Next Future logo

Festival Literário de Franschhoek, na África do Sul: tensões e temas delicados

Published22 May 2015

Tags Franschhoek Literary Festival áfrica do sul

(Imagem do site http://www.flf.co.za/)

Franschhoek Literary Festival aconteceu dias 15, 16 e 17 de Maio, na África do Sul, um evento que se organiza desde 2007 naquela localidade. O New York Times publica um artigo sobre o festival, analisando as tensões que o atravessam.

Franschhoek, about an hour’s drive from Cape Town, means “French corner” in Dutch; its name derives from the 200-odd Huguenot settlers who, fleeing religious persecution in their home country, came to South Africa in 1688 and began to produce wine in this lush valley ringed by mountains. Today, the town’s startling natural beauty, well-preserved Cape Dutch architecture, and many vineyards and restaurants have turned it into a major tourist destination.

In 2007, a small group of enthusiasts started a literary festival as a way to raise money for a local library. Today it is a major event on the South African cultural calendar. Audiences, some 5,000 this year, many from other parts of the country, crowd into the tiny town to attend three days of tightly packed discussions, book releases and concerts.

But as Mr. Madondo, who is black and is the author of a book on the singer Brenda Fassie, pointed out, the festivalgoers are mostly white — a curious and pertinent index to the difficulties and ambiguities around race, class and culture that still permeate South African society, where whites make up just 8.4 percent of the country’s population, estimated at 54 million last year.

The festival doesn’t shy away from exploring these difficulties. The program, while containing a fair share of literary topics, is far more oriented toward socio-cultural or socio-political topics than most events of this kind. Subjects like “Fear and Loathing in South Africa”; “What Makes One an African?”; “Can the A.N.C. be Mended?” and “We Won’t Get No Education” make up about half of the events, and the panels are generally models of racial diversity.

“The topics about politics and social issues are our biggest events and always sold out,” said Ann Donald, the director of the festival, who is white. “I think South Africans are trying to understand their situation, whatever capacity they are coming from.”

O artigo completo em At South African Literary Festival, Broaching Uncomfortable Subjects

Achille Mbembe profere palestra sobre tensões raciais na África do Sul

Published15 May 2015

Tags Achille Mbembe áfrica do sul violência racial

Achille Mbembe, cientista político e filósofo, autor de  Sortir de la grande nuit – Essai sur l'Afrique décolonisée e Critique de la raison nègre (publicada em Portugal como Crítica da Razão Negradeu um conjunto de palestras públicas no Wits Institute for Social and Economic Research (WISER), University of the Witwatersrand (Johannesburg), escritas num registo oralizante, como se esclarece num preâmbulo ao artigo que aqui partilhamos, que se debruça sobre as recentes tensões raciais na África do Sul.

Twenty one years after freedom, we have now fully entered what looks like a negative moment. This is a moment most African postcolonial societies have experienced. Like theirs in the late 1970s, 1980s and 1990s, ours is gray and almost murky. It lacks clarity.

Today many want to finally bring white supremacy to its knees. But the same seem to go missing when it comes to publically condemning the extra-judicial executions of fellow Africans on the streets of our cities and in our townships.  As Fanon intimated, they see no contradiction between wanting to topple white supremacy and being anti-racist while succumbing to the sirens of isolationism and national-chauvinism. 

Many still consider whites as “settlers” who, once in a while, will attempt to masquerade as “natives.” And yet, with the advent of democracy and the new constitutional State, there are no longer settlers or natives. There are only citizens. If we repudiate democracy, what will we replace it with?

O artigo completo, aqui

Memória do colonialismo na obra de Nomusa Makhubu

Published7 Feb 2015

Tags Colonialismo áfrica do sul memória

Nomusa Makhubu, nascida em 1984 na África do Sul, trabalha as questões da memória colonial,através de auto-retratos fotográficos inseridos em imagens de arquivo. Presente na Dak'Art 2014 e distinguida com Le Fresnoy Studio National des Arts Contemporains Prize, fala agora, em entrevista ao site Contemporay and, da sua obra e dos seus projectos.

CH: How did this series come about?

NM: The Self-Portrait series was originally part of a body of work and an exhibition calledPre-Served, which focused on representations of African women in colonial photography. This project represented a few challenges: the photographs themselves were problematic because they set up a clear distinction between the photographer and the photographed as male and female, European/ African, white/black – in which the former is always privileged. I wanted explore ways in which it might be possible to subvert that hierarchy, and re-write the political implications in the photograph. I asked: of what use are these photographs to contemporary politics? Of what use are tools of memory if they serve a denigrating history? Since they represent colonialism, should they simply not be erased from memory, forgotten, and delegitimized? The women in the photographs that I selected had come to represent collectivities of women and men who have been subjected to the dehumanizing scientific gaze.

CH: Importantly, the titles of these self-portraits are in Zulu, with English translations in brackets. 

NM: Indeed. Titles like Mfundo, Impahla neBhayibheli [Education, Apparel, and the Bible], (2007/ 2013),  Umasifanisane [Comparison] (2007/2013), and Goduka [Going/ Migrant Labourers] (2013) disturb the meta-narrative. I grew up in the industrial southern parts of Gauteng, in the Vaal Triangle, which was more socio-linguistically “mixed” by comparison to areas that were in former bantustans. I realised that when one is searching for one’s so-called identity, one begins with cultures attributed to socio-linguistic groups. I was looking for Swazi culture but I speak Zulu and thought I was Zulu. I spoke Sotho as well, having learnt it from other children around me. This project made me realise how problematic it is to consider socio-linguistic groups as autonomous cultures. I use performative photography to revise the ways in which post-memory is not only inherited memory without primary experience, but can rupture and interrogate predominantly masculine historical narratives. Performed photography, in which the archive or historical as well as canonical photographic imagery is appropriated, functions as a necessary interruption and a powerful assertion.

A entrevista completa em A disturbing memory

A colecção de arte do Tribunal Constitucional de Joanesburgo

Published29 Jan 2015

Tags apartheid áfrica do sul

Imagem: Dumile Feni. “History”  2003, bronze. Foto de Akona Kenqu

O Tribunal Constitucional de Joanesburgo alberga uma colecção de arte (Constitutional Court Art Collection-CCAC), que pretende ser uma homenagem aos ideais pós-apartheid inscritos na constituição. O site Contemporary and traça o perfil e a evolução da colecção e entrevista os juízes que acompanharam esse processo.

The state of the collection mirrors the troubles faced by South Africa as a country. After a period of exuberance in the years following an astonishing transition to a legal order that protects the rights of all people, the hard and grinding work of maintaining a successful democracy has set in.  The success of South Africa’s new constitution will be determined not only by the strength of the judgments coming from South Africa’s courts, but also by the efforts across all of the country’s civil society to promote respect for the human rights of its people.

CCAC symbolises the best aspirations of our democracy, of reconciliation, of justice, and of transformation… when we’re fighting for the artworks, we are also fighting for the underlying project of making a viable democracy in South Africa. To this end, the importance of the CCAC is not only to infuse the judgments of the court with empathy, but to provoke debate and reflection across a broader swathe of South African society. As the American jurist Learned Hand said: “I often wonder whether we do not rest our hopes too much upon constitutions, upon laws and upon courts. These are false hopes, believe me, these are false hopes. Liberty lies in the hearts of men and women, when it dies there, no constitution, no law, no court can save it, and no court can even do much to help it. While it lies there it needs no constitution, no law, and no court to save it.”

CCAC does not rest its hopes solely on the jurisprudence of the institution whose building it shares.  It promotes the ideals of South Africa’s constitution in a way that both overlaps and is independent of the law through a series of enigmatic and essential messages.  Memorials lie everywhere.  The struggle continues.  We carry each other. CCAC represents a history of intense passion, pain and redemption.  And as it reflects on that history, it challenges and inspires a history that has yet to be written.

C&: What are the motivations behind the  Constitutional Court Art Collection (CCAC) of South Africa?

Albie Sachs & Edwin Cameron: CCAC began when Justices Albie Sachs and Yvonne Mokgoro chose to use the Constitutional Court’s small decor budget of about $1,000 USD to commission a tapestry from Joseph Ndlovu. Titled Humanity, this tapestry is perhaps a wish for the future of a country, which has been so deeply divided by the trauma of its history. The artwork features several people huddling together. All of them have their eyes closed, unable to judge gender, race, or age, and in this way uniting them in their humanity.

In many ways this artwork is a departure from the Greco-Roman personification of Justice as a blindfolded goddess balancing the scales. Used as the symbol of the rule of law all over the world, Lady Justice seems to imply a universal concept of what is just. Her blindness too suggests impartiality, but perhaps when justice chooses to be blind, she’s not as welcoming to those seeking her most urgently. In Humanity, the mirrored action of people closing their eyes seems markedly different: a coming together of communities to consider justice through empathy and togetherness. It is a working concept of justice that is determined by a multiplicity of voices.

Similarly, the logo of the court, designed by artist Carolyn Parton, departs from the symbol of Lady Justice by featuring a group of 11 people gathered beneath a tree. The 11 people represent the 11 official languages in South Africa, which indicates how all citizens of the country are sheltered by the constitution and the rule of law. But, importantly, the figures are not merely sheltered: they actively hold up the branches of the tree.

CCAC has grown out of the purchase of Humanity to include over 400 pieces by artists from all over the world. As an expression of justice, human rights, and reconciliation, the installation of this art collection provides a multiplicity of voices to participate in the way we imagine the future of the country and, perhaps more importantly, engender empathy and unity.  Most court buildings, if they have images in them at all, have pictures of dead white male judges. One day both of us will be dead white male judges. There is nothing wrong with that, but if those are the only images, they say that only men mattered and only whites mattered.

A entrevista integral, na Contemporary and

Nadine Gordimer a olhar para a África do Sul

"No time like the present", o último romance da nobel da literatura sul africana Nadine Gordimer, é um retrato da actual sociedade sul africana. É desse olhar atento e fotográfico, e desse país, que nos dá conta a entrevista do jornal El Pais.

" Si no fuera porque lo suyo es la ficción, Gordimer podría ser considerada como la notaria o cronista sudafricana porque su obra está amarrada de los problemas, miedos, deseos, retos del país. “No he sido nunca una escritora política, pero la política está en mis huesos, mi sangre, mi cuerpo”, apunta, por lo que se entiende ese empecinamiento en que sus personajes respiren y sufran por los momentos políticos del país."

Toda a entrevista aqui

Parentes - o novo trabalho de Pieter Hugo

Daniel Richards, Milnerton, 2013

"Kin" é o nome da exposição que o fotógrafo sul africano Pieter Hugo apresenta em Nova Iorque, a partir de 6 de Setembro. Kin é uma reflexão sobre a diferença entre os ideais e a práticas sociais.  

Pieter Hugo é um dos artistas de "Present Tense" e também o vencedor da "9ª Edição dos Encontros de Fotografia de Bamako", trabalhos que podem ser vistos até 1 de Setembro em Lisboa.

“... South Africa is such a fractured, schizophrenic, wounded and problematic place. It is a very violent society and the scars of colonialism and Apartheid run deep. Issues of race and cultural custodianship permeate every aspect of society here and the legacy of Apartheid casts a long shadow ... How does one live in this society? How does one take responsibility for history, and to what extent does one have to? How do you raise a family in such a conflicted society? Before getting married and having children, these questions did not trouble me; now, they are more confusing."

Há mais para ler aqui e aqui

21 Ícones

Published19 Aug 2013

Tags Nelson Mandela áfrica do sul 21 ícones

Personalidades que se destacaram na luta pela paz, que sejam inspiradoras na educação e formação de futuros líderes. É este o ponto de partida para 21 retratos a preto e branco, de 3 minutos, de 21 líderes.  21 ícones da África do Sul

"21 Icons South Africa celebrates the lives of 21 extraordinary South Africans who have captured the global imagination with their dignity, humanity, hard work and selfless struggle for a better world.

We all have the potential to be a Nelson Mandela, a Desmond Tutu. It is this simple yet powerful vision that has driven photographer and filmmaker Adrian Steirn to create the 21 Icons South Africa project. Through a series of short films and black-and-white photographic portraits, we are taken on a remarkable journey that explores the goodness of the human spirit. It shows how ordinary people have, quite simply, become extraordinary."

Pode acompanhar-se o projeto aqui, e ler-se mais aqui

Askies, Eina, Aweh!

O ciclo de cinema do sul da África continua hoje.  “Rewind”, “Mmitlwa” e  “Gangesters Film” fazem a programação de hoje. Numa altura em que o mundo está suspenso pelo respirar de Nelson Mandela, a oportunidade de ver esta cinematografia é também uma oportunidade para pensar sobre o nosso futuro próximo.

São três as palavras a juntar ao ’dicionário‘ que estamos a construir, tantas quantos os filmes propostos para hoje, que, na sua diversidade, vão desde uma cantata a uma performance passando por um casting para atores, na Cidade do Cabo.

Askies (associada ao filme “Rewind”) é a expressão usada como pedido de desculpa ou de lamentação por alguma coisa penosa como, por exemplo, «Soube da morte do teu avô. Askies».

Eina (associada ao filme “Mmitlwa”) poderia traduzir-se por ’ai‘, uma expressão de dor física.

Aweh (associada ao filme “Gangesters Film”), saudação utilizada em particular entre a comunidade multicor da Cidade do Cabo.

Mzansi, que é como quem diz Sul


Começa hoje, na Cinemateca do Próximo Futuro, o ciclo Mzansi, uma proposta da curadora sul africana Joan Legalamitlwa para conhecermos melhor o que se passa ao sul. O artigo de Ana Dias Cordeiro no Jornal Público do passado dia 21 apresenta-nos de forma mais profunda a programação escolhida.

África tecnológica e global

Em África, pode haver contágio de coisas boas. Para fora dela, também. Na moda, na música, no cinema. Os DJ europeus renderam-se aos sons electrónicos da música shangaan da África do Sul. A Louis Vuitton inspirou-se nos cobertores basotho do povo do Lesotho. A dança pantsula, que enche as ruas dos bairros pobres da África do Sul e veio de Moçambique, está num dos filmes no ciclo de cinema no Próximo Futuro, The African Cypher, mas também no vídeo do tema Run the World(Girls) da norte-americana Beyoncé. A cantora convidou dois bailarinos de pantsula do grupo Tofo Tofo de Moçambique, que vira dançar num vídeo no YouTube, para dançarem com ela.

"O mundo é muito mais pequeno do que nós o concebemos", diz ao telefone Joan Legalamitlwa a partir de Joanesburgo uns dias antes de apanhar um avião para Lisboa.

E nesse mundo afinal pequeno, a África do Sul espraia as suas cores e a sua vibrante diversidade. São mesmo estas as palavras de Joan Legalamitlwa, programadora do ciclo de cinema Mzansi - The reel South Africa inserido na Cinemateca Próximo Futuro, quando descreve o país, desde que este conheceu a liberdade (com as primeiras eleições multipartidárias em 1994 que deram a vitória a Nelson Mandela) e se abriu ao mundo.

"Mzansi é um calão sul-africano que significa "sul"", explica Joan Legalamitlwa no texto de apresentação do ciclo de cinema. Ou África do Sul. A ele está também associada uma ideia do que é inovador, recente e contemporâneo."

Como o ciclo de filmes que traz à Gulbenkian, uma amostra desse "caleidoscópio, dessa mistura de coisas e de cores" que representa o cinema - e a cultura contemporânea - na África do Sul, diz ao Ípsilon.

O que tem para mostrar "não é sobre o paradigma branco vs negro", esclarece. "É mostrar quem somos, como coexistimos, na nossa diversidade, como nação. Estes são certamente tempos interessantes", sublinha Joan Legalamitlwa. Tempos em que muito do que se faz na África do Sul (país) ou no sul de África (região) tem especial ressonância na Europa.

A África do Sul vive hoje o tumulto próprio da adolescência, acrescenta Joan Legalamitlwa. E entre o que de melhor está a acontecer: "As pessoas estão a encontrar formas inovadoras de fazer filmes".

Dá exemplos: SMS Sugar é o primeiro filme no mundo feito só a partir de imagens captadas por telemóveis. E é sul-africano.

Muitos jovens estão a sair para a rua com as câmaras ao ombro. Filmam e formam-se como realizadores depois. Deixaram de depender das ajudas do Estado.

Entre os filmes sul-africanos que vêm a Lisboa, estão Rewind de Liza Key (composição musical a partir de fragmentos de testemunhos gravados nas audições da Comissão Verdade e Reconciliação, onde vítimas do apartheid contaram as suas histórias e agressores confessaram a culpa), Material de Craig Freimond (história de um jovem muçulmano de uma família muito tradicional que quer tornar-se comediante contra a vontade do pai), ou Otelo Burning de Sara Blecher (através dos olhos de uma criança, conta a história de um grupo de miúdos de um bairro de lata negro que aprendem surf, ou de como um novo mundo se abriu às novas gerações com o fim do apartheid).

Há ainda The African Cypher de Bryan Little (história de jovens que encontram na dança de rua e na música uma alternativa ao crime), Elelwani de Ntshaveni wa Luruli (viagem à paisagem rural e tradicional que acompanha uma jovem universitária que os pais prometem em casamento ao rei da Venda Region), Skoonheid (Beauty) de Oliver Hermanus (história de um homem de negócios branco sul-africano que nutre um ressentimento escondido contra os negros da África do Sul), Mmitlwa (uma performance vídeo da artista Lerato Shadi) e ainda de Teboho Edkins (o mesmo realizador de Thato)

Gangster Project. "Gangster Project é um filme muito sul-africano", diz Teboho Edkins, um filme que gira à volta de "questões de raça e proximidade que são particulares da África do Sul" mas que ele espera sejam "entendidas universalmente". E conclui: "São muitas as questões a abordar em África. Tentar encontrar uma voz distinta para as exprimir é algo que me inspira." Uma nova geração está a emergir, e que essencialmente depende dela mesma. Mas não só.

Co-produções com a Europa

A curadora Joan Legalamitlwa, que foi membro de júris de vários festivais de cinema e de documentário na África do Sul ou na Europa (Festival de Cinema Documental de Amesterdão) diz que o interesse de produtores europeus pelo que se faz no seu país está a alimentar a emergência de "um novo cinema sul-africano".

De França ou da Alemanha, Canal+, Arte ou Goethe Institut, mas também da televisão Al-Jazira, são nomes que surgem associados em co-produções de jovens realizadores independentes sul-africanos.

O cinema é o que melhor conhece Joan Legalamitlwa mas a curadora diz que outras artes e expressões de criação contemporânea também estão a suscitar um interesse além-fronteiras.

O interesse visível na recente capa de um número especial da edição francesa da revista Courrier International, dedicada a África, que vai buscar o título Afrique 3.0 a um livro de dois jornalistas sul-africanos Richard Poplak e Kevin Bloom prestes a ser publicado na África do Sul. Os editores explicam: Se a África 1.0 era a do colonialismo europeu, e a África 2.0 a que se seguiu às independências, a África 3.0 reflecte um continente em plena reinvenção, também ligado às novas tecnologias.

Depois da África 2.0, há um novo mundo a abrir-se aos artistas e criadores sul-africanos que, desde então, atravessam fronteiras, reinventam oportunidades mostrando os seus trabalhos ao mundo ou ao continente.

Ana Dias Cordeiro Jornal Público 21-06-2013

27 de Abril 1994 - África do Sul

Published27 Apr 2013

Tags áfrica do sul eleições apartheid

Há 19 anos atrás a África do Sul realizava as primeiras eleições depois do fim do apartheid. Nascia o milagre. Esta data não se reveste de uma importância exclusiva para a África do Sul, nem mesmo do sul da África. É maior a sua importância. E por isso vale a pena ver o documentário do Canal História.Todo o documentário aqui

Sobre a África do Sul pós Apartheid

Published2 Apr 2013

Tags Achille Mbembe áfrica do sul apartheid

Um artigo de Achille Mbembe sobre a sociedade sul africana contemporânea e o seu percurso pós-apartheid.

"The banalisation of cruelty and the repetition of often brutal and traumatic events – the Marikana massacre, deaths at the hands of an increasingly paramilitarised police force, the proliferation of bureaucratically induced and popular forms of xenophobia, countless and horrific incidents of rape, an expanding culture of venality, corruption and theft, the rebalkanisation of society and the resurgence of racism, the undisciplined and violent nature of citizens’ protests – have led many, here and abroad, to wonder what kind of social order, or figure of freedom, or even of the human, is being constituted in South Africa.

A few decades after the formal end of apartheid, are we witnessing the emergence of something radically new and insidious, or simply a return to the same shameful, hideous and brutal lie – this time with a black skin and a black mask? Is it true that so many sacrifices, so much hope and so much potential have, at the end, come to this?"

Todo o artigo pode ser lido aqui 

Infecting the City

Termina amanhã na Cidade do Cabo, o festival Infecting The City. Este festival foi desenhado como proposta de intervenção de arte pública, diferentes manifestações de diferentes disciplinas e diferentes autores tpovoam a cidade sul africana desde 11 de Março.

"Why Infecting The City?

Our City, Country and Continent are confronting a myriad of issues that are both real and imag-ined. These range from access to employment, education, healthcare, housing, water, power and sanitation. The complexity of addressing these issues, is not only held however within the facts, or the practical, but also within perception.

Looking into the Continent from the outside or from within it, the mainstream messages that deἀne it rarely articulate the subtlety and nuance of its people or their existence. The clichés and commonly held notions of Africa and Africans as poor, corrupt and criminally inclined crowd out a more balanced view of the extraordinary diversity and creativity of everyday existence.

It is within this combination of reality and action that the Africa Centre has found its purpose of creating a platform for exploring contemporary Pan-African artistic and cultural practice as a catalyst for social change. Infecting The City, we believe is just such a catalyst as it allows us to express an alternative existence. It manifests what otherwise would be an imagined daily life where new ideas are out in the open freely accessible to anyone who is interested. Where beauty and wonderment are as common as the shop fronts we pass daily. Where South African’s and others living on this soil deἀne for themselves what is possible and what their reality looks like. A place where the extraordi-nary, ἀts neatly into our lives and where public space becomes a place that is genuinely for the public.

Saiba mais aqui 

Schadeberg em ‘Rise and Fall of Apartheid’

Published1 Feb 2013

Tags fotografia áfrica do sul apartheid Schadeberg

Dez minutos de depoimento de Schadeberg. O fotógrafo alemão, que é considerado por muitos o "pai" da fotografia sul africana, e as suas imagens da África do Sul em pleno Apartheid constituiram uma parte importante da exposição do Centro Internacional de Fotografía de Nova Iorque, que enecerrou este mês.

"Cuando aterrizó allí, Schadeberg era como un habitante llegado de otro planeta, ni arte ni parte de ninguno de los dos lados de ese muro infranqueable que luego se iría resquebrajando. Pero tuvo ventaja: podía pasar y detenerse en uno y otro. Y retratar sin descanso. Y lo hizo con respeto y grandeza en todo caso."

Há mais para ler aqui

Violência durante a greve de mineiros da África do Sul causa mais dois mortos

Published18 Oct 2012

Tags violência greve áfrica do sul

violência

Um homem foi queimado vivo e outro foi baleado nesta quinta-feira durante violentos confrontos junto a uma mina de platina nos arredores de Rusterburg, na África do Sul, onde os mineiros estão em greve desde 12 de Setembro, no dia em que foi rejeitada uma proposta do patronato para tentar pôr fim às paralisações em várias minas no país.

As duas mortes foram confirmadas pela polícia e ocorreram na mina da empresa Anglo American Platinum (Amplats) em Rustenburg. “Eram cerca de 6h [5h em Lisboa], quando a polícia foi informada de que 400 pessoas se tinham juntado em Nkaneng, junto a uma mina da Amplats. Logo que a polícia chegou ao local, constataram que um homem tinha sido baleado”, contou à AFP o porta-voz da polícia, Dennis Adriao. Esse homem viria a morrer depois no hospital, e Adriao adiantou ainda que “a polícia encontrou, a poucos metros, um homem que tinha sido queimado, que ainda estava vivo mas acabou por morrer no local”.

Na África do Sul cerca de 100 mil trabalhadores estão em greve desde Agosto, dos quais 75.000 são mineiros, e nesta quinta-feira o principal sindicato do sector do país, o Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Minas (NUM, na sigla em inglês), rejeitou uma proposta do patronato para pôr fim à paralisação. A proposta, segundo o sindicato, previa um aumento salarial dos 7000 para os 10.000 rands (620 para 890 euros, aproximadamente), menos do que o que é reivindicado pelos mineiros que têm exigido um aumento salarial para os 12.500 rands (cerca de 1100 euros), mais do dobro do que muitos deles ganham actualmente.

Para ler a notícia completa basta ir aqui.

Dance Umbrella festival (2nd edition): from September 2 to 9

Cut2Black, the events company awarded with the three-year contract to run the Joburg City’s Arts Alive Festival, are pleased to announce that Dance Umbrella, the internationally acclaimed contemporary dance festival, will become an integral part of the event for the duration of the contract.

Dance Umbrella 2, this year’s second edition of the Dance Umbrella festival, takes place from September 2 to 9 at various venues in and around Johannesburg. It heralds the beginnings of a new chapter in its history. Being part of the annual Arts Alive festival will be an exciting and challenging phase of creating new opportunities for the dance sector in South Africa and beyond.

Dance Umbrella 2 @ Arts Alive 2012, offers eight programmes which include: the ever-popular youth programme, Stepping Stones. Stepping Stones will be presented at Uncle Toms in Soweto on Sunday, September 2 from 10:00 and will feature works from community groups, young artists and dance organisations showing their achievements of the past year. Entrance to this programme is free.

Para continuar a ler o artigo basta clicar aqui.

Greve dos mineiros na África do Sul

Published18 Aug 2012

Tags áfrica do sul joanesburgo

"It is a story which exposes South Africa's structural weaknesses too: we are one of the world's top two most unequal societies (with Brazil). Poverty, inequality and unemployment lie at the heart of the shootings this week."

Pode ler-se mais aqui

SA artist Brett Murray goes viral via picking a lolfight with the ANC.

Published23 May 2012

Tags áfrica do sul artes visuais

This situation with artist Brett Murray and Jacob Zuma’s speculative man-part reminds me of the boggart from the third Harry Potter book. In Professor Lupin’s ‘Defence of the Dark Arts’ class Harry & Co learn to defeat the boggart – a creature that takes on the form of one of your fears. The only way to defeat the boggart is by finding a way to laugh at (your fears) while saying the Riddikulus spell. Brett Murray’s speculative depiction of the presidential man-part seems to me a bit like that. Not that JZ is a boggart. But his sex life swag kind of is. It’s therapeutic to laugh at it. In a word… PINNED!

I would imagine that the Riddikulus spell will also work quite effectively against the ANC attempts to stop the painting from being sold via using lawyers. 101 in art appreciation here – you can’t take art personally. Artists may be extremely irritating for all the truth that they just spew with no regard for political correctness (how dare they), but they are also the only people who keep us from slipping into moral decrepitude. As annoying as they are, you kind of have to just let them cut their hair funny, drink too much and exercise their poetic licence via saying inappropriate but insightful things. Murray is just posing an idea. I mean, it’s not as if JZ posed for that picture. It’s not some sneaky mobile phone porn snap hack. It’s not REALLY his penis. It’s just an IDEA. Are we actually having this conversation?

Here’s a quote that seems appropriate:
“It is the mark of an educated mind to be able to entertain a thought without accepting it.” Aristotle
I have but admiration for Bretty Murray, who has manipulated the government into spreading his ideas for him. Behold, an artist / PR Genius:
Behold, a whole bunch of articles detailing the ANC’s PR campaign for Brett Murray’s new ‘Hail to the Thief’ exhibition at the Goodman Gallery in Joburg. One can conclude then, that the best way to go viral in SA is STILL to pick a fight with the ANC. 


in Cape Town Girl

"the zuma throne"

Published12 Apr 2012

Tags áfrica do sul design moçambique

Talk about a chair that packs heat. The Zuma Throne by Mozambican artist Goncalo Mabunda is political commentary you can sit on. Assembled using guns, rifles and pistols, furniture-sculpture – named after you-know-who – can be interpreted as a scathing critique of the violence in South African societies, or a satirical reference to shady arms deals with million-dollar kickbacks. The chair is a recurrent theme in Mabunda’s art. In elevating the otherwise pedestrian piece of furniture into an imposing and sometimes intimidating throne, Mabunda alludes to the Western world’s interest in collecting the Chief Chair prevalent in traditional ethnic African art.

Continuar a ler em House and Leisure.

"No Time Like the Present by Nadine Gordimer"

Published27 Mar 2012

Tags áfrica do sul literatura nadine gordimer

Nadine Gordimer turns her hard-eyed gaze on post-democratic South Africa.

After his recent expulsion from the ANC, former ANC Youth League leader Julius Malema, who has never been known for his humility, said the people of South Africa should treat him in the same way that they had treated Nelson Mandela. In reply, the cross-dressing comedian Evita Bezuidenhout said: "What a great idea. Let's start with 27 years in jail …"

Here is a moment in South Africa's contemporary history that would surely have made it into Nadine Gordimer's new novel had Malema's expulsion not happened after her book was finished. For Malema, and South Africa's president, Jacob Zuma, stalk the pages of No Time Like the Present. Gordimer, Nobel laureate and one of the best-known chroniclers of apartheid, turns her hard-eyed gaze on post-democratic South Africa. Each beat of Zuma's march to power, each accusation against him of bribery or of rape, along with his suspension from government, his constant repetition of the resistance song "Bring Me My Machine Gun" that helped him on his return to power, are picked over and reacted to by the book's cast, as is Malema's insistence that he would, if necessary, "kill for Zuma".

Politics, and the way they play out, are the lifeblood of the couple at the centre of this book. He is Steve, white son of a Jewish mother and a Christian father, who, having used his knowledge of chemistry to make explosives for the ANC, now teaches science to under-prepared university students. She is Jabulile (Jabu for short), beloved daughter of the patriarchal Baba, who defied his people's customs to send her across the border so she could get a proper education, after which she joined the ANC. There in Swaziland, she also met and married Steve, their lives defined by the needs of the exiled movement.

Continuar a ler no The Guardian.

"South African ballet dancer confounds racial stereotypes"

Published6 Mar 2012

Tags África áfrica do sul dança

Andile Ndlovu is one of South Africa's most prominent young ballet dancers, an international performer and award winner both at home and overseas.

But for Ndlovu to be accepted into the rarefied world of classical dance -- which in South Africa is traditionally seen as an elitist and a predominantly white preserve -- the boy from the rough Soweto townships says he had to overcome outdated stereotypes.

"I used to be picked upon for the way I walk and the way I act or carry myself," he says of his time at school, where he became disparagingly known as "the dude who did ballet."

Continuar a ler na CNN.

"Thandi Sibisi: the new face of South African visual arts"

Published20 Feb 2012

Tags áfrica do sul artes visuais

Thandi Sibisi, a daughter of farmers in the Zulu heartland, remembers arriving in the big city for the first time. "The bus dropped me in Gandhi Square in Johannesburg," she recalled. "I was 17 and had never even seen a double-storey building in my life. I looked around and it was like, 'I'm going to own this city'."

Eight years later, she has not yet quite conquered it all. But on Thursday she became the first black woman to open a major art gallery – named Sibisi, naturally enough, for someone so ambitious – in South Africa.

It is a sign, she believes, that anything is possible for the country's "born free" generation. "All I have to do is look at myself and my background," she said. "Growing up, I would never have thought I'd be exposed to so many opportunities. South Africa is free.

"I go all over the world and people are closed up and they can't express themselves. South Africa allows you to be you and to be whatever it is you want to be."

The country's visual arts scene, dominated by the white minority during racial apartheid, has not transformed as quickly as some would like.Gallery Momo, the first 100% black-owned gallery, opened in Johannesburg in 2003, while the national gallery in Cape Town has anon-white director for the first time in its 140-year history.

Para ler o artigo completo no Guardian, clicar aqui.

"The Unspoken", de Nandipha Mntambo

(Installation view)

Destaque para a mais recente exposição individual da artista Nandipha Mntambo, que no verão de 2011 participou no Programa PRÓXIMO FUTURO com a instalação "Casulo" nos Jardins da Gulbenkian.

The exhibition comprises sculptures and drawings made with cowhide and cow hair, and paintings in oil on canvas. Unlike the distinctive figurative forms that the artist has previously made familiar to us, the drawings and paintings are abstract and ambiguous. They could also be perceived as parts or fragments of bodies such as bums, elbows, bellybuttons or toes, or the ears, nose, mouth, anus and vagina through which we draw in and expel life forces.

Mntambo describes the impulse behind The Unspoken:

The work I am making gives form to the loud silences in our lives that seem to be hidden but are actually in plain sight, if we choose to see them - or the conversations that one only ever has with oneself, even though others are having similar conversations, also with themselves. In terms of forms, I think of folds, holes, bumps, crevices and spaces that are indeterminate in some respect. They engage our attention and draw us into a space, but an element always remains hidden from view, never fully revealing itself. In this way we are reminded of the sentences that are edited out of our exchanges even though others may well be aware of our unspoken thoughts and feelings.

Para saber tudo sobre a exposição, basta navegar até ao website da galeria Stevenson.

BOOK CAFE and MANNENBERG closure, ZIMBABWE

BOOK CAFE, MANNENBERG CLOSURE IS A BLOW TO THE CREATIVE INDUSTRIES IN ZIMBABWE

Arterial Network Zimbabwe learnt with profound sadness the imminent closure in its current location of the Book Cafe and Mannenberg, one of the most vibrant arts centres in Zimbabwe.

Book Cafe and Mannenberg will close its doors at Fife Avenue Mall in Harare after 15 years. The building owners, retail giant OK Zimbabwe and its agent, Old Mutual, one of Africa’s largest property, finance and insurance conglomerates whose parent company is in South Africa, advised that the owners will occupy the premises from 2012. “Owner occupation” is often the only means by which a lease can be technically cancelled in this way under Zimbabwe law.

The Book Cafe and Mannenberg have epitomised good practice in arts entrepreneurship within a development framework, demonstrated by their impressive milestones: in 15 years the venues achieved: 7,500 concerts and events (mainly music and poetry), 650 public discussions, 90 book launches, 35 theatre productions and staging of 250 international touring acts. 600,000 audience entered the twin venues since opening, as Book Cafe in 1997 (with Luck Street Blues), and Mannenberg in 2000 (with historic performances by jazz pianist Abdullah Ibrahim). About 350 artists earned a livelihood at the venues in 2011 alone. 1200 artists participated annually in development programmes. 950 events were staged annually since 2008, and prior to 2008 about 600 events.

Para continuar a ler o artigo de Josh Nyapimbi no website do MIMETA-Centre for Culture and Development basta clicar aqui.

All The Wrong Places

Published21 Dec 2011

Tags áfrica do sul house music joanesburgo kwaito taxi

(Co-Pilot Krishna meets the Host, Elliott)

SOUTH AFRICA - TAXI HIT SQUAD

If you are shaking your booty in South Africa, specifically Johannesburg, you are most likely listening to House music. And in South Africa, Kwaito is their street-styles, unique local flavor of music, with heavy House and African rhythms and local dialects. 

From when it first hit the streets in the early 90s, Kwaito was so intensely popular in South Africa (the world’s House music market) they organized an entire awards ceremony just for it. This new genre began in Pretoria, and then rapidly spread to Johannesburg and became known as sound of the post-apartheid--an uplifting celebration of boundaries breaking and a bright new chapter in South Africa’s long dark history. 

And because the new Kwaito artists couldn’t get any airplay on the local radio stations, they decided to take their music to the people by using the hundreds of township taxis to promote their music. Smart thinking given a recent Pretoria University study estimated that between five and 10 million South Africans use taxis every day.

Taxi stands or Kombis, are the main source of public transportation in South African townships, since many residents can’t afford to own cars. Taxi drivers played a pivotal role in breaking new Kwaito artists by playing and selling their CDs to their captive taxi audience.

Para continuar a ler e ouvir a música que acompanha a reportagem em vídeo, basta navegar para aqui.

Destaques do Público elegem 3 espectáculos PRÓXIMO FUTURO!

Grande destaque no jornal Público de hoje (suplemento ípsilon) para três peças apresentadas no CAM da Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito do Programa Gulbenkian PRÓXIMO FUTURO!

Nos 10 destaques da secção "Teatro": o 1.º lugar coube a "Villa+Discurso" (na foto), do encenador chileno Guillermo Calderón, apresentada no Programa Gulebnkian Próximo Futuro nos dias 1, 2 e 3 de Julho de 2011. O 2.º lugar foi atribuído à peça "Woyzeck on the Highveld", do encenador e artista sul-africano William Kentridge, também programada pelo Próximo Futuro e com lotação esgotada nos dias 16, 17 e 18 de Junho de 2011.

Nos 9 destaques da "Dança": coube ao coreógrafo brasileiro Vanilton Lakka o 5.º lugar, com o espectáculo "O Corpo é a Mídia da Dança + Outras Partes", apresentado no Próximo Futuro nos dias 22 e 23 de Junho de 2011.

Mais informações sobre estes espectáculos, no site do Próximo Futuro.

exposições em LISBOA e PARIS: 16 e 18 de Novembro!

ROBERTO HUARCAYA, "Alessandro. Chorrillos

(da série 'Recreación Pictórica', 2009-2011)".

EXPOSIÇÕES *  LISBOA - PARIS

É também no âmbito das actividades PRÓXIMO FUTURO de Novembro (produzidas em colaboração com o Programa Gulbenkian de Ajuda ao Desenvolvimento) que, paralelamente à realização da 1.ª apresentação do Observatório de África e da América Latina e à 3.ª parte do ciclo das grandes Lições, inauguram duas exposições de fotografia relacionadas com a "percepção e representação contemporâneas de África e da América Latina" (tema geral das conferências que serão apresentadas em Novembro).

Ligando as cidades de Lisboa e Paris através de parcerias entre a Fundação Calouste Gulbenkian, a Casa da América Latina (Lisboa) e o Théâtre de la Ville (Paris), estas iniciativas contam ainda com o apoio da ACEP, Câmara Municipal de Lisboa e Embaixada do Peru.

No dia 16 de Novembro, em Lisboa, precisamente na sequência das grandes Lições PRÓXIMO FUTURO (Aud. 2 da FCG), inaugura às 19h00, no Palácio Galveias, a exposição do fotógrafo peruano Roberto Huarcaya, intitulada "Subtil Violência".

Com a curadoria de António Pinto Ribeiro, a proposta de Huarcaya resulta de um projecto de investigação em torno das representações visuais alusivas à construção da comunidade histórica peruana, partindo de referências locais no sentido de expandir a sua leitura e as suas influências ao nível nacional, regional, continental e, finalmente, global. “Propostas que nos vão dando pistas, informação sobre diversas coordenadas temporais, espaciais e formais, sobre este lentíssimo processo de misturas, desenvolvimento e tensão, de mudanças constantes, que levam o país a transitar, de um modo disperso, para esse propósito de se constituir como nação” (Roberto Huarcaya).

No dia 18 de Novembro, em Paris, desta vez na sequência da apresentação das grandes Lições no Théâtre de la Ville, inaugura no mesmo espaço, às 19h00, a exposição do fotógrafo sul-africano Pieter Hugo, dedicada ao fenómeno "Nollywood".

Nollywood 

 

Na série de fotografias intitulada “Nollywood”, Pieter Hugo confronta o papel do fotógrafo no domínio onde interagem a ficção e a realidade. “Nollywood” é considerada a terceira maior indústria cinematográfica do mundo, lançando perto de 1000 filmes por ano para o mercado de home vídeo. Tal abundância é possível devido ao facto de os filmes serem realizados em condições que assustariam a maioria dos realizadores independentes ocidentais. Os filmes são produzidos e comercializados em apenas uma semana: equipamentos de baixo custo, guiões muito básicos, actores escolhidos no próprio dia da filmagem, locais de filmagem da ’vida real’.

Em África, os filmes de “Nollywood” são um raro exemplo de auto-representação nos meios de comunicação social. A rica tradição de narração de histórias do continente, comunicada de forma abundante através da ficção oral e escrita, é transmitida, pela primeira vez, através dos meios de comunicação social. As histórias na tela reflectem e apelam às vivências do público: os protagonistas são actores locais; os enredos confrontam o espectador com situações familiares de romance, comédia, bruxaria, corrupção, prostituição. A narrativa é exageradamente dramática, sem finais felizes, trágica. A estética é ruidosa, violenta, excessiva; nada se diz, tudo se grita.

Nas suas viagens pela África Ocidental, Hugo tem-se intrigado por este estilo distinto de construção de um mundo ficcional onde se entrelaçam elementos do quotidiano e do irreal. Ao pedir a uma equipa de actores e assistentes para recriar mitos e símbolos de “Nollywood” tal como se estivessem em sets de filmagem, Hugo iniciou a criação de uma realidade verosímil. A sua visão da interpretação do mundo pela indústria cinematográfica resulta numa galeria de imagens alucinatórias e inquietantes.

A série de fotografias retrata situações claramente surreais mas que podiam ser reais num set de filmagens; para além disso, estas estão enraizadas no imaginário simbólico local. Os limites entre documentário e ficção tornam-se bastante fluidos e somos deixados a pensar se as nossas percepções do mundo real são de facto verdadeiras.

 

Federica Angelucci

Mais informações no site do Próximo Futuro e/ou através do email proximofuturo@gulbenkian.pt

South African 'Struggle Art'

Hugh Nolutshungu, Untitled. Photo: Bonhams

South African 'Struggle Art' on display alongside works for auction by leading SA artists

LONDON.- IFA LETHU Foundation, the non-profit organisation set up to repatriate South African apartheid era `Struggle Art’, has joined with Bonhams to showcase some of the most poignant art produced by anti-apartheid activist artists.
From October 22-27 some 15 selected works from the Ifa Lethu Foundation ‘Coming Home’ exhibition in London will move to Bonhams to coincide with the auction house’s South African Art sale on October 25th and 26th. ‘Coming Home’ will be a non- selling exhibition.
Bonhams is the world’s leading auctioneer of South African Art and hold the world record for South African art, set with a picture by Irma Stern, ’Arab Priest’ which sold in March this year for £3m. The Bonhams sale on October 25 and 26 will once again offer a stunning array of the very best South African art including a number of masterworks, each expected to make figures in excess of £1m.
The Ifa Lethu Foundation is a South African based not-for-profit organization which was formed in November 2005 to deal with challenges in the cultural heritage sector. These challenges included the location, protection and repatriation of South African cultural heritage that was created during the struggle era and found its way out of the country during those turbulent years. Ifa Lethu uses this cultural heritage to empower communities, alleviate poverty through creative development projects and heal their nation.

Para continuar a ler, basta ir aqui.

save the date: 15 e 16 de Novembro (Lisboa)

O Jornal PRÓXIMO FUTURO N.º 8 já está no prelo! A capa é da artista americana de origem sul-africana Ayana V. Jackson (n. 1977), que participou nos Encontros Fotográficos de Bamako que estiveram expostos na Gulbenkian (em Lisboa) até Agosto passado, no âmbito do Programa PRÓXIMO FUTURO.

PROGRAMA GULBENKIAN PRÓXIMO FUTURO – NOVEMBRO 2011

Em parceria com o PROGRAMA GULBENKIAN DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO, co-produzido com o THÉÂTRE DE LA VILLE (Paris) e a Casa da América Latina (Lisboa), com o apoio da CML e da Embaixada do Peru.

CONFERÊNCIAS LISBOA - PARIS

15 Terça / 09h30 - 17h30

“Observatório de África e da América Latina”

SEMINÁRIO

Edifício-sede da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa), Aud. 3

Entrada livre

Oradores/investigadores: Alexandre Abreu (CEAD, ISEG/UTL), Ana Sécio (FCH/UCP), António Pinto Ribeiro (PGPF, UCP), Fátima Proença (ACEP), Frederico Duarte (FBAUL), Luísa Veloso (CIES, IUL), Magdalena López (CEC, FLUL), Sofiane Hadjadj (Éditions Barzakh, Argélia)

Primeira apresentação do “Observatório de África e da América Latina”, resultante dos workshops de investigação que o Programa Gulbenkian Próximo Futuro concretizou desde 2009, no qual serão proferidas comunicações de investigadores ligados a universidades, centros de pesquisa e organizações não-governamentais.

Fruto da parceria com o Théâtre de La Ville de Paris, este modelo de seminário será concretizado no dia 17 de Novembro, na capital francesa com investigadores aí radicados.

16 Quarta / 10h00 - 18h00

“Percepção e representação contemporâneas de África e da América Latina”

LIÇÕES PRÓXIMO FUTURO

Edifício-sede da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa), Aud. 2

Entrada livre

Conferencistas: Gustavo Franco (Brasil), Benjamin Arditi (México/Paraguai), Serge Michailof (França), Elikia M’Bokolo (República Democrática do Congo/França)

Ciclo de conferências do Programa Gulbenkian Próximo Futuro, co-produzido com o Programa Gulbenkian de Ajuda ao Desenvolvimento e o Théâtre de La Ville de Paris, onde as Lições serão proferidas no dia 18 de Novembro.

EXPOSIÇÕES LISBOA - PARIS

  

16 Quarta / 19h00 (inauguração)

“Subtil Violência”, de Roberto Huarcaya

Curadoria: António Pinto Ribeiro

Palácio Galveias

Horário: Ter a Sex 10h-19h; Sáb, Dom 14h-19h

Entrada livre

18 Sexta / 19h00 (inauguração)

“Nollywood”, de Pieter Hugo

Co-curadoria: Federica Angelucci e António Pinto Ribeiro

Théâtre de La Ville, PARIS

 

Mais informações no site do Próximo Futuro e/ou através do email proximofuturo@gulbenkian.pt

EUNIC Studio 2011: candidaturas em curso

Decorre até ao próximo dia 16 de Outubro o prazo de inscrição para participar no Workshop “Recicla a cidade, abordagem à sustentabilidade e a arquitectura”, organizado pela EUNIC South Africa, e cuja 4º Edição vai ter lugar em Johannesburg entre os dias 21 e 26 de Novembro do corrente ano.

O programa de 2011 será baseado num novo caso de estudo sobre um edifício de Hillbrow (Joanesburgo), em que, participantes de diferentes nacionalidades estudarão juntos as possibilidades de transformação e melhora de dito edifício no marco de um programa internacional de intercâmbio.

O centro da cidade de Johannesburg e em Hillbrow, possui história e uma complexa configuração. Está composta de um moderno património de grande edifícios de características de interesse arquitectónico. No passado estes edifícios eram residências de uma camada próspera da população, hoje estes edifícios são o abrigo de uma camada da população em dificuldades, sendo a maior parte imigrantes. 

O objectivo é de propor transformações para estes prédios, para que se convertam em casas decentes e ao alcance do maior número possível de pessoas. É o reciclar urbano, transformando as situações existentes e usando as mesmas como ponto de partida para qualquer projecto. Trabalhar num edifico ocupado é complicado, mas ao mesmo tempo é uma oportunidade, um desafio arquitectónico.

Baseado no princípio da precisão, uma investigação será efectuada das situações existentes, isto tornará possível a avaliação das acções a serem tomadas.

O trabalho resultante do workshop será exposto em Durban na conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas (COP 17).

Entre os convidados internacionais destacam nomes como:

- Iain Low / arquitecto / South Africa

- Carin Smuts / arquitecto / South Africa

- Frans Sebothoma / building management / South Africa

- Frédéric Druot / arquitecto / France          

- Françis Kere / arquitecto / Germany / Burkina Fasso

- Alex Ely / arquitecto / England

- Christophe Hutin / arquitecto / France

Mais informações no website da EUNIC e um atalho para o relatório do curador da última edição aqui.

Joburg Art Fair

(Na foto: vista da Joburg Art Fair)

Uma animação esta feira de arte de Joanesburgo na sua quarta edição. Uma feira local dir-se-ia, não fora o facto de haver várias galerias sul-africanas associadas a galerias norte-americanas ou galerias com representação em África, EUA e Europa. Situada numa das cidades satélites de Joanesburgo, a cidade de Sandton, a feira é o mais importante evento no que diz respeito ao mercado da arte subsariano mas conta com a presença de artistas e curadores do Magreb. Muito bem organizada como é característico dos profissionais sul-africanos, tem a dimensão ideal das pequenas feiras com critérios de selecção de galerias muito “apertados”, como é o caso também da recente feira inaugural do Rio de Janeiro e até da Frieze em Londres.

(Na foto: obras de William Kentdrige)

O manifesto interesse da Joburg Art Fair  vem do facto de só aqui  (ou no Armony Show de Nova Iorque, onde algumas destas galerias se apresentam) ser possível ver e acompanhar a mais recente produção nas artes visuais da África do Sul, Nigéria, Egipto, Marrocos ou Gana, por exemplo. Ao mesmo tempo a feira tenta incentivar um mercado local – a par dos coleccionadores internacionais que adquirem obras substantivas destes artistas – através de políticas de preços interessantes, acções  de formação de vários tipos de público, onde têm um papel importante as famosas Talks promovidas pela Alfa Romeo e conhecidas pelo público português via youtube. Algumas estrelas deste universo sul-africano estão presentes em pessoa e através das obras, como William Kentridge, Ayana V. Jackson, Mary Sibande, Gordon Clark, Moshekwa Langa, Kendell Geers, David Goldblatt, etc .

(Na foto: escultura de Mary Sibande)

Texto e imagens de António Pinto Ribeiro

vencedora do "Standard Bank Young Artist Award" no Jardim Gulbenkian

Uma das instalações artísticas do PRÓXIMO FUTURO no Jardim da Gulbenkian, fotografada por Catarina Botelho. A peça chama-se Casulo, é da autoria da artista Nandipha Mntambo (nascida na Suazilândia, actualmente a viver na África do Sul), vencedora do 2011 "Standard Bank Young Artist Award for Visual Art".

O "Casulo" instalado no Jardim é visitável até 30 de Setembro de 2011.

Utilizando os media mais diversos – da pintura ao vídeo –, tem-se concentrado, nos últimos anos, num trabalho sobre a feminilidade e na sua representação e expressão a partir do corpo feminino. Interessam-lhe os temas que limitam a dimensão mágica e estranha da condição humana, com as representações das figuras míticas andróides, que lhe serviram como tema de pintura e nas quais se fez auto-retratar. Da representação bidimensional para a escultura e para a instalação é um pequeno passo – algo que permanece – e as suas esculturas em pele e resina expressam bem essa atracção por tudo o que irrompe de animal no quotidiano, seja na sua dimensão de ferocidade ou de ternura. A obra, criada propositadamente para o Próximo Futuro, conjuga a relação da natureza com a do acolhimento ao visitante que se passear pelo jardim. Ao se deparar com o “Casulo”, perceberá que, neste caso, o corpo é a medida de todas as coisas.

ainda há muito para ver no VERÃO do PRÓXIMO FUTURO!

Terminaram ontem os eventos PRÓXIMO FUTURO/Verão 2011 mas ainda há muito para ver até ao final do ano!

Desde logo, a exposição "Fronteiras" (mostra central dos 8.os Encontros Fotográficos de Bamako, vinda do MALI) que, para além das mais de 700 pessoas na inauguração, já foi entretanto visitada por mais de 6.500 pessoas.

Também continuam visitáveis, durante todo o verão, as instalações dos artistas Nandipha Mntambo (ÁFRICA DO SUL), Kboco (BRASIL) e do colectivo Raqs Media (ÍNDIA) pelo Jardim Gulbenkian, para além das intervenções artísticas de Bárbara Assis Pacheco (PORTUGAL), Délio Jasse (ANGOLA), Isaías Correa (CHILE) e Rachel Korman (BRASIL) nos Chapéus-de-Sol projectados pela arquitecta Inês Lobo, também no JARDIM Gulbenkian.

Mais informações e contactos, aqui.

último dia de espectáculos Próximo Futuro/VERÃO 2011!

Hoje é o último dia da programação de espectáculos do PRÓXIMO FUTURO neste Verão de 2011: há um concerto único em Portugal dos Tshetsha Boys, Nozinja e DJ Spoko ("SHANGAAN ELECTRO") e a última oportunidade para assistir à avassaladora peça chilena "Villa+Discurso", de Guillermo Calderón, com as extraordinárias actrizes Carla Romero, Francisca Lewin e Macarena Zamudio (Compañia Playa).

Entretanto, continuam as intervenções dos artistas no Jardim da Gulbenkian e a exposição "Fronteiras"(8.os Encontros Fotográficos de Bamako) no edifício-sede da Fundação. Encontra o calendário completo das actividades PRÓXIMO FUTURO aqui, com novidades, demais informações e contactos.

HOJE, 3 de Julho (sábado)

19h00 Anfiteatro ao Ar Livre MÚSICA / Cada bilhete: 10 Eur

SHANGAAN ELECTRO (África do Sul), com NozinjaTshetsha Boys e DJ Spoko

“Shangaan Electro: New Wave Dance Music from South Africa” (Honest Jon's) foi um dos discos mais importantes de 2010, compilando alguns dos maiores êxitos shangaan. O shangaan provém da cidade de Malamulele, na província de Limpopo (região mais setentrional da África do Sul, na fronteira com o Botswana, o Zimbabwe e Moçambique) e caracteriza-se pela velocidade dos beats, conduzindo a uma dança que tem tanto de eléctrica como de divertida. O shangaan posiciona-se na intersecção da tradição e de uma África da tecnologia digital caseira, que pode ser encontrada na produção cinematográfica de Nollywood, na Luanda do kuduro ou na África das transferências de dinheiro via telemóvel. 

22h00 Sala Polivalente do CAM TEATRO / Cada bilhete: 15 Eur

Villa+Discurso (Chile), de Guillermo Calderón, com Compañia Playa

O tema da primeira parte – “Villa” – é aparentemente simples: que fazer àquela casa que tem esse passado tão histórico e é uma memória a preservar da luta clandestina e da tortura? Três actrizes discutem frente a uma mesa sobre a qual está uma maqueta da Villa Grimaldi. A partir deste dispositivo realista, aparentemente simples, até banal num campo mediático, Calderón constrói uma das mais fortes, sólidas, profundas dramaturgias sobre a criação humana das artes, a validade da arte contemporânea, o debate democrático, os conflitos ideológicos, o papel da museografia. E em nenhuma situação há qualquer sinal da introdução ideológica possível do autor.

 

E chega a segunda parte – “Discurso” –, que decorre na mesma sala e com as mesmas actrizes. É uma  ficção da despedida da Presidente Michelle Bachelet quando deixou o Palácio presidencial. Começa «Hoje não vos vou falar com palavras dóceis e esperadas…». E segue-se um manifesto do exercício do poder do ponto de vista de alguém que se assume como mulher, pediatra, optimista e socialista. E é fascinante como Calderón pega numa matéria tão arriscada, numa personagem que é considerada como a melhor presidente da história do Chile e interroga o que é o poder.

Peça imperdível de Guillermo Calderón: do Chile de Pinochet a Michelle Bachelet

Hoje, às 21h30, as actrizes Carla Romero, Francisca Lewin e Macarena Zamudio (Compañia Playa/CHILE) sobem ao palco da Sala Polivalente do CAM para a segunda de três apresentações únicas em Portugal da mais recente peça com dramaturgia e encenação do talentoso e premiado Guillermo Calderón: 

"VILLA + DISCURSO". Pode adquirir os seus bilhetes via on-line, antes que esgotem!

Para saber mais sobre este espectáculo pode começar pelo site do Festival Internacional de Teatro "Santiago a Mil", seguir até ao (actual) Parque por la Paz Villa Grimaldi e espreitar a sinopse, aqui.

A programação de espectáculos do PRÓXIMO FUTURO continua amanhã, às 19h00, com o concerto de Nozinja, Tshetsha Boys e DJ Spoko, que foram a revelação (a olhos ocidentais como os nossos) mais bombástica e fascinante da música de dança electrónica ao longo do último ano. A compilação ‘Shangaan Electro’ lançada pela editora britânica Honest Jons correu mundo e, tanto a nível de público como a nível de imprensa especializada, só colheu rasgados elogios. Os bilhetes, a 10 Eur cada, também podem ser adquiridos via on-line.

HOJE, 2 de Julho (sábado)

21h30 Sala Polivalente do CAM TEATRO / Cada bilhete: 15 Eur

Villa+Discurso (Chile, 2011, aprox. 110'), de Guillermo Calderón 

AMANHÃ, 3 de Julho (domingo)

19h00 Anfiteatro ao Ar Livre MÚSICA / Cada bilhete: 10 Eur

Shangaan Electro (África do Sul), com Nozinja, Tshetsha Boys e DJ Spoko

22h00 Sala Polivalente do CAM TEATRO / Cada bilhete: 15 Eur

Villa+Discurso (Chile, 2011, aprox. 110'), de Guillermo Calderón 

"Villa+Discurso", de Guillermo Calderón: estreia HOJE!

As actrizes de 'Villa+Discurso': Carla Romero, Francisca Lewin e Macarena Zamudio

ESTREIA ABSOLUTA em Portugal, hoje mesmo (às 19h00) na Gulbenkian, da mais recente peça da Companhia Playa (Chile), composta por duas partes e com encenação e dramaturgia de Guillermo Calderón (autor da inesquecível "Neva", que no ano passado esteve no Próximo Futuro): "VILLA + DISCURSO". E já pode adquirir os seus bilhetes via on-line, antes que esgotem!

O tema da primeira parte – “Villa” – é aparentemente simples: que fazer àquela casa que tem esse passado tão histórico e é uma memória a preservar da luta clandestina e da tortura? Três actrizes discutem frente a uma mesa sobre a qual está uma maqueta da Villa Grimaldi. A partir deste dispositivo realista, aparentemente simples, até banal num campo mediático, Calderón constrói uma das mais fortes, sólidas, profundas dramaturgias sobre a criação humana das artes, a validade da arte contemporânea, o debate democrático, os conflitos ideológicos, o papel da museografia. E em nenhuma situação há qualquer sinal da introdução ideológica possível do autor.

 

E chega a segunda parte – “Discurso” –, que decorre na mesma sala e com as mesmas actrizes. É uma  ficção da despedida da Presidente Michelle Bachelet quando deixou o Palácio presidencial. Começa «Hoje não vos vou falar com palavras dóceis e esperadas…». E segue-se um manifesto do exercício do poder do ponto de vista de alguém que se assume como mulher, pediatra, optimista e socialista. E é fascinante como Calderón pega numa matéria tão arriscada, numa personagem que é considerada como a melhor presidente da história do Chile e interroga o que é o poder.

A programação do PRÓXIMO FUTURO continua ainda hoje, mas às 22h00, com a exibição do filme "Africa United" (Reino Unido/Ruanda/África do Sul), da realizadora sul-africana Debs Gardner-Paterson, no écrãn gigante do Anfiteatro ao Ar Livre. Os bilhetes, a 3 Eur cada, também podem ser adquiridos via on-line.

A extraordinária história de três miúdos (aos quais se juntam outros dois) que viajam 5 mil quilómetros para assistir ao Campeonato do Mundo de Futebol na África do Sul. Jogando com a ingenuidade como capacidade de sedução, com respostas rápidas e tendo como principal utensílio de viagem o calendário de  jogos da Taça do Mundo, os nossos ’pequenitos‘ protagonistas vão atravessar as infinitas terras africanas em busca de um sonho improvável. À medida que vão andando, constituem uma tribo – um grupo de indigentes – de personalidade brilhante e destruidora, que os ajuda a negociar um caminho através de uma série de situações gloriosas, perigosas, hilariantes e até mesmo bizarras. Através destes miúdos, vamos encontrar uma África desconhecida, experienciando a dura realidade de um passeio épico através de sete países, assim como a alegria, o riso e a esperança – o ubuntu – que surge da realização em comum desta incrível jornada.

HOJE, 1 de Julho (sexta-feira) 

19h00 Sala Polivalente do CAM TEATRO / Cada bilhete: 15 Eur

Villa+Discurso (Chile, 2011, aprox. 110'), de Guillermo Calderón 

22h00 Anfiteatro ao Ar Livre CINEMA (última sessão da CINEMATECA PRÓXIMO FUTURO/Verão 2011) / Cada Bilhete: 3 Eur

Africa United (Reino Unido/Ruanda/África do Sul, 2010, 84'), de Debs Gardner-Paterson 

AMANHÃ, 2 de Julho (sábado)

21h30 Sala Polivalente do CAM TEATRO / Cada bilhete: 15 Eur

Villa+Discurso (Chile, 2011, aprox. 110'), de Guillermo Calderón 

pioneiros do cinema africano e 'docudrama' na Gulbenkian

Na foto: a cineasta Rahmatou Keïta, realizadora de "Al'Lèèssi... une actrice africaine"

Na sessão de hoje contamos com dois filmes que já têm lugar assegurado na história do cinema:

- "Border Farm" é um 'docudrama' realizado pela artista e cineasta Thenjiwe Nkosi, cujo argumento e interpretação é partilhado com o Dulibadzimu Theatre Group.

- "Al'Lèèssi... une actrice africaine", da realizadora Rahmatou Keïta, é dedicado aos pioneiros da produção cinematográfica no Níger, centrando-se particularmente na primeira mulher africana a aceitar desempenhar um papel no cinema.

Ambos imperdíveis, estes documentários passam hoje às 22h no écrãn gigante do Anfiteatro ao Ar Livre da Gulbenkian e o bilhete pode ser adquirido aqui mesmo, via on-line.

HOJE, 29 de Junho (quarta-feira) 

22h00 Anfiteatro ao Ar Livre CINEMA Bilhete único: 3 Eur

Border Farm, de Thenjiwe Nkosi (África do Sul/EUA, 2010)

Al'lèèssi... Une Actrice Africaine, de Rahmatou Keita (Níger, 2004)

AMANHÃ, 30 de Junho (quinta-feira) 

22h00 Anfiteatro ao Ar Livre CINEMA Bilhete único: 3 Eur

El Ascensor, de Tomás Bascopé e Jorge Sierra (Bolívia, 2009)

ESTREIA MUNDIAL na Cinemateca Próximo Futuro: hoje!

É hoje, no Anfiteatro ao Ar Livre da Gulbenkian, às 22h00, que estreiam mundialmente os 3 filmes encomendados pelo programa PRÓXIMO FUTURO aos realizadores João Salaviza (Portugal), Vincent Moloi (África do Sul) e Paz Encina (Paraguai), tendo por produtor delegado os Filmes do Tejo.

Cerro Negro, de João Salaviza

João Salaviza tem feito um cinema actual, sem 'pressas', sem constrições de formato, com a liberdade e engenho de um autor empenhado não só em captar imagens, mas em fazer cinema com ideias, óptima direcção de actores e dramaturgias eficazes e de solução surpreendente. Do filme que fez a convite do Próximo Futuro, diz «Anajara e Allison são um casal de emigrantes brasileiros em Lisboa. Duas solidões que se protegem mutuamente, ao mesmo tempo que lutam contra uma separação forçada. Anajara regressa do trabalho ao amanhecer. Desta vez não vai poder dormir durante o dia, nem levar Luri à escola. A setenta quilómetros de distância, Allison espera para reencontrar a mulher e o filho. Hoje é dia de visita na prisão de Santarém.


Hidden Life, de Vicent Moloi

“Hidden Life” explora o mundo secreto da ambiguidade moral. O porto de mar da Cidade do Cabo é um mundo impressionantemente complexo. É uma das mais movimentadas intersecções culturais do mundo onde os fluxos de pessoas transaccionam bens e ‘humanidade’. Entre as inúmeras personagens que se podem encontrar no porto, as sugar girls (as prostitutas que trabalham na área) formam relações profundamente ambivalentes, envolvendo tantos conflitos como cooperação entre si, com os donos dos bordéis e com os marinheiros. É um mundo duro: todos tratam de si buscando a todo o custo a subsistência.


Viento Sur, de Paz Encina

Esta é uma história sobre desaparecidos e sobre os métodos utilizados para esses desaparecimentos. Justino e Domingo são dois irmãos pescadores que vivem num ambiente de repressão local. Obrigados a esconderem-se num casebre, terão de decidir se vão ou não fugir do país, se devem ou não abandonar as suas famílias, se devem separar-se, se podem ou não abrir uma janela. No meio de tantas dúvidas, aparece um realizador que tenta filmar algo que se supõe que tenha acontecido. Um modo de resgatar a memória,  um modo invulgarmente poético, alguma memória. Um filme da realizadora do filme “Hamaca Paraguaya”.

Amanhã às 19h00, também no cenário idílico do Anfiteatro ao Ar Livre, haverá um concerto certamente memorável do rapper belga de origem congolesa: BALOJI! O músico fez-se notar quando gravou "Hotel Impala", em 2008. Mas foi com "Kinshasa Succursale", lançado em 2010, que obteve ampla atenção internacional, sobretudo com o seu primeiro single: "Karibu Ya Bintou" (Bem-vindo à Vida no Limbo), para o qual contou com a preciosa colaboração do seu conterrâneo Konono N. 1. Não perca, reserve já o seu lugar através da bilheteira on-line.

HOJE, 25 de Junho (sábado)

22h00 Anfiteatro ao Ar Livre CINEMA Bilhete único: 3 Eur

ESTREIA MUNDIAL Encomenda PRÓXIMO FUTURO

Cerro Negro, de João Salaviza (Portugal, 2010, 23')

Hidden Life, de Vincent Moloi (África do Sul, 2010, 23')

Viento Sur, de Paz Encina (Paraguai, 2010, 21')

AMANHÃ, 26 de Junho (domingo)

19h00 Anfiteatro ao Ar Livre MÚSICA / Cada bilhete: 10 Eur

BALOJI (Congo - Bélgica)

HOJE: um histórico, AMANHÃ: novos em estreia mundial!

(Cena do filme "Fitzcarraldo", de Werner Herzog)

Na Cinemateca Próximo Futuro há um conjunto de objectivos, já anunciados, dos quais, um, nos é particularmente caro: apresentar pontos de vista de realizadores e de filmes originários de um determinado continente, quando se confrontam com temáticas de outro continente.

No caso da relação Europa-América Latina, é verdadeiramente fascinante o conjunto de olhares que representaram e se auto-representaram quando esta situação se verifica. “Fitzcarraldo” é um grande filme de Werner Herzog e de Klaus Kinski (na medida em que a personagem criada por este actor definiu a dimensão heróica do filme). É uma odisseia no interior da Amazónia, no século XIX, contada como uma aventura demencial mas nem por isso menos humana. E é esta aventura que revela uma enorme paixão pela arte e de uma forma desregrada como se prova pelo tipo de missão que “Fitzcarraldo” decidiu levar a cabo.

E se hoje tem a rara oportunidade de ver o histórico "Fitzcarraldo" no écrãn gigante do Anfiteatro ao Ar Livre da Gulbenkian, amanhã é a vez da imperdível ESTREIA MUNDIAL dos filmes encomendados e produzidos pelo PRÓXIMO FUTURO a três realizadores de diferentes países: "Cerro Negro", de João Salaviza (Portugal); "Hidden Life", de Vincent Moloi (África do Sul); e "Viento Sur", de Paz Encina (Paraguai).

HOJE, 24 de Junho (sexta-feira)

22h00 Anfiteatro ao Ar Livre CINEMA / Bilhete único: 3 Eur

Fitzcarraldo, de Werner Herzog (Alemanha/Peru), 1982, 35mm, 157’

AMANHÃ, 25 de Junho (sábado)

22h00 Anfiteatro ao Ar Livre CINEMA / Bilhete único: 3 Eur

ESTREIA MUNDIAL Encomenda PRÓXIMO FUTURO

Cerro Negro, de João Salaviza (Portugal, 2010, 23')

Hidden Life, de Vincent Moloi (África do Sul, 2010, 23')

Viento Sur, de Paz Encina (Paraguai, 2010, 21')

"Recreate", com a designer sul-africana Katie Thompson

Published20 Jun 2011

Tags áfrica do sul design katie thompson

"Recreate” é uma linha de móveis concebida pela designer Katie Thompson, cujo lema dita a transformação de “coisas banais em algo extraordinário”. Objectos perdidos algures pela casa, partidos ou mesmo já sem qualquer utilidade, ganham novos contornos e funções em sofás, pufes e mesas. 

Dica da Elisa Santos para continuar a ler aqui.

Vêm aí os melhores do mundo: AMANHÃ na Gulbenkian!

Breve vislumbre de "Woyzeck on the Highveld", com William Kentridge

A Handspring Puppet Company acabou de vencer o Tony Awards pela melhor peça com "War Horse"!

Na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, esta famosa companhia de teatro de marionetas apresentará já amanhã, dia 16 de Junho, às 21h30, a imperdível adaptação da obra de Georg Buchner encenada pelo artista e realizador sul-africano William Kentridge: "Woyzeck on the Highveld".

"Woyzeck no Highveld" é uma adaptação da famosa peça do escritor alemão Georg Büchner sobre ciúme, assassinato e a luta de um indivíduo contra uma sociedade insensível que acabou pordestrui-lo. O Woyzeck de Buchner era um soldado alemão de 1800. Nesta versão, Woyzeck é um trabalhador migrante na Joanesburgo de 1956: uma paisagem da industrialização estéril. A produção – a primeira colaboração entre a Handspring e o reconhecido artista e realizador William Kentridge – reúne marionetas manipuladas à vara e filme animado para ilustrar graficamente a mente torturada de Woyzeck quando ele tenta compreender as suas circunstâncias externas.

Dirigida por Kentridge, a peça estreou no Standard Bank National Arts Festival em Grahamstown (em 1992), seguindo para uma temporada no Teatro do Mercado, em Joanesburgo, no mesmo ano. Posteriormente, viajou para a Alemanha, Espanha, Bélgica, Escócia, Inglaterra, Hong Kong, Austrália, Nova Zelândia, França e Estados Unidos da América – onde, em 1994, no Joseph Papp Public Theater, assinalou a abertura do Segundo Festival de Nova Iorque de Teatro de Marionetas da Henson Foundation.

Um convite do Festival de Marionetas do Mundo levou a Handspring e Kentridge a repô-la em 2008 em Perth e Brisbane (Austrália), e a prolongar a sua apresentação no Teatro do Mercado de Joanesburgo, e em Baxter (Cidade do Cabo). A itinerância do espectáculo continuou em Stavanger, na Noruega (Novembro de 2008) para, depois da tourné pelos EUA no Outono de 2009, regressar à Europa.

Woyzeck on the Highveld” sobe ao palco da sala polivalente do CAM da Gulbenkian nos dias 16 e 17 de Junho (esta quinta e sexta-feira, respectivamente), às 21h30, e 18 de Junho (sábado), às 19h.

Dado o limite de lugares da sala aconselhamos a aquisição dos bilhetes via on-line, aqui.

Mais links para conhecer “Woyzeck on the Highveld”:

Handspring Puppet Company 

William Kentridge’s biography and film

“Woyzeck on the Highveld”: video, audio, press, links and more 

'SHANGAAN ELECTRO' em Lisboa a 3 de Julho!

No início de Julho, e numa programação Filho Único inserida no PRÓXIMO FUTURO (cuja programação-geral é da responsabilidade de António Pinto Ribeiro), teremos o concerto de Nozinja, Tshetsha Boys e DJ Spoko, que foram a revelação (a olhos ocidentais como os nossos) mais bombástica e fascinante da música de dança electrónica ao longo do último ano. A compilação ‘Shangaan Electro’ lançada pela editora britânica Honest Jons correu mundo e, tanto a nível de público como a nível de imprensa especializada, só colheu rasgados elogios.

Uma das coisas que adorámos em 2010 foi a compilação que a excelente Honest Jons editou de música de dança contemporânea a ser produzida hoje na África do Sul. 'Shangaan Electro New Wave Dance Music from South Africa' foi a música mais brava, surpreendente, original e fresca que ouvimos em imenso tempo. Velocidade absolutamente diabólica, electrónica de vanguarda folk, feita com enorme gosto e cor, a desenhar possibilidades de festas subsarianas futuristas e fruta fluorescente. Foi, então, facílimo dizer que sim quando nos propuseram fazer com que Lisboa estivesse no itinerário da primeira apresentação europeia destes artistas. Em palco será a total loucura, com o rei Nozinja, os Tshetsha Boys, vários dos melhores dançarinos Shangaan, e o produtor de kwaito/house DJ Spoko (que co-produziu a obra-prima "Township Funk" com o camarada DJ Mujava). Fim de tarde de domingo no Anfiteatro ao Ar Livre da Fundação Calouste Gulbenkian com promessa de eternidade.


Nozinja “Nwa Gezani My Love”  
Tshetsha Boys “Nwa Pfundla” 
Nozinja em entrevista 

DJ Spoko e Mogwanti
+

Tour na Europa

Concerto: Shangaan Electro - Nozinja + Tshetsha Boys + DJ Spoko
Local: Anfiteatro ao Ar Livre da Fundação Calouste Gulbenkian
Data: 3 de Julho
Horário: 19h00
Entrada: 10 Euros

Mais JUNHO: Handspring Puppet Company, com William Kentridge

  

Ainda no dia 16 de Junho (quinta-feira), às 21h30, começa a programação de espectáculos do PRÓXIMO FUTURO, com uma adaptação da peça “Woyzeck” (de Georg Buchner) pela famosa companhia de teatro de marionetas Handspring Puppet Company: direcção de Adrian Kohler e Basil Jones, em colaboração com o artista e encenador sul-africano William Kentridge.

“Woyzeck on the Highveld” volta a subir ao palco da sala polivalente do CAM da Gulbenkian nos dias 17 de Junho (sexta-feira), às 21h30, e 18 de Junho (sábado), às 19h.

Mais links para conhecer “Woyzeck on the Highveld”:

Handspring Puppet Company 

William Kentridge’s biography and film

“Woyzeck on the Highveld”: video, audio, press, links and more 

E que mais há de imperdível em JUNHO?

ACHILLE MBEMBE no Centre for Creative Arts (University of KwaZulu-Natal)

Em Junho, esperamos que se junte a nós logo no dia 16 (quinta-feira), às 17h00, na inauguração das intervenções propostas para o JARDIM da Gulbenkian pelos artistas Bárbara Assis Pacheco (Portugal), Délio Jasse (Angola), Isaías Correa (Chile), Kboco (Brasil), Nandipha Mntambo (África do Sul), Rachel Korman (Brasil), e o colectivo Raqs Media (Índia).

No dia seguinte, 17 de Junho (sexta-feira), às 09h30, terá início a segunda parte das LIÇÕES do Próximo Futuro (2011), reunindo investigadores, poetas e professores de diversas geografias (Brasil, Camarões, EUA e Portugal), em torno de reflexões sobre “Democracia e a Ética do Mutualismo” (a partir da “experiência Sul-africana”), “Qual o futuro próximo da Poesia?”, “As grandes incertezas da historiografia africanista” e “Produção, utilização e partilha do conhecimento na economia global”.

Alguns links (complementares às respectivas bios no Jornal) para conhecer os conferencistas de dia 17 de Junho:

Achille Mbembe (Camarões)

What is a postcolonial thinking?

Donors have a simple notion of development

The invention of Johannesburg

Eucanaã Ferraz (Brasil)

Não saberia dizer a hora…

Entrevista

Errática

Margarida Chagas Lopes (Portugal)

Entrevista Antena 1

Desemprego e Interioridade

Principais actividades e trabalhos em Economia da Educação e da Formação

Ralph Austen (EUA)

The Department of History

Trans-Saharan Africa in World History

Postcolonial African Literature

Figures & Fictions: CONTEMPORARY SOUTH AFRICAN PHOTOGRAPHY

Uma grande e actual exposição de fotografia de autores da África do Sul no Victoria & Albert Museum pode ser vista até 17 de Julho. É a primeira exposição sobre fotografia contemporânea sul-africana apresentada no Reino Unido neste século. Reúne cerca de 150 obras de 17 fotógrafos e tem contributos textuais dos mais importantes teóricos e especialistas da fotografia sul-africana como Tamar Garb e Federica Angelucci (presente no Próximo Futuro dia 12 de Maio no contexto do Workshop de Investigação "O Estado das Artes em África e na América do Sul").

A exposição é apresentada como uma exposição de fotografia no contexto pós-apartheid, reunindo várias abordagens e estilos. Refere-se a presença de fotógrafos consagrados como David Goldblatt e Santu Mofokeng, bem como a nova geração representada por Zanele Muholi e a parceria Hasan & Husain Essop. Se há um traço comum a estes fotógrafos é o seu compromisso político assumido quer seja através da fotografia documental, quer da explícita fotografia de arte.

Para todos aqueles que têm acompanhado as actividades do Fórum Cultural "O Estado do Mundo" ou o Programa Próximo Futuro são muitos os fotógrafos aqui representados que já foram expostos nestes dois Programas Gulbenkian.

Mais informações aqui e entrevistas com os fotógrafos no V&A Channel.

APR

Breyten Breytenbach II

Published21 Apr 2011

Tags África áfrica do sul breyten breytenbach poesia

Mais um poema de Breyten Breytenbach

 

AMEAÇA DOS DOENTES

(para B. Breytenbach)

Senhoras e Senhores, permitam-me que vos apresente Breyten

Breytenbach

este homem magro de camisola verde; é devoto

e comprime e martela a cabeça oblonga

no intuito de vos fazer um poema    exemplo:

tenho medo de fechar os olhos

não quero viver no escuro a ver o que se passa

os hospitais de Paris estão cheios de homens lívidos

especados à janela fazem gestos ameaçadores

como anjos no forno

e a chuva escorcha e engordura as ruas

tenho os olhos pegados

eles/vós me enterrareis em dia húmido

quando a terra se torna em negra carne crua

e as folhas e as flores maceradas coloram de rugas de água o

            sangue branco do ar

antes que a luz roa tudo

mas eu recuso prisão para os meus olhos

colhei as minhas asas ossudas

a boca é demasiado secreta para não sentir a dor

calçai botas para o meu enterro quero

ouvir a lama amassar-vos os pés

os rouxinóis agitam a cabeça molhada, reluzentes flores negras,

as árvores verdes são monges resmungões

plantai-me numa colina, junto a um pego onde haja bocas-de-

            -lobo

deixem que patos velhos e sabidos cubram de luto o meu túmu-

            lo

à chuva

almas de mulheres tresloucadas mas sagazes são possuídas por

gatos

medo medo medo em saturadas descoloridas cabeças

e não quero que embalem (que consolem) a minha língua ne-

            gra.

Vistes como é inofensivo, hajam caridade com ele.

trad. de Mário Cesariny

Breyten Breytenbach

Um poema de Breyten Breytenbach

HÁ UM PÁSSARO IMENSO

há um pássaro imenso meu amor

talvez um cisne selvagem

ou um albatroz cativo

ou falcão da montanha meu amor

de imenso e luminoso pico de neve

o seu rumo nocturno não podemos vê-lo

pois negro é o seu peito e o seu bico

mas o seu canto vibra como uma estrela

o dorso, e as ósseas penas, são azuis

e assim, também de dia não o vemos

porque voa, na altura, de ventre virado ao sol

dele, apenas, por vezes, duas sombras

atravessam teus olhos meu amor

dúbia é a cor da cor do meu amor

escuro rondando o escuro, noite minha

e sempre, sempre entre os meus olhos e eu

trad. de Mário Cesariny

Rediscovering African Geographies: últimos dias, em Londres

Orbis Terrae, in "Atlas sive Cosmographicae" (1595), Gerard Mercator 

Últimos dias para espreitar a exposição "Rediscovering African Geographies" na Royal Geographical Society em Londres!

From the great African Kings and Empires from 3000BC to the complex trade networks and migration of Africans within the continent and across the world, the Society's new Rediscovering African Geographies exhibition uses maps, photographs and literature from our Collections to travel through Africa’s history.

Rediscovering African Geographies shows, from an African perspective, how culture, international relations, language and conflict have shaped the geography we know today. It reveals often neglected stories and how these records of African societies, cultures and landscapes helped shape and inform European views of this continent and its people.

The exhibition, which runs from 22 March 2011 to 28 April 2011, has been created with African community partners representing the Congo, Ghana, Nigeria, Namibia, Zimbabwe, Sierra Leone and South Africa. It's free to visit and will be held at the Society premises, Monday to Friday 10am to 5pm.

The exhibition features Africans such as James Chuma, Abdullah Susi and Sidi Mubarak Bombay who made important contributions to the Victorian expeditions undertaken by David Livingstone and others that were supported by the Society.

Tudo o que é preciso saber aqui e um óptimo audio-slideshow da BBC aqui.

Lúcia Marques

Shangaan Electro

Published28 Jan 2011

Tags África áfrica do sul música shangaan electro

Um dos discos mais falados neste final de ano foi a compilação Shangaan Electro: New Wave Music from South Africa (Honest Jon's). Música que pode ser encontrada em Joanesburgo, mas da autoria de naturais da província de Limpopo, no norte do país (região que se estende para Moçambique). Esta música caracteriza-se pela velocidade dos beats. É um dos discos mais entusiasmantes a ser lançados em 2010.

Shangaans don't typically love Joburg. They work in Joburg, but their heart is in Limpopo. People want to go back to the country and to their families. Limpopo is rural. It's hot, very hot and vibey. Shangaan music is about love. It's about a wife and a husband. We are family-oriented musicians.

Neste vídeo, uma breve conversa com Richard "Nozinja" Mthetwa, música, produtor e dono da editora de discos que mais tem feito pela popularidade do Shangaan, a Nozinja Music Productions.

When We Were Black, 23 e 24 de Junho

Published23 Jun 2010

Tags áfrica do sul cinemateca próximo futuro

23 de Junho, quarta-feira (1ª parte)

24 de Junho, quinta-feira (2ª parte)

Anfiteatro ao ar livre, 22h

When We Were Black conta em dois episódios uma história sobre a passagem para a idade adulta, mas também sobre a forma como a história e a política podem moldar a identidade individual. O filme procura fazer análise de como as identidades e as histórias pessoais podem coincidir e relacioná-las com acontecimentos políticos mais abrangentes. É um filme complexo, encantador e inteligente, com um apelo universal.

Esta mini-série foi rodada para televisão em quatro semanas, entre Setembro e Outubro de 2006. Premiada em sete categorias, incluindo a de Melhor Realização e de Melhor Série Dramática de Televisão, nos South African Film and TV Awards, em 2008 também esteve em competição na 21ª edição dos Rencontres Internationales de Television de Reims (França).

When We Were Black conta com um convidado especial no elenco, o actor sul-africano Presley Chweneyagae (conhecido por ter entrado no filme Tsotsi, vencedor em 2005 do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro), que no filme recita o poema histórico de Ingoapele Madingoane "Africa my Beginning".

Ingoapele Madingoane é o nome cimeiro de uma geração de poetas que trabalhava no Soweto no final dos anos 70, autor da obra seminal da literatura de “consciência negra” sul-africana, Africa my Beginning, publicada pela Ravan Press em Joanesburgo, em 1979. O livro foi banido pelas autoridades do apartheid dois meses depois de ser publicado. O poema, que se seguiu a um outro épico “Black Trial” (Julgamento Negro), foi largamente recitado por Ingoapele no Soweto, antes e depois da sua publicação e subsequente proibição. Acabou por tornar-se tão popular junto dos mais jovens que muitos miúdos e estudantes no Soweto sabiam o poema inteiro de memória. Ingoapele Madingoane morreu em 1996.

Lição de Ruth Simbao, 24 de Junho

Published23 Jun 2010

Tags áfrica do sul lições

24 de Junho, quinta-feira.

18:30, Auditório 2. Entrada livre

Transmissão em directo online:  http://live.fccn.pt/fcg/

O AFROPOLITANO ’LOCAL’: NOVAS GEOGRAFIAS NA ARTE AFRICANA CONTEMPORÂNEA, por Ruth Simbao (África do Sul)

A arte contemporânea de África e da diáspora africana é, muitas vezes, orientada pelos mundos da arte europeia e norte-americana, que destacam a sua inclinação unidireccional para ’Norte’. Esta apresentação reenquadra as políticas geo-espaciais do mundo da arte contemporânea, definindo o ’Sul‘ como nexo de cosmopolitanismos ’locais‘ e movimentos e diásporas intra-continentais. Explorando a especificidade do sítio, procura novas formas de discutir o ’local‘, num momento contemporâneo de globalização e desterritorialização. A apresentação foca-se na arte contemporânea da Zâmbia e da África do Sul, desmontando a esperada ’autenticidade‘ e resultante xenofobia de um contexto pós-nacional de ’construção da nação no exílio’.

RUTH SIMBAO é professora associada de História de Arte Africana e Cultura Visual na Universidade de Rhodes, África do Sul. É doutorada pela Universidade de Harvard e foi galardoada com o Rhodes University Vice Chancellor’s Distinguished Research Award (2009). Publicou em várias revistas académicas, entre as quais African Arts, Art South Africa, Third Text, Parachute, Fuse, Mix e NKA: Journal of Contemporary African Art.

When We Were Black

Published7 Jun 2010

Tags áfrica do sul mundial de futebol

Em vésperas do início do Mundial de Futebol na África do Sul, relembramos que nos dias 23 e 24 de Junho, às 22h, o Próximo Futuro vai projectar, em duas partes, no Anfiteatro ao ar livre da Fundação Gulbenkian, o filme WHEN WE WERE BLACK.

Filme composto por uma série de quatro episódios, de 48 minutos cada, apresentados em dois dias, dada a sua extensão. O realizador sul-africano Khalo Matabane (n.1975) conta, nesta mini-série, a história verídica de um adolescente negro que, apaixonado por uma jovem activista política e para ganhar a sua afeição, entra no mundo da luta revolucionária contra o apartheid. Este seu envolvimento político terá, como consequência, a sua morte precoce a 16 de Junho de 1976, uma data simbólica para a comunidade negra sul-africana. Através desta narrativa, a série conduz-nos tanto ao ambiente da luta anti-apartheid, como ao ambiente social e político, da moda e do pensamento sul-africano, expressos nas ruas do Sowetto por jovens de sapatos brilhantes, de verniz, e calças reluzentes, dançando ao som dos Teenage Lovers, The Beaters, The Movers e dos Flaming Souls, assim como de Stevie Wonder, Marvin Gaye e Aretha Franklin, com penteados afro e com a palavra de ordem «I’m Black and I’m Proud». A série foi seleccionada como Special screenings de INPUT 2007, na Suíça, e foi ganhadora de sete prémios, incluindo o de melhor série dramática de Televisão e de Realização pela South African Film and TV awards.

Joanesburgo

Published4 Jan 2010

Tags África áfrica do sul joanesburgo

                               
Like a net; Egoli collects the brightest stars of the dark constellation, coming to chip away at her gold and seeking her diamonds
Its beacon of light: the coke tower, now the vodacom tower with its prostitutes, and hustlers, Joburg proudly displays her disparities, even in the scenic Joubert Park with its whites only benches and likewise drinking fountains.
My mother told me stories of batoned police keeping the peace in the town centre. I remember riot police, enforcing the law, and keeping the pavements safe. Back then there were no street vendors from Ghana and Mozambique selling roots and herbs, or Chinese traders vending golden watches and sunglasses.
Like a magnet Jozi transfixes the country bumpkin, fresh off the train and teaches him to wield a knife, as he slips into the seat of his newly acquired German-crafted, four-wheeled status symbol. Oranges, pears, bananas, and avocados tumble to the ground as a father of four looses his pulse in the wake of Jakes and his crews´ scrambling feet-cuoshioned in the high stepping bright white All Star trainers; as red syrup seeps in to the concrete sidewalk.
Deeper and deeper below, the sound of the pneumatic drill comes to an abrupt halt as an army of sixteen blackened faces burrows further in search of a slight twinkle in the dark. Their black voices beat on the army of white ear drums above with their hands on their hips.
In the Newtown District, the new generation, the first generation, of black-diamonds* sips cocktails, and strokes silk-clad thighs, while signing million rand contracts in the full glory of the African sun. They... we, smile, and the African sky smiles back. After all we are the new precious article of this Southern Africa Capital. The new kings and queens driving capital and industry on the very streets where our grandparents drove wheel barrows. We spit instructions in English, Sotho, and Venda, while receiving concurrence in Afrikaans, Xhosa and the almighty Zulu.
On either end; Alexandra and the infamous Soweto townships buttress this powerhouse of African modernity. In these outskirts of Johannesburg the young and old continue the waiting game for fathers and mothers to return to these battlegrounds where dreams are dashed and schemes realised.
Jabulani Maseko
* A marketing term describing the group of young black (not including Indians or coloureds) South Africans who make up the middle class (well-educated, wealthy, salaried, in suitable employment, creditworthy, property and car owners, aspirant, with confidence in themselves and in the future).
Fotografia:
Jabulani Maseko
Afrovova

Dennis Brutus


Morreu Dennis Brutus, poeta sul-africano. Mais aqui
1.
Golden oaks and jacarandas
flowering:
exquisite images
to wrench my heart.
2.
Each day, each hour
is not painful,
exile is not amputation,
there is no bleeding wound
no torn flesh and severed nerves;
the secret is clamping down
holding the lid of awareness tight shut—
sealing in the acrid searing stench
that scalds the eyes,
swallows up the breath
and fixes the brain in a wail—
until some thoughtless questioner
pries the sealed lid loose;
I can exclude awareness of exile
until someone calls me one.
3.
The agony returns;
after a crisis, delirium,
surcease and aftermath;
my heart knows an exhausted calm,
catharsis brings forgetfulness
but
with recovery, resilience
the agony returns.
4.
At night
to put myself to sleep
I play alphabet games
but something reminds me of you
and I cry out
and am wakened.
5.
I have been bedded
in London and Paris
Amsterdam and Rotterdam,
in Munich and Frankfort
Warsaw and Rome—
and still my heart cries out for home!
6.
Exile
is the reproach
of beauty
in a foreign landscape,
vaguely familiar
because it echoes
remembered beauty.
(1975)
E um dos maiores poetas africanos, um herói.