhos de Kader ATTIA(França-Argélia), Lilia BENZID (Tunísia-França), Ali Mohamed OSMAN (Sudão), Zak OVÉ (Trindade e Tobago-Grã-Bretanha), Zineb SEDIRA (Argélia-França), Barthélémy TOGUO (Camarões) e Berry BICKLE (Moçambique-Zimbabwe). Mas nenhuma consulta on-line substitui uma visita ao vivo...

Mais sobre as "Fronteiras" no âmbito do Programa Gulbenkian Próximo Futuro, aqui.

"Becoming: photographs from the Wedge Collection"

Published10 Aug 2011

Tags fotografia kenneth montague wedge collection

Camilo José Vergara, Girls, Barbies, Harlem, 1970.

Photo credit:  Dr. Kenneth Montague / The Wedge Collection

A partir de amanhã, 11 de Agosto de 2011, é possível ver a exposição itinerante "Becoming: photographs from the Wedge Collection" no Nasher Museum of Art / Duke University, na cidade de Durham (Carolina do Norte), realizando-se a 27 de Setembro uma palestra com o curador da colecção e da exposição: Dr. Kenneth Montague.

Tanto o título como o tema foram inspirados numa frase do teórico cultural de origem jamaicana Stuart Hall: "Cultural Identity is a matter of 'becoming' as well as 'being'. It belongs to the future as much as to the past… identities are the names we give to the different ways we are positioned by, and position ourselves within, the narrative of the past" (Stuart Hall, ‘Cultural Identity and Diaspora’, 1990).

Montague foi um dos conferencistas do 5.º Workshop de Investigação do Programa Gulbenkian PRÓXIMO FUTURO, dedicado ao "Estado das Artes em África e na América do Sul", e foi também um dos Dj's do "Baile" que teve lugar na Garagem da Gulbenkian logo após a abertura dos 8.ºs Encontros Fotográficos de Bamako no edifício-sede.

Mais sobre a Wedge Collection aqui, e mais sobre a exposição "Becoming" aqui.

mais de 20 países africanos em Lisboa, via Bamako

Saïdou Dicko (Burkina Faso), Le voleur d’ombres, 2005-2009

Em véspera de fim-de-semana lembramos que ainda pode ver a exposição "Fronteiras": mostra central dos 8.os Encontros Fotográficos de Bamako, cuja itinerância internacional inclui Portugal pela primeira vez.

Desde a sua inauguração em Lisboa, no âmbito do Programa Gulbenkian PRÓXIMO FUTURO, já foi visitada por 9.187 pessoas.

Pode agendar uma visita guiada através do Descobrir, sendo que aos Domingos a entrada na exposição é sempre gratuita.

Eis notícia de Miguel Matos sobre estas "Fronteiras":

Veio do Mali e chegou à Gulbenkian a exposição “Fronteiras”: um conjunto de 180 obras em fotografia e vídeo de 53 artistas africanos e afro-americanos, que estiveram representados na última edição dos Encontros de Bamako, produzida em 2009. Segundo António Pinto Ribeiro, comissário do Programa Gulbenkian Próximo Futuro, trata-se da “maior exposição de fotografia africana alguma vez mostrada em Portugal”. E é também uma exposição que nos mostra uma África multifacetada em questões sociais e políticas ou étnicas. (...)

Também continuam visitáveis, durante todo o verão, as instalações artísticas de Nandipha Mntambo (ÁFRICA DO SUL) e do colectivo Raqs Media (ÍNDIA), para além das intervenções dos artistas Bárbara Assis Pacheco (PORTUGAL), Délio Jasse (ANGOLA), Isaías Correa (CHILE) e Rachel Korman (BRASIL) nos chapéus-de-sol concebidos pela arquiteta Inês Lobo, também no JARDIM Gulbenkian.

Mais informações e contactos, aqui.

"Africa through a lens": de A(frica unkown) a Z(imbabwe)

Africa through a lens is a set of thousands of images taken from a broader photographic collection of Foreign and Commonwealth Office images, held at The National Archives. Starting with some incredible early photographs from the 1860s, the images span over 100 years of African history. These images are now available, for the first time, to view online.

Continuar a ler aqui e para ver toda a coleção no flickr (onde as imagens surgem organizadas por países) basta navegar até aqui.

ainda há muito para ver no VERÃO do PRÓXIMO FUTURO!

Terminaram ontem os eventos PRÓXIMO FUTURO/Verão 2011 mas ainda há muito para ver até ao final do ano!

Desde logo, a exposição "Fronteiras" (mostra central dos 8.os Encontros Fotográficos de Bamako, vinda do MALI) que, para além das mais de 700 pessoas na inauguração, já foi entretanto visitada por mais de 6.500 pessoas.

Também continuam visitáveis, durante todo o verão, as instalações dos artistas Nandipha Mntambo (ÁFRICA DO SUL), Kboco (BRASIL) e do colectivo Raqs Media (ÍNDIA) pelo Jardim Gulbenkian, para além das intervenções artísticas de Bárbara Assis Pacheco (PORTUGAL), Délio Jasse (ANGOLA), Isaías Correa (CHILE) e Rachel Korman (BRASIL) nos Chapéus-de-Sol projectados pela arquitecta Inês Lobo, também no JARDIM Gulbenkian.

Mais informações e contactos, aqui.

Sérgio Santimano: AFRICA HAS THE FLOOR

Published21 Jun 2011

Tags fotografia moçambique sérgio santimano suécia

Nsiro, Ilha de Moçambique (2003), de Sérgio Santimano

O fotógrafo moçambicano radicado na Suécia, SÉRGIO SANTIMANO, apresentou na passada quarta-feira, na cidade de sueca de Upsala uma exposição de fotografias intitulada "Africa has the floor". A mostra integrou a ECAS 2011 - 4th European Conference on African Studies entre 15 e 18 de Junho e em Agosto estará disponível na internet em acesso livre, sendo exibida em Setembro na Feira do Livro de Gotemburgo 2011.

Para saber mais basta navegar por aqui.

'Encontros de Bamako': visita guiada + notícias e Délio Jasse!

Foto de Guillaume Pazat/kameraphoto para o Jornal i (cf. artigo sobre "Fronteiras") 

E com o fim-de-semana já próximo, aproveitamos para lembrar que este Domingo, dia 5 de Junho, dia de eleições, realizar-se-á mais uma visita guiada por Lúcia Marques à exposição "Fronteiras" (8.ºs Encontros Fotográficos de Bamako/MALI), no edifício-sede da Gulbenkian, em Lisboa.

Sendo um Domingo, dia da semana em que a entrada na exposição é sempre gratuita, apenas terá que levantar o seu bilhete na recepção. A recepção do edifício-sede é também o ponto de encontro para quem vier à visita, que tem início às 15h30 e duração aproximada de 1h, na qual se contextualizará a apresentação inédita em Portugal desta Bienal vinda do Mali, dedicando especial atenção ao papel dos curadores (comissários) e às questões decorrentes da adaptação de uma exposição itinerante.

NOVIDADE "fresquinha": o artista Délio Jasse (nascido em Luanda em 1980 e há mais de dez anos a viver em Lisboa), que no próximo dia 16 de Junho inaugurará no Jardim da Gulbenkian (projecto Chapéus-de-Sol), acabou de ser seleccionado para os 9.ºs Encontros Fotográficos de Bamako (abertura prevista para Novembro de 2011, no Mali)!

Entretanto... já sairam mais notícias na imprensa sobre as "Fronteiras" vindas de 23 países africanos via Bamako:

"Fronteiras, a montra que faz a ponte com África" (Jornal i), por Maria Ramos Silva

"De olhos postos em África" (Time Out), por Miguel Matos

+ "Quem disse que em África não há activismo LGBT?" (Time Out), por Miguel Matos

algumas notícias sobre FRONTEIRAS e visita guiada este domingo

Published27 May 2011

Tags fotografia fronteiras imprensa visitas guiadas

(in jornal Expresso, 21.05.2011, por Celso Martins) 

Alguns dos artigos que têm saído na imprensa sobre "FRONTEIRAS" (exposição central dos 8.ºs Encontros de Bamako/MALI, em exibição no edifício-sede da Fundação Calouste Gulbenkian até 28 de Agosto de 2011) também podem ser consultados através dos seguintes links:

Público  (13.05.2011), por Lucinda Canelas

Jornal de Negócios (13.05.2011), por Lúcia Crespo 

Sol (13.05.2011), por Telma Miguel 

Diário de Notícias (15.05.2011), por Maria João Caetano 

Visão (26.05.2011), por Cláudia Almeida 

E lembramos que este próximo Domingo (dia 29 de Maio), às 15h30, haverá uma visita guiada à exposição por Lúcia Marques, na qual se contextualizará o conceito e as opções de montagem dos 8.ºs Encontros de Bamako na Gulbenkian de Lisboa, articulando a produção fotográfica desta bienal de fotografia com os trabalhos em vídeo nela incluídos. Sendo um Domingo, dia da semana em que a entrada na exposição é sempre gratuita, apenas terá que levantar o seu bilhete na recepção.

Mais informações sobre horários, bilheteiras, contactos, aqui.

Visita à exposição "FRONTEIRAS", também neste próximo domingo

Published20 May 2011

Tags bienal fotografia fronteiras visitas guiadas

Reportagem editada pela OSTV a propósito de "Fronteiras": exposição que foi central nos 8.ºs Encontros Fotográficos de Bamako (Mali), actualmente patente ao público no edifício-sede da Gulbenkian, em Lisboa.

Aproveitamos para lembrar que este próximo Domingo (dia 22 de Maio), às 15h30, haverá uma visita guiada à exposição por Lúcia Marques, na qual se contextualizará a vinda a Portugal desta Bienal de Bamako, colocando um enfoque especial na afirmação da chamada "fotografia africana".

Sendo um Domingo, dia da semana em que a entrada na exposição é sempre gratuita, apenas terá que levantar o seu bilhete na recepção.

Mais informações sobre horários, bilheteiras, contactos, aqui

leituras sugeridas a partir da BIBLIOTECA de ARTE da Gulbenkian

E porque HOJE, em pleno Workshop sobre "O Estado das Artes em África e na América do Sul" (imperdível para quem se interessa por literatura, arquitectura, cinema, circulação cultural, fotografia, música, coleccionismo, nestas geografias), nas comunicações que começam às 14h30, há um destaque especial às exposições de "fotografia africana" – e mesmo em vésperas da inauguração da mostra "Fronteiras" –, eis uma sugestão de leituras possíveis na Biblioteca de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian:

A fiction of authenticity : contemporary Africa abroad  / essays by Orlando Britto Jinorio...[et al.] . - St. Louis : Contemporary Arts Museum, cop. 2003.

Africa remix : contemporary art of a Continent / [ed. lit.] Simon Njami ; with essays by Luci Durán... [et al.] ; and a dialogue between Marie-Laure Bernadac and Abdelwahab Meddeb. - Ostfildern-Ruit : Hatje Cantz, cop. 2005.

Africa : the art of a continent / edited by Tom Phillips ; [preface] Cornel West ; design Petra Lüer. - Munich ; London ; New York : Prestel, cop. 1999.

Afriphoto II. - Trézélan : Filigranes Editions, imp. 2005. - 1 pasta (4 v.)  (Collection Afriphoto ; 5-8. - 1o v.: Malick Sidibé. - 31, [1] p . - 2o v.: Bill Akwa Bétotè. - [32] p . - 3o v.: Omar D. - [32] p . - 4o v.: Fouad Hamza Tibin, Mohamed Yahia Issa. - [32] p.

Afterlife / ed. by Sophie Perryer . Cape Town : Michael Stevenson, 2007.

Amulets & dreams : war, youth & change in Africa / ed. by Omar Badsha ; photogr. by Guy Tillim & Omar Badsha ; text by Julia Maxted ; foreword by Amara Essy. - Pretoria : SAHO : ISS : UNISA, 2002.

Angaza Afrika : African art now / Chris Spring. - London : Laurence King Publishing, 2008.

Angola : figures de pouvoir / dir. Christiane Falgayrettes-Leveau . - Paris : Musée Dapper, cop. 2010.

Anthology of african art : the twentieth century / edited by N'Goné Fall and Jean Loup Pivin . New York : D.A.P.; Paris : Revue Noire Éditions, African Contemporary Art, cop. 2002.

Antologia da fotografia africana e do Oceano Índico / [ed. lit.] Pascal Martin Saint Léon, N'Goné Fall ; trad. Irène Ernest Dias... [et al.]. - [Paris] : Editions Revue Noire, D.L. 1998. - 432 p. : il. color. ; 32 cm. - Obra publicada por ocasião da exposição patente na Pinacoteca do Estado de São Paulo; exposição realizada em parceria com a Pinacoteca do Estado de São Paulo, a Editora Revue Noire, a Maison européenne de la photographie e a South African Gallery da África do Sul. - Contém índice, referências bibliográficas e dados biográficos dos fotógrafos representados.

Authentic Ex-Centric : conceptualism in contemporary african art / Salah M. Hassan, Olu Oguibe. - Ithaca : Forum for African Arts, cop. 2001. Obra publicada por ocasião da exposição "Authentic/Ex-centric : Africa in and out of Africa" patente no âmbito da 49a Bienal de Veneza, 2001.

Avenue Patrice Lumumba / Guy Tillim ; with texts by Robert Gardner and Guy Tillim.  Munich [etc.] : Prestel; Cambridge : Peabody Museum of Archaeology and Ethnology, 2008.

Bamako : a la ciutat i més enllà : VII Trobada Africana de Fotografia /  Barcelona : Centre de Cultura Contemorània de Barcelona, cop. 2009. Obra publicada por ocasião da exposição patente no Centre de Cultura Contemorània de Barcelona (Espanha), de 24 de Fev. a 11 de Junho de 2009

Bamako 03 : fotografia africana contemporània / dir. Pep Subirós. - Barcelona : Centre de Cultura Contemporània de Barcelona, cop. 2004.

David Goldblatt, photographs / introd. Martin Parr. - Roma : Contrasto, 2006. - 253 p. Obra publicada no âmbito da exposição David Goldblatt, patente em Arles, Rencontres internationales de la Photographie, em Winterhur no Fotomuseum, e em Milano - Forma - Centro Internazionale di Fotografia em 2007

David Goldblatt : südafrikanische fotografien, 1952-2006 / buchkonzept Martin Parr, David Goldblatt ; übersetzungen Martin Jaeggi. - Basel : Christoph Merian; Winterthur : Fotomuseum, cop. 2007.

El tiempo de África / concepto Simon Njami. Las Palmas de Gran Canaria : Centro Atlántico de Arte Moderno, cop. 2000. Obra publicada por ocasião da exposição organizada e patente no Centro Atlántico de Arte Moderno, Las palmas de Gra Canaria (Espanha), 12 Dez. 2000 a 4 Fev. 2001

Entangled : Annäherungen an zeitgenössische künstler aus Afrika = Approaching contemporary african artists / edited by Marjorie Jongbloed. -Hannover : Volkswagen Foundation, 2006.

Going home / Jodi Bieber ; trad. Sergio Rubira. – In Exit . - ISSN1577-2721 . - Madrid . - N. 32 (Out./Dez. 2008), p.52-71

In-sight : african photographers, 1940 to the present / curated by Clare Bell... [et al.] ; designed by Cara Galowitz ; [preface] Thomas Krens. - New York : Guggenheim Museum, cop. 1996. Fotógrafos lusófonos : Mody Sory Diallo, Meïssa Gaye, Ricardo Rangel

L'Afrique par elle-même : La photographie africaine de 1840 à nos jours. - In:Revue noire . - [Paris] . - N. 28 (mars-avril-mai 1998), p. 65-78.

Like a virgin... : Lucy Azubuike, Zanele Muholi / ed. by Bisi Silva ; text Christine Eyene, Bisi Silva. - Lagos : Centre for Contemporary Art, 2009.

Next flag : the african sniper reader / edited by Fernando Alvim, Heike Munder, Ulf Wuggenig.  Zürich : JRP, 2005. Obra publicada no âmbito do projecto "Next flag : reexistência cultural generalizada - an african sniper project for european spaces"

Olvida quién soy = Erase me from who I am / coord. Elvira Dyangani Ose ; fot. Nacho González ... [et al] ; trad. Dwight Porter e Juan Larrea. - Las Palmas : Centro Atlântico de Arte Moderno, 2006.

Personal affects : power and poetics in contemporary south african art / curated by David Brodie. ; with essays and interviews by Okwui Enwezor, Tracy Murinik, Liese van der Watt. - New York : Museum for African Art ; Cape Town : Spier, cop. 2004.

Pieter Hugo : the critical zone of engagement / Bronwyn Law-Viljon.  Fotógrafo vencedor da categoria "Retratos" da competição do World Press Photo 2006. . – In Aperture . -ISSN0003-6420 . - New York . - N. 186 (Spring 2007), p. 20-29

Reading the contemporary african art from theory to the marketplace / edited by Olu Oguibe and Okwui Enwezor. - London : inIVA, 1999.

South African intersections / David Goldblatt ; with an interview by Mark Haworth-Booth ; and essays by Christoph Danelzik-Bruggemann and Michael Stevenson. - Munich (etc.) : Prestel, cop. 2005.

The emerging self / Michelle Sank. - In:Katalog . - ISSN0904-2334 . - Odense, Denmark . - V. 13, n. 3 (Fall 2001), p. 14-19.

The end of the game : the last word from paradise : a pictorial documentation of the origins, history and prospects of the big game in Africa / Peter H. Beard. - Köln : Taschen, 2008.

The hyena & other men / Pieter Hugo ; with an essay by Adetokunbo Abiola. - Munich [etc.] : Prestel, 2007.

The outsider / Sean O'Toole. - In:Creative review . - London . - V. 25, n. 7 ( July 2005), p. 44-47 .

The transported of KwaNdebele / David Goldblatt ; trad. Babel 2000. – In Exit . - ISSN1577-2721 . - Madrid . - N. 32 (Out./Dez. 2008), p. 46-51

The view from Africa / [texts] Chimamanda Ngozi Adichie... [et al.] ; introd. John Kyle ; [ed. lit.] Ian Jack. - London : Granta, 2005.

Travesía / coord. Mari Carmen Rodríguez Quintana . Las Palmas de Gran Canaria : Centro Atlántico de Arte Moderno, 2008. -Obra publicada por ocasião da exposição patente no Centro Atlántico de Arte Moderno, Las Palmas de Gran Canaria (Espanha), de 17 de Out. de 2008 a 4 de Jan. de 2009.

Visionary Africa. Milano : Silvana ; Brussels : Bozar Books, 2010. - 3 v. : il. color. ; 29 cm. - Obra publicada no âmbito do Festival "Visionary Africa" realizado do Centre for Fine Arts e no Royal Museum for Central Africa, Bruxelas (Bélgica), de 30 de Maio a 26 de Set. 2010. 1o v.: African renaissances . - 2o v.: A useful dream : african photography, 1960-2010 / préf. Yves Leterme... [et al.]. - 187, [4] p. - Obra publicada por ocasião da exposição patente no Centre for Fine Arts, Bruxelas (Bélgica), de 26 de Junho a 26 de Set de 2010 . - 3o v: Geo-graphics : a map of art practices in Africa, past and present / David Adjaye ; ed. by Emiliano Battista... [et al.] ; transl. Michael Breslin... [et al.] ; proof. Ondina Granato, Joel Griffith, Raka Singh ; pref. Herman Van Rompuy... [et al.]. - 378, [6] p.

Agora em LISBOA, com MAURO PINTO

Imagem da primeira exposição individual de MAURO PINTO em Portugal e que inaugura no próximo dia 14 de Maio, às 18h00, na galeria Influx Contemporary Art

Eis texto pelo curador e artista moçambicano Jorge Dias:

’MAPUTO – LUANDA - LUBUMBASHI’

Em 2005, quando Mauro Pinto apresentou em Maputo o projecto “Portos de Convergência”, o público do Centro Cultural Franco-Moçambicano (e, mais tarde, do Museu Nacional de Arte) teve a oportunidade de testemunhar as extraordinárias imagens dos portos comerciais de Maputo e Luanda. Era a apresentação de um... trabalho que se iniciava ali mas que mostrava já ser muito ambicioso. Mais do que expôr fragmentos de lugares, tratava-se de tornar estes lugares em pontos de partida.

‘MAPUTO - LUANDA – LUBUMBASHI’ sem se inserir directamente neste projecto, decorre dele e reúne três séries que resultam da negociação entre o fotógrafo e a privacidade dos sujeitos, dos espaços e dos elementos fotografados. A exposição traz-nos imagens de lugares que foram outrora palco de migrações massivas e brutais relacionadas com o comércio de escravos Africanos, imagens de lugares maltratados e desgastados pelo tempo mas também outras imagens melancólicas, quase intimistas, de interiores de habitações e espaços comerciais.

Uma das fotografias a cores mostra-nos o interior de uma barbearia. Vários elementos articulam esta imagem: o jogo dos espelhos, os cartazes de alguns ídolos da música e do futebol, a iluminação e, por fim, as pessoas, que posam, num cenário que já estava montado.

Já as séries ‘Maputo’ e ‘Luanda’, revelam um outro lado do trabalho do fotógrafo. Recorrendo à fotografia analógica a preto e branco, abandonada por muitos fotógrafos em Maputo, e claramente influenciado por Ricardo Rangel, Mauro Pinto adopta um discurso mais conscientemente crítico. A fotografia das “Divas Africanas” ou a dos bairros pobres reflectem realidades sociais distintas, mas é notória a opção por fotografar os mais frágeis assumindo-se aqui claramente o artista como um porta-voz.

Mauro Pinto traz tudo isto para o seu trabalho, sem compromissos e sem intenção de reconstrução histórica. Imagens por vezes provocantes e sempre artisticamente inspiradoras e uma enorme capacidade de realçar o contraste, de capturar o real, a essência, o espaço, fazem da sua fotografia um caso ímpar em Moçambique.

Jorge Dias

Artista Plástico, Curador

Moçambique

Mais links para conhecer a obra de MAURO PINTO, um dos mais talentosos fotógrafos moçambicanos da actualidade, aqui, aqui, aqui e aqui (para começar...)!

Lúcia Marques

Figures & Fictions: CONTEMPORARY SOUTH AFRICAN PHOTOGRAPHY

Uma grande e actual exposição de fotografia de autores da África do Sul no Victoria & Albert Museum pode ser vista até 17 de Julho. É a primeira exposição sobre fotografia contemporânea sul-africana apresentada no Reino Unido neste século. Reúne cerca de 150 obras de 17 fotógrafos e tem contributos textuais dos mais importantes teóricos e especialistas da fotografia sul-africana como Tamar Garb e Federica Angelucci (presente no Próximo Futuro dia 12 de Maio no contexto do Workshop de Investigação "O Estado das Artes em África e na América do Sul").

A exposição é apresentada como uma exposição de fotografia no contexto pós-apartheid, reunindo várias abordagens e estilos. Refere-se a presença de fotógrafos consagrados como David Goldblatt e Santu Mofokeng, bem como a nova geração representada por Zanele Muholi e a parceria Hasan & Husain Essop. Se há um traço comum a estes fotógrafos é o seu compromisso político assumido quer seja através da fotografia documental, quer da explícita fotografia de arte.

Para todos aqueles que têm acompanhado as actividades do Fórum Cultural "O Estado do Mundo" ou o Programa Próximo Futuro são muitos os fotógrafos aqui representados que já foram expostos nestes dois Programas Gulbenkian.

Mais informações aqui e entrevistas com os fotógrafos no V&A Channel.

APR

"FRONTEIRAS" mostra vitalidade da criação contemporânea africana em 160 imagens

Published14 Apr 2011

Tags bamako fotografia fronteiras lusa

Kader Attia, "Rochers Carres" (2009)
Notícia da LUSA sobre a exposição "Fronteiras":

A exposição "Fronteiras", com 160 imagens e 16 vídeos, vai mostrar a partir de 13 de maio, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, a qualidade e vitalidade da criação africana e afro-americana contemporânea na área da fotografia.

Inserida no programa Próximo Futuro/Next Future, a mostra ficará patente até 28 de agosto, e inclui ainda conferências no mesmo dia, com alguns dos mais importantes intelectuais africanos, indicou à agência Lusa o programador António Pinto Ribeiro.

A exposição vem do Mali, onde foi apresentada em dezembro de 2009, no âmbito da 9.ª Bienal de Fotografia de Bamako, capital daquele país africano.

"É uma bienal muito falada nos circuitos artísticos devido à qualidade e diversidade dos trabalhos apresentados", comentou o consultor da Gulbenkian.

António Pinto Ribeiro esteve no Mali na altura da bienal e ficou "impressionado com a qualidade técnica de muitos fotógrafos - o que vai contra muitos dos clichés que hoje as pessoas têm da fotografia africana - com o maior uso da cor, e a forma como o tema foi tratado" pelos 62 fotógrafos que participaram.

Na altura ficou entusiasmado com a possibilidade de trazer a mostra a Lisboa no âmbito do programa Próximo Futuro, cujo objetivo principal é "dar a conhecer o que existe de mais cosmopolita e contemporâneo em África e na América Latina".

O tema "Fronteiras" foi tratado de forma "muito diversa e inesperada" e é revelado através da interpretação de cada fotógrafo, não se circunscrevendo à geografia, mas alargando-se às questões da imigração, do apartheid ou das questões de género (os papéis do feminino e do masculino na sociedade).

Na exposição será possível ver muitas fotografias documentais, mas também algumas encenadas, retratos, revelando as diversas opções dos criadores, onde se encontram nomes como Mohamed Bourouissa, Seydou Camara, Faten Gades, François-Xavier Gbré, Yo-Yo Gonthier, Armel Louzala e Anthony Kaminju Kimani.

Outro aspeto que Pinto Ribeiro notou foi o elevado número de mulheres que está a dedicar-se à fotografia, um fenómeno novo na atualidade, em África.

Entre elas contam-se Myriam Abdelaziz, Lilia Benzid e Jodi Bieber, de origem sul-africana, mas a residir em Moçambique, que apresenta um vídeo sobre as devastadoras inundações no país.

Além da exposição, estão previstas conferências no dia 13 de maio com a presença Patrick Chabal, professor de Estudos Africanos no King's College de Londres, Breyten Breytenbach, escritor e ativista sul-africano, Yudhishthir Raj Isar, conselheiro cultural independente e professor de Estudos em Políticas Culturais na Universidade Americana de Paris, e Kole Omotoso, autor de romances históricos, crítico e professor de drama na Universidade Stellenbosch, na África do Sul.

AG.

Lusa/Fim

KILUANJI KIA HENDA: soma e segue…!

Published12 Apr 2011

Tags angola besphoto fotografia kiluanji kia henda soso

KILUANJI KIA HENDA em frente ao seu trabalho “Ngola Bar” (2006), na 52.ª Bienal de Veneza, em 2007.

Foto: Christine Eyene

Com exposições realizadas em importantes iniciativas e espaços de diferentes países nos continentes africano, europeu e americano, Kiluanji Kia Henda (n. 1979, Luanda) é um dos artistas angolanos com maior reconhecimento internacional no panorama artístico da actualidade.

Artista autodidata, tem-se destacado pelo trabalho fotográfico que tem vindo a desenvolver sobre o país onde nasceu e vive, paralelamente à criação de séries relacionadas com outros lugares e contextos, decorrentes das várias residências artísticas em que tem participado. Depois da sua primeira residência artística na I Trienal de Luanda, em 2005, integrou programas de residências como os da galeria ZDB (Lisboa, 2007), espaço Blank Projects (Cidade do Cabo, 2008) e Fondazione di Venezia (Veneza, 2010), participando também na 52.ª Bienal de Veneza (Itália, 2007), na 3.ª Trienal de Guangzhou (China, 2008) e na 29.ª Bienal de São Paulo (Brasil, 2010).

Kia Henda realizou a sua primeira exposição invidual em Luanda, na Galeria SOSO (“Estórias e Diligências”, 2009) e um ano depois apresentou, no espaço da SOSO em São Paulo, a nova individual, intitulada “Trans It”, que entretanto desenvolvera em Bordéus (França, exposição “Evento”).

O trabalho “Self-Portrait as a White Man”, desenvolvido entre Veneza e Luanda no âmbito da residência internacional “Art Enclosures”, seguiu logo depois para Itália e deu lugar à sua individual com o mesmo nome na Galleria Fonti (ler artigo aqui).

Neste ano de 2011, algumas das suas obras já foram “apanhadas” no meio de uma revolução (exposição “Propaganda by Monuments”, concebida para o CIC no Cairo, Egipto). Outras podem ser vistas, até final desta semana, na Airspace Residency (Nova Iorque, EUA), na mostra “The Days of This Society Are Numbered”, com curadoria de Miguel Amado. E há ainda trabalhos seus a concurso em Lisboa (no CCB-Centro Cultural de Belém), depois da nomeação para o Prémio BES Photo, que na sua 7.ª edição se abriu aos países da CPLP e cujos resultados são divulgados hoje mesmo, dia 12 de Abril…!

No CCB, Kia Henda expõe ao lado de Mauro Restiffe (Brasil), Manuela Marques (Portugal), Mário Macilau (Moçambique) e Carlos Lobo (Portugal). Aqui um breve depoimento do artista no âmbito da exposição e aqui uma entrevista elucidativa feita pela Lígia Afonso (assistente curatorial na 29.ª Bienal de São Paulo), publicada no catálogo do BES Photo 2011. Para uma biografia mais detalhada é ir aqui.

Vale também a pena ler o artigo que o próprio Kiluanji escreveu em Maio de 2010 sobre “O sonho de Niemeyer e o Universo Paralelo” e ouvi-lo a apresentar os seus projectos na Tate Modern: “Talks & Discussions: After Post-Colonialism: Transnationalism or Essentialism?”.

Lúcia Marques

A ver em Paris

Um museu que investe muito seriamente na apresentação de arte africana tradicional e erudita. É o Museu Dapper que apresenta até 10 de Julho de 2011 a EXPOSIÇÃO Angola Figures de Pouvoir. Um exposição composta por uma primeira parte dedicada à obra do artista plástico António Olé e uma segunda parte que reune peças extraordinárias provenientes de várias colecções públicas e privadas de escultura, estatuária, máscaras, tecidos e utensílios de rito de Angola, ou mais precisamente, do antigo reino do Congo. A ver, aqui, ou lá.

 

(CHOKWE) Angola, figures de pouvoir

E uma exposição de fotografia de artistas sul-americanos com obras desde os anos 30 do século passado à actualidade: Fragments Latino-Américains. São dezasseis fotógrafos de nove países e é uma exposição a ver para conhecer a excelência desta tradição fotográfica. Na Casa da América Latina em Paris.

 Roberto Humacaya

afriphoto

Published20 Apr 2010

Tags fotografia

O novo site da afriphoto já está em linha. Trata-se de um projecto que, desde 2001, promove fotógrafos de origem africana, dando-lhes um espaço de visibilidade e de expressão.