Next Future logo

Obras da Colecção Daros LatinoAmérica em Buenos Aires

Published24 Aug 2015

Tags Colecção Daros américa latina

Imagem: Rosângela Rennó, arquivo da prisão de Carandiru, São Paulo

São 41 obras  agora expostas na Fundación Proa, em Buenos Aires, da Colecção Daros, criada nos anos 80 e que formou uma secção especialmente dedicada à América Latina, que passou a estar acessível ao público, no Rio de Janeiro, apenas até Dezembro de 2015. É deste conjunto os trabalhos que se mostram agora em Proa, que inclui artistas argentinos e constitui uma reflexão sobre realidades extremas no continente.

"Amor” marcado a tinta: la sensualidad extraña de una piel dura con letras delineadas por filosas agujas da lugar a un tatuaje junto al corazón. Fotografiado en primer plano, el dibujo-cicatriz es parte de los fabulosos archivos fotográficos encontrados por la artista brasileña Rosângela Rennó en el museo penitenciario de la cárcel de Carandiru, en San Pablo; y es parte de su obra “Sin título (Tatuaje 4)”. Dejando de ser solamente privado –ni aun un límite entre lo privado y lo público, tampoco entre lo personal y lo social–, el cuerpo deviene en el trabajo de Rennó una plataforma curtida y frágil a la vez, castigada, sensible, agredida y expresiva: una plataforma humana demasiado expuesta (indicio de la violencia del contexto en el que habita). Y esta es una de las constantes más importantes, en la muestra Colección Daros. Latinamerica –curada por Katrin Steffen y Rodrigo Alonso– que actualmente puede verse en la Fundación Proa: la violencia, y cómo se manifiesta a través de las obras. Las representaciones del cuerpo y de determinados objetos surgen como evidencias o emergencias de situaciones agresivas, tensas, extremas. Las obras devienen así terminantes llamados de atención sobre situaciones puntuales ubicadas geográficamente en América Latina: ciertos conflictos políticos, sociales, económicos. Entre todos, los presentados en los trabajos de los artistas colombianos y mexicanos llevan la delantera porque abordan de manera contundente estados recientes, sincrónicos, de esos países. Lo hacen crudamente, sin anestesia: la mexicana Teresa Margolles y su “Trepanaciones. Sonidos de la morgue”, un simple par de auriculares y esos sonidos grabados, audibles, es de las obras más potentes de la muestra y, de tan dura, prácticamente insoportable; “Mugre”, del colombiano Rosemberg Sandoval –pinta una pared refregando sobre ella a un hombre de la calle, de un lado para el otro, dejando el rastro de su suciedad sobre el muro-; “Sin título”, de la colombiana Doris Salcedo –el mueble relleno de cemento, inamovible, clausurado, opaco, obturado–… Todas condiciones de prueba acerca de la resistencia y la sobrevivencia, que parecen un denominador común en esta exposición.

Texto completo em Marcas en el cuerpo

Eduardo Galeano (1940-2015)

Published14 Apr 2015

Tags eduardo galeano américa latina

Eduardo Galeano nasceu a 13 de Setembro em Montevideo, capital do Uruguai, onde morreu a 13 de Abril de 2015. Autor de dezenas de títulos, entre os quais de destacam As Veias Abertas da América Latina, Memória do Fogo, e Futebol: Sol e Sombra, é considerado um nome fundamental da literatura da América Latina, e um homem que se destacou pelo discurso e intervenção  políticos, enquanto pensador, tendo vivido exilado do seu país até 1985. Quis ser jogador de futebol, santo, pintor e finalmente escritor. Também foi jornalista. Confessou, no programa O Tempo e o Modo, na RTP2, que nunca deixou de ficar nervoso perante a folha branca, "omo quando se faz amor pela primeira vez com uma mulher"

En 1973, se exilió en Buenos Aires donde fundó y dirigió la revista Crisis durante sus 40 primeros números. Después, cuando la represión en Argentina no le dejó margen, pasó a residir en España en 1976. 

Dos años más tarde ganó el premio Casa de las Américas con Días y noches de amor y de guerra (1978), en el que compiló recuerdos, reflexiones, anécdotas y noticias, en breves, sobrias y sentenciosas narraciones, casi tan íntimas como tensas.

Las voces narrativas del autor, que fueron absorbiendo géneros literarios en un proceso de progresiva superposición, culminaron en una trilogía de acento épico, Memoria del fuego, cada uno de cuyos tomos llevaron como subtítulos Los nacimientos (1982), Las caras y las máscaras (1984) y El siglo del viento (1986). A principios de 1985, con la recuperación democrática regresó a Uruguay. 

Dueño de un estilo personal, depurado e incisivo para sus fieles y renovados lectores, reiterativo según sus detractores, sumó otros títulos: Conversaciones con Raimón, Contraseña, El libro de los abrazos, Nosotros decimos no, Ser como ellos y otros artículos, Las palabras andantes, El fútbol a sol y sombra, Patas arriba. La escuela del mundo al revés, Bocas del tiempo, Espejos. Una historia casi universal. Entre varios importantes premios, recibió el American Book Award, el Aloa el premio a la Libertad Cultural de la Fundación Lannan y el Stig Dagerman.

Murió el escritor uruguayo Eduardo Galeano, El Pays (Uruguai)


Galeano publicou As Veias Abertas da América Latina em 1971, quando tinha 31 anos. O livro, que foi publicado em Portugal em 1998 (ed. Dinossauro), é uma análise da história da América Latina, da colonização europeia à contemporaneidade, sob o ponto de vista da sua dominação e exploração por potências exteriores – europeias e norte-americanas. Nele, Galeano argumenta que os recursos que começaram por atrair os colonizadores europeus, como o ouro e o açúcar, conduziram a um sistema de exploração que persiste na actualidade e é responsável pela pobreza e pelo subdesenvolvimento na América Latina.

O livro converteu-se numa bíblia da esquerda latino-americana, tendo sido proibido no Uruguai, Argentina, Chile e Brasil nas décadas de 1970 e 1980, quando esses países eram governados por ditaduras militares apoiadas pelos Estados Unidos. Isso não impediu o livro de se tornar popular no continente. Especialista em História da América Latina, William Hamilton, da Universidade da Carolina do Norte, notou em 2009 ao Washington Times que “ler Galeano é um rito de passagem para qualquer jovem na América Latina, ano após ano.” “Durante as ditaduras militares dos anos 1970 e 80, os seus livros eram proibidos nas escolas mas eram bastante lidos. Amigos meus contaram-me que enterravam os seus exemplares no quintal para que as suas famílias não tivessem problemas com os militares.”

Por isso, há um ano, quando Galeano fez questão de se distanciar do seu próprio livro, afirmando publicamente que não seria capaz de reler a sua obra mais conhecida e celebrada, isso foi notícia. “Para mim, essa prosa da esquerda tradicional é chatíssima. O meu físico não aguentaria. Seria internado nas urgências”, disse na Bienal do Livro de Brasília, citado pela imprensa brasileira. Descrevendo o livro como uma obra de juventude, disse que As Veias Abertas da América Latina pretendia ser um livro de economia política, só que ele não tinha a formação necessária. “Não estou arrependido de tê-lo escrito, mas foi uma etapa que, para mim, está superada.”

Morreu Eduardo Galeano, o escritor que não releria a sua obra mais famosa, Público (Portugal)


A la espera del homenaje que tendrá lugar el martes a partir de las tres de la tarde hasta las 22.00, el senador José Mujica ha descrito al autor como “un elegido que a lo largo de los últimos 40 años nos dignificó en América Latina”. El expresidente ha añadido que Galeano era “un autodidacta que se fue puliendo a sí mismo y masificó una cultura difícil de encontrar en un universitario”.

Antes de convertirse en un intelectual destacado de la izquierda latinoamericana, Galeano trabajó como obrero de fábrica, dibujante, pintor, mensajero, mecanógrafo y cajero de banco, entre otros oficios. Las venas abiertas de América Latina se publicó cuando Galeano tenía 31 años y, según reconoció después el escritor, en aquella época no tenía los conocimientos suficientes: “[Las venas abiertas] intentó ser una obra de economía política, solo que yo no tenía la formación necesaria. No me arrepiento de haberlo escrito, pero es una etapa que, para mí, está superada”.

Muere el escritor uruguayo Eduardo Galeano a los 74 años, El País (Espanha)


He began working as a journalist in the 1960s, editing Marcha, one of Latin America’s top political and cultural weeklies. In 1973, following a military coup, he fled to Argentina and started a similar review called Crisis. When Argentina’s military dictatorship began its ‘dirty war’ against leftists, he took exile in Spain.

Later in life, he also won acclaim for his book on another of his passions, football. His 1995 celebration of the beautiful game, Football in Sun and Shadow, led the Guardian’s Richard Williams to laud him as “the Pelé of football writing”.

In 2013, speaking to the Guardian about his latest book, Children of the Days, Galeano detailed a world where power and wealth were becoming increasingly concentrated in the hands of a few, weaving in examples from the 15th century to the present day. “History never really says goodbye,” he said at the time. “History says, see you later.”

Eduardo Galeano, leading voice of Latin American left, dies aged 74, The Guardian (Reino Unido)



Arco 2105: a edição mais latino-americana da feira de arte contemporânea

Imagem: Doris Salcedo, "Las camisas"

A Arco Madrid 2015, que se realizará entre 25 de Fevereiro e 1 de Março, tem como país convidado a Colômbia. 218 galerias de 28 países, reunidas numa das mais importantes feiras de arte contemporânea da Europa, segundo o jornal El País, este ano "na sua edição mais latino-americana."

Una veintena de centros artísticos mostrarán la obra de un centenar de artistas colombianos. Como ejemplos más espectaculares empezó por el Museo del Prado, donde se expondrá una espectacular pieza de orfebrería conocida como Conocida como La Lechuga, por el color verde predominante gracias a 1.500 esmeraldas incrustadas en oro, propiedad del Banco de la República. Enfrente, el Museo Thyssen incluirá en su colección permanente Las camisas, una de las piezas más famosas de Doris Salcedo, premio Velázquez y una de las artistas más consideradas en el mundo. El centro Daoíz y Velarde será ocupado por Oscar Murillo, conocido como el Basquiat latinoamericano. El Museo de Artes Decorativas mostrará una instalación de Miguel Álgel Rojas y el Conde Duque dedicará una exposición al tema de Los tejedores de Agua: el río en la cultura visual y material contemporánea en Colombia. Son solo unos cuantos ejemplos de lo que Fernando Carrillo considera como la mejor señal de crecimiento de su país, una cultura que integra, desarrolla y hace crecer, la mejor manera para conseguir la paz.

O artigo completo em Arco presenta su edición más latinoamericana

"Un Verano": conto inédito de Selva Almada

Published22 Jan 2015

Tags literatura américa latina Selva Almada

Selva Almada, escritora argentina, esteve na Festa do Pensamento e da Literatura da América Latina, em Junho de 2014. Originária de Entre Ríos, em 2003 publicou o livro de poemas Mal de muñecas e depois os romances El Viento que arrasa (2012) e Ladrilleros (2013). Chicas muertas (Random House), o seu título mais recente, de não ficção, aborda os feminicídos que aconteceram nos anos 80 em várias províncias argentinas. Página 12 publica agora um conto seu.

Con el primo se conocían de vista; sus madres estaban distanciadas desde hacía tiempo, no sabía por qué ni desde cuándo. Pero esa vuelta, cuando se toparon en el parque de diversiones, los dos solos, sin amigos, se saludaron y simpatizaron enseguida. Empezaron a juntarse a la hora de la siesta y el primo le enseñó a disparar. Su madre nunca supo que había sacado la escopeta de su padre del escondite (la caja del vestido de novia, con el vestido de novia como mortaja, en la parte más alta del ropero). A ella no le habría gustado. Decían que el marido se le había muerto limpiando esa escopeta. Iban a practicar en los terrenos abandonados del ferrocarril.

La primera vez que salieron a cazar, desde el otro lado de la ruta, le llamaron la atención, en el montecito bajo, las copas salpicadas de cosas blancas, como bolsas de nylon o papeles que el viento hubiera ido depositando entre las ramas. Antes de cruzar miraron para los dos lados, venía un camión, así que esperaron. Cuando pasó, el chofer hizo pitar la bocina que sonó como el mugido de una vaca y sacó la mano por la ventanilla, saludándolos. No es que los conociera. Pero la gente que anda en la ruta es así, le toca bocina y saluda a todo lo que se mueve. De puro aburrimiento será.

Un Verano, em Página 12

"El teatro vulnerable", de Griselda Gambaro

Published19 Jan 2015

Tags teatro argentina américa latina

Griselda Gambaro (1928), escritora e dramaturga argentina, que esteve na lista negra da ditadura e teve Ganarse la muerte foi poibido, acaba de pubicar o livro El teatro vulnerable (Alfaguara), que reúne ensaios, conferências e artigos de jornal desde 1972. A revista Clarín entrevista a autora.

–En varios escritos y conferencias de distintas épocas habla de las insuficiencias del teatro: su escaso interés, sus contradicciones, su tibieza. ¿Cree que son intrínsecas al teatro actual?
–No, no llegan a ser intrínsecas al teatro, yo pienso que es una condición de la sociedad que rodea al teatro.

–¿La sociedad argentina?
–No, no creo que en Nueva York o París sea diferente. Las circunstancias que rodean al teatro son siempre las mismas: la atención a un público que es esquivo, la producción de espectáculos que se engloban bajo el nombre de teatro y no lo son, personas que suben al escenario sin estar preparadas, con un discurso inconsistente, experiencias narcisistas...

–¿Qué espera del teatro?
–Yo cuando voy al teatro pido que se me presente una forma eficaz, que tenga un sentido. Y decir una forma significa hablar de un contenido.

–¿El teatro debe ser transformador?
–A mí me ha transformado el teatro, me ha cambiado mucho en mi manera de ver el mundo.

–En una conferencia señala que su principal aporte al teatro argentino fue emerger como una “ruptura saludable”. ¿Quiere decir que ha transformado?
–Muchas mujeres me han dicho que sentían que yo “las hablaba”. En mis primeras piezas los personajes eran hombres, pero las mujeres vivían en un mundo de hombres que era de crueldad, fingimiento y violencia. Después me di cuenta de la situación de las mujeres. Entonces, a partir de ahí, sin proponérmelo, mi mirada cambió. Y en mis obras posteriores, casi todas mis protagonistas son femeninas. Son mujeres que están colocadas de otra manera en la vida. Las suyas no son grandes propuestas heroicas, majestuosas, solemnes, sino pequeñas actitudes.

A entrevista completa, na Revista Clarín

Freshlatin02 - Frescura da arquitectura latinoamericana

Published4 Apr 2013

Tags arquitectura freshlatin02 américa latina

A frescura que sopra na arquitectura latinoamericana é apresentada na exposiçãoFreshlatino02, patrocinada pelo Instituto Cervantes e que inclui seis estudios d Brasil, Venezuela, Ecuador, Colombia y Argentina com curadoria de Ariadna Cantis y Andrés Jaque.

Ariadna Cantis destaca las posibilidades de esa arquitectura que lucha “en un cuerpo a cuerpo” con la realidad, en un escenario cultural dispar y lleno de dramatismo, pero sobre todo “atractivo por sus paradojas, su intensidad y su carácter mutante”. El contexto iberoamericano se ha convertido en el laboratorio de una arquitectura que se aleja de las discusiones formales y estilísticas “para adentrarse de lleno en lo social y en su relación con un entorno sostenible”, dice Cantis. “A lo que se une la irrupción de Internet, que ha roto el aislamiento de estos grupos y que reactualiza la visión del Sur como nuevo Norte por su creatividad y determinación”. Para Andrés Jaque, son arquitecturas “construidas no con ladrillos sino con relaciones de reciprocidad, dependencia, afecto, pasión y discusión de la diferencia”.

Todo o artigo do El País pode ler-se aqui

Latinando, la tête et les jambes tendues vers l'Amérique Latine

latinando

«Porter un coup de projecteur sur les continents d’Amérique centrale et du sud dans une ville où, à la différence d’autres villes en Europe, les communautés originaires de ces pays sont assez limitées en nombre ». Telle est l'ambition de la première édition de Latinando, selon Séverine Cappiello, responsable de Saba Prod, une structure de production et d’accompagnement d’artistes à l'initiative de la manifestation, qui a lié pour l’occasion un partenariat avec l’Observatoire Politique d’Amérique latine et des Caraïbes de Sciences Po Paris. « Il y a de nombreux enseignements à tirer de l’évolution de ces sociétés », poursuit cette jeune activiste de la cause latino qui a séjourné à plusieurs reprises au Brésil et dans des pays limitrophes. « L’accroissement des inégalités sociales ? Eux, connaissent depuis longtemps et ont imaginé des réponses créatives. Idem pour la corruption, la drogue ou la violence… ». Du 7 au 15 décembre, quatre conférences poseront les enjeux socio-politiques et économiques de ce continent en pleine mutation, tandis qu’une série de concerts (Da Cruz, Aline de Lima, le duo Luzi Nascimento, Bacanada, Los Negros Soundsystem) et de DJ sets (RKK, Hugo Mendez, DJ Terror) donnera à entendre la créativité contagieuse qui, en mêlant tradition et modernité, dynamite aujourd’hui les musiques au sud du Rio Grande.

III Bienal Iberoamericana de Design (BID) quase a arrancar

III Bienal Iberoamericana de Desenho

Semana inaugural: del 26 al 30 de noviembre de 2012

La BID es una muestra de Diseño Iberoamericano que se celebra cada dos años en Madrid, convocada y organizada por la Central de Diseño y Dimad, y es una de las citas más importantes de promoción del diseño contemporáneo que se realiza en Latinoamérica, España y Portugal. Incluye una gran Exposición y una Zona de encuentro y pensamiento.

Muito mais sobre a BID, por aqui.

Curso de Verão "América Latina Hoje"

Curso de Verão América Latina Hoje
Data : De 05 de Setembro até 09 de Setembro
Local : ISCTE-IUL

O curso de Verão “América Latina Hoje”, que vai na sua quarta edição, proporciona uma formação intensiva sobre a actualidade política, social, cultural e económica latino-americana.
Migrações,cidades, fenómenos religiosos, literatura, cinema, direitos humanos, elites políticas e relações internacionais são alguns dos temas contemplados no programa.

Destacam-se, nesta edição, os temas da economia informal e do mercado de trabalho para jovens, pontos de análise para a própria sociedade portuguesa, tendo em vista os desafios que actualmente enfrentamos.

Estarão, assim, abertas ao público a mesa redonda sobre “Economia Informal na América Latina”, com a participação de Julio González (London School of Economics), Miguel Carrera Troyano (Universidade de Salamanca) e Mário Olivares (ISEG-UTL), e a conferência de encerramento “Desafios no Mercado de trabalho para os jovens latino-americanos”, por Laura Ripani, do Banco Inter-Americano de Desenvolvimento (BID).

Programa completo e inscrições em www.cies.iscte.pt
(até 1 de Setembro)

Mais informações:
217903956 | gcp.cies@iscte.pt

Local: ISCTE-IUL
Av. das Forças Armadas

Organização: Casa da América Latina | Centro de Investigação e Estudos de Sociologia – Instituto Universitário de Lisboa (CIES-IUL) | Instituto de Iberoamérica da Universidade de Salamanca
Apoio: Fundação para a Ciência e a Tecnologia | Junta de Castilla y León

 

"El mito de Fernando Botero engorda en Latinoamérica"

Published2 Apr 2012

Tags américa latina botero pintura

Sostiene Botero que nunca en su vida ha pintado “una gorda”. Lo dijo el miércoles en una rueda de prensa en México DF, donde se abre mañana al público en el Palacio de Bellas Artes la mayor exposición que se haya hecho sobre su carrera artística, Botero: una celebración, compuesta por 177 obras que exploran la gordura en todas sus formas.

La irónica afirmación ante la prensa de Fernando Botero (Medellín, 19 de abril de 1932) remite al motivo formal de su arte: la belleza misma del volumen, más que la obesidad humana, animal o de cualquier otro objeto de contemplación. Ya lo dice el escritor peruano Mario Vargas Llosa en un texto incluido en el catálogo de la muestra: “Cuando un crítico le preguntó por qué pintaba ‘figuras gordas’, Botero repuso: ‘No lo son. A mí me parecen esbeltas”.

–¿Y qué le parece a usted esta mujer tan voluminosa? –le pregunta el periodista a una señora mexicana en la explanada frontal del Palacio, donde ya se pueden ver cinco esculturas monumentales de Botero.

Continuar a ler no El País.

"Repensar los modernismos latinoamericanos. Flujos y desbordamientos."

Published28 Feb 2012

Tags américa latina crítica europa

 Gego, Proyecto Lausanne, c. 1975

El presente seminario trata de construir una constelación de miradas críticas en torno al arte moderno en América Latina. Se abordan los problemas de los orígenes de la abstracción geométrica, las influencias recíprocas entre Europa y América Latina, y los procesos complejos de hibridación entre tradiciones y modernidades. Los modos de narrar dichas historias, además de los modelos expositivos para presentar las vanguardias, constituyen otro de los focos del seminario. De esta forma, articula una genealogía de los recientes planteamientos expositivos e historiográficos que han pensado estas obras y movimientos. El seminario pretende así también ser el sustrato crítico que permita pensar la futura exposición de la Colección de arte moderno Patricia Phelps de Cisneros (CPPC) que el Museo Reina Sofía organizará en 2013.

Continuar a ler.

"Foto/Gráfica: las imágenes que cuentan el continente latinoamericano"

Dos de los grandes fotógrafos que participan en la exposición 'Foto/Gráfica' en París comentan sus fotolibros, rescatados del olvido por Horacio Fernández (na foto)

Si lo dice el poseedor de una de las mayores colecciones privadas de libros de fotografía, debe de ser cierto o aproximarse a la verdad: "El fotolibro latinoamericano es el secreto mejor guardado de la historia de la fotografía". Martin Parr dixit. Para comprobar la nula presencia de exageración en esa frase, se puede acudir a Le Bal, el centro especializado en fotografía documental inaugurado en 2010 en París, para ver la exposición Foto/Gráfica. Una nueva historia de los libros de fotografía latinoamericanos, el muestrario de tesoros icónicos comisariado por el español Horacio Fernández que fue inaugurado la pasada semana en París.

Se trata de la première mundial de una exposición itinerante surgida a partir del libro El fotolibro latinoamericano, editado por RM y presentado el otoño pasado en Madrid. El público español tendrá que esperar a la primavera –o desplazarse hasta el XVIII distrito parisiense– para admirar esta exposición, que Antonio Sanz ha asegurado para la galería Ivorypress (Madrid) y Lesley Martin para Aperture (Nueva York), y que pasará también por Brasil y Argentina.

Fernández, cuya fotobibliofilia severa impulsó un esfuerzo titánico de documentación apoyado en su red mundial de informantes y oteadores, hace esfuerzos evidentes por quedar en segundo plano, a pesar del hito que supone lograr que Europa descubra las joyas que alberga la América Latina.  "La cultura latinoamericana siempre se ha defendido a sí misma como cultura letrada, pero esta muestra confirma la riqueza de la cultura visual en el continente", afirma. "No existe en todo el mundo una relación entre literatura y fotografía tan apasionante".

Para ler o artigo completo, basta navegar até aqui.

"A literary deficit"

Published22 Dec 2011

Tags américa latina brasil guadalajara leitura literacia

Brazil apart, publishers are struggling to persuade the growing middle class to read more books

TINY fingers wiggle through the holes in the pages of “A Moverse” (“Let’s Get Moving”), a children’s picture-book that lets readers pretend their digit is a cat’s tail or penguin’s beak. While managers in suits talk print-runs and profits in one hall of the Guadalajara International Book Fair, the world’s biggest Spanish-language literary get-together, shrieks of excitement can be heard from young customers in the children’s area next door.

Para continuar a ler o artigo, basta ir até ao The Economist Job Board (Publishing in Latin America).

"About Change in Latin America and the Caribbean"

Published25 Jul 2011

Tags américa latina artes visuais caraíbas

Até ao próximo dia 31 de Julho é possível ver em Washington a primeira parte de três da plataforma visual About Change in Latin America and the Caribbean, com trabalhos de artistas da Argentina, Bahamas, Barbados, Belize, Brasil, Dominica, República Dominicana, Guyana, Haiti, Jamaica, Saint Kitts e Nevis, Saint Lucia, Saint Vincent e the Grenadines, Suriname, Trinidade e Tobago e Uruguai.

Ler e ver mais aqui.

PAULO REIS (1960-2011): curador, crítico de arte, jornalista, professor, cozinheiro, amigo para sempre

 

Quem viu não esqueceu: Um Oceano Inteiro para Nadar, título significativo de uma exposição que em Maio de 2000 inaugurou na Culturgest de Lisboa, reunindo trabalhos de artistas brasileiros e portugueses contemporâneos, sob a curadoria de Paulo Reis e Ruth Rosengarten. 
Havia de facto todo um enorme "Oceano" a separar Portugal e o Brasil, como ainda hoje há, apesar de tudo. Mas nesse ano de viragem de século e (também por isso) de importantes revisões históricas, foi possível conhecer por cá, pela primeira vez com uma amplitude cronológica expressiva e sistematizada, uma selecção de nomes fundamentais da produção artística brasileira contemporânea. Paulo Reis, que ao longo da década de 90 se destacou como jornalista cultural no Jornal do Brasil e assessor cultural do Museu da República do Rio de Janeiro, tinha vindo a Portugal pela primeira vez em 1998, a convite de António Pinto Ribeiro (nessa altura, director artístico da Culturgest), dar uma conferência sobre as artes na América Latina. E foi o início de Um Oceano Inteiro para Nadar...
Vi e escrevi sobre a exposição no jornal Expresso, onde era colaboradora, marcada pelo cruzamento inédito dessas autorias, num espaço tornado de encontro e de reconhecimento também entre os dois curadores dessa mostra (que até então não se conheciam e, ainda assim, aceitaram trabalhar em equipa para nos dar uma visão desses dois lados do Atlântico). Mas só tive o privilégio de conhecer pessoalmente o Paulo quando me acolheu numa primeira visita ao Brasil, em Abril de 2003. A sua disponibilidade para me mostrar o Rio de Janeiro foi total, levando-me pelos espaços e principais instituições, apresentando-me aos artistas, aos seus amigos de todo o lado, deixando-me entrar assim, no seu mundo pessoal e profissional, onde aprender, conhecer, partilhar eram uma mesma atitude de vida, uma celebração do humanismo que não devemos abandonar. Numa entrevista dessa altura, realizada a propósito da primeira individual do histórico artista brasileiro Nelson Leirner em Portugal (Culturgest do Porto, 2003), disse-nos: "meu ideal de conhecimento é o homem da Renascença, que conjugava todos os conhecimentos existentes em uma mesma pessoa. (...) Não entendo uma pessoa que não tenha interesse em filosofia, religião, cultura, não percebo qual é o papel desta pessoa diante da humanidade. Lembro-me das palavras de Leonardo Da Vinci, que homem não é uma construção física apenas, que veio ao mundo para encher sanitas, mas deixar um legado à humanidade. É o mesmo princípio que Beuys falava que todo o homem é um artista." E deu-nos o seu próprio "retrato falado": "Minha formação foi muito especial, estudei em colégio religioso, onde tive acesso à filosofia, à teologia, ao conhecimento aprofundado das ciências humanas. Estudei Comunicação Social e Filosofia, fiz dois mestrados em História da Arte, estou sempre complementando meus conhecimentos em Estética, História, Sociologia, Antropologia. Essas cadeiras estão inseridas em meu quotidiano, uso-as de forma orgânica. Esse real interesse por outras áreas, que me possibilitou que abrissem meus horizontes, é meu mecanismo de percepção do mundo. Então respondo sua pergunta dizendo que não há possibilidade do homem contemporâneo longe de uma múltipla faceta." 
Paulo Reis preparava então um seminário de História e Crítica de Arte com a intenção de "aproximar Brasil de Portugal e da Espanha e apoiar a divulgação e circulação de ideias sobre a arte contemporânea internacional", seminário esse que, com muito esforço e sacrifício pessoal devido à dificuldade de apoios, conseguiu realizar no Rio de Janeiro em Setembro de 2004. Chamou-lhe sintomaticamente Brasil-Portugal: uma ponte para o futuro e reuniu os principais curadores e críticos de arte, directores de instituições culturais e artísticas de Portugal, artistas e demais agentes culturais portugueses, de tal modo que, meio a brincar, meio a sério, se distribuíram os convidados em diferentes aviões, para que "se algo desse errado" Portugal não ficasse "desfalcado de cabeças pensantes". Foi nesse fórum que Paulo conheceu o crítico de arte espanhol David Barro, cuja tese publicada lera antes, e com quem viria a aprofundar a triangulação Brasil-Portugal-Espanha através de várias iniciativas. Desde a curadoria da Chocolatería - Espaço de Experimentação (em Santiago de Compostela, Espanha) até à co-criação e co-direcção da revista de arte contemporânea Dardo(publicada em português, espanhol e inglês), passando pela exposição-livro Parangolé: Brasil/Portugal/Espanha, entre muitas outras mostras e textos produzidos e difundidos em estreita cumplicidade profissional e generosa amizade. Já em 2009, viria a montar em Lisboa, cidade que adoptou como sua (depois do Rio de Janeiro), juntamente com outros dois amigos - o curador lusoinglês Lourenço Egreja e a artista e produtora brasileira Rachel Korman -, o seu projecto de sonho, concretizando o seu lema de vida: Carpe Diem-Arte e Pesquisa.
Paulo era assim, trabalhava com a seriedade de um profissional "até ao tutano", demonstrando sem complexos o carinho que tinha pelas mais diversas pessoas que o rodeavam e assumindo orgulhosamente as suas amizades incondicionais. Jornalista e filósofo de formação, curador em todos os momentos (no sentido "daquele que cuida" dos outros), crítico de arte por inquietação criativa genuína, professor com profunda "missão" laica (muito para além das aulas dadas em universidades e museus), cozinheiro pela alegria do convívio com os amigos e família, a quem dava tudo o que podia. Hoje lembro o Paulo, não esquecendo como ele gostava de celebrar a alegria da vida, que para ele se confundia necessariamente com a partilha do conhecimento. Eis palavras suas nessa entrevista de 2003, que lamentavelmente continuam tão actuais: "Sinto falta de um diálogo maior entre as instituições culturais portuguesas e brasileiras. E não adianta esperar a nível de ministérios, eles estão muito ocupados em fazer burocracia. Tem que haver um interesse entre as grandes instituições do Porto e Lisboa com o Rio e São Paulo. Falo em cooperação, em fechar uma grelha de exposições conjuntamente, por exemplo: uma boa exposição de um artista português deve ser feita em parceria com uma instituição brasileira e vice-versa, garantindo a circulação de ideias. Ao ministérios da cultura, de ambos países, caberia apoiar financeiramente e aliviar os entraves burocráticos, mas nunca eles serem agentes de divulgação, não dá certo. Cabe às instituições. Assim que penso. Sinto falta do Brasil olhar mais para Portugal e não ficar preso à cafonice do mercado francês, com exposições de surrealismo, Rodin, essas coisas que ninguém tem mais pachorra; ou ao mercado lógico norte-americano, com instituições picaretas, mandando umas porcarias de exposições tipo Andy Warhol e Keith Haring, cobrando uma "pipa de massa", como vocês dizem aqui. Não que estes artistas não sejam importantes, mas as mostras que chegam ao Brasil, francamente, são uns fracassos! Mas é o pensamento, tipo, "lá só tem macacos, qualquer coisa serve!" Chega disso. Espero que esta entrevista, que sei que não agradará a todos, ajude a compreender melhor o que estamos tentando fazer, que é quebrar o ranço modernista e re-aproximar duas culturas que podem crescer mutuamente, e que por laços históricos e linguísticos serão sempre inseparáveis, quer queiramos quer não." Paulo Reis, querido amigo, um profundo agradecimento pela tua existência.

Lisboa, 25 de Abril 2011

Lúcia Marques, com os contribu tos de António Pinto Ribeiro

(Texto publicado hoje no Público)

Programa de Residencias Artísticas para Creadores de Iberoamérica y de Haiti en México

Published22 Mar 2011

Tags américa latina méxico

Com o objetivo de fomentar o intercâmbio cultural e a formação de redes artísticas reunindo profissionais de diferentes nacionalidades, a Agencia Española de Cooperación Internacional para el Desarrollo (AECID), através do Centro Cultural de España e do Fondo Nacional para la Cultura y las Artes (FONCA), promovem o Programa de Residências Artísticas para Criadores da comunidade iberoamericana e do Haiti no México. Toda a informação aqui.

El Museo del Barrio

Luis Camnitzer

El Museo del Barrio agora nas novas instalações na 5ªa Avenida (1230) tem um programa muito claro: apresentar a riqueza da cultura latino-americana e caribenha em Nova Iorque. Tem um acervo de 6.500 obras de arte e de culto, algumas delas como 800 anos de história. O museu foi criado há 40 anos e tem cumprido o objectivo de dar a ver as práticas culturais e contar as narrativas das comunidades e dos países que se propôs mostrar bem como da diáspora nova-iorquina com a qual trabalha de um modo muito intenso. Neste momento e até 29 de Maio apresenta uma retrospectiva do artista uruguaio  Luis Camnitzer (Alemanha, 1937) residente em Nova Iorque há décadas. A exposição particularmente representativa do percurso de Camnitzer  mostra as suas facetas de artista que sempre trabalhou no campo experimental e político. As obras reflectem as suas temáticas sobre a condição de artista de um país periférico, a condição de artista como trabalhador e produtor e o carácter de mercadoria que a obra de arte sempre implica.

Virus americanus xiii, 2003 de Vargas-Suarez Universal  

O acesso ao acervo permite ver e apreciar obras e artistas de referência da História de Arte latino-americana e suas relações –não exclusivas com praticas ancestrais. Obras em destaque:

Sin título , n.d. de Eloy Blanco (Puerto Rico, 1933)

Virus americanus xiii, 2003 de Vargas-Suarez Universal (México, 1972)

Ambulatorio, 2003 de Oscar Muñoz (Florida, 1969)

Poesia blanda, 2003 de Andrea Moccio (Buenos Aires, 1964)

De Berlim para a América Latina: OPEN CALL “Between Windows”

Published8 Mar 2011

Tags américa latina berlim jorge luis borges

Tendo por mote “El libro de los seres imaginarios” do argentino Jorge Luis Borges, o SideBySide Studio de Berlim está a organizar, em co-produção com o colectivo Mindpirates, um programa de três dias a acontecer na Alemanha, no final de Maio de 2011, sobre e em torno da América Latina através da sua própria produção artística:

Jorge Luis Borges talked about a red fish swims backwards so the water will not get into its eyes in El libro de los seres imaginarios (The

Book of Imaginary Beings), this red fish pops up whenever we are confronted with differences in thinking.

Between Windows attempts to initiate dialogues about and around Latin America through time-based media to see if we can swim backwards

together. Many people asked us what is the theme for program, like every good conversation, we do not know where it will take us before

it starts.

For this program, we have chosen to be humble and want to listen to friends and experts from Latin America first before we open our mouth. Yet we are prepared to meet the demands of political-cultural debate and to navigate the diverse visual output that confronts the territory in the crisis time today.

Por isso: artistas visuais nascidos ou residentes na América Latina estão convidados a enviar as suas “experiências artísticas” até ao próximo dia 4 de Abril de 2011. Todos os detalhes aqui.

LM

A “diversidade que se agrega num todo”, com Hisae Ikenaga em Lisboa

Published2 Feb 2011

Tags américa latina artes visuais hisae ikenaga

Primeira oportunidade para ver em Portugal o trabalho eclético que a jovem artista mexicana, de ascendência nipónica, Hisae Ikenaga (1977) tem proposto através do recurso a materiais e objectos de fabrico industrial disponíveis em cadeias multinacionais, procurando reconfigurar num contexto artístico as suas possibilidades de utilização.

Ikenaga transforma peças de mobiliário do IKEA em esculturas, desmultiplica recortes dos contornos de equipamentos domésticos tornando-os delicados cenários de papel e cria novos “fósseis” com bolas de golfe e corais, num jogo de dicotomias assumidamente lúdico e simbólico. Radicaliza a própria lógica “do it yourself” (“faça você mesmo”), que permite a ampla circulação e comercialização de objectos de consumo, para desviá-los do seu destino formal e funcional mais evidente. Com uma biografia que cruza a América Latina, Europa e Ásia, Hisae Ikenaga traz para a sua obra um modo descomplexado de celebrar a criatividade num mundo cada vez mais dividido entre a homogeneização do que tem alcance global e a sobrevivência do que ainda chamamos de identidades locais. “Concreciones”, ou “diversidade que se agrega num todo”: para ver ao vivo até 26 de Fevereiro na Galeria 3+1, em Lisboa.

LM

A ver em Paris

Um museu que investe muito seriamente na apresentação de arte africana tradicional e erudita. É o Museu Dapper que apresenta até 10 de Julho de 2011 a EXPOSIÇÃO Angola Figures de Pouvoir. Um exposição composta por uma primeira parte dedicada à obra do artista plástico António Olé e uma segunda parte que reune peças extraordinárias provenientes de várias colecções públicas e privadas de escultura, estatuária, máscaras, tecidos e utensílios de rito de Angola, ou mais precisamente, do antigo reino do Congo. A ver, aqui, ou lá.

 

(CHOKWE) Angola, figures de pouvoir

E uma exposição de fotografia de artistas sul-americanos com obras desde os anos 30 do século passado à actualidade: Fragments Latino-Américains. São dezasseis fotógrafos de nove países e é uma exposição a ver para conhecer a excelência desta tradição fotográfica. Na Casa da América Latina em Paris.

 Roberto Humacaya

José del Pozo na Fundação Gulbenkian

Published25 Jun 2010

Tags américa latina lições

Esta sexta-feira, dia 25 de Junho, o historiador chileno José del Pozo vai estar no Auditório 2, às 18h30, para proferir a lição América Latina: Perante uma Redefinição da Região?

Como sempre, pode acompanhar estas intervenções online, em directo, aqui. Entretanto relembremos o que aqui ficou escrito, em Agosto do ano passado:

«Já está disponível a segunda edição revista e actualizada da Historia de América Latina y del Caribe do historiador chileno José del Pozo. É uma obra de referência para um conhecimento profundo deste Continente político, geográfico, económico e cultural. Tem como qualidades evidentes a clareza da linguagem, a exposição de factos, o recurso às estatísticas e a convocação de outras obras de autores especialistas nesta questão. Para quem constitui um enigma o tipo de evolução histórica dos países que constituem esta região, o livro historiciza, expõe dados, explicita a partir de factos. Tem ainda o mérito de combinar a história económica com a história política e dividindo esta história por períodos torna claro os progressos ou os retrocessos de políticas e de regimes adoptados. Para explicar as situações de desigualdade social, de regimes totalitários que aconteceram, de violência que caracteriza esta região, José del Pozo é claro: tal se deve a uma violência desde a conquista sobre os indígenas (que hoje permanece tomando outras formas), o militarismo que se seguiu às independências e que se traduziu na apropriação pelos militares de direitos, regalias, poderes e de recursos, todos eles excessivos, a formação de oligarquias despotistas de uma pequena elite de proprietários associados aos militares, guerras éticas permanentes, conflitos entre países vizinhos, a incapacidade de superar a crise mundial de 1929, interferência e agressão dos EUA (excepto no período Roosevelt) e mais tarde o alastramento da Guerra Fria a esta região do globo, a excessiva dependência do comércio externo, incapacidade de criar regimes democráticos permanentes. Mais recentemente a partir de 1990 e depois do período populista generalizado, o autor avalia a evolução generalizada do neo-liberalismo que, segundo ele, em nada resolveu os problemas centrais dos conflitos étnicos, a redução necessária da distância entre ricos e pobres (são impressionantes os dados sobre os multimilionários latinos e os níveis de pobreza) e o acesso à educação. Ressalvando as diferenças que existem na actualidade entre os países, seus regimes e seus líderes o autor termina a obra assumindo que um melhor horizonte para os países mais críticos passa pela defesa de governos mais comprometidos com a justiça social e desenvolvimento nacional, por uma atenção especial às questões éticas e, em especial e uma maior autonomia no contexto internacional. Uma cronologia que se inicia com a Guerra da Sucessão Espanhola (1700-1713) e acaba com o plebiscito em Março de 2009 na Venezuela que permite uma re-eleição constante de Hugo Chávez demonstra a ambição legítima desta obra. Em jeito de comentários por períodos históricos o autor faz uma história da cultura popular e erudita destes países, sendo assim possível recordar e sistematizar os clássicos destes países, as suas influências e as personagens históricas: de José Maria Velasquez a Jennifer López.»

apr

Lição de Alexandra Barahona de Brito

Published20 Jun 2010

Tags américa latina lições

AMÉRICA LATINA: LONGUE DURÉE E CONJUNTURA

21 de Junho, segunda-feira, 18h30, Auditório 2 

Quando analisamos a América Latina, podemos interpretar o que se passa por lá, através de várias ópticas: ou nos concentramos nos seus aspectos cíclicos ou reparamos nas continuidades subjacentes fundamentais ou, então, adoptamos uma perspectiva mais jornalística. O prognóstico que traçarmos, sobre as perspectivas do futuro da região, será realçado pela maneira de examinarmos a sua evolução. Neste sentido, referirei aqui grandes melhorias, identificarei alguns dos principais ciclos e, por fim, farei uma previsão, tentando interpretar o que se passa na actualidade e o que é possível esperar nos próximos anos. Reconhecer a diversidade interna da América Latina, independentemente das características partilhadas, é uma forma de evitar as armadilhas de uma simples história e, em vez disso, apresentar aquilo a que Chinua Achebe chama de ‘oscilação de histórias’.

   

ALEXANDRA BARAHONA DE BRITOé professora no departamento de Sociologia do ISCTE-IUL e investigadora independente e consultora editorial. Foi investigadora principal associada no Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais (IEEI), em Lisboa. É mestre e doutorada pela universidade de Oxford e tem publicado artigos e livros sobre justiça de transição, direitos humanos, democratização e relações Europa-América Latina, entre as quais se contam “Human Rights and Democratization in Latin America: Uruguay and Chile”(Oxford University Press 1997), e “The Politics of Memory: Transitional Justice in Democratizing Societies”(Oxford University Press 2001).

O kitsch

Published6 Apr 2010

Tags américa latina cuba

Em viagem a Cuba deve, entre outros possíveis livros, levar-se como obra de leitura A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera.

Um excerto: " Claro que é necessário que os sentimentos suscitados pelo Kitch possam ser partilhados pelo maior número de pessoas. Assim, o Kitsch não apela para o insólito; apela, isso sim, para algumas imagens-chaves profundamente enraizadas na memória dos homens: a filha ingrata, o pai abandonado, as crianças a correr num relvado, a pátria traída, a recordação do primeiro amor.

O Kitsch faz-nos vir duas lágrimas de emoção aos olhos, uma logo a seguir à outra. A primeira diz: Que coisa bonita, crianças a correr num relvado!

A segunda diz: que coisa bonita, comover-nos como toda a  humanidade se comove quando há crianças a correr num relvado!

Só esta segunda lágrima é que faz com que o Kitsch seja o Kitsch...."

apr