Next Future logo

Design de vários países africanos a desafiar estereótipos

Published30 Jul 2015

Tags Desig África estereótipos

Image Credit: Edward Tadros, ercol

O livro Contemporary Design Africa, de Tapiwa Matsinde, mostra peças de design de vários países africanos, afirmando uma visão do continente através de formas de criatividade que supera as ideias estereotipadas de uma estética exclusivamente tribal, ancestral e homogénea.

Tapiwa Matsinde’s book, Contemporary Design Africa, challenges perceptions of African creativity by focusing on design and innovation on the continent. Tapiwa Matsinde is a British-Zimbabwean designer, creative business consultant, blogger and writer. Her book is attempting to push back against the “single story” of African art. The aim of the book is to challenge the standard imagery of “wooden statues, masks, animal prints, tribal markings, safari chic, ebony and ivory, and earth tones,”revealing a fluid, dynamic and unpredictable creative economy, in places as diverse as Nigeria, Zimbabwe, South Africa, Senegal, Burkina Faso and Mali. Inspired by Chimamanda Ngozi Adichie’s popular TED talk, Matsinde’s volume celebrates novel approaches to design throughout the continent.

Through photographs and text, Contemporary Design Africa considers a selection of intricate, colourful and sustainably produced decorative objects. Matsinde focuses especially on basketry, ceramics, metalwork, woodcarving, weaving and textiles, fashioned from materials such as beads, raffia, shells, embroidered textiles, leather, ivory, metals and bamboo, among others. Aside from extolling the objects, Matsinde emphasizes the originality and imagination of African artisans. To cite one example, she considers textiles by Henoc Maketo of Design Maketo, which draw inspiration from the multi-layered motifs and effervescent colour palettes of the Democratic Republic of Congo. Maketo specializes in screen-printing and uses old and new print techniques to produce his designs. In 2011 he won the prestigious New Design Britain, Fabrics Award at Interiors Birmingham.


Mais em ‘Contemporary Design Africa’ book highlights African innovation, challenging dominant perceptions of the continent


A despedida de Paul Theroux de África

Paul Theroux, escritor de viagens e romancista, autor de a Arte da Viagem (Quetzal, 2012), O Grande Bazar Ferroviário (Quetzal, 2011), Regresso à Patagónia, entre tantos títulos, viveu no Malawi nos anos 60 e regressou diversas vezes ao continente africano, tema de muitas das suas obras.  Último Comboio para a Zona Verde (Quetzal, 2014) narra a sua viagem da Cidade do Cabo até Angola, experiência de tal forma marcante que assinala a sua despedida de África. O El Pais escreveu sobre este livro:

El último tren a la zona verde relata el viaje del autor por tierra por el sur de la costa oeste africana entre Ciudad del Cabo y Angola, un país que ha padecido una de las guerras más largas, salvajes y olvidadas del siglo XX. La desértica Namibia ocupa un lugar central en su viaje y, sobre todo, su encuentro con los bosquimanos, una tribu de cazadores recolectores que tienen un lazo directo con nuestros antepasados más remotos, ya que son el pueblo más antiguo de la tierra. Este libro es mucho más que un viaje. En cierta medida, Theroux lo utiliza para despedirse de África, ya que está escrito desde la sensación de que tal vez no le queden energías para realizar otro recorrido similar. Y, en ese sentido, trata de reflejar en él toda una vida de sabiduría viajera, de cruces de fronteras, de encuentros inesperados con el otro, de paisajes y ciudades que muestran la inagotable diversidad del mundo. El libro está lleno de historia, de referencias literarias —recuerda una maravillosa frase del gran libro de Rebecca West sobre los Balcanes, Cordero negro, halcón gris: “A veces es muy difícil saber la diferencia entre la historia y el olor de una mofeta”—. Pero, ante todo, ofrece una mirada sobre lo que significa viajar, escrita por un autor que ha recorrido prácticamente todo el mundo. Explica, por ejemplo, que no se puede conocer una ciudad desde su centro, que siempre hay que acudir a su periferia.

Artigo completo em Una despedida de África

Cartografia e realidade

Published30 Jun 2015

Tags Cartografia África

Carla Lois é formada em Geografía, doutorada em Historia (UBA), e autora do livro Mapas para la Nación (Editorial Biblos). No ensaio publicado na revista N, da Clarín, reflecte sobre a relação entre cartografia e realidade, ao longo da História, retomando as primeiras incursões de ocidentais pelo continente africano e as representações que produziram

Cada tanto aparece alguna noticia que nos empuja, contra nuestra propia voluntad, a desconfiar de los mapas. Hace poco más de un año, nos enterábamos de que la isla Sandy en el mar del Coral que aparecía en los mapas en realidad no existe, aunque su “foto” aparezca en el aparentemente infalible Google Earth (no hay registros de ellas en ningún mapa del siglo pasado ni tampoco en los actuales mapas oficiales de Francia, en cuya jurisdicción se emplazaría esta misteriosa isla). Aun así, seguimos mirando los mapas como espejos de lugares que no conocemos pero que seguramente existen.

El mundo geográfico es cambiante. Es cierto que algunas islas pueden aparecer y otras, en cambio, desaparecer. O que las montañas disminuyen su altura. O que los ríos modifican su curso y, por tanto, su diseño sobre los mapas. Pero la variabilidad de los mapas no se debe solamente a la inevitable necesidad de actualizarlos para registrar esos cambios físicos. Los mapas también representan geografías dadas por ciertas: hasta que David Livingstone y Henry Morton Stanley se aventuraron al corazón de Africa para descubrir que la fuente del río Nilo es el lago Victoria, los mapas incluían los célebres Montes de la Luna, indicando que eran las montañas que daban al Nilo.

El célebre caso de Livingstone y Stanley no fue una excepción. James Rennel (1742-1830), uno de los fundadores de la Royal Geographical Society, dibujó una cadena montañosa que atravesaba el continente africano siguiendo el curso del río Níger. Aunque nunca había visitado esas zonas, se atrevió a cartografiar temerariamente semejante cordillera inspirado tanto en la descripción que Mungo Park reunía en su libro Viajes a los interiores de Africa , así como en leyendas consagradas (entre ellos, la del geógrafo hispano-árabe del siglo XV, León el Africano) y diversas fuentes de la época. La cadena orográfica de Rennel bautizada con el nombre de Gebirge Kong fue reproducida en más de cuarenta atlas publicados entre 1798 y 1892. Hasta que, en 1889, la audiencia de la Sociedad Geográfica de París escuchaba atentamente la conferencia del oficial francés Louis-Gustave Binger cuando anunció que, luego de haberse internado en el corazón del continente africano hasta Bamako (actual Mali) y llegado hasta la supuesta localización del Gebirge Kong, confirmó que “en el horizonte ¡ni siquiera se veían colinas!”. A pesar de esta contundente demostración, los montes Kong permanecieron todavía un tiempo más en los mapas hasta desaparecer del todo, salir de los mapas y pasar a la historia de los tantos mitos geográficos.

O texto completo em Mapas imaginarios de mundos reales

Arte digital em África na era da globalização

Published28 May 2015

Tags Arte Digital África

Imagem: Vídeo de Emeka Ogboh

A exposição Post African Futures apresenta, desde 21 de Maio, na Goodman Gallery, em Joanesburgo, palestras, projecções e performances no âmbito da criação digital, num continente  com 280 000 utilizadores de internet,  de acordo com o Internet World Stats, com a Nigeria, África do Sul e o Quénia no topo da lista da conectividade. 

But who is narrating our story and creating and mapping Africa’s digital footprint?

In the creative sphere, across Africa, the narrative is already being digitally rewritten and archived by artists who have been troubled by hackneyed and problematic representations of the continent and the dangers of globalisation.

“What I attempt to do through my work and in my life is to unlearn all the nonsense I’ve been fed with growing up in the West,” says 26-year-old video artist Tabita Rezaire, who grew up in Paris but has been living in Johannesburg for the past 10 months. “I am trying to free myself (and potentially others in the process) from the spiritual, social and political oppressions of the colonial matrix of power. It is about unlinking with Eurocentrism and the pervasive hierarchy between races, genders, cultures and systems of knowledge.”

Rezaire is one of 19 artists who are showcasing their works as part of an ambitious and potentially game-changing exhibition, Post African Futures, curated by Tegan Bristow, an interactive digital media artist and head of interactive media in the digital arts division of the University of the Witwatersrand’s school of arts.

Bristow says the exhibition is an extension of her doctoral research through the United Kingdom’s University of Plymouth and came about because she was concerned about how we are “teaching European digital media and digital arts practice to students who aren’t even looking at digital media and digital art in that way at all. It’s a little destructive.

“There’s all kinds of different social political agendas around global technologies, which I think everybody in South Africa is aware of since we are specifically represented in global media in a very closed-minded way.”

O artigo completo em African digital art in the age of globalisation

"Why climate challenges are an opportunity for Africa"

Published16 Apr 2015

Tags Mudanças climáticas Energia África

No dia 5 de Junho, realiza-se o World Economic Forum on Africa, na Cidade do Cabo, onde serão discutidas as questões do clima e da energia e o impacto desta problemática no continente africano.

In Africa, unequal access to energy has reinforced the wider inequalities linked to poverty, gender and the rural-urban divide that have accompanied the economic growth of the past 15 years. Africa is already experiencing severe and damaging impacts from climate change. Yet no region has done less to contribute to global warming than Africa.

So great are the energy challenges and so severe the climate risks that it is easy to lose sight of the opportunities. And those opportunities are considerable. They are part of a fundamentally different narrative that is emerging across Africa. The climate change imperative is seen as an opportunity for Africa’s energy-poor countries to leapfrog straight to clean energy, avoiding decades of inefficient spending on polluting energy sources.

In this 2015 “climate moment”, Africa must emphasize that making the transition to clean energy will only be possible if the chosen pathway ends energy poverty; if it enables countries to continue to grow and transform economically – a “development first” approach; and if it ensures that Africa will not become one of the world’s worst polluting continents.

The climate moment also provides an opportunity for African governments to raise their level of ambition, revisit their energy policies and create an environment for Africa’s dynamic energy entrepreneurs to thrive.

Putting together a report of this scale and ambition is a complex process involving high-level meetings, networks of researchers across Africa and the globe, and the production of innovative design and graphics to portray key facts and data.

Why climate challenges are an opportunity for Africa, por Caroline Kende-Robb, directora do Africa Progress Panel

Pascale Marthine Tayou em entrevista

Published9 Apr 2015

Tags pascale marthine tayou arte África

Pascale Marthine Tayou, artista camaronês, cujo trabalho de instalações combina objectos encontrados e um jogo de brincadeira com a sua função original, expõe agora em Londres, onde se pode ver "Boomerang", nas Serpentine Galleries. Em entrevista ao site Contemporary and fala do seu percurso, inspiração e de como a arte pode ter um papel na História, a partir da reflexão sobre as intervenções artísticas em Berlim a propósito d0 130º aniversário da Conferência de Berlim.

C&:The 130th anniversary of the Berlin Conference was commemorated by a number of artistic interventions, especially in Berlin.How do you view these types of interventions in relation to that moment in history whose repercussions are still felt in our contemporary realities?

Pascale Marthine Tayou: These are important events. You have to take a look at the attitude of the people doing the interventions. What they propose to us represents the world of today and could anticipate the world of tomorrow. The projects are tied to history. Which brings me to the next question: how am I participating in the history of tomorrow?

C&: What are your sources of inspiration? What drives your work?

PMT: I was born just after Independence. You have a life, grow up, go to school. There are your parents’ dreams and the things that they hope for, and over time you become aware of your surroundings. You take a physical, a spiritual journey. So my situation is also very tied into my interventions. What are my sources? Everyday life, all the things we have, like visual or sensory information. Those are encounters. That’s what establishes our needs and our boundaries.

A entrevista completa, aqui

O impacto da economia chinesa em África

Published16 Mar 2015

Tags economia china África

Composition of outward Chinese FDI stock in Africa (2009). Source: Chinese Ministry of Commerce, National Bureau of Statistics, State Administration of Foreign Exchange, 2010

De que forma o desenvolvimento da economia chinesa afecta o continente africano? Qual é a estratégia de África em relação à China? Como funcionam as economias locais num mundo global? Martyn Davis, consultor e especialista em mercados emergentes de fronteira, publica no site do World Economic Forum um artigo desenvolvido sobre estas questões.

The African continent continues to struggle to develop its domestic economies through beneficiation and, by and large, sub-Saharan African countries remain dependent on raw material extractive industries, often being single-commodity dependent. Ironically, the China-driven commodities “super cycle” over the past decade or so may have reinforced the resource dependence of African states.

Despite this, China’s resource-intensive growth model has helped African growth – underpinning the “Africa rising” narrative that has emerged in recent years.

Furthermore, in 2008 Beijing’s financial authorities used a sizeable stimulus of approximately $570 billion to pump-prime economic growth. This was in response to rapidly slowing global growth following the financial crisis, and it had a very positive knock-on effect on Africa’s growth trajectory. Ironically, China’s actions reinforced Africa’s commodity dependence, with strong commodity prices providing a deterrent – or at the very least a distraction – for African policy-makers to accelerate their efforts towards diversification.

But changes now impacting the Chinese domestic economy hold out a new promise for aspirational African economies. The rising cost pressures on China’s light industrial manufacturing sector will increasingly lead to manufacturing capacity to relocate to lower-cost foreign economies over the long term. This trend of Chinese “hollowing out” of low-end manufacturing and offshoring to Africa is likely to be the next driving force of the relationship. This forms part of what is often referred to as China’s “economic rebalancing”. If this opportunity is seized by progressively reformist African states, they could well be on the cusp of a 19th-century style industrial revolution – generating jobs and creating new industries.

O artigo completo em What China’s economic shift means for Africa

Artistas africanos para 2015 escolhidos pelo Le Monde

Published11 Feb 2015

Tags África arte africana

Barthélémy Toguo (Camarões) e Kader Attia (Argélia) são dois dos cinco artistas destacados pelo jornal francês Le Monde para o ano de 2015, que já marcaram presença na programação do Próximo Futuro. 

  • Barthélémy Toguo, Venise en ligne de mire

Peu d’indices ont filtré sur les artistes invités à la Biennale de Venise (9 mai-22 novembre). Mais d’après nos informations, le Camerounais Barthélémy Toguo sera de la partie. Le doigt sur le pouls de nos sociétés, cet artiste engagé en pointe les soubresauts et les mutations. À Venise, il devrait déployer soixante-quinze sculptures en bois représentant des tampons administratifs géants. Leurs slogans tournent autour des idées d’exil et de migration, de la violence urbaine, de la militarisation, des nouvelles maladies…


  • Kader Attia, tous azimuts

En 2015, l’artiste franco-algérien Kader Attia fera feu de tout bois. Du 21 mai au 30 août, il a droit à une rétrospective au Musée cantonal des Beaux-Arts de Lausanne. Au menu, le choc des cultures, l’héritage colonial, les dérives identitaires, autant de sujets clés d’une œuvre foncièrement politique. La question postcoloniale est au cœur de l’installation « Independence disillusionment » présentée jusqu’au 29 mars à la Biennale de Kochi-Muziris en Inde. Inspirée des timbres émis après l’indépendance des pays africains, elle vient rappeler les lendemains qui déchantent, les utopies futuristes remisées. La relation/friction entre sociétés traditionnelles et modernité occidentale traversera enfin son projet à la Biennale d’art contemporain de Lyon (10 septembre-3 janvier).

Pode ler o artigo completo, em Les cinq artistes africains de l’année 2015

Filmes africanos no festival de cinema Sundance

Published25 Jan 2015

Tags cinema Sundance África

O Festival de Sundance foi fundado por Robert Redford, como uma mostra do melhor da sétima arte fora dos cânones comerciais de Hollywood, no Utah, Estados Unidos. A sua décima quinta edição, que termina dia 1 de Fevereiro, mostra cinema africano.

Sembène conta a história do escritor e realizador senegalês Ousmane Sembène. Realizado por Samba Gadjigo (seu biógrafo) e pelo cineasta Jason Silverman,  está entre os filmes que se mostram no festival. Outros títulos de criadores africanos são indicados no site OKAfrica

The Humphrey Winterton Collection of East African Photographs: 1860-1960

Published20 Jan 2015

Tags fotografia arquivo África

Liz Timbs, historiadora, doutoranda em História Africana, escreve no site Africaisacountry a rubrica 'Digital Arquive', sobre fotografia e África. Neste artigo, debruça-se sobre The Humphrey Winterton Collection of East African Photographs: 1860-1960.

The Humphrey Winterton Collection is an expansive collection of over 7,500 photographs taken mainly in East Africa between 1860 and 1960. Part of the Melville J. Herskovits Library of African Studies Collection at Northwestern University, the Winterton Collection was assembled by British collector Humphrey Winterton. These photographs preserve a range of key historical moments in the region, from the opening of the Busoga Railway in 1912 to Hermann von Wissman’s 1889-1890 expedition to suppress the Abushiri Revolt. In addition to major historical events, this collection also captures life in this region from the mid-nineteenth- to mid-twentieth century.  From portraits to landscapes, this collection really does, as the site purports, represent “an unsurpassed resource for the study of the history of photography in East Africa.”  The photographs are tagged and cataloged in a variety of ways, but, to be honest, these efforts at organizing the collection make it quite difficult to find anything.  It’s much simpler to use the keyword search function to navigate the collection or, if you have the time, to browse the collection in its totality.

Mais aqui

A Literatura de Viagens e África

Published15 Jan 2015

Tags África Literatura de Viagens Novas Tecnologias

A Literatura de Viagens é um género ocidental? Como são vistas as viagens em África pelos turistas? E de que forma os escritores africanos encaram este género, tanto em termos do formato livro, como de outros suportes tecnológicos? Um artigo dividido em duas partes, no site This is Africa, aborda estas questões, com o contributo de vários testemunhos. 

Travel writing is a simple yet strange concept. In Western terms (and on Western bookshelves) it has commonly meant middle-aged white men visiting ‘exotic’ or otherwise alluring places and commenting in world-weary tones on the vagaries of the local population or inviting the reader to share a wry laugh at their comical antics.

As this demographic group has dominated Western society, so has it dominated this particular genre – in a way only really rivalled by historical and political writing. It has often had a traditional anthropological bent, assuming an objectivity and neutrality that is not real. Who could be more a product of his culture than the upright, crisp-shirted modern-day explorer? Pith helmets are a thing of the past, but the ‘neutral’ uniform of the observational traveller remains.

“For every native of every place is a potential tourist, and every tourist is a native of somewhere”

Michael Palin is a case in point. From a literary point of view, Africa has, at least in recent centuries, suffered from being under the microscope of travellers often from the very countries that colonised swathes of the continent, erasing many of its histories and potential stories along the way. From a purely touristic point of view, specific corners of the continent became magnets for foreign pleasure seekers. “For every native of every place is a potential tourist, and every tourist is a native of somewhere”

As Jamaica Kincaid said in her book A Small Place: “That the native does not like the tourist is not hard to explain. For every native of every place is a potential tourist, and every tourist is a native of somewhere. Every native everywhere lives a life of overwhelming and crushing banality and boredom and desperation and depression, and every deed, good and bad, is an attempt to forget this.

O texto completo em We need new stories, part 1 e part 2

a alcova posta a nú

Published9 Sep 2013

Tags sexualidade África blogue

A sexualidade no feminino escrita por autoras de origem africana está num blogue. Talvez não devesse ser facto extraordinário, mas ainda é.  Este artigo explica porquê.

"África no habla de sexo abiertamente y menos si una es mujer y no tiene entre sus planes inminentes casarse. Lo afirma Malaka Grant, ghanesa que a finales de 2008 se dejó convencer por la activista Nana Darkoa Sekyiamah para abrir un blog que llenara este silencio tradicional y generalizado, Adventuresfrom. Ellas son la muestra de que el sexo sigue siendo un tabú en el continente, e incluso esconden a gran parte de sus parientes que están detrás de lo que, traducido, sería Aventuras desde el dormitorio de mujeres africanas, pero están dispuestas a abrir las puertas y ventanas de las alcobas africanas para que el sexo sea lo que es, algo natural. "Nuestras familias no lo entenderían. -se justifica Malaka- Pensarían que hacemos pornografía".

Todo o artigo aqui

Youth, Waithood, And Protest Movements In Africa

Published16 Aug 2013

Tags Alcinda Honwana ecas juventude África

Os movimentos juvenis de protesto em África e não só, analisados pela socióloga moçambicana Alcinda Honwana, na sua participação na Conferência Europeia de Estudos Africanos em Lisboa, em Junho passado. Uma comunicação importante para a compreensão das crises e revoltas em curso.

"Many young activists denounce old-style party politics and object to being manipulated by politicians, whom they regard as corrupt and self-serving. They consciously distance themselves from partisan politics, refusing to transform their movements into formal parties. In Tunisia, young activists continue to exert their veto power in the streets, and many refrain from participating in the partisan manoeuvring that has preoccupied the transitional government and the opposition parties in recent times (Honwana 2013). Similarly, the activists of Y’en a Marre in Senegal declined to join Macky Sall’s cabinet or to form their own party. Even those young activists who hold party memberships often complain that their voices are ignored."

Para ler tudo aqui

Present Tense em Paris

© Sammy Baloji, “Kolwezi Shituru" 2009-2011

Present Tense, a exposição de fotografia do sul da África que inaugura em Lisboa no verão do Próximo Futuro, seguirá depois para Paris, integrando a Saison Afrique du Sud France. Uma mostra da produção mais recente de 14 fotógrafos africanos, algumas trabalhos feitos especialmente para esta exposição, numa abordagem às tensões actuais que ultrapassam o registo continental.

" S’intéresser à l’Afrique revient à s’intéresser à un continent où l’histoire de la photographie est particulièrement importante. Peu visibles en Europe bien que porteurs d’autant de talents que d’un regard aiguisé sur leurs sociétés, deux importantes générations de photographes sont ici présentées. Ces derniers développent deux tendances : alors que certains prouvent qu’ils n’oublient pas leur passé et leur histoire, d’autres se tournent désormais vers l’avenir."

Para saber mais aqui



Bamako em Lisboa

Published24 May 2013

Tags fotografias bamako África

Khalil Nemmaoui

O Próximo Futuro traz a 9ª edição dos encontros de fotografia de Bamako para o edifício sede da Fundação Gulbenkian.  "Por um mundo sustentável" é o tema da exposição que se espalhará pela galeria de exposições temporárias fazendo uso das grandes janelas que a ligam aos jardins. Os trabalhos de 45 fotógrafos e 10 videastas, oriundos de 27 países, para ver de 22 de junho a 1 de Setembro.

"O tema proposto aos fotógrafos foi “Para um mundo sustentável”. Um tema desta natureza, com as implicações que tem em termos de política ambiental, decisões económicas, defesa do ambiente, regulamentação agrícola, piscatória e industrial, num continente onde, em muitos países, se está longe de atingir os mínimos exigíveis pelo acordo de Quioto, é uma proposta, no mínimo, revolucionária."

Há mais informações aqui

A fotografia de e sobre África

Published30 Apr 2013

Tags fotografia Al Jazeera África

A fotografia de e sobre África pelos olhos de uma nova geração numa serie de 6 documentários realizados pelo canal Al Jazeera. Vale a pena vê-los aqui, enquanto a programação de Verão do Próximo Futuro não chega.

"The New African Photography is a documentary series which profiles six African artists determined to take back control of how their continent is portrayed.

This six-part series showcases how a new generation of African photographers are keen to celebrate what is unique about the region, while remaining unflinching about the real problems facing their countries. Ultimately, it shows their optimism about Africa's future."

Todos os documentários podem ser vistos aqui

Mais um texto incontornável do Professor Elísio Macamo

elísio macamo

Parte da entrevista ao Professor Elísio Macamo por altura da sua participação no Observatório de África, América Latina e Caraíbas, no âmbito do Programa Gulbenkian Próximo Futuro.

A África de muitas latitudes tem também várias camadas. Como o mundo inteiro. Ou um país apenas: Moçambique. África pode ser ilusão. Pelo menos como a conhecemos, ou seja, sob a forma de narrativas muito simples que escondem os efeitos acumulados de uma história complexa. As palavras são do académico moçambicano do Centro de Estudos Africanos da Universidade de Basileia na Suíça Elísio Macamo que agarra esta imagem para explicar A Ilusão da África conhecida – título da sua apresentação em Lisboa na conferência O tratamento dado à informação sobre África pelos media inserida no programa Próximo Futuro da Fundação Calouste Gulbenkian no fim de Novembro.

Elísio Macamo falou mais tarde ao PÚBLICO desse fio de narrativas com o qual criamos “a ilusão que entendemos Moçambique”; da oposição política da Renamo que, nos 20 anos dos Acordos de Paz assinados a 4 de Outubro de 1992 em Roma, ameaça voltar à guerra; e de uma Frelimo dominante, produto de uma ideia fantástica porque sobre ela se projectam medos e esperanças. Uma Frelimo com um rosto: Guebuza que deixa a presidência do partido e do país em 2014. O sucessor (daquele que sucedeu a Joaquim Chissano) será uma escolha dentro da Frelimo. “Não da maioria, de uma minoria influente.”

(...)

Para ler mais basta ir aqui.

E para saber mais sobre o Observatório de África, América Latina e Caraíbas no qual o Professor Elísio Macamo participou, basta ir aqui.

RHYTHM 'FOLI' THERE IS NO MOVEMENT WITHOUT RHYTHM

Foli

"dedicated to the people of baro. please share"


Life has a rhythm, it's constantly moving.
The word for rhythm ( used by the Malinke tribes ) is FOLI.
It is a word that encompasses so much more than drumming, dancing or sound.
It's found in every part of daily life.
In this film you not only hear and feel rhythm but you see it.
It's an extraordinary blend of image and sound that
feeds the senses and reminds us all
how essential it is.






By the brothers Thomas Roebers and Floris Leeuwenberg
Film crew during one month in Baro, Guinee Afrika.

Beutifull sound recording and sound design Bjorn Warning
Translator and Rhythm specialist Thomas Bonenkamp

With special thanks to the chief:
DJEMBEFOLA |: Mansa Camio

info@thomasroebers.com

Antidiscrimination and Cultural Awareness

grundtvig workshop

C A L L   F O R   P A R T I C I P A N T S

Antidiscrimination and Cultural Awareness

Image of Africa and Black People in the European media

 

Grundtvig  Workshop

March 4 to 9, 2013

Vienna, Austria

 

Todas as despesas (viagem, estadia, participação) serão pagas pelo programa GRUNDTVIG

http://ec.europa.eu/education/lifelong-learning-programme/grundtvig_en.htm

Mais informações sobre as inscrições e o programa do workshop (pág. 26):

http://ec.europa.eu/education/grundtvig/doc/catalogue12_en.pdf

para a semana há mais PRÓXIMO FUTURO

ecard cinema e observatório

Depois do sucesso da conferência-debate com LILIAN THURAM sobre "Educação Contra o Racismo" (ontem), seguem-se mais atividades do Programa Gulbenkian Próximo Futuro em torno das questões culturais da atualidade relacionadas com a Europa, África, América Latina e Caraíbas.

Na próxima semana será possível assistir a uma seleção do ciclo de cinema árabe que encheu o Anfiteatro ao Ar Livre da Gulbenkian neste verão que passou e também participar no seminário internacional dedicado ao "tratamento dado à informação sobre África pelos media" (e que constitui a 3.ª edição do Observatório de África e da América Latina).

Mais informações sobre o ciclo de cinema, aqui e aqui.

E mais informações sobre a 3.ª edição do Observatório de África e da América Latina, aqui.

CALL FOR PAPERS: Colonial and postcolonial Urban Planning in Africa

conference flyer

CALL FOR PAPERS: International Planning History Society (IPHS) & Institute of Geography and Spatial Planning, University of Lisbon, Portugal - CONFERENCE Colonial and postcolonial Urban Planning in Africa, Lisbon, 5-6 September 2013

According to the United Nations, around 40 percent of the African population lived in urban areas in 2009. Population living in these vibrant and complex cities,  different from one another in patterns, processes and functions, is expected to reach 60 percent in 2050 and to set important challenges to both central and local governments in the continent. The answer to these challenges seems to require above all systematic urban planning, as acknowledged recently by the director of UN-Habitat.

The Conference – Colonial and Postcolonial Urban Planning in Africa – aims to re-examine the history of colonial urban planning in Africa and its legacies in the post-independence period, to learn from contemporary African scholarship, and to discuss how postcolonial urban planning cultures can actually address these urban challenges and contribute effectively for the development of resilient and sustainable cities in Africa.

The Conference to be held in Lisbon, in September 2013, organized by the Institute of Geography and Spatial Planning - University of Lisbon and the International Planning History Society (IPHS), will explore two key themes in the history of urban planning in Africa:

·         Theme I - 19th and 20th Century Colonial Urban Planning in Africa

·         Theme II - Postcolonial Urban Planning in Africa

In both themes we welcome country and cross-country approaches, studies of individual cities, and the comparison of African cities with one another.

The conference is organized in panels according to topics and issues.

The working language of the conference will be English. Translation services will not be provided.

Participation in the conference requires the presentation of a paper.

We invite researchers, planners and postgraduate students to present critical analyses of the multifaceted urban planning experience in Africa.

Mais informações, aqui.

Outra vez os maravilhosos sapeurs entre outras coisas...

dimanche à brazzaville

O documentário "Dimanche à Brazzaville" apresentado pela moçambicana Tania Adam no blog africa-no-es-un-pais ...

"Brazaville, con 1,5 millones de habitantes, es la capital y la ciudad más importante de la República del Congo. Situada a orillas del río Congo vive a la sombra de Kinshasa, capital de R.D. del Congo, una megalópolis con diez millones de habitantes que se encuentra al otro lado del río y nutre económica y culturalmente a la pequeña Brazzaville. La ciudad verde que acogió a Charles de Gaulle cuando era la capital la “Francia libre”, ha dejado de serlo para convertirse en el “Brazzaville basurero”, en el imaginario porque se puede parecer a muchas otras ciudades africanas, pero gran desconocida para muchos.

Comparte con su vecina Kinshasa el patrimonio de la S.A.P.E. (Societe des Ambianceurs et des Personnes Elegantes), el catch africano y el hiphop. Asuntos atractivos para seres curiosos, como Enric y Adrià, que ávidos de ofrecer una imagen diferente del continente, cogieron sus bártulos rumbo al Congo: “Queríamos mostrar el África urbana, que no sale tanto en los medios occidentales, desde una óptica no paternalista que repitiera los discursos de siempre. La ciudad era el punto de partida; nos daba juego, porque nos permitía dejar patente que pese a las diferencias de recursos e infraestructuras la vida urbana puede ser parecida en cualquier lado”.

ÉCOMETRAGES: Date limite : le 31 décembre 2012!

Published11 Sep 2012

Tags dakar concurso cinema curtas-metragens África espanha

écometrages

« Écométrages » est le nom du concours lancé par l´Ambassade d´Espagne au Sénégal afin d´encourager les passionnés du cinéma à produire leurs propres courts-métrages sur la situation de l´environnement en Afrique.

Ce concours a donc un double objectif audiovisuel et environnementale.

  • D´un côté, il s´agit de promouvoir que toute personne qui s´intéresse au cinéma puisse avoir l´occasion de présenter son travail cinématographique au grand public en participant à ce concours.
  • De l´autre côté, « Écométrages » veut devenir une plateforme de réflexion sur la situation de l´environnement enprojetant le regard des réalisateurs africains à travers ces courts-métrages.

Ce concours est ouvert à toute personne de nationalité africaine et permettra l´envoie d´autant de candidatures comme souhaité pourvu qu´elles respectent les conditions primordiales, c´est à dire :

que les court-métrages soientoriginaux, aient une durée comprise entre 1 et 10 minutes, soient en languefrançaise ou en toute autre langue avec un sous-titrage en français etévidemment, traitent le thème de l´environnement en Afrique.

Pour inscrire une candidature au concours, le court-métrage devra êtremis sur le portail vidéo Youtube (www.youtube.com) avant le 31 décembre 2012 avec le titre : « Ecométrages 2012 + nom du court-métrage ».

Le link de la vidéo sera envoyé à info@culturadakar.es tout en indiquant dans le sujet du mail « Ecométrages 2012» et dans le contenu, le nom et prénom du participant, sa date de naissance, sa nationalité, son adresse, un nº detéléphone et une adresse électronique ou email pour pouvoir le contacter.

Mais detalhes sobre o concurso, aqui.

Diaspora à la conquête du monde...

Published20 Aug 2012

Tags África diáspora marrocos africa 24 magazine

L’Afrique sera à l’horizon 2050 le continent le plus peuplé du monde. Pouvons-nous assumer ce leadership, sans leader ? J’en doute fort. Loin d’un ancrage continental que l’histoire a façonné dans la douleur et l’espérance, l’Afrique a vu ses étoiles briller au loin. Dans tous les pays du monde. Dans tous les métiers du monde. Des sciences au sport, du business à la politique. De l’art à la musique. Soudain, cette force longtemps invisible, celle de la diaspora, s’est imposée dans la vision universelle continentale comme la sixième région de l’Union africaine. Quel symbole. Quelle force. Une région aussi vaste que le monde. Une région dont le moindre élément scintille, comme une nuée d’étoiles filantes n’ayant qu’une seule visée : illuminer l’Afrique. Tout parcours, toute réussite est pour nous, pour moi, une revanche.

Chaque réussite doit devenir un socle sur lequel s’appuyer, pour nos pays, nos dirigeants politiques, nos experts continentaux, car la diaspora est devenue l’arme ultime de notre conquête.

Para continuar a ler basta clicar aqui.

 

Pobre del artista africano que no sea bastante folcolorico

Publicado no blog "África no es un país" este artigo de Tania Adam revela a realidade espanhola no que se refere à representação do "Africano" e da sua produção artística

 

 Excerto de Expresiones del África Negra en Barcelona

"A pesar de todo, en general existe un escaso conocimiento del trabajo de los creadores africanos, y es casi absoluto para el caso de la diáspora. Por ello es "habitual" que se piense que no existe producción cultural más allá de las expresiones tradicionales y folclóricas, o de las grandes figuras musicales como el senegalés Youssou N'Dour, el marfileño Alpha Blondie, o artistas mimados de los circuitos del world music como Amadou&Mariam, Rokia Traoré, o Toumani Diabaté. Sin embargo, y pese a la inexistencia de infraestructuras y apoyos institucionales o financieros para la creación del sector cultural, el continente no está parado, sino en constante mutación, especialmente a nivel musical (Chema Caballero nos deleita casi cada sábado, en este mismo blog, con algunas de las actuales joyas musicales del continente)."

Todo o artigo pode ser lido aqui 

21BF

Published9 Aug 2012

Tags África Sul arte Bag Factory África

A sul africana Bag Factory Artist's Studio faz 21 anos e tem uma programação para comemorar o feito. 

"21BF is a retrospective exhibition intended to give an overview of the significance of artists work produced during historical events that have formed the foundation of the democracy within which we now find ourselves."

One of Joburg’s leading visual arts organisations, the Bag Factory has been alive and kicking since 1991, when the space was set up to provide studios for artists – mainly black artists, who at that stage, had very little access to networks and resources in order to build their careers. It was one of the first collective studio spaces for visual artists in South Africa and has held it’s downtown ground in the rapidly evolving metropolis of Johannesburg by rising daringly to the moment’s headline. Since its inception the Bag Factory has focused on developing a programme that stands for inclusion and diversity, built on an idea of open access.

Being strategically situated on the Western edge of the city between the Oriental Plaza and the Newtown Cultural Precinct, it is also readily accessible to areas surrounding the city, notably Soweto. The building contains 18 studios, as well as a workshop spaces and gallery, and the gritty vitality of its urban context has impacted powerfully on the work of the artists based in the Fordsburg studios.


Mais informações aqui

Buni TV - ou África de todos os ângulos

"Hisab" - Ezra Wube

Buni TV,  é uma plataforma de distribuição web e móvel, feita a partir de Nairobi, que pretende mostrar o que de  melhor, mais inovador e visualmente interessante é actualmente produzido em ou sobre a África. Curtas e longas-metragens, animação, series e documentários, disponíveis para novas e antigas audiências no continente e no estrangeiro. 

The films, documentaries, television series, animations and music videos showcased on Buni TV are hand-picked by our editors from the sea of content that is available digitally to offer viewers only what is worth their "

Este e outros trabalhos podem ver-se aqui

5ª Bienal MUVART

Começa hoje a 5ª Bienal de Arte Contemporânea do Muvart em Maputo, que se estenderá por 7 espaços com igual número de inaugurações. Até 31 de Agosto ESTAR é o tema da exposição com 19 artistas nacionais e 18 participações estrangeiras.

Com a curadoria de Jorge Dias, Isa Bandeira, Luc Andrié e Vanessa Dias, a Bienal integrará ainda worshops e palestras a decorrer em diferentes espaço da capital moçambicana

Chris Marker

«Quand les hommes sont morts, ils entrent dans l'histoire. Quand les statues sont mortes, elles entrent dans l'art. Cette botanique de la mort, c'est ce que nous appelons la culture.»  in Les Statues meurent aussi

Chris Marker, cineasta, filósofo, fotógrafo e escritor, faleceu um dia depois de cumprir 91 anos. Em 1953 assinou, com Alain Renais, a realização de um documentário de 30 minutos denunciando a relação desigual e de pouca consideração do Ocidente com a cultura africana.

Esta posição anti-colonial terá resultado na censura do filme em França durante  oito anos. Hoje pode ver-se aqui

Les Statues Meurent Aussi from

How Not to Write About Africa - Binyavanga Wainaina - narrated by Djimon Hounsou

Published11 Jul 2012

Tags África


When Bono edited the Africa issue of Vanity Fair, it included an essay written by Kenyan writer Binyavanga Wainaina. Through that, we became aware of another piece he'd written for Granta a number of years ago called "How (Not) to Write About Africa." Director Jesse Dylan and his company FreeForm worked with Binyavanga and the Beninois actor Djimon Hounsou to create this filmed performance of the essay. Thanks to W Hotels for the location and Kenyan musician Ayub Ogada for the music.
Read the entire essay at http://www.granta.com/Magazine/92/How-to-Write-About-Africa 

This Is Africa's New Biggest City: Lagos, Nigeria, Population 21 Million

Published10 Jul 2012

Tags urbanismo lagos nigéria cidades África

The West African metropolis has surpassed Cairo in size, according to the New York Times.

In a celebration of Lagos and African urbanization, the Financial Times ran a piece by Xan Rice highlighting Nigeria's commercial capital's size, its economic importance, and its government's energy in addressing concrete urban problems.
The UN estimated the city's population at 11.2 million in 2011. The New York Times estimates that it is now at least twenty-one million, surpassing Cairo as Africa's largest city. It is clear that whatever the size, and however the city is defined, Lagos is the center of one of the largest urban areas in the world. With a population of perhaps 1.4 million as recently as 1970, its growth has been stupendous. Rice estimates that Lagos generates about a quarter of Nigeria's total gross domestic product. The center of Nigeria's modern economy, Lagos has many millionaires, but Rice estimates that two thirds of the population are slum dwellers.
Lagos is fortunate in that one energetic governor, Babatunde Fashola, succeeded another, Bola Tinubu. Tax revenue now exceeds $92m per month, up from $3.7m per month in 1999. Fashola says that tax rates have not increased--but clearly enforcement has. Tax collection, in a system that recalls tax farming in the New Testament or under Louis XIV, is apparently performed by a private company with links to Tinubu. The company retains 10 percent of all revenue collected over a certain threshold (at present, $43m per month). With the revenue, Fashola has launched genuinely impressive transportation and sanitation initiatives that range from construction of a city rail network, bus lanes, and filling potholes to more efficient trash collection.
The energy and other initiatives implemented by the city government are in stark contrast to the poor governance and paralysis that characterizes most of the rest of Nigeria. Meanwhile, the city continues to grow explosively. If jobs in the modern economy are to be found, it will require substantial new investment in education. Nationwide, there has been remarkably little for a generation, with the exception of the rapid expansion of the university system--itself underfunded. But, Lagos illustrates what is possible when the government enters into a social contract with its citizens whereby in return for taxes, it provides services. 


in The Atlantic.

Las cuerdas que atan Brasil y África

Published9 Jul 2012

Tags música África mali brasil


El padre de Toumani Diabaté tocaba la kora. Y el padre de su padre también. E incluso multiplicando por 71 generaciones de progenitores la frase seguiría siendo cierta. Cuando Djelimady Waulé, el primer antepasado artista del músico africano, ató su destino al de este instrumento de cuerdas, Cristóbal Colón aún no había emprendido el viaje erróneo más afortunado de la historia.
Siete siglos separan Diabaté de Waulé pero ambos comparten una estrella polar. “Para mí la kora es todo. Es mi historia. Le debo lo que como, la ropa que llevo, mi casa”, asegura Diabaté. Y a su fiel aliada le debe mucho también A curva da cintura. Así se llama el álbum que el maliense acaba de componer junto con los músicos brasileños Arnaldo Antunes y Edgard Scandurra, en una colaboración transoceánica que podrá escucharse en directo hoy en Barcelona y mañana en Madrid.
“Es un encuentro mágico entre la música de Malí y la de Brasil”, resume Antunes el fruto de está fusión internacional. El big bang de un universo poblado de tambores y cantos africanos, guitarras y melodías brasileñas estalló en 2010 en Río de Janeiro. “No nos conocíamos de nada y nos propusieron que tocáramos juntos en un festival. Solo tuvimos un ensayo al día anterior pero fue maravilloso”, cuenta un entusiasta Antunes. Y Diabaté remata: “Su música me tocó. Solo eran la voz de Arnaldo, dos guitarras y un percusionista pero tenía mucha fuerza”.
Tanto que el maliense se puso a improvisar sobre la marcha. Y, según cuentan los tres (entre inglés, español, portugués y muchas sonrisas), todo encajó. De ahí que el flechazo carioca se transformara en luna de miel en el corazón de África. Diabaté invitó a los dos músicos a Malí. Y tras 10 días en Bamako, A curva da cintura ya era realidad. Gracias a su talento, de acuerdo. Gracias a la kora, faltaría más. Pero gracias también y sobre todo a un aliado precioso. “Por el día íbamos a dar vueltas por la ciudad. A las 22.00 nos metíamos en el estudio para grabar. Toumani nos daba un té verde que te hacía estar despierto hasta las cinco de la madrugada”, cuenta Scandurra.
De esas noches insomnes salió un álbum de ritmos y coros, para bailar o para escuchar, como recomienda Diabaté, durante un viaje en coche: “Es 50% Malí y 50% Brasil. Es una fusión que crea algo distinto, que jamás se había hecho antes, pero donde las partes no pierden su esencia y cada uno defiende su país”.
Aunque, más allá de etiquetas y adjetivos, en el fondo lo que se hace de Malí a Brasil, pasando por cualquier otra esquina del planeta, solo tiene una definición. “Te puede no gustar el jazz, o el house o el género que sea. Pero nadie puede decir: ‘No me gusta la música”, asegura Diabaté. Decir que a él le encanta sería un eufemismo. Para el maliense, la música es igual de importante que la religión o la medicina: “Une a la gente. En un concierto ricos y pobres están juntos y experimentan las mismas sensaciones”.
Lo que siente en cambio Diabaté respecto a su país es mucha tristeza. Más allá de ser uno de los Estados más pobres del planeta, Malí sufre desde enero una rebelión de independistas e islamistas, apoyados por Al Qaeda, que ha llegado a autoproclamar un estado independiente del Norte. “Son unos terroristas. Ya hay 300.000 desplazados en todo el país. Y ahora llega la estación de las lluvias y la gente no tiene nada”, se lamenta el músico. Y, acto seguido, anima a cualquier español que quiera ayudar a acudir a la embajada de Malí.
Los que quieran acudir a sus conciertos en cambio escucharán el sonido de un árbol genealógico que, desde 1300, nutre sus raíces con las mismas melodías. Tanto que el hijo de Diabaté, de 20 años, también se ha hecho músico. Sobra decir de qué instrumento. Baste con un indicio: ya van 72 generaciones.

in El País.

Chris Mugarura: The present and future of Ugandan comics industry

Published4 Jul 2012

Tags banda desenhada África uganda


Chris Mugarura is a Ugandan comics artist, striving hard to enrich the comics industry and trying to change people’s stereotypical perceptions towards comics. He believes he can do this through his masterful comics skills and compilations.

Does anyone remember ‘Sagara Sanosuke’? The Japanese character—one of the main ones—from the animated film entitled Samurai X? The guy with a weird haircut and astonishing body strength, ability to smash rocks and make trees fall with only a single strike with his fist?

Lots of youths today would say—unless they didn’t have a television set at home—that this motion picture once topped their sundry favorite TV series lists during their childhoods. I myself was—and still is—a huge fan.

Storyteller Chris Mugarura has employed him as ‘Sigara aka Rwatamagufa’, one of the characters—actually the most highlighted one—in the first issue of his action-filled pictorial narrative Tekezesasi. In this exceptional piece of sequential art he introduces you to his exciting and rich-in-character superhero story which gets inspiration from our Ugandan social context.

Chris explains that the reason for why he is basing his main character on a fictional Manga-star is simply because people take time to adopt new stuff; implying that it is always wise to start with something that the audience already knows.

What is so remarkable about his debut magazine?

There is some kind of seepage of Chris’s content into the hearts and minds of the readers. His artistic skills and techniques bring the story and the characters perfect together, creating an intriguing piece which leaves no room for interference. Simply put, the reader wants to dig further into the progressions of the story as the pages are turned.

And of course, the intricate black-and-white graphics which are—as some people would call it—off the charts. In my opinion, this is a brilliant development in the visual arts scene; it is not every day that such a blip materializes.

Adding characters to the Ugandan comics archive

Tekezesasi, originally derived from a video game widely known as Tekke, is categorically catchy and unusual. The influence from Japanese Anime is evident, especially the artwork seems to connote to the Manga scene, yet it still feels like a graphic publication Made in Uganda.

Much props to this artifact’s creator since there are not many artists who has contributed to the comics archive in Uganda. Last time I checked—apart from the newspaper cartoons which don’t really count—the prominent comic magazines launched here include the famed Super Strikers and 80 Minutes.

Super Strikers, which used to run in Saturday Vision, is actually from South Africa, with a fan base which primarily includes primary pupils and a few high school kids. But the rugby chronicles 80 Minutes is Uganda bred, the people behind it call themselves Kurios (it’s a Ugandan company dealing in graphics), and they are good at what they do. (I wasn’t aware of this, but during the interview Chris tells me that he had a hand in the compilation of the magazine).

A comics culture

In many developed countries, people—of all ages in fact—vastly consume and appreciate comics. It is a narrative form of art, told by combining images and text in frames, and placing the frames sequentially in shorter stories—comic strips—or longer stories—comic books/graphic novels.

It is a recognized and established art realm in countries such as Japan, China, USA, France, Belgium, South-Korea, South Africa, et cetera.

The Japanese version Manga is reputed to be one of the most powerful styles of comics. Some well-known names in the history of Japanese comics are Osamu Tezuka (Astro Boy) and Machiko Hasegawa (Sazae-san). These guys played a big role in the development of the local comic business. Manga covers a wide range of story genres – vacillating in drama, comedy, science fiction, mystery, action-adventure, sexuality, horror, among others.

Fighting the poor reading culture

Visual appeals to people way more than text does. And the reading culture in Uganda is meager; lots of people lack the discipline and patience to take a few minutes of their time and peruse a couple of texted paragraphs. In fact, the interest and ability to encode anything printed is directed to graphical content more than writing/text.

This is one of the impulsions that intrinsically inspired Chris to make a comics magazine: “I am ready to take on a lot of negative attitudes towards the whole comic book thing. Because as I see it, this is one of the ways to fight the phenomenon of our poor reading culture.”

He is perplexed by how some parents think: “I have learnt that some Ugandan parents home school their kids, they do not want to expose them to funny stuff. I find this conservative.

Some parents think my magazine would be a bad influence to their kids. A little while ago, a parent opened it and read ‘Sigara’ and “cigarette” is what came to his mind. But ‘Sigara’ is the name of one of the characters I used. It’s a Japanese name.”

However, he has also received positive feedback from people: “One guy called me and asked if I was the one who drew the pictures in the magazine. He said his daughter really enjoyed it; she wanted to speak to me. Another parent came over to my place and asked me the same question.”

“I was a star during those days”

It takes a lot more than just practice and passion to be as adroit and crafty as he is. Drawing is not something that he has jumped into in his adulthood. He has the talent of drawing, of course, nonetheless he activated it in the early years:

“I started this as a hobby at Nakasero Primary school, which was in 1994-95. Later on I studied in Mbarara for five years where I continued with my favorite pastime of drawing blood sports and karate movie heroes like Jean-Claude van Damme and Bruce Lee. This actually helped me beating the whole Western region in Arts at O-level.”

And to further prove his point, he brags cheerfully: “I was a star during those days.”

Conversely, due to conservative attitudes from his family he had to put his practice at rest at some point during his school times: “I moved to a school in Kampala where I let go of the whole art thing and focused on other subjects. Since I happened to come from a family of “intellectuals”—doctors, engineers and the likes—who saw my artistic prospects as “non-profit” or “unserious” business, I had to focus on scholarly subjects.”

Broadening the horizon

The lack of interest and appreciation for comics as a medium is the main barricade between comics artists and the readers. Correspondingly, the mentality that comic/cartoons are “kids’ stuff” has strangled even the smallest of interest that some people may have in the art form.

Comics may seem trivial to a lot of people, yet it can be a multilayered and satirical form of expression which requires a deep and liberal sort of understanding. I may take the reader on a journey inwards and outwards at the same time, thereby broadening the horizon to already open-minded people.

Chris has worked with several organizations, illustrating and designing things for them, even though he says he still has not been able to earn much out of it: “I have done illustrations for organizations, magazines, and helped compile a magazine for the inter-religious council of Uganda. Even though these assignments were paid peanuts, they have helped me develop my skills as a writer as well as looking holistic at work processes.”

Easy business?

The comic business is definitely no walk in the park. This is one of the reasons why there are few artists in Uganda engaged in this field. One may possess a talent or skill, nevertheless creativity is fundamental.

For a person with such skills and charisma as Chris Mugarura, there is much in this field that can be achieved: “I saved up just about enough to print the comic book for sale. I am now in the process of trying to sell as many as I can to make a small business out of it. I did sell my first copy today, but I am really waiting for the students to return to school for me to make a killing.”

Lutakome ‘Felix’ Fidelis is a Ugandan freelance writer who mainly writes about hip-hop culture. His major focus is to create awareness of underground hip-hop artists and events.

in Start - Journal of Arts and Culture.

Débat sur l'état de l'art contemporain en Afrique

Published8 Jun 2012

Tags África arte

Débat sur l'état de l'art contemporain en Afrique aujourd'hui, modéré par le critique d’art français Dagara Dakin et l’artiste Aimé Ntakiyica, dans le cadre de la présentation par BOZAR desBamako Encounters: Pan-African Photography (9th edition) à Tour & Taxis.

Ce débat sera l’occasion de découvrir les coulisses et les enjeux du monde de l’art contemporain en Afrique, à travers les expériences de commissaires en exercice sur le continent. Simon Njami et le directeur du Musée national du Mali Samuel Sidibé échangeront leurs analyses sur l’état de l’art contemporain en Afrique aujourd’hui et parleront notamment du statut de l’artiste, du marché de l’art, des structures et des publics, et de l’impact d’initiatives comme lesBamako Encounters. Laura Sérani relatera son expérience de direction artistique de la 9e édition des Rencontres. Raphael Chikukwa et Léo Lefort (Éthiopie) reviendront quant à eux sur leur travail de création d’expositions en Afrique. Calvin Dondo (Zimbabwe),  Kiripi Katembo (DRC), et Léon Ouedraogo (Burkina Faso) partageront leurs points de vue sur ces questions en tant qu’artistes.

Les invités aborderont le futur de la biennale de Bamako, menacée non seulement par une grande dépendance financière et technique de la France, mais maintenant également par la situation politique du pays.


in BOZAR EXPO

Celebrating Marriage, Ancestors and Spirits, With Skips, Swivels and Twists

Published28 May 2012

Tags dança África



“Don’t be all stiff” was one of many instructions that Chuck Davis issued to the audience at the Brooklyn Academy of Music on Friday. At DanceAfrica, the festival that Mr. Davis has been running for 35 years, audience behavior — down to the mandatory hugging of strangers — is as important as anything that happens onstage. But the instruction is theater. A DanceAfrica audience needs no reminder to loosen up.

Neither do the dancers. United African Dance Troupe, from Queens, set the right tone with “Remember to Love,” a series of Malian and South African dances celebrating marriage. The troupe’s children skipped onstage singing, holding tin cans that they beat together and passed between legs in a fast jumping-jacks sequence. Their elders came on with scarves and strutted their stuff in pairs. The company looked amateur in the best sense, dancing neighbors giving their irresistible all.

At the beginning of the next section, an annual memorial to those who have “made the transition to the ancestral grounds,” Leslie Adjetey Klufio, from the Adanfo Ensemble, was both spectacular and subtle in the way that he added a shoulder roll or a twist of his body at the crest of a jump.

The BAM/Restoration DanceAfrica Ensemble gave its best performance in recent memory. “Tribal Fusion,” choreographed by Youssoff Koumbassa and Karen Thornton Daniels, was an artful composition, with successive trios picking up a swivel and altering it. The whole company was on fire, but what Kishana Flenory did with the movement amounted to incineration.

African drums thundered, a tuba laid down a bass line, and the Washington group Farafina Kan: The Sound of Africa became “Farafina Funkdified.” The dancers responded to the hybrid with the equivalent of sticking in a knife and smiling as they twisted it; such pain was a pleasure.

The energy flagged a bit with the Adanfo Ensemble, from Syracuse. Three men in drag gyrated their hips at high speed: the paunchy Christian Kutte a goofy clown, Mr. Klufio a sexier vision. An ensemble warrior dance of the Ewe-speaking people, despite flashes of spirit, was almost desultory in its severity.

The solo sections of “Fume Fume,” a program note explained, originally represented possession by spirits. Here Eric Ansuade did flips and splits and a handstand. He juggled rings and hats with masterly aplomb. He made water disappear and reappear. It was African vaudeville.




in The New York Times


 DanceAfrica Festival

Simetría de sol puro. Poesía africana hoy

Published8 May 2012

Tags poesia África

Y sin embargo está, desbroza, aclara, evita intermediarios. Me explico: si alguien quiere escuchar a África, sería bueno que leyese en voz alta a sus poetas. Y ello a pesar de que utilicen lenguas heredadas de sus colonizadores. Las palabras serán suyas pero el canto es nuestro, diría Théophile Obenga, dejando así zanjada la cuestión. Si leemos los textos (**), entenderemos el acoso y el sometimiento de sus países, impostando formas de vida ajenas a sus longevas tradiciones.

Pero no nos detendremos ahí, sino que descubriremos que ese es el punto cero del África contemporánea, un punto de arranque que para muchos debe ser un punto y final, ya que es más fácilmente asimilable un continente sumido en la hambruna, en las guerras intestinas o en la visión romántica de las películas made in USA. Este tipo de estereotipos se derrumba fácilmente si acudimos a las propias palabras de sus protagonistas, de los actores y actrices de esa película real que es África hoy.

Precisamente es en ese documental donde los poetas tienen un papel protagonista:“Ser poeta, en nuestros días, es querer con todas sus fuerzas, toda su alma y toda su carne, frente a los fusiles, frente al dinero que también se convierte en fusil, y sobre todo frente a la verdad preestablecida sobre la cual nosotros, poetas, estamos autorizados a mearnos, que ninguna faceta de la realidad humana se vea empujada bajo el silencio de la historia. He nacido para contar esa parte de la historia que lleva cuatro siglos sin comer”.

Las palabras del poeta congoleño Sony Labou Tansi nos permiten sintetizar bien a qué nos estamos refiriendo, a la reclamación de la intrahistoria para el concepto de universalidad. El primer premio Nobel africano, Wole Soyinka también habla sobre ello, esbozando esa teoría de palabras-frente-a-las-armas que otorga una importancia fundamental a la labor de los poetas. Léopold Sédar Senghor decía con razón acerca de ese lazo tenso entre poesía y esperanza: “La poesía no puede morir. ¿Si no quién cantaría la esperanza?”. Centrándonos en ello, la poesía africana de hoy es casi un grito, un grito de resistencia que, de paso, nos aclara conceptos sobre su historia reciente. Un poema de Chenjerai Hove, poeta de Zimbawe, es especialmente aclaratorio:

Parlamento de los niños

La madre se sentó

con el hambre entre sus manos

y ahogó el amor en sus ojos.

Luego las moscas vinieron

a cantarle repulsivas canciones al oído.

Nosotros escuchamos la inagotable historia

De la lucha y el hambre.

Pero la Madre no cantó

al llegar el tiempo del canto

En la historia popular.

Ella sólo señaló a las moscas

Y nos pidió que tarareásemos

la misma canción musitada por las alas.

Cantamos la canción alada

mientras nos uníamos en la búsqueda.

Mosca y niño unidos en una misma canción

Madre y hojas caídas al tiempo

padre ausente,

desconocido.

Mientras ella sondea los zumbidos,

juntos los seguimos

Creamos unión

para develar los motivos de la mosca y el niño.

Así, en nuestros corazones

Están las vaporosas huellas de la mosca

Cuyas alas nos contaron historias

Del sentido de la vida y de a quién pertenecemos.

-Escuchamos en la radio que hay una crisis-

los miembros del parlamento exigen mayores salarios

Y nosotros no somos tomados en cuenta.

Al menos estamos a salvo de promesas ahogadas.

Habremos de debatir

a cámara abierta

con profusión de enfermedades

como Símbolo del electorado de las tumbas

y tasas demográficas ascendientes

como símbolo del electorado de los sobrevivientes.

Perros-gatos-ratas-moscas

Perros-gatos-ratas-moscas

Envíen emisarios a esta cámara

Aunque el debate se torne melancólico

¡Extravíos del lenguaje!

¡Hacen falta espacios!

-Simple ausencia de orden en el recinto-

Luego compartimos nuestros haberes:

Desde bolsillos llenos de sangre

hasta parlamentos de políticos

Juntos sobrevivimos

Al núcleo de largas sesiones

y caducos proyectos de ley

que ahora reptan

donde ayer hubieron de correr.

Publicar todo el poema es un acto de resistencia también, evitar el intermediario entre ellos y nosotros es dinamitar una frontera, uno de esos límites invisibles que tanto separan y tergiversan. De ellos habla Jack Mapanje cuando reivindica que, una vez desaparecida la frontera mental que nos separa, los problemas de ellos como seres humanos son los mismos que los nuestros:

La cabeza

Que realmente duele es

La esposa, los niños,

Parientes y amigos

No admitidos,

La escasez

De espacio para respirar

Y la materia legible,

El ruido

Del papel crepitante

Y la pluma

Impugnada.

La voz de las mujeres también reivindica esta igualdad real, sin paternalismos, sin intermediarios que nos hagan la exégesis de lo que realmente pasa en África. Interesa, entonces, volver a quitar el velo del prejuicio para observar la cercanía con que sus versos nos interpelan. La poeta Agnès Agboton escribe:

Tal vez

Tal vez la noche que se acerca,

tal vez el día que despierta, podamos beber el agua de mi vodún.

El agua de mi vodún

que ha pasado la noche en vela, amor mío, por ti.

Con ello nos concentra en el problema principal del individuo, sea de donde sea. El amor, entendido este como conjunto de relaciones interpersonales, no entiende de colores, ni de fronteras. Esta reflexión tan ingenua es hoy una auténtica transgresión, pura palabra subversiva en tiempos en que la economía humilla lo poco que nos queda como seres humanos. Y es que, en una conversación con un poeta camerunés, Michel Feugain André, este decía que los economistas llevaban poco tiempo existiendo y nos habían traído muchos problemas, mientras que los poetas llevaban desde el principio de la humanidad y solo habían creado belleza. Bajo este prisma, añadió: los poetas africanos lo sabemos bien, la simetría del sol puro es lo único que sigue suscitando nuestro asombro, esa capacidad de sombra que tenemos y con la que dialogamos.

Ler no El País.

"Signe des temps : Le trans-africanisme, moteur de la photographie africaine"

Published13 Apr 2012

Tags África fotografia

De Bamako à Lagos, de Johannesburg à Khartoum les initiatives se multiplient et dynamisent la scène photographique africaine. Photographes, collectifs et structures informelles, forts de leur succès récent et enhardis par la conviction que l'artiste africain a son mot à dire, s'appuient moins sur les institutions locales (toujours faibles) ou internationales (toujours lointaines) que sur leur propre volonté de s'exprimer et de faire avancer leur art. C'est l'heure du trans-africanisme, qui par ses efforts de briser les frontières et encourager les échanges culturels, promeut une photographie d'origine contrôlée. Une photographie africaine par les Africains.

Continuar a ler em Photographie.com.

"El mundo gozoso y sesentero de Malick"

Published9 Apr 2012

Tags África fotografia malick sidibé

Se diría que lo suyo es puro swing. Se diría que están felices. Son jóvenes. Bailan. Tienen todo el tiempo del mundo. Disfrutan juntos, sin más. Amorosos. Así son muchas de las fotos de Malick Sidibé (Malí, 1936): libres, relajadas, despreocupadas... Una parte de África desconocida y gozosa. Algunas de ellas se pueden ver ahora, hasta el 23 de abril, en la galería Trinta arte contemporánea, de Santiago de Compostela.

Y ahora que está de actualidad por noticias político-militares, que son siempre las peores para un país, no queda más remedio que pensar en lo mucho que Malí representa para la fotografía africana y más allá. Como ya contamos en otra entrada, la Bienal de Bamako es referencia imprescindible para describir lo que se cuece en el continente (y en la diáspora); un punto de encuentro internacional de profesionales y amantes de la imagen, y uno de los eventos que muestran lo abierto al mundo que suele ser Malí, tan distinto a esas fronteras cerradas de hoy mismo, tras el reciente golpe de Estado y los disturbios del Norte.

Quizá por eso viene bien recordar a Sidibé (1936), un hombre que retrató con maestría el África social de esos años de aire nuevo y esperanza, los cincuenta y sesenta, y que ha sido, entre otros, premio de la Bienal de Venecia en 2007 (era la primera vez que un africano recibía tal distinción); premio PhotoEspaña Baume et Mercier en 2009 y World Press Photo en 2010. Desde que fue descubierto en uno de los primeros Rencontres Africaines de la Photographie en Bamako allá por 1994, Sidibé es de un modo u otro protagonista de todo evento fotográfico en y sobre África. En la última edición de los Rencontres lo fue al hilo de su obra clasificada y archivada en el Museo Nacional de Malí, que produjo hace tiempo un corto sobre él (realizado por Susan Vögel, ver comentario) junto a dos de sus paisanos: Abdourahmane Sakaly y Soungalo Malé.

Continuar a ler no El País.

“Contes africains d’après Shakespeare”, le théâtre comme introspection

Published5 Apr 2012

Tags África teatro

Cut up de textes classiques et contemporains, la dernière création de Krzysztof Warlikowski réunit l’Afrique et Shakespeare pour dénoncer une humanité où les femmes font toujours figure de victimes expiatoires.

Salon d’apparat ouvert à tous les vents dans le palais abandonné d’un despote déchu, parquet de bal où une révolution peut se jouer à pile ou face lors d’une soirée de gala, le plateau sur lequel s’inscrit le théâtre du metteur en scène polonais Krzysztof Warlikowski rend compte des soubresauts de l’histoire en écho des bouleversements du monde contemporain. D’un lounge bar aux allures de club anglais à une chambre d’hôpital, d’un étal de boucher à une salle de billard et un gymnase, cet espace caméléon donne le change en toutes circonstances sans jamais se revendiquer du réalisme.

Continuar a ler na Les Inrockuptibles.

"Les manuscrits trouvés à Tombouctou"

Published5 Apr 2012

Tags África património timbuktu

A l’orée du Sahara et à quelques encablures du fleuve Niger, Tombouctou, au Mali, a longtemps été une cité fermée aux Européens. Carrefour commercial à l’époque des caravanes, elle fut aussi le siège d’une intense vie intellectuelle. Au cours de cet âge d’or, des milliers de livres ont été écrits à la main puis abandonnés à la poussière du désert. On commence à les exhumer. De la nuit de l’oubli émerge ainsi une passionnante histoire de l’Afrique jusqu’à présent ignorée.

A Tombouctou, la progressive découverte de vieux manuscrits, dont certains remontent au XIIIe siècle, est en passe de devenir un enjeu historique pour toute l’Afrique. Plus de 15 000 documents ont déjà été exhumés et répertoriés sous l’égide de l’Organisation des Nations unies pour l’éducation, la science et la culture (Unesco) ; 80 000 autres dorment encore quelque part dans des malles ou au fond des greniers de la ville mythique (1). Ces précieux écrits qui firent la gloire de la vallée du fleuve Niger entre le XIIIe et le XIXe siècle (2), sont menacés de décomposition et de pillage par des trafiquants.

Continuar a ler no Le Monde Diplomatique.

"LES DÉLOGÉS DE LAGOS"

Published2 Apr 2012

Tags África cidades lagos nigéria

Lagos, capitale économique du Nigeria. Ici, le pétrole est roi, les dollars sont brassés par millions. Le pays est le 11e exportateur mondial d’or noir. Shell, Exxon, Chevron, Total, Agip se pressent en contrebas, dans le delta du Niger, où il affleure la terre. Les dégâts de cette surexploitation sont multiples : détournement de pétrole, corruption des fonctionnaires locaux, pollution des sols, rébellion des populations dans des mouvements armés.

À Lagos, il est une catégorie de victimes dont on ne parle jamais : les expulsés, les délogés, les sans-toits. Ceux qui ont été poussés dehors par l’explosion du prix des terrains. Poussés dehors, en somme, par les expatriés, les nouveaux riches et leur niveau de vie.

Continuar a ler no 6MOIS.

"Against Monuments"

As an exhibition, the New Museum Triennial is still so young that it seems almost premature to call it a New York institution. Yet in just its second iteration, “The Ungovernables,” which runs through April 22, the show has already established the very thing that even veteran surveys of contemporary art would envy: a clear identity, and one that doesn’t seem redundant with either the concurrently running Whitney Biennial –the sprawling, uptown event whose intense emphasis this year on time-based media such as film, music, and performance makes it the antithesis of the compact New Museum exhibition—or the various other museum-sponsored roundups like PS 1/MoMA’s “Greater New York.” Focusing especially on work made by very young artists––the first Triennial went by the asinine name of “Younger than Jesus”––many of whom are based outside the US and Europe, the exhibition brings a surprisingly underrepresented perspective on recent art, no easy achievement in a city with a gamut of commercial galleries and museums. The current show also tries to make a case for reading the work on view amid the political upheaval and messy, unfinished pursuit of democracy that has marked much of the developing world, but the artists don’t fit into this frame as snugly as the curators want to suggest.

The exhibition includes work by thirty-four artists or collectives, few of whom have previously been seen in New York. A large majority hail from countries other than the United States, with a preponderance of Latin American, Middle Eastern, and Asian artists. Curator Eungie Joo has emphasized the fact that many come from countries whose post-1970s existence—a span during which most of these artists were born—was marked by economic and political uncertainty: they were ungovernable in the pejorative, failed-state sense. But she also wants to underline the creative resistance and flexibility of young artists, in which she hears spiritual echoes of the ANC’s embrace of “ungovernability” as a political strategy against apartheid (the term was coined with the Soweto riots and the call to make South Africa positively ungovernable). In the catalog accompanying the show, Joo links the idea to continuing democracy movements across the globe, from the Arab Spring to the Occupy demonstrations.

Continuar a ler na The New York Review of Books.

"Fashion week in Lagos: Putting African designers on the map"

Published20 Mar 2012

Tags África lagos moda

If New York, London, Paris and Milan have been the traditional compass points of world fashion, Lagos has typically not even figured on the map.

But according to Penny McDonald, organizer of the Arise Magazine Fashion Week held in Nigeria's largest city last week, that is unlikely to be the case for much longer.

She said the event, which drew 77 designers and big names including supermodel Alek Wek, British couturier Ozwald Boateng and up-and-coming model Dudley O'Shaughnessy, had gone a long way to establishing Lagos as Africa's fashion capital, a city with international style credentials.

"It's raised the bar," said McDonald, international managing director for Arise, a title which describes itself as Africa's global style and culture magazine. "Everyone knows it's New York, London, Paris and Milan -- and we see this as the fifth destination now. We're hoping to make Lagos a fashion destination, part of the fashion season."

Continuar a ler na CNN.

"South African ballet dancer confounds racial stereotypes"

Published6 Mar 2012

Tags África áfrica do sul dança

Andile Ndlovu is one of South Africa's most prominent young ballet dancers, an international performer and award winner both at home and overseas.

But for Ndlovu to be accepted into the rarefied world of classical dance -- which in South Africa is traditionally seen as an elitist and a predominantly white preserve -- the boy from the rough Soweto townships says he had to overcome outdated stereotypes.

"I used to be picked upon for the way I walk and the way I act or carry myself," he says of his time at school, where he became disparagingly known as "the dude who did ballet."

Continuar a ler na CNN.

"A fall to cheer"

Published5 Mar 2012

Tags África améria latina

The past four years have seen the worst economic crisis since the 1930s and the biggest food-price increases since the 1970s. That must surely have swollen the ranks of the poor.

Wrong. The best estimates for global poverty come from the World Bank’s Development Research Group, which has just updated from 2005 its figures for those living in absolute poverty (not be confused with the relative measure commonly used in rich countries). The new estimates show that in 2008, the first year of the finance-and-food crisis, both the number and share of the population living on less than $1.25 a day (at 2005 prices, the most commonly accepted poverty line) was falling in every part of the world. This was the first instance of declines across the board since the bank started collecting the figures in 1981 (see chart).

Continuar a ler no The Economist.<

"En Ouganda, les rois, l’Etat, la terre"

Published20 Feb 2012

Tags África uganda

Un conflit vieux comme l’indépendance.

Confronté au mécontentement populaire, le président ougandais Yoweri Museveni adopte la manière forte : répression policière, surveillance des médias, intimidation des opposants. En effet, l’augmentation du coût de la vie et les scandales de corruption fragilisent le régime, en place depuis vingt-cinq ans. La crise ravive aussi les tensions avec les monarchies traditionnelles, notamment le royaume du Buganda, qui revendique des droits sur les terres.

« Les terres qui nous appartenaient prennent de plus en plus de valeur. Nous aimerions les récupérer afin de pouvoir nous-mêmes les vendre ou les louer, mais le gouvernement ne veut rien savoir : il agit comme s’il était Dieu », dénonce M. Charles Peter Mayiga, porte-parole du Buganda, le plus important des royaumes traditionnels que compte l’Ouganda. Ils seraient six millions de Bagandas, disséminés entre les rives du lac Victoria, Kampala, la capitale, et le centre d’un pays de trente-deux millions d’habitants (voir la carte). Ces populations « ont l’impression que leurs territoires sont inexorablement accaparés par d’autres, explique l’historien Phares Mutibwa, ce qui suscite un profond ressentiment. La tension monte (...). Les expulseurs d’aujourd’hui pourraient bien être les expulsés de demain».

Para ler o artigo completo no Le Monde Diplomatique, clicar aqui.

"How to change your view of Africa"

Published6 Feb 2012

Tags África chimurenga jornal lagos nigéria simon kuper

Chimurenga, a pan-African English-language journal, depicts the continent’s horrors, sometimes from very close...

I once had coffee in Cape Town with a Cameroonian named Ntone Edjabe. He ran an English-language journal called Chimurenga, but what I remembered from our chat were his vignettes of Lagos (where he’d studied) and Johannesburg (where he went next). In Lagos, he said, you’d be driving down the highway and suddenly see a guy selling cars on the highway. Lagos was crazy, and yet it felt entirely safe. Whereas Johannesburg seemed sane, but never felt safe.

I sent Edjabe some articles, but otherwise forgot about Chimurenga until a recent issue arrived in the mail. (Declaration of interest: I’m proud to say I have an article in it.) I read it and was staggered. I’d always thought the zenith of journalism was The New Yorker, but in parts, Chimurenga is better.

It’s also more surprising: I love well-off media types from New York or London, but by now we do tend to know how they think. By contrast, reading Chimurenga you keep thinking, “Who knew?” Who knew that (as one article recounts) Bloemfontein has a literary scene of authors and critics writing for no money, guided by a Nigerian immigrant, and headquartered in an Afrikaans literature museum? Chimurenga changes your view of Africa, and of journalism.

Para ler o artigo completo de Simon Kuper, basta clicar aqui.

The Art of Listening

Published4 Jan 2012

Tags África henning mankell maputo moçambique

Maputo, Mozambique

I CAME to Africa with one purpose: I wanted to see the world outside the perspective of European egocentricity. I could have chosen Asia or South America. I ended up in Africa because the plane ticket there was cheapest.

I came and I stayed. For nearly 25 years I’ve lived off and on in Mozambique. Time has passed, and I’m no longer young; in fact, I’m approaching old age. But my motive for living this straddled existence, with one foot in African sand and the other in European snow, in the melancholy region of Norrland in Sweden where I grew up, has to do with wanting to see clearly, to understand.

The simplest way to explain what I’ve learned from my life in Africa is through a parable about why human beings have two ears but only one tongue. Why is this? Probably so that we have to listen twice as much as we speak.

Aqui, para continuar a ler o artigo de Henning Mankell.

"The Top 10 African films of 2011"

Published29 Dec 2011

Tags 2011 África basia lewandowska cummings cinema

2011 was a good year for African cinema. In various cinema seats and at home, I’ve been intrigued and moved, horrified and sickened, surprised and hugely entertained by a group of industries that together we call ‘African cinema’ — a sign that what can be expected is anything but stereotypical. In the list below, I’ve chosen films that have expanded what we might think of as ‘African cinema’. Some short films, some documentary, some fiction, some a strange mix of them all.

However, the films I can’t list are perhaps the most powerful ones of the year; those captured on mobile phones and camcorders during critical moments in uprisings, revolutions and elections that have continued to broaden our grasp on the lives and experiences of those whose lives are not yet captured by cinema. This is a new kind of viewing, and one which I think will continue to transform the aesthetic, narratives and distribution of African film in 2012.

(A note for readers: some of these films were released in 2010, but gained theatrical release or wider audiences this year so I’ve included them too. In each case a description of the film is accompanied by its trailer.)

Para continuar a ler o artigo de , e assistir aos respectivos trailers, basta navegar até aqui.

o caso de Moçambique: em debate hoje no CEsA

Still do documentário "Regresso a Nacala" (2001), de Brigitte Martinez

Debate CEsA - Os movimentos da sociedade civil e a construção da democracia em África: o caso de Moçambique

No próximo dia 13 de Outubro, pelas 18 horas, o CEsA irá organizar o debate “Os movimentos da sociedade civil e a construção da democracia em África. O caso de Moçambique”. A discussão será animada por João Baptista Mussa, ex-vereador do Conselho Municipal de Nacala (1998-2003), Fátima Proença (da ACEP) e Joana Pereira Leite (do CESA/ISEG). No início da sessão será projectado o filme “Regresso a Nacala”.

Para saber mais basta ir aqui.

Naipaul, "The Masque of Africa – Glimpses of African belief"

 

(Versão brasileira de Marcos Bagno, 2011)

É a última obra de V.S. Naipaul, o Nobel da literatura nascido nas ilhas de Trinidad, e é um livro de viagens a seis países africanos. Começa pelo Uganda, onde o autor esteve uma primeira vez em 1966, e depois descreve em narrativas autónomas a Nigéria, o Gana, a Costa do Marfim, o Gabão e acaba em Joanesburgo.

As descrições dos países não têm continuidade de uns para outros, salvo situações muito pontuais, e isso introduz desde logo a ideia da diversidade dos países e a negação da África como um continente homogéneo. O livro que o acaso fez com que fosse lido numa recentíssima tradução brasileira tem muitas qualidades que decorrem naturalmente do talento do escritor mas sobretudo por este assumir um ponto de vista crítico sem nenhuma complacência ou relativismo cultural face aos países e situações que encontra e descreve. Os outros aspectos particularmente fascinantes decorrem do facto do autor, que conhece profundamente a história pré-colonial destes países, nos relatar com pormenores a genealogia de muitos destes reinos, costumes, tradições, línguas e, sem nunca assumir uma descrição neutral, nos dar uma visão a partir deste olhar “interior” sobre estas realidades.

De um modo ou de outro perpassa em todas as narrativas uma reflexão e um questionar subtil das consequências das independências nestes países e mesmo o fim do apartheid na África do Sul inquestionavelmente exaltado lhe merece várias perguntas sobre o legado negativo que o mesmo provocou na sociedade sul-africana de hoje: “Nas palavras do extraordinário escritor sul-africano Rian Malan (nascido em 1954) – buscando sempre sem retórica ou falsidade e, de modo quase religioso, uma explicação para o sofrimento racial do seu país –, os brancos construíram uma base lunar para a sua civilização; quando ela desmoronou, não havia nada ali para os negros ou brancos” (pág. 246). E mais adiante há um tabu que o interpela: “Mas um pouco como Fatima (nome de uma personagem) em busca de sua identidade, eu me senti encurralado na África do Sul, e vi que aqui raça era tudo e um pouco mais; que a raça mergulha tão fundo quanto a religião em outros lugares” (pág. 253).

Finalmente, seja no Uganda, na Nigéria ou na África do Sul, há páginas dedicadas aos ‘horrores’ que são as descrições de práticas de feitiçaria, bazares inteiros de pedaços de corpos de animais vendidos como amuletos de protecções ou ritos de sacrifício, que muitos africanos reclamam como práticas identitárias e que Naipaul não tolera e denuncia não admitindo a este propósito qualquer relativismo cultural.

António Pinto Ribeiro

call for papers: "Eating and drinking in Africa..."

Call for papers até 31 de Outubro de 2011 para um número especial da revista Afriques. Débats, méthodes et terrains d’histoire (Centre d'Études des Mondes Africains - Paris I) : "Manger et boire en Afrique avant le XXème siècle / Eating and drinking in Africa before the 20th century".

Monique Chastanet (CNRS/CEMAf/Université Paris 1), Gérard Chouin (IFRA-Ibadan/CEMAf/ArScAn), Dora de Lima (CRHM/Université Paris 1), Thomas Guindeuil (CEMAf/Université Paris 1)

CFP Published online since April 2010 (http://afriques.revues.org), Afriques. Débats, méthodes et terrains d’histoire is the only journal devoted to the history of Africa before the 20th century. For its fifth thematic issue, scheduled for late 2012, Afriques is calling for papers on: “Eating and drinking in Africa before the 20th century: Cuisines, exchanges, social constructions”. Ten years will, in 2012, have passed since the publication of Cuisine et société en Afrique: histoire, saveurs, savoir-faire (M. Chastanet, F.X. Fauvelle-Aymar and D. Juhé-Beaulaton, eds.), still one of the very few books devoted to this topic. It described the history of foods, dishes, drinks and commensality in Africa. The fifth issue of Afriques would like to update this description while focusing on the period before the 20th century, as is the journal’s wont.
Para continuar a ler, basta consultar a H-Net Discussion Networks.

INFLUX: "O Sul é o novo Norte"

No próximo dia 17 de Setembro, a partir das 14h00, inaugura na galeria INFLUX Contemporary Art a exposição colectiva "O Sul é o novo Norte - arte contemporânea Africana".

A INFLUX CONTEMPORARY ART é uma galeria de arte contemporânea que expõe exclusivamente trabalhos de artistas de África e da Diáspora africana.

A galeria é um espaço amplo dividido em duas áreas expositivas contíguas localizada na zona do Lumiar em Lisboa.

Para saber mais, por aqui.

"Crossing African Borders: Migration and Mobility"

Fifth Annual Conference of the African Borderlands Research Network ABORNE

"Crossing African Borders: Migration and Mobility", ISCTE-IUL, Lisbon

(21-23 September 2011)

Focusing on the role of African borders in migratory movements, the Conference will address several topics and discuss the importance and role of borders to the circulation and identity building, the implications of border management and the strategies of populations for migration and border crossing. Panels will analyze current changes and their historical roots; discuss the mutual implications of cross-border circulation, migration and identities; present empirical evidence of transformations taking place; contribute to the theoretical debate and methodological approach of borderland studies in Africa.

Keynote:
"Traders and Borders in the Sierra Leone-Guinea Region, 19th and 20th Centuries: Comparative and Theoretical Implications"
Allen M. Howard | Professor Emeritus, Department of History, Van Dyck Hall, Rutgers University
 Panels:


  • Panel 1 - Methodologies for studying cross-border movements

  • Panel 2 - Rethinking hierarchies of borders and border crossings?

  • Panel 3 -The building of African territorial borders: the impact of pre-colonial and colonial migration on contemporary Africa

  • Panel 4 - Forced migration and the role of borders

  • Panel 5 - Border crossings and economic circulation: trade, smuggling, labour

  • Panel 6 - Border regimes and migrant practices: citizenship, belonging and the making of migrant subjectivities

  • Panel 7 - Partitioned Africans
     

Documentary film screenings:
 -
"Kalahari Struggle: Southern Africa’s San under Pressure" (53 min.) by Manuela Zips-Mairitsch and Werner Zips
 - " 'We have come full circle': The forced migration of Angolan !Xun and Namibian Khwe to Platfontein, South Africa" by Manuela Zips-Mairitsch and Werner Zips
 - "Border Farm" (32 min), by Thenijwe Niki Nkosi
- "Esta Fronteira Não Existe" (41min), Perfectview

"Research Curator for Africa": applications until 30th September 2011

Published7 Sep 2011

Tags África curator museum der weltkulturen

Mask, Angola, 1939.

The Museum der Weltkulturen, Frankfurt is seeking to employ a research curator for Africa

The Museum der Weltkulturen in Frankfurt, founded in 1904, is a Research Museum with an exceptional collection of 67,000 artefacts from all regions of the world including the African continent, the Americas, South East Asia, Oceania, and Europe. In addition, the Museum has an image archive with more than 120,000 photographs, a growing collection of historical and contemporary ethnographic film, and a library with over 50,000 books and periodicals. Housed in three 19th century villas located on Frankfurt’s ‘Museumsufer’, the Museum produces public exhibitions, programmes events, commissions new inquiry from social scientists, writers, and visual artists, and develops innovative approaches to education. A new extension to the Villas will be built during the course of the next four years, which will provide additional space for permanent and temporary exhibitions, a public reading room, a public study collection, and other facilities.

The central feature of the Museum lies in the combination of anthropology, advanced art practice, and experimental methods of analysis, translation and mediation. Activities take place in the museum’s exhibition spaces as well as in the Labor with its apartments, artists’ studios, and seminar rooms. With the collection at the forefront, issues of globalisation, aesthetic practice, and the changing nature of citizenship and intercultural identity are explored through a pioneering fieldwork process that takes place in the Museum itself.

The Museum is seeking to employ a Research Curator for Africa. The person must be well-versed in material culture and art forms from Africa. In addition, the Museum places emphasis on knowledge of new developments in social and cultural anthropology, current debates in global contemporary art, and cultural studies.

Para saber mais basta ir aqui.

"Changes your perception of Africa and contemporary art"

Climbing down (2005/2011), de Barthélémy Toguo (Camarões, 1967)

Ao fundo as fotografias African spirits (2008) de Samuel Fosso (Camarões, 1962)

Ars 11- Changes your perception of Africa and contemporary art é o título da exposição que até final de Novembro pode ser visitada no Kiasma – Museu de Arte Contemporânea, em Helsínquia. São cerca de 300 peças – instalações, vídeos, fotografia -, algumas das quais criadas especialmente para esta exposição pelos 30 artistas convidados, onde se encontram alguns que nasceram, vivem e trabalham em África, outros que fazem parte da Diáspora e ainda outros que não tendo raízes africanas, desenvolveram com o continente algum tipo de relação. Embora todos os trabalhos apresentem uma ligação directa com África, os temas que abordam extravasam as suas fronteiras e são universais: migrações, sustentabilidade ambiental, vida nas cidades. Por outro lado, a memória e o modo como a história do seu passado colonial influenciam e condicionam o presente do continente e dos seus habitantes são igualmente abordados por alguns artistas. Paralelamente à exposição no Kiasma, decorrem em Helsínquia outras manifestações artísticas e Ars 11 estende-se ainda a outros espaços expositivos na Finlândia, fazendo parte da programação de Turku como Capital Europeia da Cultura de 2011, e na Suécia.

Três dos artistas de Ars 11 expuseram já em Lisboa nos últimos anos: algumas das fotografias da série “Hyena man” do sul-africano Pieter Hugo fizeram parte da exposição Um Atlas de Acontecimentos, realizada no âmbito do Programa Estado do Mundo (2006-2007); o camaronês Barthélémy Toguo criou especialmente para o Próximo Futuro (2009-2011) a instalação “Liberty leading the people”, que esteve em frente ao Museu Gulbenkian durante o verão de 2010; este ano, uma das artistas convidadas pelo Próximo Futuro para criar uma peça para o jardim foi Nandipha Mntambo (Suazilândia, 1982) que criou “Casulo”, uma obra que “conjuga a relação da natureza com a do acolhimento ao visitante que se passear pelo jardim” até 30 de Setembro.

Yesterday I had a dream (2011), video-instalação de Samba Fall (Senegal, 1977)

Artistas : Georges Adéagbo (Benin, 1942); Ardmore Ceramic Art (África do Sul); Sammy Baloji (República Democrática do Congo,1978); Ursula Biemann (Suiça, 1955); Baaba Jakeh Chande (Zambia, 1971); Kudzanai Chiurai (Zimbabué, 1981); Steven Cohen (África do Sul, 1962); El Anatsui (Gana, 1944); Samba Fall (Senegal, 1977); Rotimi Fani-Kayode (Nigéria, 1955 – Reino Unido, 1989); Samuel Fosso (Camarões, 1962);  Patrizia Guerresi Maïmouna (Itália, 1951); Ditte Haarløv Johnsen (Dinamarca,1977); Romuald Hazoumè (Benin, 1962); Laura Horelli (Finlândia, 1976); Pieter Hugo (África do Sul, 1976); Alfredo Jaar (Chile, 1956); Michael MacGarry (África do Sul, 1978) ; Vincent Meessen (Estados Unidos, 1971); Nandipha Mntambo (Suazilândia, 1982); Baudouin Mouanda (República do Congo, 1981); Otobong Nkanga (Nigéria, 1974); Odili Donald Odita (Nigéria,1966); Emeka Ogboh (Nigéria, 1977); Abraham Onoriode Oghobase (Nigéria, 1979); J.D. 'Okhai Ojeikere (Nigéria, 1930); Andrew Putter (África do Sul, 1965); Elina Saloranta (Finlândia, 1968); Mary Sibande (África do Sul, 1982); Barthélémy Toguo (Camarões,1967)

Para mais informações ver aqui.

Texto e fotos de Ana Barata

Kerryn

Adolphus Opara, Orisa Egbe Deity of Destiny (Mrs Osun Yita), from 'Emissaries

of an Iconic Religion' (2009)

Kerryn Greenburg é a curadora de "Contested Terrains", a exposição da Tate Modern que mostra, até 16 de Outubro, trabalhos de 4 artistas africanos, em colaboração com o Centre for Contemporary Art de Lagos - Nigéria.

Tate Modern has formed a partnership with Guaranty Trust Bank from Nigeria which will enable the gallery to do an annual project for three years related to the continent. "It's also providing an acquisitions fund so that Tate will be able to start acquiring works by African artists for the collection," Greenberg said. 

Pode ler-se aqui e ver-se mais aqui.

Elisa Santos

"Encontro, criação contemporânea e diálogo em Madrid"

 

“Projecto anual de ‘encontro’, ‘intercâmbio’ e ‘criação’ entre jovens criadores emergentes espanhóis e o potencial tecido criador de diferentes países do continente africano”, CREO EN ÁFRICA organiza um encontro preparatório no próximo dia 7 de Setembro, em Madrid, já tendo em vista a preparação da sua segunda edição.

Contaremos con la presencia de los creadores que participaron en Creo en África en su edición en Malabo (Guinea Ecuatorial): la fotógrafa Tanit Plana, el ilustrador Juan Zamora y la realizadora Carla Alonso. Ellos nos contarán su experiencia con los jóvenes guineanos con quienes compartieron talleres y proyectos. También proyectaremos un corto documental inédito sobre la primera edición de Creo en África.

Además haremos púbicas las bases para la convocatoria de la segunda edición, de Creo en África, que tendrá lugar en Mozambique.

A continuación de la presentación de Creo en África, y en el marco de la Semana de la Cooperación, la Secretaría de Estado de Cooperación Internacional, a través de la Agencia Española de Cooperación Internacional al Desarrollo organiza un concierto gratuito con La Shica y, a continuación, un concierto conjunto de los artistas árabes Naïssam Jalal (Siria) y Rayess Bek, DJ libanés y pionero del rap en el mundo árabe. No te pierdas este concierto, en el Círculo de Bellas Artes, en el que podrás disfrutar de la creatividad y pasión de La Shica y de la novedosa propuesta de Naïssam Jalal y Rayess Bek.

Mais informações também através do http://www.notodo.com/  

SUDÃO DO SUL: a mais jovem nação do mundo faz hoje 1 mês de vida

Hoje, às 18h00 locais sudanesas, faz precisamente 1 mês que o Sudão do Norte e a ONU reconheceram a independência do Sudão do Sul, realizando-se no dia seguinte (9 de Julho) ao do seu nascimento oficial as respectivas cerimónias na capital Juba.

Após referendo com cerca de 99% dos eleitores a votarem a favor da secessão, constituiu-se o 54.º Estado do continente africano e a 193.ª nação do mundo. Desde 2005 que o referendo estava previsto no Acordo de Paz alcançado após mais de duas décadas de guerra civil Norte-Sul, Acordo esse com vigência até, precisamente, ao dia 9 de Julho de 2011.

SUDÃO DO SUL: muitos parabéns por um mês de vida!

Alguns links sobre o nascimento do SUDÃO DO SUL e primeiros tempos de vida…

South Sudan Net

Government of South Sudan official website

UN Security Council  (“Southern Sudan referendum..”)

BBC news (“South Sudan Profile”)

Guardian (“South Sudan”)

Libération (“Vous avez aimé le Soudan? Vous adorerez le Sud Soudan”)

BBC Brasil

Estadão

Público (“Sudão do Sul festeja o nascimento”/ vídeo)  

Público (“Sudão do Sul escolhe secessão com 99% dos votos”)

TVI24horas (Notícias: “Nasceu o primeiro bebé do Sudão Sul. Pais deram-lhe o nome de ‘Independência’ “)

21.º Festival de Medellín homenageou poesia africana

O Festival Internacional de Poesía de Medellín, na Colômbia, já completou o seu 21.º aniversário com a concretização de mais uma edição. Mas esta foi a primeira vez que integrou a Red Nuestra América de Festivales Internacionales de Poesía, adotando uma nova versão que incluiu uma homenagem ao "Espírito da Origem", associado à poesia africana.

De 2 a 9 de Julho de 2011, este reputado Festival voltou a reunir poetas oriundos da América do Sul mas também de outros continentes, para além de directores de Festivais congéneres, entre muitas mais actividades relacionadas com o ensino, escrita e difusão da Poesia. Participaram mais de 90 poetas de 50 nações de todos os continentes, destacando também neste ano a realização da 15.ª Escola de Poesia de Medellín e de um ciclo de cinema africano composto por 7 longas-metragens produzidas no Senegal, Mali, Burkina Faso e República Democrática do Congo. 

Aqui é possível conhecer detalhadamente o programa da 21.ª edição do Festival Internacional de Poesía de Medellín e aqui a sua já longa história, desde a sua origem em 1991.

"Africa through a lens": de A(frica unkown) a Z(imbabwe)

Africa through a lens is a set of thousands of images taken from a broader photographic collection of Foreign and Commonwealth Office images, held at The National Archives. Starting with some incredible early photographs from the 1860s, the images span over 100 years of African history. These images are now available, for the first time, to view online.

Continuar a ler aqui e para ver toda a coleção no flickr (onde as imagens surgem organizadas por países) basta navegar até aqui.

"YES Africa Can", World Bank Publications

Drawing on the existing knowledge of African development from previous publications, Yes Africa Can: Success Stories from a Dynamic Continent takes an in-depth look at 26 economic and social development successes in Sub-Saharan African countries—twenty from individual countries and six that cut across the region. These stories manifest at the project, provincial, sub-national, national, or regional level and across themes, programs, and sectors. The book aims to address how Sub-Saharan African countries have overcome major development challenges.


The main components of each case study include:


  1. a description of the achievement and the elements that qualify the outcome as successful;

  2. an assessment of the main policies, interventions, actions, and other factors that contributed to the positive outcome;

  3. a presentation of the lessons learned and the contribution to the discourse on African development; and

  4. insights on the usability or applicability of the achievement in terms of the potential for scaling up the interventions and actions.

Individual case studies also examine the role of the key stakeholders-the government, donors, or private investors-in facilitating and promoting the achievement. The studies are classified into four categories: overcoming or avoiding massive government failure, rebuilding or creating a government, rationalizing government involvement in markets, and listening to the people.

As 496 páginas editadas por Punam Chuhan-Pole e Manka Angwafo estão totalmente disponíveis via issuu, por aqui. Para saber mais sobre a publicação basta ir aqui.

BALOJI na Gulbenkian (Anfiteatro ao Ar Livre): 26 de Junho!

Published7 Jun 2011

Tags África baloji bélgica congo música

Retomando os nossos lembretes sobre a programação imperdível que se avizinha, não podiamos deixar de destacar um dos concertos mais promissores do Próximo Futuro: BALOJI (Congo/Bélgica), no próximo dia 26 de Junho (domingo), às 19h, no Anfiteatro ao Ar Livre do Jardim Gulbenkian. 

Europa e África compõem a personalidade de Baloji, músico congolês a viver em Bruxelas. Esta bipolaridade geográfica transparece claramente no seu projecto artístico, cruzando o hip-hop fluido com uma soul inflamada ou o high life, sempre tocado pelo omnipresente voodoo subsariano. Baloji representa fielmente uma África pós-exótica, assimilando sem complexos o ‘vaivém’ intercontinental de influências e informação e mostrando-se, principalmente, muito consciente das questões colocadas pelo debate pós-colonial. É membro de uma orgulhosa linhagem de músicos africanos que se caracterizam por uma sólida consciência política, quase cínica, mas não desprovida de esperança. No entanto, numa actuação sua jamais se perde um forte sentido de festa e diversão.

Será um concerto único e o bilhete custa 10 Euros (pode adquiri-lo on-line aqui)!

Para quem quiser começar a navegar ao som de Baloji, sugerimos que comece por aqui, e depois se aventure por aqui, dando um saltinho também aqui.

a CINEMATECA Próximo Futuro está prestes a começar!

Cena do filme AFRICA UNITED, 2010, da realizadora Debs Gardner-Paterson

(Reino Unido / Ruanda / África do Sul)

A Cinemateca Próximo Futuro é singular. É uma Cinemateca que deseja que os filmes apresentados possam constituir narrativas visíveis sobre os países, as pessoas, as paisagens, os criadores oriundos dos continentes que são foco do Próximo Futuro: América Latina e Caraíbas, África e Europa.

Tal como nas edições anteriores, aqui se apresentam durante vários dias, às 22:00, no ecrã gigante instalado no ANFITEATRO AO AR LIVRE do Jardim da Gulbenkian, filmes de vários géneros, que vão do documentário à ficção.

A selecção dos filmes inclui obras antigas da história do cinema de África e da América Latina. Apresentará também pela primeira vez cinema de animação de autores africanos e será ainda possível ver, em estreia absoluta, três obras encomendadas e produzidas por este Programa a três cineastas: Vincent Moloi, João Salaviza e Paz Encina (Produtor Delegado: Filmes do Tejo). 

As sinopses de todos os filmes da Cinemateca Próximo Futuro já estão disponíveis no site oficial do programa e cada bilhete/sessão custa apenas 3 Euros.

Relembramos o calendário dos visionamentos para que possa apontar o quanto antes na sua agenda:

Dia 23 de Junho (quinta-feira), 22:00

Apnée, de Mahassine Hachad (Marrocos), 2010, 10’

When China met Africa, de Marc e Nick Francis (Reino Unido), 2010, 75’ 

Dia 24 de Junho (sexta-feira), 22:00

Fitzcarraldo, de Werner Herzog (Alemanha), 1982, 35mm, 157’

Dia 25 de Junho (sábado), 22:00

[sessão PRÓXIMO FUTURO "Três Filmes, Três Realizadores"]

Cerro Negro, de João Salaviza

Hidden Life, de Vincent Moloi 

Viento Sur, de Paz Encina 

Dia 28 de Junho (terça-feira), 22:00

Afrique Animée, de Moumoni Jupiter Sodré (Burkina Faso), 2010, 15’ 

Ti-Tiimou, de Michel K. Zongo (Burkina Faso), 2009, 30’ 

Un Transport en commun, de Dyanna Gaye (França/Senegal), 2009, 48’ 

Dia 29 de Junho (quarta-feira), 22:00

Border Farm, de Thenjiwe Nkosi (África do Sul/EUA), 2010, 32’ 

Al'Lèèssi... Une Actrice Africaine, de Rahmatou Keita (Níger), 2004, 70'

Dia 30 de Junho (quinta-feira), 22:00

El Ascensor, de Tomás Bascopé e Jorge Sierra (Bolívia), 2009, 90'

Dia 1 de Julho (sexta-feira), 22:00

Africa United, de Debs Gardner-Paterson (Reino Unido/Ruanda/África do Sul), 2010, '84

What is Contemporary Lusophone African Art?

OPEN CALL FOR PAPERS TO A SPECIAL ISSUE OF THIRD TEXT
Guest Editors: Paul Goodwin & Lúcia Marques

One of the most striking aspects of the globalization of the art world is the massive increase in interest in the work of contemporary African artists. This has been reflected in the spectacularly enhanced presence of African artists in global Biennial exhibitions, museum collections and in commercial galleries and art fairs. The tremendous growth of interest in contemporary African art has been matched by a deluge of scholarly texts, journals and books dedicated to this subject such as the important, encyclopedic collection ‘Contemporary African Art Since 1980’ by Okwui Enwezor and Chika Okeke-Agulu (2009, Damiani Press).

However on closer inspection it is apparent that the geographies of African art presented in these studies is skewed towards an Anglophone (and Francophone to a lesser extent) perspective of ‘contemporary African art’. In particular ‘Lusophone’ Africa is poorly represented if at all. Although there are several Lusophone artists in Enwezor and Okeke-Agulu’s anthology, there is no analysis of the specific context of Lusophone African art production in the text. ‘Lusophone’ is not even mentioned in the index. This absence or neglect is, in fact, quite common in presentations of contemporary African art in the English speaking world. This lacuna is one of principal rationales driving this Special Issue of Third Text.

We start with a question that is simple in appearance but tellingly complex at the same time: What is contemporary Lusophone African art? Under question here are a number of key terms that need to be unpacked if we are to address this issue in a critical and challenging way: ‘contemporary’, ‘Lusophone’, ‘African’ and ‘art’. Each term is contested territory in its own right but in bringing them together within an interrogative form we are striving to open up a discursive platform in which these complex terms can be debated, critiqued and repositioned. For example, so-called ‘Lusophone Africa’ is not a seamless whole. It includes a variety of countries each with very different social, political and cultural histories. In acknowledging this complexity, it is the hope of the editors that a significant gap in the geography of knowledge production of contemporary African art can begin to be addressed and in turn generate more research and debate across language and cultural borders.

Contributors to this special issue of Third Text are invited to present papers and book reviews that addresses this question: “What is contemporary Lusophone African Art?”. By questioning the label of “contemporary Lusophone African Art” we intend to gather a number of manuscripts that can debate the existence of an artistic production with a circumscription mainly related to a colonial language heritage.

This geographical focus which relates to the international circulation of young artists coming from Portuguese-speaking African countries will be the starting point to question the on going mapping of “Lusophony”, “Francophony”, “Anglophony” by ex-colonial powers under the pretext of “shared” languages and cultures. This is frequently seen either as “neo-colonial” appropriation by institutionalised powers (especially in political events), or as a strategic entry point into the international artistic circuits that some artists can take advantage of.

In this sense, a reflection about “contemporary Lusophone African Art” in a post-colonial context should also stimulate a variety of studies by authors beyond the “Lusophone” cartography, encouraging perspectives from the various “Africas”. We call for contributions which favour a transdisciplinary approach, including comparative studies, giving priority to those which, under a theoretical or empirical perspective, question the conceptual bases, the possibilities, the limits and the borders of “contemporary Lusophone African Art”.

The following are some themes and questions suggested by the editors to be addressed by potential contributors. These suggestions arise from the editors research and discussion and are by no means exhaustive:

1) Does “contemporary Lusophone African Art” exist?;

2) (De)construction of African Identities through artistic expressions;

3) The role of art as interface between trends and imported cultural models;

4) Art and political intervention;

5) Artistic responses to war, conflict an armed struggle: the relationship of artistic production to independence movements;

6) Notions of diaspora, ‘race’ and national identity. Is there a Lusophone ‘South Atlantic’ that links Africa, Brazil and Portugal that is analogous to Paul Gilroy’s ‘Black Atlantic’?;

7) Rise of biennials and triennials (eg. Luanda Trienniale). How does “Europe” contribute to the project of “African Art” in Lusophone contexts?

This special issue invites contributions, not exceeding 6000 words in length, from artists, art historians, theoreticians and intellectuals interested in exploring through original manuscipts any of the issues pertaining to “What is Contemporary Lusophone African Art?”. The authors’ names and corresponding bibliographic references (500 characters max.) must be included in the document’s title page, which must also have the authors’ institution. The submitted manuscripts must be accompanied by five keywords and when preparing the manuscripts, authors must observe the formatting and the submission regulations of Third Text journal, available at http://www.thirdtext.com/authors-guidelines/. Manuscripts must be submitted in English.  In exceptional circumstances only we may be able to provide some help for translation of texts.

Abstracts written in English, (500 words max.) including the manuscript’s title, should be sent by email attachment no later than 21st July 2011 to the Guest Editors Paul Goodwin & Lúcia Marques at goodwinandmarques@gmail.com (upon acceptance, final papers are due by 1st February 2012).

The Editors: Paul Goodwin is a curator, urban theorist and researcher. He is an Associate Research Fellow at the Centre for Urban and Community Research, Goldsmiths College and Curator, Contemporary Art at Tate Britain. Lúcia Marques is a Lisbon based independent curator. She is President of XEREM cultural association (Triangle Network) and a member of AICA-International Association of Art Critics. +INFO = http://www.thirdtext.com/

Dia de África, Dia de BUALA!

"Nenúfares", de Nuno Awouters (série fotográfica na nova Galeria BUALA)

BUALA iniciou actividade a 25 de Maio de 2010, dia de África, e faz agora um ano de existência. Os comentários positivos e a vasta adesão dos leitores e colaboradores, de todos os países de língua portuguesa e de muitos outros lugares do mundo, tem sido um sinal de que esta é uma plataforma necessária e desejada, afirmando-se como um canal de reflexão e divulgação importante no âmbito da cultura africana contemporânea.


Trata-se do primeiro portal multidisciplinar de reflexão, crítica e documentação das culturas africanas contemporâneas em língua portuguesa, com produção de textos e traduções em francês e inglês. Buala (em quimbundo Bwala) significa casa, aldeia, a comunidade onde se dá o encontro. A geografia do projecto responde ao desenho da proveniência das contribuições, certamente mais nómada que estanque. A língua portuguesa, celebrada na diversidade de Portugal, Brasil e Áfricas, dialoga com o mundo. Buala.org pretende inscrever a complexidade do vasto campo cultural africano em acelerada mutação económica, política, social e cultural. Entendemos a cultura enquanto sistemas, comunidades, acontecimento, sensibilidades e fricções. Políticas e práticas culturais, e o que fica entre ambas. Problematizar questões ideológicas e históricas, entrelaçando tempos e legados. No fundo desejamos criar novos olhares, despretensiosos e descolonizados, a partir de vários pontos de enunciação da África contemporânea. Buala.org concentra e disponibiliza materiais, imagens, projectos, intenções, afectos e memórias. É uma plataforma construída para as pessoas. Uma rede de trabalho para profissionais da cultura e do pensamento. Artistas, agentes culturais, investigadores, jornalistas, curiosos, viajantes e autores, todos se podem encontrar e habitar este Buala.

A assinalar o seu primeiro aniversário encontra-se agora on-line também uma nova secção dedicada a Ruy Duarte de Carvalho que resulta de uma "vontade de reunir materiais de vários autores da nossa língua para promover o debate a partir de obras e figuras de excepção. O escritor Ruy Duarte de Carvalho é o primeiro, pela admiração, amizade, entusiasmo e colaboração que deu ao projecto BUALA, considerando-o um espaço de encontro fundamental para trocar propostas e consolidar pesquisas" (para continuar a ler aqui).

Outra novidade igualmente significativa: a secção Donativos, relembrando as mais diversas formas, por vezes tão simples e cruciais, de contribuir para que este projecto continue.

PARABÉNS Buala!

(Alguns) NÚMEROS buala12 meses de existência
8 secções + 1 galeria+ Blog
287 autores
 / colaboradores
625 artigos (inéditos e reedições) com imagens sobre África
15 exposições/ galerias artistas africanos contemporâneos
+ de 1300 Post no blog DÁFALA
3211 Fãs no Facebook
307 Seguidores no Twitter
400 Subscritores RSS
149 086 visitas (de 25 Maio 2010 a 23 de Maio 2011) 

Breyten Breytenbach II

Published21 Apr 2011

Tags África áfrica do sul breyten breytenbach poesia

Mais um poema de Breyten Breytenbach

 

AMEAÇA DOS DOENTES

(para B. Breytenbach)

Senhoras e Senhores, permitam-me que vos apresente Breyten

Breytenbach

este homem magro de camisola verde; é devoto

e comprime e martela a cabeça oblonga

no intuito de vos fazer um poema    exemplo:

tenho medo de fechar os olhos

não quero viver no escuro a ver o que se passa

os hospitais de Paris estão cheios de homens lívidos

especados à janela fazem gestos ameaçadores

como anjos no forno

e a chuva escorcha e engordura as ruas

tenho os olhos pegados

eles/vós me enterrareis em dia húmido

quando a terra se torna em negra carne crua

e as folhas e as flores maceradas coloram de rugas de água o

            sangue branco do ar

antes que a luz roa tudo

mas eu recuso prisão para os meus olhos

colhei as minhas asas ossudas

a boca é demasiado secreta para não sentir a dor

calçai botas para o meu enterro quero

ouvir a lama amassar-vos os pés

os rouxinóis agitam a cabeça molhada, reluzentes flores negras,

as árvores verdes são monges resmungões

plantai-me numa colina, junto a um pego onde haja bocas-de-

            -lobo

deixem que patos velhos e sabidos cubram de luto o meu túmu-

            lo

à chuva

almas de mulheres tresloucadas mas sagazes são possuídas por

gatos

medo medo medo em saturadas descoloridas cabeças

e não quero que embalem (que consolem) a minha língua ne-

            gra.

Vistes como é inofensivo, hajam caridade com ele.

trad. de Mário Cesariny

Breyten Breytenbach

Um poema de Breyten Breytenbach

HÁ UM PÁSSARO IMENSO

há um pássaro imenso meu amor

talvez um cisne selvagem

ou um albatroz cativo

ou falcão da montanha meu amor

de imenso e luminoso pico de neve

o seu rumo nocturno não podemos vê-lo

pois negro é o seu peito e o seu bico

mas o seu canto vibra como uma estrela

o dorso, e as ósseas penas, são azuis

e assim, também de dia não o vemos

porque voa, na altura, de ventre virado ao sol

dele, apenas, por vezes, duas sombras

atravessam teus olhos meu amor

dúbia é a cor da cor do meu amor

escuro rondando o escuro, noite minha

e sempre, sempre entre os meus olhos e eu

trad. de Mário Cesariny

Rediscovering African Geographies: últimos dias, em Londres

Orbis Terrae, in "Atlas sive Cosmographicae" (1595), Gerard Mercator 

Últimos dias para espreitar a exposição "Rediscovering African Geographies" na Royal Geographical Society em Londres!

From the great African Kings and Empires from 3000BC to the complex trade networks and migration of Africans within the continent and across the world, the Society's new Rediscovering African Geographies exhibition uses maps, photographs and literature from our Collections to travel through Africa’s history.

Rediscovering African Geographies shows, from an African perspective, how culture, international relations, language and conflict have shaped the geography we know today. It reveals often neglected stories and how these records of African societies, cultures and landscapes helped shape and inform European views of this continent and its people.

The exhibition, which runs from 22 March 2011 to 28 April 2011, has been created with African community partners representing the Congo, Ghana, Nigeria, Namibia, Zimbabwe, Sierra Leone and South Africa. It's free to visit and will be held at the Society premises, Monday to Friday 10am to 5pm.

The exhibition features Africans such as James Chuma, Abdullah Susi and Sidi Mubarak Bombay who made important contributions to the Victorian expeditions undertaken by David Livingstone and others that were supported by the Society.

Tudo o que é preciso saber aqui e um óptimo audio-slideshow da BBC aqui.

Lúcia Marques

call for papers “OUTRAS ÁFRICAS”: só até 18 de Abril!

Published13 Apr 2011

Tags África call for papers ces e-cadernos lusofonia palop

 

A revista electrónica e-cadernos do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra lançou um “call for papers” até ao próximo dia 18 de Abril 2011, convidando à apresentação de artigos e recensões no âmbito de um próximo número temático – o seu 12.º – dedicado a “OUTRAS ÁFRICAS: Heterogeneidades, (des)continuidades, expressões locais”.

Este 12.º e-caderno procurará assim reunir um conjunto de perspectivas dedicadas às diversas Áfricas que não (apenas) a “lusófona”, considerando incluir uma vertente comparativa relativamente aos Países Africanos de Lingua Oficial Portuguesa (PALOP). Trata-se de um descentramento geográfico programático relativamente à investigação científica no contexto português, de modo a:

… “dar visibilidade às heterogeneidades de um continente que o imperialismo do Norte, e a ciência ao seu serviço, ora essencializa como um só – A África –, ora, no período pós-colonial, cartografa ainda de acordo com as respectivas ex-potências colonizadoras, sob a retórica das línguas e culturas “partilhadas” – lusofonia, francofonia, anglofonia –, ora, ainda, aborda epistemologicamente segundo modos, estruturas e categorias de produção e organização do conhecimento do Norte. Frequentemente, estas continuam a representar uma apropriação neo-colonial, em particular quando esta abordagem legitima, entre outros, o discurso político, económico e humanitário, ou os princípios por que se rege o direito internacional ou a ‘ajuda ao desenvolvimento’.

O descentramento relativo à lusofonia deverá ainda provocar outros descentramentos e multiplicações nas perspectivas de reflexão sobre as Áfricas na pós-colonialidade.

Em discussão estará, em primeiro lugar, a percepção / construção / incorporação do continente pelo saber ocidental e pelas narrativas dominantes no Norte, bem como o seccionamento epistemológico prevalecente dos estudos africanos segundo as áreas de influência neo- colonial. Interrogar-se-ão as eventuais distorções essencialistas que estes estudos, assim organizados, possam produzir, propondo alternativas para o pensamento teórico, a investigação empírica e a acção prática, nomeadamente através da análise de dinâmicas locais de resistência e da validade e/ou falência de modos e casos de tradução cultural.”

(tradução em português trazida daqui)

Portanto, excelente oportunidade para não apenas criticar mas ir além da tão falada ‘lusofonia’!

Lúcia Marques

Comédias

Published5 Apr 2011

Tags África angola luanda

Entre fritos, cafés e bolos de uma cantina manhosa na baixa de Luanda, aguardo que a menina da caixa, negra, belfa, de lábios cor de rosa, me entregue um cartão de saldo para o telefone. Sobre uma das montras de bebidas há um aparelho sintonizado na rádio local que debita em alto volume uma selecção musical inenarrável: Alicia Keys, Mozart, Guns and Roses.

Talvez seja o purgatório e não o inferno. 

Elisa Santos

Capulanosas

Published25 Mar 2011

Tags África maputo fashion week moçambique

As mulheres de Maputo estão ainda mais “capulanosas”!

A utilização do tradicional pano africano em modelos arrojados ou clássicos, em peças com corte de pronto a vestir ao estilo ocidental, em acessórios de vestuário e outras utilidades entrou no dia a dia da capital e deixou de ser “extravagância” de estrangeiros para ser identidade dos habitantes de Maputo. Malas, brincos, colares, bolsa para portáteis, cintos ou porta-moedas. Camisas, calções, corsários, vestidos, saias, tiras de cabelo ou chapéus. De tudo se pode encontrar, utilizável por todos, em combinações mais ou menos arrojadas, mais ou menos “combinadas”.

Desde 2005 Maputo apresenta a MFW-Maputo Fashion Week, que de ano para ano vem mostrando novos valores nacionais na área da moda, fazendo mais exigências de qualidade e criatividade aos que se apresentam e trazendo mais nomes estrangeiros – designers e modelos.

Deve ser por isso, por haver uma montra nova para a imaginação na utilização da capulana, e não só, que as mulheres de Maputo estão ainda mais “capulanosas”. E não só elas, eles também!

A utilização dos fatos africanos, feitos de panos coloridos, com cortes tradicionais, de mangas em balão, galões a debruar, lenço na cabeça igual ao pano e saias longas, a utilização destes fatos não está em risco. As mulheres de Maputo, mais velhas ou mais jovens, gostam de passear a sua identidade africana, em momentos especiais, envergando obras primas feitas por alfaiates dedicados e que têm eles próprios um “ranking” apenas conhecido no circuito da moda tradicional. Dizem que os melhores são os congoleses!

Marinela, Ísis, Taibo, Mama África são alguns dos melhores nomes dos novos "alfaiates" Moçambicanos, que reforçam esta identidade africana, que vestem eles e  elas, nacionais e estrangeiros, e que tornam Maputo ainda  mais singular.

Elisa Santos

O que é que Angola tem (3)

Published11 Mar 2011

Tags África angola

 Transporte de gelo - E.R.

Angola tem esquemas. Bué de esquemas.

Muitos mambos e makas que complicam buisnesses e que precisam ser contornados.  Tem chefes, manos, doutores, tias, padrinhos, irmãos primos, sobrinhos, vizinhos e "o camarada lá". Gente com bata, gente com arma, gente com carro, gente com posição, gente com fome, gente com paciência, gente com jeito.

Angola tem devotos que ralham com os seus santos em frente a altares confusos entre cristandades e preposições pagãs; pastores, madres, padres, catequistas, sobas, mais velhos, tradicionais e aflitos

Angola tem códigos alternativos, éticas paralelas, signos próprios, modus operandi. Angola tem ordem. Outra ordem. Modus vivendi

The Global Africa Project

Trata-se de uma das maiores exposições de design de artistas africanos e da diáspora apresentada no Mad (Museu das Artes e Design) em Nova Iorque. A exposição reparte-se por vários andares e organiza-se em núcleos tais como: marcas, intersecção de culturas, diálogos ecléticos, transformando tradições, construindo comunidades, etc. E assim são apresentados tecidos, desenhos, fotografias de cortes de cabelo, pintura, roupa, jóias, objectos de uso doméstico, mobiliário, etc. Mas o mais importante é a definição do contexto que indica a produção sofisticada destas obras no mundo global. Os seus autores são africanos ou afro-descendentes e entre as várias dezenas expostos destacam-se nomes como Rachid Korachi, Gonçalo Mabunda, Ynka Shonibare, Sheila Bridges, Iké Udé, Meschac Gaba, Vlisco, e muitos, muitos outros que apresentam obras sofisticadas, elegantes, de bom gosto e recorrendo a materiais inusuais no design europeu e americano e de uma versatilidade ímpar. Mais uma ideia da África cosmopolita.

O que é que Angola tem (2)

Published18 Feb 2011

Tags África angola

Angola tem "chineses".

Tem muitos chineses, vietenamitas, coreanos... Homens amarelos que entretanto se amorenaram, que têm olhos rasgados e hábitos diversos e que se instalaram por todo o lado. Angola tem "chineses" que  fazem a estrada, conduzem camiões, têm lojas, constroem casas, hóteis, fábricas, aeroportos, exploram pedreiras; são engenheiros, médicos, arquitectos, electricistas, negociadores.

Angola tem as mulheres dos "chineses" que se escondem nas casas e nas lojas, que vendem gelo, iogurte, fotografias e quinquilharias, e que deambulam como sombras esquivas pelos mercados e pelas ruas.

Angola tem chapeús de palha de aba larga, a fazer lembrar campos infinitos de arroz, espalhados em cabeças negras de africanos,tem calças de ganga de cinta descida e camisolas de manga à cava em corpos orientais, homens acocorados que conversam e fumam, letras como desenhos pintadas em pedras marcando a passagem por ali, ortografias novas, ortografias baralhadas.

Angola não tem bebés chineses. Angola tem tudo misturado, mas a mestiçagem ainda não tem traços de oriente.

O que é que Angola tem (1)

Published16 Feb 2011

Tags África angola

Angola tem paisagens enormes, horizontes imensos, naturezas brutais. Tem as Quedas da Kalandula, as segundas em ordem de grandeza em toda a África. Tem tonalidades de verde, humidade tropical, chuvas fortes, céu azul, Pedras Negras, rios e rios, lagoas, mar, montes íngremes e planaltos chãos.

Angola tem agora línguas de asfalto que lambém quilómetros de terra, que parecem querer unir o país inteiro, e que se interrompem, vez em quando, dando lugar a sobressaltos de guerras passadas, a buracos por reparar e trajectos enlameados.

Angola tem maus hábitos, faltas de hábito e gente que quer mudar de hábitos.

Coleção “História Geral da África” em 8 volumes traduzidos para português e totalmente disponíveis através de download gratuito

Published15 Feb 2011

Tags África história geral da áfrica

Já estão disponíveis em português os 8 volumes da “História Geral da África” graças a uma parceria da Representação da UNESCO no Brasil, com a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação do Brasil e a Universidade Federal de São Carlos. Este projeto editorial teve início em 1964, ano em que a UNESCO se propôs “contar a história da África a partir da perspectiva dos próprios africanos. Mostrar ao mundo, por exemplo, que diversas técnicas e tecnologias hoje utilizadas são originárias do continente, bem como provar que a região era constituída por sociedades organizadas, e não por tribos, como se costuma pensar.” (vd. site da Representação da UNESCO no Brasil).

No mesmo site pode ler-se que “quase 30 anos depois, 350 cientistas coordenados por um comitê formado por 39 especialistas, dois terços deles africanos, completaram o desafio de reconstruir a historiografia africana livre de estereótipos e do olhar estrangeiro”. E aqui e aqui, encontram algumas referências biográficas e bibliográficas sobre os membros do Comitê Científico Internacional. A colecção completa já foi publicada em inglês, francês e árabe (existindo uma versão condensada editada em inglês, francês e até mesmo em hausa, peul e swahili), mas a tradução portuguesa está totalmente disponível através de download gratuito, pelo que aqui ficam os respectivos shortcuts para consulta, reflexão, debate:

Volume I: Metodologia e Pré-História da África (PDF, 8.8 Mb) | Editor: Professor J. Ki-Zerbo (Burkina Faso)

Volume II: África Antiga (PDF, 11.5 Mb) | Editor: Dr. G. Mokhtar (Egipto)

Volume III: África do século VII ao XI (PDF, 9.6 Mb) | Editor: H. E. M. Mohammed El Fasi (Marrocos); Editor Assistente: Dr. I. Hrbek (República Checa)

Volume IV: África do século XII ao XVI (PDF, 9.3 Mb) | Editor: Professor D. T. Niane (Senegal)

Volume V: África do século XVI ao XVIII (PDF, 18.2 Mb) | Editor: Professor B. A. Ogot (Quénia)

Volume VI: África do século XIX à década de 1880 (PDF, 10.3 Mb) | Editor: Professor J. F. A. Ajayi (Nigeria)

Volume VII: África sob dominação colonial, 1880-1935 (9.6 Mb) |Editor: Professor A. A. Boahen (Gana)

Volume VIII: África desde 1935 (9.9 Mb) | Editor: Ali Al’Amin Mazrui (Quénia); Editor Assistente: Christophe Wondji (Costa do Marfim)

Lúcia Marques

Eleições em Cabo Verde

Published10 Feb 2011

Tags África cabo-verde

Não é facto extraordinário a existência de eleições em África (mais de uma dezena em 2010), nem tão pouco a reeleição do partido no poder. Contudo, que num país africano se efectuem eleições após campanhas renhidas, que o partido no poder renove a maioria absoluta e que o partido da oposição assuma a derrota e entenda assumir o lugar que o povo lhe entregou, isso é um facto “extraordinário”, notado e comentado dentro e fora do continente. (Como aqui).

Em Cabo Verde acontecem coisas extraordinárias, como as chuvas mansas que têm abençoado as ilhas este mês de Fevereiro.

Elisa Santos

Revisitar “As Áfricas de Pancho Guedes”: agora com filme, fotografias e visitas guiadas de entrada livre todas as quintas-feiras

Published9 Feb 2011

Tags África pancho guedes

[Foto: David Croofot]

aqui se destacou esta exposição logo a seguir à sua abertura no antigo Mercado de Sta. Clara (Lisboa), em Dezembro passado. Mas com tantas boas razões para ser revisitada, e estando a um mês do seu fim (8 de Março de 2011), voltamos à iniciativa para divulgar algumas novidades recentes:

- a mostra inclui agora, com passagem em loop, “Looking for Pancho (À procura de Pancho): a film about the life of ideas”, realizado em 2010 por Christopher Bisset e um dos trabalhos vencedores do festival anual “C&CI Moving Space Student Architecture Short Film Competition”;

- também passou a integrar uma montagem de fotografias sobre a vida e obra do arquitecto Amâncio d’Alpoim Miranda Guedes (também pintor, escultor, professor e coleccionador Pancho Guedes);

- programaram-se visitas guiadas de entrada livre todas as 5.as feiras, às 11h30 e às 15h30 (para além das visitas com um dos comissários, já confirmadas para este sábado e domingo – dias 12 e 13 de Fevereiro – às 17h: marcações pelo n.º 91 2947430);

- e já é possível comprar o catálogo on-line, por exemplo, aqui ou aqui.

A exposição constitui uma oportunidade única de conhecer ao vivo a colecção de arte africana que o casal Dori e Amâncio Guedes reuniram ao longo das suas viagens e estadias (sobretudo em Lourenço Marques – actual Maputo –, Joanesburgo e Lisboa), fruto de cumplicidades várias e de um espírito mecenático informado, atento à simultaneidade das práticas artísticas e usos criativos nas várias Áfricas das décadas de 1950/60, i.e., no arranque das primeiras independências.

Reúnem-se, por vezes numa lógica intencionalmente disrruptiva de entrecruzamento de referências, núcleos de máscaras mais conhecidas (de decoração geometrizante, como a que influenciou decisivamente os modernistas ocidentais) e de outras muito menos divulgadas, (como os exemplares raríssimos que adquiriu directamente junto dos Macua-Iómuè, feitos de entrecasca de árvore), entre outros artefactos rituais, objectos de uso quotidiano e manifestações de arte popular, para além de uma secção especialmente dedicada às chamadas “artes plásticas” (mas também ela representativa do desejo de questionar hierarquias entre disciplinas, géneros ou autorias). É nessa nave central da exposição (que se vê na foto) que encontramos o incontornável conjunto de pinturas iniciais de Malangatana – infelizmente, falecido a 5 de Janeiro deste ano –, realizadas com o patrocínio visionário de Pancho Guedes, mas também quadros feitos na pré-adolescência pelo próprio filho Pedro Guedes, desenhos, esculturas e bordados de amadores ou autores desconhecidos, para além de outras surpresas, como os originais de Bertina Lopes, que devido à promoção e arranjo gráfico de Pancho, ilustraram em 1964 a 1.ª edição da novela revolucionária “Nós Matámos o Cão Tinhoso!” do moçambicano Luís Bernardo Honwana (posteriormente apreendida pela polícia, ainda em Lourenço Marques). No lado oposto dessa parede até painéis publicitários anónimos são expostos, evidenciando os vários caminhos da colecção e da própria exposição que a apresenta (bifurcada logo de início, como o revela a foto da nave central).

Pancho Guedes, autor dos “25 estilos Guedes” e que queria ser pintor, é (afinal) também um dos mais reconhecidos patronos da arte africana contemporânea, pioneiro no apoio a uma produção que acreditava (poder) ser autónoma da lição ocidental, como desde cedo prestigiadas figuras do circuito artístico internacional o reconheceram e agora o relembra o curador da exposição Alexandre Pomar sublinhando, nos textos de apoio, a estreita relação do artista-arquitecto com Frank McEwen (organizador do 1.o Congresso Internacional da Cultura Africana em 1962) e Ulli Beier (fundador do Mbari Club e da revista “Black Orpheus”, na Nigéria), para além de constituir, juntamente com Malangatana e as datas das guerras de libertação, “a única presença relativa às ex-colónias portuguesas na cronologia da história mundial da arte esbelecida no site do MET”.

No catálogo bilingue (pt/ing), para além de dois textos imprescindíveis de Alexandre Pomar – sintetizando a abordagem proposta na exposição e contextualizando com muita informação preciosa o contributo de Pancho Guedes na projecção da arte africana contemporânea (procurando também partilhar o mais possível o conhecimento decorrente de algum acesso ao imenso arquivo pessoal do próprio Pancho) –, há para ler o texto com preocupações de sistematização antropológica do co-curador Rui M. Pereira, a generosa tese de Alda Costa (sobre o panorama Moçambicano nos anos em que o artista-arquitecto-patrono aí viveu), um (auto)retrato escrito por parte do amigo e protegido Malangatana, o testemunho da antropóloga Elizabeth (Betty) Schneider sobre “a influência da arte africana em Pancho Guedes”, uma breve síntese sobre “o arquitecto” por Ana Tostões e ainda importantes notas biográficas dedicadas às variadíssimas autorias presentes na colecção do casal Guedes.

Sintomaticamente, em mais uma opção de montagem acertada, numa das paredes da exposição lê-se: Acho que a preocupação em sublinhar a diferença da cultura africana é uma espécie de apartheid cultural. Acho que os criadores são sempre mágicos, onde quer que se encontrem, na Europa, em África ou na América. Acho que nos devíamos interessar pela universalidade da arte, pelas forças que levam as pessoas a fazer coisas, em vez de tentar descobrir diferenças sem importância”.

Palavras do genial Pancho Guedes, proferidas em 1962, no 1.º Congresso Internacional da Cultura Africana (em Salisbúria, Harare), no seu jeito algo "warburgiano" (Aby Warburg) de se dedicar às ressonâncias imagéticas, simbólicas, em prol de uma vivência cultural efectivamente global.

Lúcia Marques

Egipto: leituras

Published1 Feb 2011

Tags África egipto

For those who want to read up on the roots of the turmoil, our Cairo bureau chief, Max Rodenbeck, recommends two clearly written accounts. The first is "Egypt on the Brink: From Nasser to Mubarak" (Yale University Press, 2010) by Tarek Osman, a Western-educated Egyptian banker and occasional newspaper columnist. The second is a series of books by Galal Amin, starting with "Egypt in the Era of Hosni Mubarak: 1981-2010" (American University in Cairo Press, 2011), which builds on his earlier works, "Whatever Happened to the Egyptians?" (AUC, 2001), "Whatever Else Happened to the Egyptians?" (AUC, 2004) and "The Illusion of Progress in the Arab World" (AUC, 2006).  "The Yacoubian Building" (American University in Cairo Press, 2004) by Alaa al Aswani is a marvellous comic novel of life in Cairo. (continua)

Século XXI – A posse abusiva de terra em África

Published1 Feb 2011

Tags África

Texto preparado pela Society of African Missions (Ficha «Justiça» nº 8), sobre os contratos de arrendamento de grandes extensões de terra em África por países estrangeiros. Por falta de link publicamos o texto na íntegra neste blogue.
Século XXI – A posse abusiva de terra em África

Desde 2007 que terrenos três vezes maiores que a Irlanda têm sido desviados por investidores estrangeiros para neles se fazerem mega quintas em África.
Estão em curso negociações para se fazer o mesmo. Enquanto muitos governos africanos acolhem este investimento, algumas agências internacionais, ONGs e populações locais não são tão entusiastas. Alguns vêem os arrendamentos de terra como uma posse abusiva, que apenas difere da colonização do séc. XIX porque envolve agentes diferentes. O relatório da ONU - «Posse abusiva da terra ou Oportunidade de Desenvolvimento» declara de forma diplomática que o investimento estrangeiro «podia traduzir-se em boas notícias se os objectivos dos arrendatários da terra forem compatíveis com as necessidades de investimento dos países (hospedeiros)». Numa perspectiva menos diplomática, isto significa que os arrendamentos ainda não trouxeram o investimento em agricultura responsável de que a África necessita.
Factos sobre os arrendamentos
Os Estados do Golfo, a China, a Coreia do Sul e a Índia arrendaram enormes extensões de terra africana. Empresas produtoras de biocombustível de Inglaterra, Alemanha, Suécia e de outros países europeus também investiram, em menor escala. A terra é arrendada por períodos até 99 anos para produzir arroz, milho, cana-de-açúcar, frutos e legumes, e sementes para biocombustível como óleo de palma e jatropha.
Os projectos de arrendamento de terra existem em pelo menos 17 países africanos. Se o investimento estrangeiro em terra africana não é novidade, o que é diferente agora é a dimensão e o facto de os arrendamentos serem agora feitos entre governos e grandes corporações e não entre empresas. No passado o investimento ajudou as economias locais através do comércio e emprego. Um arrendamento actual em Moçambique permite que 10 000 chineses produzam sementes para exportar para a China, cortando qualquer benefício local.
O arrendamento de terra tornou-se num assunto em 2008 quando o preço dos alimentos básicos duplicou. Temendo a sua vulnerabilidade, países ricos mas com terra pobre arável, como a Arábia Saudita, o Kuwait e o Qatar, aplicaram milhões de dólares em arrendamentos a longo prazo a fim de assegurarem a futura segurança alimentar. Também as alterações alimentares resultantes do crescimento das economias da China, Coreia do Sul e Índia, levaram a uma maior procura de terra arável. A acrescentar a estes factores, deu-se a repentina procura de biocombustível. Estes três factores juntos levaram a um aumento de procura de terra arável. Como a terra em África é abundante e, comparativamente, a mais barata no mundo, é a que mais atrai os investidores. Cerca de vinte países estrangeiros têm hoje terra arrendada em África.
O secretismo que ronda os acordos de arrendamento é geral – ninguém sabe exactamente quantos hectares estão arrendados, e as informações sobre os termos desses contratos são vagas e desconhecidas. O arrendamento de terra arável trouxe emprego significativo em algumas zonas, mas em outras os trabalhadores contratados não são locais. Em alguns países, como na Zâmbia, o produto da terra entra nos mercados locais e beneficia a população local, mas noutras zonas os produtos da terra são destinados à exportação. O benefício em termos de desenvolvimento de infra-estruturas tem sido desigual e mesmo onde isto aconteceu, por exemplo na construção de estradas, pouco tem sido feito a nível da manutenção.
Uma coisa é clara: até hoje os benefícios para os africanos não têm sido proporcionais aos dos arrendatários. Os africanos só vêem os restos.
Posse da terra: é a compra ou arrendamento de vastas áreas de terra por países ricos, por países onde os alimentos escasseiam ou por investidores privados, feita a países pobres ou em desenvolvimento, a fim de produzirem produtos agrícolas para exportação.
A Terra, um recurso que tem de ser protegido – Bispos Africanos

Um relatório recente do Sínodo dos Bispos Africanos criticou o secretismo que envolve os contratos de arrendamento de terra e enfatizou a necessidade de proteger a terra como recurso para as gerações futuras.
«Se a Igreja pretende ser a voz dos mais pobres, deve trazer à discussão pública este assunto e deve defender os direitos à terra das comunidades tradicionais contra investidores gananciosos e líderes corruptos.»
A actual forma de arrendamento de terra em África contradiz de muitas maneiras os ensinamentos da Igreja e os princípios sociais católicos. As comunidades locais não são geralmente envolvidas nas decisões acerca da terra, os produtos destinam-se sobretudo à exportação e existem preocupações quanto aos efeitos que a dimensão industrial das terras arrendadas poderá ter a longo prazo sobre o ambiente.
Motivos de preocupação

Investidores ambiciosos enfatizam os benefícios de maiores colheitas híbridas e de desenvolvimento do emprego e de infra-estruturas. Há governos que, ansiosos por estes benefícios, acolhem este investimento. Opiniões contrárias variam da desconfiança à crença de que o arrendamento é um «roubo neo-colonialista». Um relatório do IFPRI (Instituto Internacional de Pesquisa para a Política Alimentar) resume a razão para a oposição: «a desigualdade das relações de poder nos contratos de aquisição de terra pode pôr em risco a sobrevivência dos pobres. Uma vez que o Estado detém muitas vezes formalmente a propriedade da terra, os pobres correm o risco de serem desalojados em favor do investidor, sem terem sido consultados ou compensados.» Muitas vezes é a elite local que beneficia, enquanto os pobres acabam por ficar em piores condições porque lhes é negado o acesso a terra já cultivada, a terra para pastagem, a floresta ou a água.
Os governos dos países hospedeiros invocam geralmente que a terra que oferecem é pertença do Estado. Por lei, isto pode ser tecnicamente verdade, mas de facto os direitos comuns de ocupação são reconhecido há gerações. Nos contratos de investimento estrangeiro estes direitos são ignorados e a população expulsa. Esta injustiça alimenta potenciais conflitos. O secretismo, a corrupção e a exclusão da população local das negociações aumentam a indignação. Em Madagáscar, a agitação em torno de 1,3 milhões de hectares contribuiu para o derrube do governo. Muitos observadores acreditam que este tipo de conflito é inevitável.
Existem também preocupações sobre o efeito que a potencial instabilidade política em muitos países africanos terá nos investidores. Terão estes cuidado com o ambiente e as economias locais? Ou a tentação do maior lucro possível e mais rápido possível levará a melhor? A resposta a estas perguntas será decisiva para definir se o arrendamento de terras é uma posse abusiva neo-colonialista ou um investimento benéfico para os africanos.
Jatropha, biocombustível e Tanzânia
Os biocombustíveis podem ser feitos de plantas como o milho, a cana-de-açúcar e o óleo de palma, mas é a Jatropha – a «planta maravilha» - que países como o Gana, Angola, Etiópia e Tanzânia estão a cultivar intensivamente. A vantagem é que esta planta pode ser cultivada em terra árida, que não é adequada a outras culturas.
Na Tanzânia, as plantações de jatropha estão a causar problemas. Em 2009, o investimento foi suspenso em consequência da agitação em torno do desalojamento de agricultores e a conversão de alimentos em produtos para biocomb ustível. Além disso, a irrigação necessária a estas plantações provocou faltas de água. Há também provas de negócios obscuros com as populações locais, em que estes receberam menos de $10 por hectare de terra. Os locais estão a perder e não estão a ser tomadas medidas relativas aos efeitos da desertificação e uso de pesticidas.
Esta situação exemplifica os efeitos da falta de políticas sobre o uso da terra nos países africanos. Em resposta, o governo da Tanzânia quer publicar este ano algumas directivas nacionais sobre o investimento em biocombustível. Também está consciente de que isto pode não ser suficiente e de que a protecção do ambiente e dos direitos das populações exige legislação e aplicação das leis. Embora este seja um pequeno início, é um movimento na direcção certa, muito à frente de outros países africanos.
Um passo à frente – código de conduta

O arrendamento de terra é um fait accompli. Aceitando isto, a ONU e as ONGs estão a trabalhar no sentido de desenvolverem um código internacional que permita que as duas partes tenham benefícios.
Aderir a este código internacional seria opcional e pouco limitaria a corrupção local, mas é um primeiro passo que vale a pena dar. Este código estabelecerá princípios como: respeito dos direitos comuns; partilha de benefícios entre a população local (i.e. não apenas trazer trabalhadores) e aumento da transparência (redução de oportunidades para a corrupção). No entanto, as medidas têm de ser alargadas.
«A longo prazo, é do interesse dos investidores, dos governos hospedeiros e das populações locais assegurarem que estes acordos (arrendamentos) são devidamente negociados, que as práticas são sustentáveis e que os benefícios são partilhados. Não há organismo que, sozinho, assegure este processo. Mas é necessária a combinação da lei internacional, das políticas dos governos e o envolvimento da sociedade civil, dos meios de comunicação social e das comunidades locais, para minimizar ameaças e obter benefícios.» (Land Grabbing by Foreign Investors in Developing Countries, Risks and Opportunities, IFPRI 2009)
Não é ainda possível medir o impacto que terá o arrendamento da terra. Ainda não decorreu tempo suficiente para se materializarem os benefícios prometidos. No entanto, até agora o balanço pende para um resultado negativo. Para já, o juiz está ausente e o julgamento adiado. Um comentador disse, prudentemente, que «deve haver um olhar atento, esperançoso, mas ponderado, sobre os progressos do arrendamento de terra em África.»
Quem beneficia?

Um exame aos negócios com a terra em cinco países africanos identificou o seguinte:
- os governos têm um papel fundamental na atribuição de terras para arrendamento.
- os benefícios aparecem sob a forma de compromissos por parte dos investidores, criação de emprego e desenvolvimento de infra-estruturas – NÃO na forma de pagamento em dinheiro.
- apesar de certos países terem leis que exigem envolvimento local e benefícios, há grandes discrepâncias entre o que está escrito e a prática no terreno.
- há falta de mecanismos legais ou processuais para proteger os direitos locais, interesses, sobrevivência e bem-estar.
- a falta de transparência nas negociações cria um campo favorável à corrupção e a contratos que não maximizam o interesse público.
- os contratos analisados tendem a ser simplistas, comparados com a realidade económica da transacção.
- os mecanismos que asseguram o cumprimento dos compromissos pelos investidores são tratados com cláusulas vagas, quando existem.
Os pontos acima mencionados mostram que a população local é o último a ser beneficiado.
Fonte: «Land Grab or Development Opportunity» – an interagency collaboration led by the UN.
Esta ficha foi preparada pelo Secretariado da Justiça da Society of African Missions, Wilton, Cork. Email: jpic@sma.ie. Website: http://www.sma.ie/.

Shangaan Electro

Published28 Jan 2011

Tags África áfrica do sul música shangaan electro

Um dos discos mais falados neste final de ano foi a compilação Shangaan Electro: New Wave Music from South Africa (Honest Jon's). Música que pode ser encontrada em Joanesburgo, mas da autoria de naturais da província de Limpopo, no norte do país (região que se estende para Moçambique). Esta música caracteriza-se pela velocidade dos beats. É um dos discos mais entusiasmantes a ser lançados em 2010.

Shangaans don't typically love Joburg. They work in Joburg, but their heart is in Limpopo. People want to go back to the country and to their families. Limpopo is rural. It's hot, very hot and vibey. Shangaan music is about love. It's about a wife and a husband. We are family-oriented musicians.

Neste vídeo, uma breve conversa com Richard "Nozinja" Mthetwa, música, produtor e dono da editora de discos que mais tem feito pela popularidade do Shangaan, a Nozinja Music Productions.

LUANDA em LISBOA com “o lendário ‘Tio Liceu’ e os Ngola Ritmos”

  

E sendo hoje o aniversário da cidade de Luanda, vale a pena recordar o papel de Liceu Vieira Dias contra o colonialismo português através do documentário que o realizador Jorge António (n. 1966 Lisboa, residente em Luanda) lhe dedicou, intitulado “O Lendário ‘Tio Liceu’ e os Ngola Ritmos” (2009). Aqui há uma extensa entrevista a Jorge António pela jornalista e editora Marta Lança.

O filme já foi mostrado pelo IndieLisboa mas para quem não viu ou queira rever, passa hoje, às 21h30, no Teatro da Trindade, em Lisboa, e a sessão – de entrada livre – conta com a presença do cineasta.

LM

Luanda em dia de aniversário

Published25 Jan 2011

Tags África angola luanda

 

Para além de S. Paulo, também Luanda celebra o seu aniversário, o 435º!. O blog Luanda Azul publica um texto de Pereira Dinis, do Jornal de Angola, sobre a cidade em dia de anos. Aqui.

Referendo no Sudão

Published24 Jan 2011

Tags África sudão

Ainda a acompanhar a situação pós-referendo no Sudão.

In a land where the state has yet to set up much in the way of infrastructure, the church with its simple but sturdy network is king. At least, so one might be tempted to say in South Sudan where a civil administration is only gradually being built as the region heads towards independence, separating southern Christians from northern Muslims. A secession referendum held last week enjoys massive backing from church leaders who are far more respected by the population than the grim old bush fighters that lead the soon-to-be country. Priests urged believers to vote in churches across the south.

Homenagem de afectos a Malangatana Valente Ngwenya

Published22 Jan 2011

Tags África artes visuais malangatana moçambique

 

Chama-se “Homenagem de afectos a Malangatana Valente Ngwenya”, a iniciativa que a Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, em Almada, organizou para hoje, prolongando a última exposição individual realizada pelo grande mestre Malangatana (1936-2011). Intitulada “Novos Sonhos a Preto e Branco” esta mostra abriu ao público a 23 de Outubro de 2010, reunindo “uma série de 15 desenhos inéditos” entre outras obras, e decorreu paralelamente à exposição dedicada ao arquitecto José Forjaz. Outro amigo de longa data de Malangatana, também arquitecto e também com ampla obra realizada em Moçambique é Pancho Guedes, cuja colecção de arte africana, reunida sobretudo durante as suas vivências em África, inclui um importante núcleo de pinturas precisamente do início da produção artística de Malangatana, podendo ser vistas na outra margem do rio Tejo, no Mercado de Santa Clara de Lisboa (em plena Feira da Ladra).

Programa para dia 22 de Janeiro, das 14h30 às 18h30, na CASA da CERCA, (entrada livre):

14h30

Encontro informal de amigos do artista

Visita à exposição Novos Sonhos a Preto e Branco e José Forjaz Arquitecto, Ideias e Projectos.

15h30

Intervenções informais / Apresentação de elementos pessoais da relação com o artista.

16h30/17h00

Actuação do Coral TAB (Barreiro). Cânticos em Ronga.

Lúcia Marques

Malangatana e Moçambique por Mia Couto

O país chorou e, com verdade, Malangantana. Todos, povo, partidos, governo foram verdadeiros nador da despedida. Vale a pena perguntar, no entanto: fizemos-lhe em vida a celebração que ele tanto queria e merecia? Ou estamos reeditando o exercício de que somos especialistas: a homenagem póstuma? Quem tanto substitui pedir por conquistar acaba confundindo chorar por celebrar. E talvez o Mestre quisesse hoje menos lágrima e mais cor, mais conquista, mais celebração de uma utopia nova. Na verdade, Malangatana Valente Ngwenya produziu tanto em vida e produziu tanta vida que acabou ficando sem morte. Ele estará para sempre presente do lado da luz, do riso, do tempo. Este é um primeiro equívoco: Malangatana não tem sepultura. Nós não nos despedimos (continua).

Mais Nollywood

Published10 Jan 2011

Tags África cinema nigéria nollywood

It is hard to avoid Nigerian films in Africa. Public buses show them, as do many restaurants and hotels. Nollywood, as the business is known, churns out about 50 full-length features a week, making it the world’s second most prolific film industry after India’s Bollywood. The Nigerian business capital, Lagos, is said by locals to have produced more films than there are stars in the sky. The streets are flooded with camera crews shooting on location. Only the government employs more people.

Agradecimentos a Frederico Duarte pela sugestão.

O impressionante crescimento de África

Published7 Jan 2011

Tags África economia

Africa is now one of the world’s fastest-growing regions

MUCH has been written about the rise of the BRICs and Asia’s impressive economic performance. But an analysis by The Economist finds that over the ten years to 2010, six of the world’s ten fastest-growing economies were in sub-Saharan Africa. On IMF forecasts Africa will grab seven of the top ten places over the next five years (our ranking excludes countries with a population of less than 10m as well as Iraq and Afghanistan, which could both rebound strongly in the years ahead). Over the past decade the simple unweighted average of countries’ growth rates was virtually identical in Africa and Asia. Over the next five years Africa is likely to take the lead. In other words, the average African economy will outpace its Asian counterpart.

Ainda Malangatana

Published7 Jan 2011

Tags África artes visuais malangatana moçambique

Malangatana (n 1936)

Célula 4 Expectativa, 1967

© Laura Castro Caldas & Paulo Cintra

Colecção Culturgest

Moldura do artista moçambicano Chissano

Exposição Réplica e Rebeldia. Artistas de Angola, Brasil Cabo Verde e Moçambique. 2006/ Instituto Camões

As Áfricas de Pancho Guedes

Published17 Dec 2010

Tags África artes visuais pancho guedes

 

É uma exposição notável; pela qualidade do acervo, pela “metodologia” se assim se pode chamar à reunião feita por Pancho Guedes de uma Colecção de Arte feita ao arrepio das correntes estéticas da época, e pelo estudo laborioso feito pelos curadores – Alexandre Pomar e Rui Pereira . O trabalho de investigação subjacente e visível quer na montagem, quer nos textos do catálogo é um trabalho de rara qualidade intelectual. No panorama europeu actual de exposições em torno de artes, de artistas e de África esta é uma exposição Incontornável. Voltaremos a ela….

Festival Internacional de Cinema de Marraquexe

Mesmo aqui ao lado, a pouco mais de uma hora de voo de Lisboa, existe uma indústria cinematográfica que dá sinais de uma vitalidade significativa. A pretexto da realização do Festival Internacional de Marraquexe, é-nos permitido saber um pouco mais sobre como este sector funciona em Marrocos. Neste festival, entre visitas das mais ilustres figuras do cinema actual como Coppola, Scorsese ou Marion Cottillard, o cinema local apresenta-se com um impressionante vigor, com a estreia de 18 longas-metragens. Marrocos é um destino de  grandes produções desde que “Lawrence da Arábia” foi lá filmado, mas mais significativos e dignos de nota são os valores que resultam para a economia local assim como os mecanismos governamentais de financiamento da indústria cinematográfica marroquina. Um relato completo, aqui

Strawberry fields forever

Published15 Dec 2010

Tags África elisa santos strawberry fields forever

(ouvia-a no programa da manhã, na Antena 1, era tema de uma crónica semanal da Clara Pinto Correia. Foi assim que conheci a música dos Beatles. E também foi assim que aprendi um certo desapego, a inquietação desagitada, que pode acompanhar o olhar quando as paisagens são novas e agrestes)

Nos arredores dos arredores existem os futuros territórios ocupados. Escorregam os olhos gulosos para estas margens, para estes embondeiros e para estas verduras e já se ergueram muros, debruados a arame farpado, que limitam possessões e fazem prever gente grande. Estes campos são habitados de vazio, de pedras e lixo, de poeiras acumuladas e das fantasias da ventania que trazem para aqui todos os sacos plástico da periferia. São os primeiros a chegar, azuis e brancos, transparentes, muito finos, alguns pretos também. Vêm não se percebe bem como, mas ocupam áreas imensas, esvoaçam presos ao arame, às rugas do cimento, aos restos de outros lixos e ficam ali, voadores aprisionados, a ocupar imensidões, como se de uma plantação cuidada, de um exploração agrícola, se tratasse.

Estas lavras não produzem mandioca ou banana, não têm carreiros de feijão ou tomate, não estão povoadas de mulheres ou homens portadores de enxada. Estes campos de sacos plásticos são o último silêncio que se encontra antes de chegar à cidade. São a linha de fronteira que nos avisa que estamos a chegar. A chegar aos arredores da capital.

Os arredores da capital são gigantes, esparramados pela paisagem como mancha de gordura que se alastra, vão levando tudo à sua frente, empurrando, com força de enxurrada, a vida e o modo, para o que antes era “mato”.

Os mangais desaparecem, as salinas vão sendo comidas e esventradas, o verde dá lugar a cubículos de chapas, marcadores de presença, garantia de ocupação de espaço. Nascem auto-estradas que desaguam em picadas, caóticas regras de trânsito, mais barracas, musseques, desordenamento absoluto do território, muros vedantes de espaços privados, que não criam lugar para ruas, espaço comuns ou serviços básicos. Além nascem blocos, cópias da construção social dos anos 70 e 80 da Europa, esses serão os novos abrigos dos deslocados de guerra que agora se pretendem sejam deslocados da paz para que se desinfecte a capital. Adivinham-se problemas, mas serão sempre surpresa as soluções que inventarão habitantes e governantes.

Os arredores são a radiografia exposta do coração da capital. As tripas da cidade estão aqui. Nos arredores. O cheiro a esgoto a céu aberto, o lamaçal após uma hora de chuva, os furtos, a falta de luz, o som do gerador, as crianças descalças, as moscas, a fruta e o pão à venda na porta de casa, cães e ratos, mais lama, mais esgoto e aqueles carros azuis e brancos, nervosos, desordeiros e essenciais. Desde os campos de plástico que já não é possível encontrar o silêncio. De som ou de imagem.

“Let me take you down,

'cause I'm going to Strawberry Fields.

Nothing is real

and nothing to get hung about.

Strawberry Fields forever.”

Elisa Santos

 





Patricia C. McKissac

Published14 Dec 2010

Tags África literatura patricia c. mckissac

Acaba de ser traduzido para francês a obra de Patricia C. McKissac. Em inglês "Nzhing: Warrior queen of Matamba". Em francês "Nzhinga, princesse africaine 1595-1596". Trata-se de um suposto diário que esta Rainha africana teria escrito durante um ano, teria ela 12 anos de idade. O diário trata dessa adolescência no contexto do que viria  a ser Angola, no momento da colonização aguerrida dos portugueses e, em particular no contexto da escravatura. Completamente ficccionado este diário tem a qualidade de apontar o que terá sido esta personagem esclarecida, futura rainha, negociadora implacável, que aprendeu a escrever português para "melhor conhecer o pensamento do seu inimigo" e ainda nos permite ter uma noção da complexa e fascinante da estrutura política e social do reino Ngola.

Celéstin Monga

Published13 Dec 2010

Tags África celéstin monga

Celéstin Monga, economista camaronês com uma longa história de luta por melhores políticas no seu país, é entrevistado aqui. Fala de economia, de política, de justiça, e fá-lo a partir de dentro: dentro de África, dentro da Europa, dentro do Banco Mundial. Em período de comemoração dos 50 anos de independência de muitos dos países africanos, "Niilismo e Negritude" uma das últimas obras do camaronês, "parte de uma visão particular do niilismo (“A esperança é a verdadeira matéria-prima e a verdadeira riqueza da África, mas se trata de uma esperança niilista, confinada”, diz ) para rever o legado dos intelectuais que fundaram o movimento Negritude, como o antilhano Aimé Césaire e o senegalês Léopold Sédar Senghor, e propor, em ensaios curtos, reflexões sobre os saberes tradicionais africanos e os dilemas políticos contemporâneos do continente."

Do blog, Ocupações Temporárias

Lettre à Delacroix

Published10 Dec 2010

Tags África delacroix literatura tahar ben jelloun

Em edição de bolso da Folio, acaba de sair mais uma experiência literária do escritor marroquino há muitos anos a viver em Paris. Desta vez trata-se de, a partir dos desenhos em aguarela feitos por Eugène Delacroix em Marrocos em 1832 quando para ali viajou, escrever uma carta ao pintor em jeito de homenagem ao modo como o pintor tão bem retratou o "seu povo" e os ambientes quentes da África do Norte. Lindíssimas são as reproduções a cores de muitas dessas aguarelas, bem como as referências ao Diário de Viagem que Delacroix também realizou.

A ver em Paris

Um museu que investe muito seriamente na apresentação de arte africana tradicional e erudita. É o Museu Dapper que apresenta até 10 de Julho de 2011 a EXPOSIÇÃO Angola Figures de Pouvoir. Um exposição composta por uma primeira parte dedicada à obra do artista plástico António Olé e uma segunda parte que reune peças extraordinárias provenientes de várias colecções públicas e privadas de escultura, estatuária, máscaras, tecidos e utensílios de rito de Angola, ou mais precisamente, do antigo reino do Congo. A ver, aqui, ou lá.

 

(CHOKWE) Angola, figures de pouvoir

E uma exposição de fotografia de artistas sul-americanos com obras desde os anos 30 do século passado à actualidade: Fragments Latino-Américains. São dezasseis fotógrafos de nove países e é uma exposição a ver para conhecer a excelência desta tradição fotográfica. Na Casa da América Latina em Paris.

 Roberto Humacaya

Crónicas da Minha Tia de África

Published7 Dec 2010

Tags África elisa santos literatura

 

de Elisa Santos

É assim uma combinação de cartas de longe a um sobrinho com pequenas narrativas fílmicas sobre lugares, personagens, situações, paisagens e ainda um conjunto de aporias disfarçadas de conselhos de tia. E tudo isto vem de África para o Continente, mais exactamente para o Porto como é identificado pelas ruas e lugares desta cidade referenciadas ao longo dos textos. O livro nada tem de textos inocentes - se os há?!- sobre a vida em  lugares da áfrica sub-sariana, pelo contrário são textos de enorme investimento da autora sobre a vida das populações, a mutação das cidades, a política dos governantes e o seu reflexo no quotidiano. Digamos que nestas curtas histórias há uma manifesta intenção de partilha de saberes sobre lugares de que supostamente o Nuno - assim se chama o sobrinho- desconhece mas que lhe são interessados como experiência de crescimento no mundo.

Há momentos particularmente encantatórios feitos a partir de uma realidade, ela própria em mutação e em crescimento, seja na aprendizagem da língua, seja na ocupação do espaço urbano. Por exemplo uma mensagem do Sebastião às 6h 18m : " DIA BOSS O GIRADOR ESTA VARIADA ASSIM PEDIMOS COM AMASSIMA URGENCIA".

Um outro aspecto, uma qualidade literária, sim, é a delicadeza com que todas as personagens são tratadas: na descrição dos membros de uma família muçulmana, na nomeação dos frutos e dos alimentos, na descrição das paisagens - tanta imensidão e tanta delicadeza. E as metáforas, poucas, quando aparecem, também elas são respeitosas: " A Beira é uma cidade feminina. Uma espécie de tia idosa, que usa bâton e pó-de-arroz, que mantém a elegância mas não esconde as ruas." Crescer a aprender África desta maneira é um privilégio de leitor.

O livro tem ainda a participação cuidada e inventiva do designer João Oliveira, do artista plástico Pinto e do fotógrafo Mauro Pinto.

Mbate Pedro

Published19 Oct 2010

Tags África mbate pedro moçambique poesia

e uma corvina

vomita o mar

no prato do pescador

e um afogado

espeta os pulmões

na garganta do marinheiro

fomos ao mar

pescar corvinas

e trazemos entre dedos

a água

cheia de rios

(Poema retirado de Minarete de Medos e Outros Poemas, Indico, 2009)

Mbate Pedro, nasceu na Cidade de Maputo, capital de Moçambique. Desde muito cedo interessou-se pela literatura, tendo, no entanto, iniciado o seu percurso na década de 90. Participou em vários movimentos literários surgidos na cidade de Maputo. É membro da Associação dos Escritores Moçambicanos e da União Mundial dos Escritores Médicos. Colabora na revista brasileira de literaturas africanas Sarará. Publicou "O Mel Amargo" (2006) e "Minarete de Medos e Outros Poemas" (2009). É licenciado em Medicina pela Universidade Eduardo Mondlane.

TEMPO DE OUVIR O ‘OUTRO’ ENQUANTO O “OUTRO” AINDA EXISTE, ANTES QUE HAJA SÓ O OUTRO...

Published13 Aug 2010

Tags África angola literatura ruy duarte de carvalho

(Conferência proferida por RUY DUARTE DE CARVALHO a 27 de Outubro de 2008 no âmbito da Conferência 'Podemos viver sem o Outro?'/Programa Gulbenkian Distância e Proximidade. Este texto está publicado no  livro com o mesmo título pela Tinta da China/Fundação Calouste Gulbenkian)

Ruy Duarte de Carvalho

........fazendo eu parte, cívica, emotiva e intelectualmente, da categoria geral do OUTRO em relação à Europa, também por outro lado a questão do OUTRO, e dadas as condições fenotípicas e de origem que me assistem, tem feito sempre parte da minha experiência existencial e pessoal dentro do próprio contexto, africano e angolano, em que venho exercendo a vida e ofício......  isso me tem levado, para poder ver se consigo entender o mundo e entender-me nele e com ele, a identificar e a reconhecer uma multiplicidade de OUTROS........ no presente caso retive apenas três categorias de OUTRO, que são as que me parecem capazes de permitir-me  tentar expor o que poderei ter para dizer aqui..........

.....considerarei aqui como OUTRO, sublinhado ou em itálico, os indivíduos e os grupos, muitos deles já nascidos ou constituídos no territórios das ex-metrópoles a partir de genitores ex-colonizados ou provenientes de ex-colónias e que hoje integram, de pleno direito estatutário, as populações nacionais dessas mesmas ex-metrópoles embora reconhecidos como diferentes da massa dominante através de traços fenotípicos ou culturais......... como ‘OUTRO’, entre apóstrofos, o ex-colonizado ocidentalizado com que o ocidente lida nos contextos das ex-colónias........ e finalmente como “OUTRO”, entre aspas, aquele sujeito marcado por traços afetos a populações que, integradas embora como nacionais em estados-nação que hoje existem a partir de contornos ex-coloniais, mantêm usos, práticas e comportamentos mais afins a quadros pré-coloniais do que pós-coloniais ou mais ou menos ocidentalizados........ quer dizer, subsiste  aí, em muitos casos, um “outro” não, ou ainda não completamente, ocidentalizado ....... . o qual, no decurso de um presente que é também o nosso, continua a ser objeto, evidentemente, de uma pressão ocidentalizante que acaba por ser a marca dominante do seu comum dia-a-dia de pessoas que à luz dos proclamados direitos do homem valem tanto como quaisquer outras pessoas no mundo..........

......só que a sua situação e a sua condição se revelam tão diferenciadas nos contextos nacionais em que subsistem que, da mesma maneira que aqui na Europa, onde estou agora a falar, as ex-metrópoles parece não saberem muito bem às vezes o que fazer com o outro, em itálico, que vem ao mundo em território seu, também o ‘outro’, entre apóstrofos, que gere os territórios das ex-colónias, parece também por seu lado ter dificuldade em saber o que fazer com esse “outro”, plenamente entre  aspas.........

..........este será, em meu entender, um dos problemas, um dos impasses colocados ao mundo de hoje pelo processo histórico que veio a configurá-lo e continua a dinamizá-lo tal como ele hoje existe, e é evidente que estou a falar da expansão ocidental como ela se tem desenvolvido e mantém em curso.................

*

.........outros problemas porém, muitos dos quais, de novo em meu entender, acabam por constituir-se ou configurar-se como impasses, assistem ao mundo de hoje na decorrência, precisamente, e insisto, da expansão ocidental e do lugar que a matriz ocidental de civilização acabou por impor ao mundo inteiro.......... de um modo tal, aliás, que as evidências de uma situação assim não deixam de suceder-se e impor-se cada vez com mais premência, como está acontecendo exatamente neste preciso momento com a crise financeira que o mundo está enfrentando.......... parece que o mundo ocidental, e ocidentalizado, não pode decididamente ignorar mais a necessidade urgente de fazer alguma de inédito por si mesmo.......... do que nestas últimas semanas tenho insistentemente ouvido a tal respeito, retenho apenas que todos as instituições e os governos ocidentais chamados a pronunciar-se sobre a crise em presença se viram perante a necessidade de afirmar que as suas atuais preocupações dominantes com a finança não devem nem podem ofuscar, nem preterir, nem retardar a preocupação vital e global com a saúde, a preservação e salvação ambiental do planeta.......... e mais ainda que os developping countries, que não são exatamente aqueles que mais imediatamente são convocados para encarar a crise do mundo geral, ocidental e ocidentalizado, exigem ser ouvidos quanto antes........

............e é aqui que me ocorre formular a seguinte pergunta: sendo que o mundo global reconhece ter de fazer imperativamente alguma coisa por si mesmo em relação à sorte global do globo, sendo que as vozes emergentes terão obrigatoriamente de ser ouvidas, não seria talvez então também já agora altura de atender ao que toda a espécie de vozes que o mundo ainda comporta poderá ter eventualmente a dizer no interesse talvez de todos? ............. mesmo as vozes daquele “outro” que eu aqui identifico envolvido entre cerradas aspas?......... que podemos viver sem ele, recorrendo ao mote deste encontro, talvez possamos, até porque ele vai inexoravelmente desaparecer, mas não seria pertinente, para o debate e para a sorte do mundo, tentar ou ensaiar ouvi-lo ainda, enquanto existe?.........

*

.............estou a sair da Namíbia, onde de há cinco meses a esta parte tenho usufruído do luxo de poder dedicar-me exclusivamente a um livro que estou escrevendo........... é um livro de meia-ficção, na sequência de outros em que tenho tentado essa modalidade, e cuja ação se desenvolve em grande parte no Sudoeste de Angola e no Noroeste da Namíbia, onde subsistem precisamente populações que eu posso identificar com o tal OUTRO absoluto que tenho vindo a referir..... quando recebi lá o convite para participar neste encontro, acedi sem grande hesitação porque em meu entender me via colocado uma vez mais numa situação em que a realidade vem ao encontro da ficção e poderia de alguma forma integrar o estar agora aqui no programa que me tinha anteriormente imposto e via assim interrompido..........  na trama do enredo que tenho vindo tratando nesse livro em curso, dois dos seus personagens concebem a certa altura poder ter para propor ao mundo, a partir das cosmologias e das cosmogonias locais, australo-africanas, para o caso, a figura de um herói tutelar perfeitamente adequado às preocupações, às aflições e às urgências que parecem impor ao mundo em que vivemos uma resposta pronta, eficaz, adequada e no entanto bem difícil de conjeturar ou conceber porque essas preocupações, aflições e urgências decorrem afinal de pressupostos e de dinâmicas que o mundo moderno, ao mesmo tempo, parece pouco disposto a pôr em causa.............

.........o herói em questão dá pelo nome de Nambalisita, e é figura de grande estatura no imaginário e na expressões das populações da região a que me referi e que também costumo identificar como mancha clânica pastoril do Sudoeste da África, constituída sobretudo por populações herero, ovambo e nyaneka........ Nambalisita, com quem eu lido de muito perto desde que há mais de um quarto de século rodei um filme chamado Nelisita, é aquele que se gerou a si mesmo...... ele nasce de um ovo auto-fecundado.......  e contra o mal e os maus e os desconcertos do mundo, Nambalisita faz apelo aos animais todos da criação, seus irmãos, os seu s rapazes, e até mesmo à criação inteira.........

..........só que, sabem os personagens do meu livro muito bem, não será fácil propor um herói desses ao mundo ocidental e ocidentalizado, que detém as rédeas do mundo e dos seus destinos.... Nambalisita emerge de uma matriz  cosmogónica e cosmológica que não é a que conferiu ao ocidente o poder para vir a ocupar o lugar que hoje ocupa no mundo globalizado...........  enquanto para nós aqui, nesta borda da África, refere um desses personagens,  para a nossa maneira de ver as coisas a tudo quanto é vivo assiste uma alma igual que afinal cada ser vivo, seja ele pessoa, hiena ou lagartixa, exprime, vivendo, conforme o corpo de que dispõe, para os brancos e para aqueles que os brancos converteram, domesticaram à maneira deles, é tão só o corpo que identifica o homem enquanto animal, porque o que o que constitui como homem é ter uma alma de que o resto da criação não dispõe........ é essa a expressão da razão, da arrogância e da soberba invasora......... ela coloca o homem fora da condição biológica como se ele estivesse a salvo de tal baixeza e partilhasse com deus, só ele e não o resto da criação toda, da condição divina........... o homem no centro do universo e a servir de medida a tudo, até a deus....... antropoformização de tudo, mesmo de deus........ o divino configurado como um deus branco de barbas brancas.............. tudo domesticado segundo um modelo que previa até o selvagem que nós seríamos aqui, um meio-humano que só tem acesso ao patamar da humanidade, só é verdadeiramente humano, quando aferido em relação não à medida do resto da criação no mundo, mas à da maneira de certos  homens que têm uma versão do mundo e da vida que impõem aos outros, e armas, meios e dispositivos para tirar benefício disso....... o universo feito para uso deles e, em nome de deus e da civilização, autorizados a converter entretanto o mundo todo, divino, humano, animado e inanimado, às suas maneiras, à sua maneira........... uma maneira, a do paradigma que cobriu a expansão ocidental, portanto, que não pecava afinal por sobreestimar as pessoas......... não as colocava mas é tão alto quanto lhes cabe........ porque, mesmo depois de ter chegado o tempo das descolonizações e da entrega das soberanias locais aos ocidentalizados que provinham das populações indígenas anteriormente encontradas, o que de facto aconteceu foi legar-lhes, sem nação ou arranjo pluri-nacional, uma herança envenenada de estados modernos definidos por fronteiras políticas coloniais historicamente recentes e alheias aos diferentes e muitas vezes distintos grupos ou sociedades envolvidos ou retalhados........... e exigiu-se-lhes de pronto o desempenho de estados-nação num mundo universal onde as regionalides dominantes em vias de consumação no quadro político das globalidades operam, ao mesmo tempo, no sentido de se desembaraçarem dessa figura política de estado-nação, como está acontecendo por exemplo com a Comunidade Europeia..........

........só uma grande volta paradigmática, portanto, acrescenta então outro personagem plenamente ao corrente das terminologias ocidentais............ paradigmática e verdadeiramente pragmática....... mas que não contemplasse esses pragmatismos oportunistas e cínicos em que a categoria do necessário e do vantajoso substituiu completamente a do possível e consistem em não conseguir encarar nada sem fazer logo as contas do beneficio parcial que a  situação inspira e não olhar para o mundo senão em função disso........

.......da mesma maneira que seria necessário ter em conta que a uma tal volta paradigmática não bastaria admitir que o “OUTRO” pudesse ser capaz de ver os fenómenos e o mundo e avaliá-los e equacioná-los e aproveitar-se deles segundo as suas razões e os seus interesses, como faz o ocidental.... isso não é volta paradigmática nenhuma, é uma questão de bom senso.........            volta paradigmática será admitir, e reconhecer, que alguém, mesmo sendo o “OUTRO”, pensando de uma maneira radicalmente diferente, possa conseguir ver certas coisas e certos fenómenos de uma maneira melhor e mais adequada à efetiva configuração do mundo, e que os ocidentais e os ocidentalizados,  nesse caso,  é que teriam a aprender com o “OUTRO”, e que isso acabaria por convir a todos........... uma volta, assim, que permitisse, perante os impasses que a expansão e a imposição do paradigma ocidental produz no mundo inteiro – inclusive nessas partes do mundo de onde ele saiu porque estão agora a contas com o troco, que são os filhos dos ex-colonizados, que estão a nascer lá –, permitisse ao próprio saber ocidental achar ser tempo de prestar uma atenção diferente aos chamados discursos arcaicos, dar-se a uma contra-descoberta, por assim dizer, daqueles que antes foram descobertos pelas caravelas......... o que talvez, na linguagem dos especialistas, pudesse ser formulado dizendo que seria tempo de ouvir o ‘outro’ enquanto o “outro” ainda existe, antes que haja só o outro, o tal imprevisível mestiço universal que o tempo se encarregará de produzir.........

..........é isto que os meus personagens dizem no livro que estou a escrever e interrompi para poder estar agora aqui......... esse livro virá a estar à disposição de todos dentro de algum tempo, e só vou deter-me agora aqui num dos aspectos que enunciei: ouvir ainda esse “OUTRO” enquanto ele ainda existe....... ainda existe mesmo?...........

*

....existe ainda sim, em certas partes do mundo como aquela de onde estou a sair e me mobiliza de há décadas a esta parte a atenção total......... e se me empenho agora aqui em fazer campanha para que esse “outro” seja ainda tido em conta e ouvido não é tanto porque entenda que devemos ir todos escutar atentamente o que os mais-velhos de lá poderão ter ainda para dizer e para nos ensinar........ a minha experiência de antropólogo leva-me a encarar com a maior prudência o que os mais velhos de hoje poderão vir a dizer aos que os abordam para interrogá-los......... dizem exatamente aquilo que muito pragmaticamente entendem que lhes convém que os outros ouçam, como acontece seja com quem for em qualquer parte do mundo......... será antes imperativo, em meu entender, ter essas populações em conta porque elas ainda hoje, neste preciso momento, continuam a ser alvo de uma violentação, de uma lesão, que lhes é imposta pela expansão ocidental ainda em curso e acionada tanto por ocidentais estrangeiros como por ocidentalizados compatriotas seus.......

....não estou aqui mandatado por ninguém para falar em nome seja de quem for....... falo por mim.......... não defendo nenhuma causa, assumo uma questão que diz respeito à minha própria razão de existir......... mas não posso deixar de referir, quando sou chamado a pronunciar-me acerca de questões que se reportam ao lugar do OUTRO, de que forma me aflige, para não dizer de outra maneira, ver populações que eram assediadas antes por agentes da ocidentalização impondo-lhes assumir os sinais e as maneiras do modelo ocidental e do progresso tecnológico e que são assediadas hoje pelos mesmos agentes ou equivalentes que agora pretendem impor-lhes a preservação dos sinais e as maneiras dos seus modelos arcaicos e não-ocidentais porque isso passou a insinuar-se como o mais rentável tanto para uns como para os outros desde que se deixem integrar em menus de programas turísticos e se deixem representar como expressões de um exótico ecológico e redentor ao lado de outras atrações bizarras como manadas de zebras, de elefantes e de gazelas.............

....não me perguntem que soluções proponho para problemas desta ordem........ não sou nem político, nem profeta, nem militante seja do que for......... mas terão certamente o direito de pe rguntar-me aonde quero chegar se não tenho propostas para salvar o “OUTRO” e todavia ainda assim convido a que esse outro seja tido em consideração e ouvido embora também não proponha que vão lá ouvir o que os mais-velhos poderão ter para ensinar.......... que tipo de ação ou de atitude me leva ainda assim a pretender reter-vos a atenção?........

*

......o que eu proponho é bem simples e ao alcance de interessados e de profissionais susceptíveis de ser congregados à volta de questões desta natureza............. não é ter um caminho a propor....... é antes ter algumas idéias para uma eventual hipótese de poder vir a ajudar a encontrar maneira de achar um caminho....... admitir uma possível perturbação, reconfiguração ou mesmo substituição prospectiva, pragmática e programática do paradigma cosmogónico, cognitivo, institucional e político ocidental / global / universal, recorrendo a outros quadros paradigmáticos...... não se trataria de introduzir qualquer espécie de remedeio, de compensação ou de arranjo nos terrenos do paradigma humanista, mas antes de tentar configurar, ou  reconfigurar, um novo paradigma.............. no âmbito desta proposta a hipótese apenas seria encarada a partir e através da identificação, da convocação e da possível integração de dados provenientes de outros quadros de concepção, cognição, representação e ação afins a géneses  africanas e outras...... não se trataria seguramente de tentar suster a mudança mas de convocar outros saberes, outras visões, outras maneiras, outras hipóteses de mudança para além da que é imposta pelo programa ocidental........ nem se trataria de visar a substituição de um paradigma por outro ou de propor um melhor que o outro......... mas alvitrar apenas alguma ação que soubesse extrair do que se sabe, e de todos os meios e expressões, alguma maneira melhor de lidar com toda a ordem de impasses sem estar a criar sempre novos impasses civilizacionais, acrescentando novos impasses a toda a ordem deles.........

........voltando à proposta, pois: não será eventualmente possível encarar a hipótese de poder extrair de outros quadros paradigmáticos que não o do humanismo ocidental algo que venha ao encontro do próprio interesse global irreversivelmente marcado e conduzido pelo modelo que o ocidente impôs ao mundo inteiro e continua em expansão?............

................mas então se o meu programa não passa por ir muito voluntariosa, folclórica e militantemente ouvir o que os mais-velhos poderão ter para ensinar, passará por quê então?...... poderá talvez passar muito ortodoxa e academicamente, e será esse o meu sucinto e singelo e discreto programa, por ir ver o que a própria expansão ocidental terá produzido como registo sobre o “outro”.......... uma releitura, uma revisita, portanto, daquilo que existe escrito......... mas não uma releitura crítica clássica............ procurando antes tentar descortinar e extrair o que poderá estar por detrás dos documentos etnográficos que foram utilizados, se existirem, ou dos textos produzidos sem que os seus autores tivessem em conta a hipótese de poder existir qualquer outro paradigma susceptível de merecer alguma consideração....... uma releitura, portanto, que ensaiasse agora outra perspectiva, uma perspectiva, precisamente, que tivesse em conta outras maneiras de o homem ver a sua relação com o resto da criação, que conferisse, assim, uma importância e uma pertinência diferentes a paradigmas outros que não o paradigma humanista ocidental que se impôs, dominou, e impera a partir daí em exclusividade........... que tivesse até em conta que esta seria, talvez, uma oportunidade inovadora garantida aos intelectuais ocidentalizados, outros e ‘outros’, saídos tanto do campo do ‘outro’ como do do outro,e chamados sempre, sem alternativa, a situar a sua afirmação e o seu desempenho nos terrenos e nas arenas do exercício dos saberes e dos poderes de matriz ocidental......... poderiam assim talvez  finalmente intervir de uma maneira que lhes evitasse ceder ao folclore de fantasias autenticistas ou renascentistas e a coloboracionismos étnico-turísticos e nos abrisse enfim uma via para reivindicar para nós mesmos, também, o direito à exigência........... há muito tempo que me atrevo a dizer que a intelectualidade científica dominante só nos respeitará mesmo quando se vir obrigada a incorporar  na ciência global alguma coisa que saia de uma matriz  inequivocamente nossa............

*

.....o programa que eu então me atreveria a sugerir aqui, sem saber muito bem a quem propô-lo, seria o de encarar uma ação que partisse de imediato para uma releitura geral de tudo quanto está registado sobre o saber do Outro, sobre saberes Outros, à luz da hipótese de poder admitir a existência e a eventual pertinência de paradigmas outros para aferir a relação das pessoas com o resto da criação, sem deixar também, logo à partida, de ter igualmente em conta todas as ofensivas anti-humanistas que o próprio paradigma humanista terá gerado ao longo da sua própria história e o que estará, está de facto, entretanto neste momento a ser feito em relação ao mesmo objetivo ainda que formulado de outra maneira.........

........um programa, portanto, que viesse  ao encontro das preocupações, dos problemas, dos impasses do mundo atual mas que visasse muito para além das démarches salvacionistas e socorristas das militâncias que vemos em curso e afinal não conseguem pôr sistema nenhum, por mais lesivo que ele se tenha já revelado, em causa....... que visasse antes uma volta tão absoluta na maneira de olhar para o mundo que ela viesse a constituir um salto quântico, uma mutação, um clinamen capaz de inspirar um quadro de  relações do homem com o resto da criação e com o mundo em geral muito diferentes daquelas que o programa humanista desenhou para o futuro do mundo, a ponto de lhe estar agora a perturbar o presente de uma maneira que assusta a todos........... que reapontasse a práticas diferentes que até talvez acabassem por convir a todos, mesmo àqueles que só querem é tirar proveito do domínio de tudo............. um programa, enfim, que quanto mais não fosse criasse a possibilidade de autorizar que alguém pudesse ensaiar,  experimentar, tentar, ver o que poderá talvez esclarecer-se dentro do que é imediatamente possível averiguar sem fazer muito barulho nem gastar muito dinheiro............... permitisse tão-só talvez, sei lá, colocar alguns estudiosos a rever ao menos tudo o que está fixado, recolhido, escrito sobre as culturas outras...... novas leituras que permitissem novas extrações a partir dos mesmos materiais......... não haverá nada desprezado antes mas a extrair agora do paradigma animista, por exemplo, conforme as novas visões, as novas questões e os novos interesses que se impõem neste momento ao mundo?......... talvez assim os personagens do livro que ando escrevendo encontrassem então terreno propício para propor o seu herói tutelar, esse Nambalisita herói ecológico e da alma comum que é homem e herói fora da condição humanista e de uma genealogia divina que até agora só foi dizendo respeito aos homens de certas cores e de certa cultura e lhes foi conferindo autoridade e legitimidade para irem controlando e regulando tudo, a criação inteira, incluindo os homens de outras cores.......

....e talvez eu viesse então finalmente a encontrar fundamentos para formular em definitivo aquilo que ando a visar e a prometer há muito: um manifesto neo-animista proposto ao mundo inteiro como uma das vias da tal volta paradigmática e pragmática capaz de conferir lugar e sentido a todas as existências, divinas, biológicas e minerais até.........

Algo está a mudar em Nairobi

Published22 Mar 2010

Tags África artes visuais nairobi quénia

Something is happening in Nairobi-something has been roused. There are whispers of audio installations and sightings of video art; conversation on contemporary art is reaching crescendo, and the vocabulary can match that from any scene in the globe. The past decade and a half has seen a painstaking, determined paradigm shift in visual arts in Nairobi, Eastern Africa’s largest city. A crop of young, prolific contemporary artists, like Peterson Kamwathi and Ato Malinda are adamantly soldiering on, where behemoths like Katarikawe and Wadu stumbled. Often, they can be found at the loft of the Nairobi Arts Trust, engaging on topics about the global art scene and one can quickly sense how small the world has become- they are in constant touch with the cultural metro-politic across Africa and abroad.

Continuar a ler, aqui

2010 Commonwealth Writers Prize – Africa Region Awards

Published16 Mar 2010

Tags África literatura

As autoras Marié Heese e Adaobi Tricia Nwaubani são as vencedoras do 2010 Commonwealth Writers Prize – Africa Region Awards, com as obras The Double Crown e I do not comne to you by chance, respectivamente. A notícia completa aqui

Sobre I Do Not Come To You By Chance:
“I do not come to you by chance. Upon my quest for a trusted and reliable foreign businessman or company, I was given your contact by the Nigerian Chamber of Commerce and Industry ….” There are few e-mail users around the world who have not received a ‘419’ letter promising them a large share of an equally obscene amount of money. We have all wondered about the people behind these scams. Adaobi Tricia Nwaubani’s novel provides some of the answers. Taking its title from the opening line of an e-mail scam letter, I Do Not Come to You by Chance provides a behind-the-scenes look at the 419 phenomenon, which takes its name from the section of the Nigerian Criminal Code which deals with advance-fee fraud.
Agradecimentos a Elisa Santos, pelo alerta.

Accra and its artists

Published8 Mar 2010

Tags accra África atta kwami gana

The late Ghanaian photographer, J.K. Bruce Vanderpuije set up his Deo Gratias Studio in 1922 and made good portraits of the nobility of Accra. He recorded its pristine beaches and important colonial edifices such as the Post Office, High Court buildings, social gatherings and so forth. From the 1950s and decade of Ghana’s independence from British colonial rule, Accra has had it’s ups and downs. A thriving cosmopolitan centre, it boasted of Indian and Ghanaian companies such as Bhojsons & Co (Gold Coast) Ltd., with branches in Onitsha, Lagos, Jos, Kano Port Harcourt, Ibadan and Warri – and beyond - Manchester, Madras, Osaka and in Hong Kong. Or, take Tarzan Transport (Ghana & Nigeria) that offered annual services to Mecca, stopping at Sudan (El Obeid). With the supermarket ‘Lilarams’, ‘all your shopping problems can be solved.’ A local décor firm, Kumi (1952) Ltd., dealt in tableware and furnishings.

The Savoy at Osu, Caprice at Alajo, were hotels from the 1950’s, decorated by Yemo Kwei Anang with portraits of Ga King Nii Tackie Komey II and celebrities like Louis Armstrong. In 1957, Kofi Antubam and his students from Achimota School painted murals on nationalism at the Ambassador Hotel near the Ridge. Today, private art galleries are conspicuous landmarks in Accra. Around Asylum Down is the ‘Step-in-Gallery’ owned by artist, Nicolas Kowalski. Ablade Glover’s Artists Alliance Gallery is a magnificent location by the ocean front in Labadi, coupled with the Foundation for Contemporary Art (Ghana) and Nubuke Foundation (located in East Legon) are beginning to turn the city into an art capital. This dream is taking shape through the recent Accra Art Auction, ‘Accra-Can’ art initiatives and the well established ‘Environmental Film Festival of Accra. Nevertheless, this may not be realised on the same scale as Kumasi, Ghana’s second city, which is a cultural city with over a hundred Art & Sign street painting studios. In Accra and Kumasi, city authorities have repeatedly cleared them away. Surprising aspects of the city, near the Kwame Nkrumah Circle, are the installations of shoes, bags, and so on, found on pavements. (See photo).

For many people in positions of power, their concept of modernity is a Western one rather than recognising and understanding, and utilising the local bottom-up dynamics of the city. This is a resource of modernity. The kiosks that crowded the sidewalks gave the city character, its African personality and were removed by the Accra Metropolitan Assembly when they ‘cleaned-up’ overnight forcing many painters to relocate.
The street arrangements actually embody the city’s natural architecture so the way people put kiosks together is part of their language; it becomes clear that they are being forced to become something else. This is a resource of modernity. The landscape is as much a part of the heritage of Ghanaians that ought to be preserved for future generations instead of being desecrated by plastic bags, filth and squalor. Artist, Enoch Tei Huagie’s efforts to recycle the ‘pure water’ plastics into fashion (bags and clothes) is indeed laudable.
Text & photos by Atta Kwami, March 4, 2010, Washington, D.C.

Kumasi

Published4 Mar 2010

Tags África gana kumasi jorge rocha

“Akwaaba!” (bem-vindo) e um gentil abraço de um povo dócil ergue-se com hospitalidade.

Bantama road... Por entre árvores e trânsito frenético, vou descobrindo um centro com uma arquitectura semi-desfigurada, cujas ruas estão cravadas de comércio. Tudo se vende, tudo se compra, tudo se faz.
Já no famoso mercado central que ocupa o coração da cidade, ressaltam-me os cheiros, os sons e as encruzilhadas de multidões que marcam um ritmo próprio, impossível de descrever. Sinto-me em ebulição no epicentro de uma cidade com cerca de 1 milhão de habitantes, num país maioritariamente cristão, mas com uma forte presença muçulmana a juntar-se a outras religiões nativas.
É imprescindível parar num chop bar para saborear a comida nacional. Peço um fufu com Palmnut soup e desfruto de um deleite com outras tantas iguarias. Sou conquistado por uma cidade de sabores, onde centenas de ingredientes locais são conjugados e apensados em receitas que se comem com as mãos.
Kumasi rodeia-se de populações que fabricam tecidos e, ainda, de outras que neles carimbam padrões com os símbolos ancestrais da cultura Adinkra.
No coração do Ghana, esta é a Cidade Nacional da Cultura e coloca-se numa posição que cultiva, com marketing, as raízes culturais do reino Ashanti. O rei, por sua vez, aparece nos outdoors da cidade, anunciando a presença que os seus cidadãos reclamam.
Esqueço tudo, envolvo-me numa vegetação exuberante e deambulo numa Kumasi que se clama Cidade Jardim.
Jorge Rocha

Antananarivo

Published2 Mar 2010

Tags África antananarivo madagáscar

Que escrever quando se visita uma cidade pela primeira vez? As impressões iniciais tornam-se dúbias com o passar do tempo. É preciso regressar e confirmar o que se viu e sentiu. Antananarivo, ou simplesmente Tana, capital de Madagáscar, tem essa característica.

Casas feitas de barro e enormes varandas em madeira com telhados em telha, construidas nos montes que circundam a parte baixa, velhos 2CV em serviço de táxi fumegando pelas ruas estreitas abarrotadas de gente constroem a cidade onde a mendicidade predomina, de forma quase cultural, semelhante à Índia, com famílias inteiras habitando nas ruas, debaixo das arcadas que fazem da Avenida da Independência o seu um lugar de eleição. Aproximadamente quatro milhões de pessoas habitam Antananarivo, quase 1 milhão no centro da capital.
Tana tem ainda mais, tem uma mestiçagem Indonésia, Índia, Francesa, Chinesa e Africana que tem paralelo apenas na sua diversificada fauna e flora, tem avenidas repletas de frondosos jacarandás que na Primavera exalam um agradável perfume.
A área que hoje é conhecida por Antananarivo, era originalmente conhecida por Analamanga (floresta azul), ocupada pelo rei Andrianjaka por volta de 1610, tendo aqui construído o seu Rova (Palácio), no monte mais alto da cidade, fundando assim a dinastia Merina.

Os Franceses deram ao centro da vila a sua presente forma, construindo duas longas escadas que vão da cidade baixa (Basse-ville), centro da cidade e zona comercial que parte da estação de comboio (de arquitectura colonial e com uma excelente atmosfera para after hours) em direcção ao Hotel Le Glacier. Aqui encontramos o principal mercado, Analakely, e daqui seguimos para a calma zona residencial da cidade alta (Haute-ville), onde estradas estreitas nos encaminham ao cimo do monte, passando por várias igrejas (católicas e protestantes), rumo ao Rova. Descendo a outra encosta do monte chegamos ao Lac Anosy (Lago Anosy).
Rajoalina, presidente Malgaxe, anterior Mayor e Dj de Tana, assumiu o poder num golpe de estado que teve forte apoio da população urbana e dos militares, mas levando a que o pais sofre varias sanções económicas em 2009 e já este ano. Estas medidas deixaram já milhares de malagaxes sem emprego, pelo fecho das fábricas de vestuário e outras multinacionais que se haviam estabelecido na cidade, fruto da politica de zona franca adoptada pelo anterior governo.
Atravessando uma enorme crise política, sem reconhecimento da comunidade internacional, contando apenas com o apoio da França, a anarquia reina na cidade.
A moeda malgaxe (Ariary) sofreu uma enorme depreciação face ao dólar americano (US$1 = Ar2,000), empobrecendo ainda mais a população.
Ponto de entrada e saída para os turistas que visitam o país, Tana oferece diverso tipo de acomodação, dependendo do bolso do viajante. Ao cair da noite, as suas ruelas ficam repletas de meninas que fazem daquele destino um dos pontos predilectos de velhos senhores, que em busca de prazeres perdidos descem ao sul do globo, tornando-se numa considerável fonte de rendimento de muitas famílias.
Tana interfere, perturba. Deixa-nos espantados. De olhos arregalados, como o Maki, inevitável símbolo da Ilha e da cidade.
  
Inusso Jamal
Psicólogo educacional
Fotografias de Inusso Jamal

Os Estados das artes visuais fora dos centros (parte II)

(...) No âmbito deste trabalho inventariam-se oito casos de estudo de situações emergentes e tradicionalmente tidas como periféricas: Brasil, Chile, China e Hong Kong, Grécia, Turquia, África do Sul e Moçambique, sendo que não há um modelo que lhes seja comum e muito menos um estado das artes semelhante. (...).
A ler, na ArteCapital.
Para ler a primeira parte deste trabalho, seguir a ligação, neste blog, do lado direito.

Malick Sidibé

Published27 Feb 2010

Tags África bamako mali malick sidibé


Uma entrevista no Guardian com o lendário fotógrafo de Bamako, Malick Sidibé, por ocasião da sua exposição em Londres nos Lichfields Studios, e uma selecção de fotografias suas, no mesmo jornal, aqui.
Ainda duas referências a Sidibé, neste blog, em Novembro passado, aqui e aqui.

Os estados das artes visuais fora dos centros (parte 1)

O convite da Artecapital era obviamente muito estimulante, mas absolutamente irrealizável, dado o tempo e os recursos humanos que seriam necessários para realizar uma investigação apropriada e exaustiva sobre o tema proposto. Ficam aqui apenas algumas premissas de um possível trabalho para uma equipa de investigadores, e algumas notas relativas a um conjunto específico de países, de algum modo representativo da situação da produção e difusão das artes visuais contemporâneas fora dos circuitos e dos países até há pouco tempo tidos como primeiros e históricos produtores. 
Há que, desde logo, partir da diferenciação das condições de produção, da expectativa de valorização nos mercados e dos valores financeiros que separam as artes visuais das artes performativas, ocupando estas últimas, em termos de transacção comercial, uma importância bastante residual, mesmo considerando a Ópera e as suas mega-produções. Relativamente às artes visuais, há ainda que diferenciar a criação não contemporânea cujos objectos constituem maioritariamente um valor simbólico − nada desprezível, bem pelo contrário −, sendo as suas transacções mais raras e sempre espectaculares pelos montantes obtidos. Existe ainda uma terceira diferença, que diz essencialmente respeito aos valores quantitativos e qualitativos das peças, caso se esteja a falar do circuito de Nova Iorque, Los Angeles, Londres, Munique, Paris e Zurique/Basel, ou dos circuitos mais emergentes como o de São Paulo, Xangai, Dubai, México. Estes últimos, embora sendo já mercados em forte ascensão, são difusos nas formas de implantação, acantamento de clientes − pequenos e grandes coleccionadores − nas trajectórias das obras e na sua valorização. Também os motivos de exposição, como os de aquisição de obras, são sociologicamente ainda pouco estudados. Finalmente, aspectos relevantes como a existência ou não de mercados locais cruzando-se com o circuito internacional, o estímulo por parte das organizações governamentais, onde se incluem os museus, os mecanismos de apoio à produção e à difusão dos criadores, as formas de acolhimento de artistas estrangeiros e, finalmente, os mecanismos de criação e de visibilidade, como bolsas de artes e residências artísticas, fazem a diferença entre aquelas cidades ou países que na actualidade mais expectativas podem gerar.
No âmbito deste trabalho inventariam-se oito casos de estudo de situações emergentes e tradicionalmente tidas como periféricas: Brasil, Chile, China e Hong Kong, Grécia, Turquia, África do Sul e Moçambique, sendo que não há um modelo que lhes seja comum e muito menos um estado das artes semelhante. 
Para continuar a ler, aqui 
António Pinto Ribeiro, in Arte Capital

Um simples olhar sobre Miro

Published13 Feb 2010

Tags África moçambique vladimiro matsone


Centro Cultural Franco Moçambicano  (Fevereiro 2010)
A primeira exposição do ano do CCFM é uma retrospectiva do pintor Valdemiro Matsone.
Miro, como é conhecido, faleceu em 2002 e é um dos mais plagiados autores moçambicanos. É impossivel passear por Maputo e não ver réplicas (assinadas!!!) do Miro, à venda, encostadas nos muros da 24 de Julho ou nas mãos dos vendedores ambulantes que tentam assim "exportar" o melhor da arte moçambicana. São os "disciplagiadores" da arte Miriana" como diz Gemuce no catálogo da exposição
Pintura, desenho, aguarelas ocupam toda a galeria e mostram a versatilidade do artista. Em tempo de carência de , de dificuldades em chegar aos materiais certos, a sua compulsividade usou de tudo como suporte para as tantas figuras que agora povoam inumeras coleções privadas..
Gonçalo Mabunda é o curador da exposição e diz que "este é o Miro/simples e verdadeiro/Miro" O seu Miro.
Pode ver mais do autor aqui e aqui
Elisa Santos

Sem título

Published12 Feb 2010

Tags África angola música tsikaya vítor gama


Tsikaya é o projecto do músico Vítor Gama com músicos angolanos. A página na internet do projecto oferece uma perspectiva muito abrangente de como o projecto se concretiza e vale a pena visitar.
Tsikaya promove músicos que desenvolvem o seu trabalho musical no meio rural em Angola.

Iniciado em 1997 o projecto Tsikaya tem como objectivos estimular a criação de músicos e compositores no meio rural, promover o seu trabalho e encorajar a disseminação e construção de instrumentos musicais tradicionais.
Tsikaya é uma iniciativa que contribui para a preservação, divulgação e investigação do folclore angolano através da documentação do trabalho destes músicos por meio de gravações de campo realizadas em torno das suas comunidades, a gravação de Cds e a criação de um arquivo e interface digitais do material gravado.

Áfrique: 50 ans d'indépendence

Published8 Feb 2010

Tags África


Como se pode comemorar de uma forma honrosa, inteligente e culta as independências de algumas ex-colónias francesas, hoje Estados Independentes. Aqui 

Bissau

Published4 Feb 2010

Tags África bissau guiné

Bissau é cheiro. Cheiro de terra e panos (a lembrar o índigo que originalmente os tingia). Cidade junto ao mar virada para terra. Sem monumentos que fascinem, nem paisagens que marquem. Bissau não é beleza.

É o apurar dos sentidos e o entranhar da ambiência.
Várias cidades numa só.
Dois centros.
Um, o dos edifícios coloniais, dos restaurantes e cafés para “cooperantes” e elites. O centro da Pensão Central, lugar mítico para os portugueses que passam por esta África, conhecido pelo nome da sua proprietária, “D. Berta”, e do Centro Cultural Francês, que perfaz o cenário cultural de Bissau.
Outro, o do eixo onde pulula a vida, o Mercado do Bandim, grande, mas não descomunal, como noutras cidades africanas. Local de comércio de produtos da Guiné e do mundo, e de encontros (em pontos como as grandes mangueiras a norte) entre os residentes nos diversos bairros: Antula, Belém, Militar, Quélélé, Sintra, Ajuda, Cuntum, Gã-Beafada… Bairros espacial e urbanamente confinados, mas com populações flutuantes, se se contar com todos os parentes que vêm das “tabancas” (aldeias), por uns dias, uns meses ou até uns anos. Numa territorialidade e continuidade étnica que torna a cidade um espelho do país.
Cidade africana pobre, sem electricidade, abastecimento de água, serviços eficazes de saúde, “emprego”… Cidade onde se afadigam, em múltiplas actividades de sobrevivência e laços sociais com raízes no tempo, cerca de 250.000 habitantes (estima-se que na capital esteja perto de ¼ da população do país).
Em Bissau a noite é breu pontuado pelas estrelas, pela iluminação de gerador das raras casas privilegiadas e pelas velas de vendedores de rua.
Em Bissau o dia é teia de vida, é cor.
Amélia Frazão Moreira
Antropóloga
Fotografia de André Barata

Abidjan, Je t'aime


Par Barthélémy Toguo
Plus grande ville d'Afrique francophone, Abidjan est peu à peu saturée par des vagues de populations pauvres des pays frontaliers attirées par son essor économique et sa prospérité. Ces migrateurs s'installent au nord de l’agglomération dans les baraquements précaires d’Abobo, Attécoubé ou Yopougon, germes d'insalubrité et d’insécurité. Au sud, les quartiers de Koumassi, Port Bouët ou Treichville, s'industrialisent au galop et deviennent des zones-résidentielles. La journée à Abidjan est comparable à celle de toutes les mégapoles africaines, on y vit au rythme endiablé du bruit, de la ruche du secteur informel qui survit ici : petits marchands d'eau, de cigarettes, de beignets, cireurs de chaussures, taxis "woro-woro" ou "gbaka"... Le centre ville du "Plateau", ses grands hôtels et son architecture moderniste surplombent la Lagune Ebrié ; ils abritent le cœur financier et constituent le pivot des affaires. À la tombée de la nuit, deux pôles d'attractions s'animent de toutes les musiques et des lumières clignotantes de néons multicolores. Au sud d’abord, Marcory, le quartier aux 1000 Maquis où l'on se restaure pour quelques sous, où on vit à 100 à l'heure, où on danse au rythme du "coupé décalé", du Zouglou et du Gnakpa. Au nord, Yopougon ou "Yop City", notoire pour sa rue Princesse, bordée de boîtes de nuit, de bars, de dancings en effervescence... Chaque soir elle vibre jusqu'à l’aube, c’est l’une des rues les plus brûlantes d'Afrique.
Abidjan ? C’est la cité aux mille visages qui nous emporte dans tous les mondes, affairés, cossus, noceurs ou interlopes ; elle sombre aussi dans la violence des crimes et d’une foule de délits, de tous les trafics, de drogues ravageuses qui prolifèrent aux carrefours de Koumassi, dans les ruelles d’Abobo et sur les trottoirs d’Adjamé. "Abidjan, je t’aime "

Bujumbura

Published29 Jan 2010

Tags África bujumbura burundi


Contaram-me que, em Bujumbura, durante um dos vários conflitos, em que a cidade está deserta mas há olhares à espreita, viam-se os hipopótamos a sair do lago e a passear pelas ruas da cidade…
Bujumbura é uma cidade entre lago e montanha, situada na região dos Grandes Lagos, na ponta norte do Tanganica. Para ela vão convergindo as verdes colinas do Burundi.
O centro da cidade preenche-se diariamente com gentes vindas dessas “colinas” (zonas rurais). Mas a cidade mantém um movimento fluído, com congestionamentos apenas a certas horas do dia e nas proximidades do alarido do mercado. Táxis azuis e brancos, carros, camiões, e motos preenchem o tráfego por entre as constantes bicicletas, que, de tudo, transportam um pouco. É uma cidade funcional e ordenada, de fácil orientação, diferente da confusão de muitas capitais africanas. Com um centro pequeno, composto por casas e prédios baixos, ao estilo da colonização belga, cada serviço, loja ou barraca improvisada tem a sua função e os seus clientes. Não faltam também os cibercafés que ao longo do dia se vão enchendo de jovens. Aqui servem-se refeições para além de se poder tomar o saboroso café do Burundi.
Apesar do calor húmido, a curiosidade obriga a caminhar. Percorre-se discretamente as ruas, de dia e de noite, com uma sensação de segurança que se consegue em poucas cidades. A pobreza vai-se misturando com os passeios e é a cada ano mais saliente, pela quantidade de gente descalça ou de aspecto desnutrido.
A cidade é um convívio discreto de vários mundos, com um estar disciplinado que a mantém activa na azáfama dos dias.

Hutus e Tutsis vivem agora mais uma fase de reconciliação. Um dia-a-dia de luta com as tensões do passado e ainda algum medo de repressões. Mas isso não se percebe à primeira. Não se fala, pela discrição e receio de que o passado possa contagiar o futuro. A história foi conflituosa e dela não pode haver orgulho.
E Bujumbura é ficar a olhar para as pessoas e tentar perceber de que falam os rostos que sentiram o genocídio, sem identificar um Hutu ou um Tutsi.
Mas o quotidiano flui, a beleza do lugar e a simpatia das gentes distrai-nos.

No fim-de-semana à beira do lago ou junto às praias com areia, as famílias vão-se refrescar e conviver. Facilmente assistem a um ensaio ou espectáculo dos famosos drums (batuques) do Burundi, a beber uma Amstel e a petiscar ndagalas (pequenos peixes fritos do lago).
Mas Bujumbura também é, ficar à beira do Tanganica a fazer parte da variação dos tons de luz, entre o lago e as montanhas do Congo à sua frente. E assistir em silêncio à saudação dos hipopótamos, que ao fim de tarde continuam a aparecer, agora sem se aproximarem da cidade.
Sandra Ferreira
Consultora cooperação e desenvolvimento

Bissau

Published27 Jan 2010

Tags África bissau guiné


Outubro de 2009. Ao fim de 3 ou 4 tentativas, nos últimos 2 anos, para me deslocar a Bissau, finalmente tinha conseguido. Enorme expectativa por um país que, embora desconhecido, me parecia conhecer desde há muito.
Uma história rica, como é a de toda a África, e uma enorme diversidade étnica para um país de pouco mais de 35 mil Km2 e uma população da ordem dos 1,5 a 1,6 milhões de habitantes.
Mas, afinal, o que me esperava em Bissau agora que a acalmia política parece ter chegado?
O avião está repleto, de gentes e sacos, e são várias as línguas e dicções que se ouvem. Chegada ao Aeroporto de Bissau, de madrugada e com muito calor, alguma ordem nas filas dos passaportes, uma grande sala de desembarque e muito menos confusão do que eu alguma vez esperava.
Em pouco mais de 2 horas chegamos a uma residencial - ou será hotel? -, com um traço das misturas que Portugal foi tecendo e desfazendo ao longo dos anos. Senti-me em África e em casa.
Não é apenas a humidade que se entranha no nosso corpo, mas também a diversidade do seu povo, a alegria do Mercado de Bandim – onde tudo se vende – , o desespero dos que aguardam ser atendidos no Hospital Simão Mendes, o olhar distante e sem esperança dos ex-militares que vivem na Fortaleza, guardando o túmulo de Amílcar Cabral, o sorriso rasgado das crianças, vendendo aos copos amendoim e castanha de caju de um tempo sem resposta e perguntando se podem ser nossas amigas...
Afinal, o que se passa aqui? Como se explica a violência que de repente irrompe na cidade e que logo acalma e que parece, dizem, deixar os estrangeiros de fora?
Se falamos das pessoas, o que podemos dizer da arquitectura? Alguns prédios dos finais dos anos 60, inícios dos anos 70 – a modernidade colonial – uns (muito poucos) novos prédios e uma imagem retida: o centro velho de Bissau faz lembrar a velha Havana (a do centro e não a da marginal) com as cores, a estreiteza das ruas, as varandas e as portadas magníficas e lindas do tempo áureo do caju.
Desejo sempre aos meus amigos que visitam Africa pela primeira vez que cheguem num dia de chuva, pois nunca mais esquecerão o cheiro a terra e a vida. Entendi como um presságio de uma boa amizade com aquela cidade, quando, no dia da partida, não só choveu, como eu já não via há muitos anos, como ainda fui “agraciada”, por volta das 10 horas da noite, ao voltar ao hotel para recolher a mala, com um coro de jovens que ensaiava na Sé Catedral cantando com uma imensa alegria festejando – quem sabe – a felicidade de estarem juntos. Em Bissau.
Maria Hermínia Cabral
Economista
Fotografia de Miguel Viveiros

Dany Laferrière

Published26 Jan 2010

Tags África caraíbas dany laferrière haiti literatura


Este livro estava na lista de espera para ser lido e acontece que acabou por sê-lo exactamente um dia antes do terramoto no Haiti. Este facto não pode deixar de ter um impacto na leitura. Trata-se da obra L'énigme du retour (Prix Médicis 2009 - Grande prémio do livro de Montréal) do haitiano Dany Laferrière (Port-au-Prince, 1953), escritor há muito imigrado no Canadá, onde tem escrito uma obra importante, sendo justamente considerado um dos mais relevantes escritores da diáspora haitiana.
A história parte do anúncio da morte do pai do narrador/autor, acontecimento que o obriga, passados 30 anos, a regressar à sua cidade natal, Port-au-Prince, de onde ambos haviam sido forçados a partir. A narrativa é construída a partir de uma mescla de formatos de textos, que variam entre a forma de versos e textos curtos, muito visuais, espécie de notas de viagem. A leitura deste "caderno de viagens" permite reconstituir toda a viagem: desde a decisão de partir, fazer a mala, recordar os episódios da distante infância, a viagem propriamente dita, com as suas surpresas, vicissitudes, reencontros, decepções. Num trabalho constante de reconstrução da memória, o autor revê as figuras heróicas da infância e da adolescência, o contacto com a escola e a partida. E, finalmente, a nova partida, de regresso ao Norte, à cidade onde agora reside. Do conjunto de textos que, como já se referiu, poderiam constituir todos pequenas "curtas", há alguns que se destacam pela precisão da descrição ou pela singularidade do tema: o sentimento do exilado "que vive sem reflexo no espelho", "o tempo dos livros" e a forma como eles organizam o espaço e a vida em cada nova morada, a vida de bairro na infância, um texto frio sobre a fome, a descrição do vento nas Caraíbas, uma pequena história das artes plásticas nas Caraíbas, etc..
Os relatos de viagem de regresso ao país de origem constituem alguma da melhor literatura africana, sul-americana e caribenha. Os seus autores são grandes escritores que tiveram a experiência do exílio, da diáspora e do sentimento sempre ambíguo entre a nostalgia do país e a dúvida do regresso. Recorde-se a este propósito esse texto maior da literatura das Caraíbas que é Cahier d'un retour au pays natal (1939), de Aimé Césaire, texto que é, aliás, fundador do movimento da Negritude.
O que chega a ser perturbante neste momento e na conclusão desta leitura, é imaginar que para Laferrière, a sua cidade revisitada, Port-au-Prince, já não existe. Destruída, não lhe restará mais do que apenas a recordação da infância e a ilusão do seu reencontro, breve e momentâneo.
Dany Laferrière, L'énigme du retour. Paris: Grasset, 2009

Asmara

Published25 Jan 2010

Tags África asmara eritreia

Pelas 6:30 da manhã, grupos de mulheres de rostos emoldurados por cândidos véus brancos de 5 metros de comprimento, o nezelá, e o corpo envolto pela tradicional zuria, a longa túnica branca até aos pés, percorrem a ainda ensonada Asmara em direcção à igreja católica ou ortodoxa, saudando os praticantes islâmicos que já abandonam as suas mesquitas. Inicia assim o dia de Asmara, capital da Eritreia, e desenrola-se numa sucessão de ritos e cerimónias recorrentes, um atrás do outro, até ser noite.

O simples gesto de tomar um café é uma autêntica função, verdadeira encenação, cheia de gestos antigos e sábios, que começa com a torra dos grãos no fornello e termina quando se toma a terceira chávena deste café doce e condimentado, sempre único, acompanhado de pipocas, tagarelices e incenso. A Eritreia debruça-se sobre o Mar Vermelho e a sua longa costa, especialmente a parte desértica, é um dos lugares mais quentes do mundo. A capital, por sua vez, construída a 2.400 metro de altura, goza de um clima ideal e de um céu azul sempre garantido.
Asmara é uma cidade para passear, para descobrir lentamente, em cada detalhe. A criatividade dos arquitectos italianos que no início do século XX construíram casas e palácios, ruas e praças, em perfeito estilo decò italiano, cubismo, expressionismo, racionalismo, e o cuidado, o orgulho e a hospitalidade dos seus habitantes, os asmarini, tornam-na um lugar agradável, limpo e seguro onde se demora em doce vagabundagem. Parques com fontes e jardins oferecem, a residentes e visitantes, o repouso à sombra de exuberantes buganvílias, jacarandás e jasmins, e ali podem, quem sabe, saborear um sumo fresco de zeitun.
Se cada cidade tem um lugar que fascina e onde nunca nos cansamos de voltar, aqui esse lugar é, como nenhum outro, o Medeber: o reino da transformação, da reutilização, hoje diríamos da reciclagem, de qualquer desperdício. É a incansável fabrica das mil actividades artesanais, que faz surgir de entre ferragens utensílios diversos, camas, cruzes, cadeiras, e até o ruído de serras, plainas e martelos se transforma em melodia nesta incrível oficina a céu aberto.
Chegada a noite, às 18:00, a cidade pára, todos os que circulam na artéria principal, a Independence Avenue, se imobilizam por um minuto, em respeito ao arrear da bandeira nacional que é assim honrada e que representa o sacrifício e a determinação de um povo que escolheu a liberdade. É hora de jantar, a cidade esvazia-se mas os seus numerosos restaurantes que servem injera animam-se.

A refeição é o enésimo momento de convívio, e também este segue um ritual complexo mas harmónico. Sentamo-nos no chão, sobre um tapete ou uma esteira de palha e repartimos um prato situado ao centro. A injera, prato tradicional eritreu, é um disco de pao esponjoso, de sabor ácido delicioso, que se serve com uma selecção rica de acompanhamentos de verdura ou carne. Come-se rigorosamente e apenas com a mão direita, o que requer uma certa habilidade e, não raramente, um dos amigos comensais decide preparar um pedaço particularmente saboroso e dar-nos à boca. É um gesto de grande respeito e que pode ser repetido duas vezes. O zighini é o acompanhamento por excelência: um estufado de carne de vitela, borrego ou frango, cozinhado num refogado de cebola e tomate, polvilhado com uma generosa mão cheia de berberé, a picantíssima mistura de especiarias
É por isto, e por mil outras razões, que um dia passado em Asmara nos deixa de “boca aberta”
Silvia Bottone
Funcionária da UE

Mindelo

Published22 Jan 2010

Tags África cabo-verde mindelo

Situada na ilha de S. Vicente de Cabo Verde, a cidade tem cerca de 63.000 habitantes, dos quais 65,7% com menos de 30 anos e uma taxa de desemprego que ronda os 23.3% (dados do censo de 2000)

Mindelo tem um Clube de Golfe, que se situa às portas da cidade num vasto terreno de terra batida, pontuado pelo verde poeirento das acácias. Em 1920 chamava-se St. Vincent Golf Club, em 1969 passou a Club Anglo-Português e em 1975 Clube de Golfe de S. Vicente. Improvável alegoria de Mindelo, este clube sintetiza a história e o carácter da cidade e da ilha.
Apesar de S. Vicente ter um porto natural e uma posição estratégica excepcionais, praticamente não tem água, pelo que as várias tentativas de povoamento feitas a partir de finais de setecentos, bem como a decisão régia de mudar a capital para esta ilha em 1838, falharam. Foi a instalação das primeiras companhias inglesas de carvão a partir de 1850, que abriu a ilha à navegação internacional e viabilizou a então pequena aldeia de pescadores. Nesse tempo do carvão, os ingleses imprimiram à cidade uma forma de viver mais moderna, com casas mais confortáveis e higiénicas, novos hábitos alimentares e de trabalho e novas práticas desportivas como o golfe, o críquete, o ténis e o futebol. Uma influência que não se explica pelo número de residentes, que nunca foi muito elevado, nem pelo facto de por duas vezes no século XIX, aqui ter havido concentração de tropas inglesas, primeiro devido ao conflito com os Ashanti na zona do Gana e mais tarde, por causa da guerra anglo-boer na África do Sul. Na verdade os mindelenses nunca foram admitidos nos clubes ou actividades inglesas, mas observavam com curiosidade as excentricidades e novidades que chegavam, assimilando o que lhes agradava e deixando de lado o que não se coadunava com os seus gostos e maneira de ser.
Entretanto a cidade continuava a debater-se com o problema da falta de água, que nem o recurso aos poços, à canalização de nascentes do interior da ilha, ou à água que um pequeno vapor transportava diariamente da ilha vizinha de S.to Antão conseguiam resolver, até que em 1966 se dá finalmente início à dessalinização da água do mar. Pior que sobreviver à falta de água foi, contudo, sobreviver às crises provocadas pela falta de navios que erros da administração portuguesa e novas técnicas e rotas da navegação, ajudaram a afugentar.
Apesar da história de Mindelo ser uma impressionante sucessão de crises, a cidade sobreviveu e cresceu e foi até, durante alguns anos, a principal fonte de receitas e sustento do arquipélago. É verdade que os grandes navios ainda não voltaram, as crises e o desemprego continuam a maltratar a cidade e uma ou outra avaria no dessalinizador relembram-nos que a ilha não tem água, mas este povo tem alma de cigarra e sobrevive tenazmente aos dias difíceis e às lições de moral das formigas. Mindelo é uma cidade colorida, musical e alegre, virada para as tranquilas águas azuis da Baía do Porto Grande e às portas da cidade, lá onde começa o deserto, todos os fins de semana, mesmo quando o vento levanta nuvens de pó, dezenas de desportistas jogam no chão castanho avermelhado do seu campo de golfe, antes de um gin-tonic na velha sede do clube.
Ana Cordeiro

Cairo

Published21 Jan 2010

Tags África cairo egipto


População: 20 milhões de habitantes
Passear no Cairo é uma experiência ímpar. Temos a sensação de que nos vamos perder no meio da população compacta a qualquer momento. Chegámos nos dias em que decorreu a ultima celebração religiosa do ano, as famílias reuniram-se para os festejos, a multidão tornou-se muito maior.
Caminhamos nas amplas ruas do centro do Cairo, a parte moderna da cidade. Não é uma zona bonita, mas é para onde convergem as principais ruas que imprimem o cunho europeísta que a cidade sofreu. No pouco espaço livre nos passeios, cruzamo-nos com vendedores ambulantes de doces e de batata-doce assada. Os cheiros adocicados flutuam no ar.

Entre as principais avenidas, destaca-se Corniche el Nil, junto ao Nilo. Nunca estive num sítio com tanta gente, famílias completas percorrem a avenida, grupos de jovens passeiam descontraídos e animados. Homens caminham de mãos dadas discutindo fervorosamente. Os cairotas são simpáticos, sorriem alegremente, os adolescentes arriscam um divertido “hallô” às ocidentais. No rio indolente os numerosos barcos, decorados com iluminações que lembram os nossos “carros de choques” garantem uma amálgama de cores na água.
O trânsito é simplesmente caótico, centenas de viaturas circulam pelas avenidas, misturados entre charretes e carroças puxadas por burros. É raro ver um carro que não esteja danificado, o barulho das buzinas é ensurdecedor.
Do cimo da Cidadela, fortaleza medieval que domina a cidade, fundada pelo lendário Saladino, temos uma das mais impressionantes vistas sobre a cidade. O Cairo não tem fim, é imenso. A cor, definitivamente é o ocre. Revela-se a floresta de minaretes e cúpulas que povoam a metrópole, os chamamentos dos imans cruzam-se no ar.
Descemos e dirigimo-nos para o Cairo islâmico. A primeira paragem é na mesquita de Al-Azhar, fundada pelos fatimidas em 970 é uma das mais antigas e emblemáticas. È igualmente um dos mais importantes centros de estudos islâmicos. Somos obrigadas a entrar de véu, é uma emoção muito forte. Lá dentro reza-se e estuda-se, os devotos são de todas as partes do planeta, temos o mundo à nossa frente.
De seguida vamos para um dos mais bazares do Médio Oriente, Khan al-Khalili. São centenas de lojas coloridas minúsculas, cortadas por ruas estreitas, onde tudo se vende. O barulho é indescritível, aliás, toda a cidade é barulhenta, o som da música é persistente. No meio das ruas descobrimos finalmente o mais emblemático café do bazar. Fishawi’s tem mais de duzentos anos, o café prolonga-se pela rua com os seus espelhos e cadeirões. É extremamente acolhedor e simpático, ocidentais e cairotas confraternizam entusiasticamente. Bebemos sumos de frutas aromatizados com especiarias, fuma-se a tradicional Sheesha. Ouvimos novamente o mais simpático piropo que se pode dizer a uma ocidental “you walk like an egyptian”.
Isabel Ricardo
Arqueóloga
Fotografia de Catarina Cordas

Dakar ou o Grande Bazar

Published20 Jan 2010

Tags África dakar senegal

Dakar é uma das maiores cidades de África. Percorrer as suas ruas é como meter-se numa grande feira onde não falta animação. Não se faz 1 km sem se ser interceptado por um vendedor, não importa de quê. A cidade é feita de vendedores e, consequentemente, de compradores.
O quadro pictórico da cidade e seus arredores é marcante. É um festival de côr, de barafunda, de trânsito caótico.
Os car-rapide com o seu colorido exuberante servem de transporte aos menos favorecidos, ou seja, grande parte da população local. São um delírio visual, autênticos carrinhos de feira com desenhos e alusões religiosas. Estes car-rapide na sua grande maioria são velhos, com chapa batida, mal cuidados e muito porcos. É o transporte diário possível para os milhares de locais que se empacotam desajeitadamente no seu interior. A nós, europeus, transportam-nos para o reino da fantasia! Vê-los a circular remonta à nossa infância, aos nossos brinquedos de lata!
Será Dakar a cidade com maior número de taxis por m2? Por cada carro devem existir pelo menos três táxis. Detectam-se à distância pela sua côr amarela torrada.
As carroças puxadas por cavalos ou burros são um meio de transporte muito usual para todo o tipo de carga e mesmo pessoas. Emprestam à cidade e arredores um tom ecológico que contrasta com a poluída urbe de Dakar.
Sendo o Senegal um país onde o islamismo predomina, é uma constante em Dakar o canto da chamada dos muezzini apelando à reza.
Dakar é ainda tropeçar nos meninos de rua com as suas malgas amarelas. São os meninos (talibés) que vêm de todo o Senegal aprender o Corão sob a autoridade de um líder espiritual (marobout). Muitos destes mestres do Corão obrigam os seus discípulos a permanecer na rua em condições muito desfavoráveis a praticar a mendicidade. Aparentemente esta mendicidade é um fenómeno singular no Senegal não sendo conhecida esta prática noutros países de cariz muçulmano.

Dakar e toda a sua costa está decorada de pirogas. Há imenso peixe. Nalgumas praias compra-se o peixe acabado de sair do mar, fresquíssimo e a bom preço. O espectáculo é, no mínimo, surrealista, cómico também. É o peixe a chegar nas pirogas, a escolha, as vendas… ao largo as crianças…. as bucólicas ovelhas que estão por todo o lado… as mulheres que amanham o peixe… o cheiro intenso, as moscas… os cães espraiados e esfaimados.
Dakar está em permanente construção, por isso Dakar é sujo, é um Dakar de mil poeiras. Ainda assim Dakar tem uma marginal esplêndida onde nos podemos regozijar com uma vista azul-esverdeada do imenso Atlântico.
Muito mais há a dizer sobre Dakar, difícil é sumariar uma cidade quando há tanta coisa para ver e sentir!
Helena Nunes
Em Dakar desde Outubro de 2009
Fotografia de Fátima Serrão Gomes

Mohamed Machfar

Published19 Jan 2010

Tags África islão tunísia


Mohamed Machfar, um xeique tunisino destaca-se pela sua personalidade de religioso liberal com um discurso moderado capaz de estabelecer pontes entre a religião e as comunidades ocidentais mais seculares. Com um programa de rádio e enchendo a mesquita nos dias das suas preces pode ser contactado no facebook. O link para a sua página, aqui.

Edinburgh (Energia positiva)

Published18 Jan 2010

Tags África edimburgo gemuce moçambique

Meio atrapalhado, na estação de comboios, sem saber que direcção tomar, mesmo com uma agenda bem traçada e munido de mapas, preferi seguir o meu instinto e guiar-me pela arquitectura que confrontava a minha sensibilidade. Era ainda muito cedo para visitar os museus e galerias que constavam da minha lista, só o poderia fazer mais tarde.
Era domingo, 15 de Novembro de 2009 e fiquei por ali das 8.45h às 18.15h num clima carregado de nuvem cinzenta e frio de 7 graus. Nunca tinha visitado uma cidade grande em tão curto espaço de tempo.
Uma das vias para se sair da estação é uma rampa que termina numa rua ao cimo de uma pequena colina. Ao fundo da rampa podia-se ver um autocarro turístico com 2 pisos, estacionado na perpendicular. Este elemento atraiu a minha atenção e tornou decisiva a tomada de direcção. Ao chegar ao cimo da rua, no cume da colina, apercebo-me de estar mergulhado num “alto mar” arquitectónico que não escaparia nem à visão de um cego mesmo naquele clima cinzento! Uma sincronização de formas e atitudes arquitectónicas desde o Barroco, passando pela Arte nova e pelo Modernismo.
Uma sensação esquisita provocada pelo frio, pela fome e alguma desorientação, tornava-se mais aguda por isso decidi fazer uma pausa estratégica para um café. Lembrei-me da referência de um Mac Donald ali perto de que me falara o meu amigo Mathew. Levantei a cabeça numa tentativa de adivinhar a direcção da sua localização quando deparei com uma rapariga solitária, de traços asiáticos, ar muito descontraído, caminhando na minha direcção como se fosse oferecer-me serviços de guia turística. Não perdi a ocasião e gentilmente pedi-lhe informação sobre a localização do Mac Donald. A resposta dela foi automática, dizendo que não era de Edinburgh e continuou o seu caminho. Eu também.

Uns passos depois oiço uma voz feminina precipitada atrás de mim dizendo: “Sorry gentlemen, do you mean Mac Donald?” Eu também de forma precipitada, virei-me para ela e respondi que sim. Com um sorriso mais simpático que própria simpatia, ela desculpou-se mil vezes com vénias japonesas, como se tivesse feito algo de muito grave, mas sem medo de punição, pelo facto de não ter percebido logo a minha pergunta, argumentando que o seu inglês era fraco. “No, sorry I think mine is worse” - disse eu. Mas outra vez não me entendeu e com o seu jeito atrapalhado e servil, não me deixou dizer nem mais uma palavra e foi andando, apressada, em direcção a um cruzamento convidando-me a segui-la. Chegados à esquina ela apontou um edifício onde facilmente li “Mac Donald”. Numa tentativa de agradecimento, afinando o meu inglês para o sotaque mais britânico possível, convidei-a para tomar um café. Hesitante e até um pouco embaraçada, aceitou.
Ting Fang Hsueh é uma jovem Taiwanesa, estudante de curadoria em Londres, que estava em Edinburgh numa condição parecida com a minha: com o propósito de visitar museus e galerias. Aquele era o seu 3º e último dia, quando a encontrei dirigia-se à estação para regressar a Londres. Ting Fang Hsueh depois de se aperceber desta coincidência de objectivos e de que afinal pertencíamos a uma mesma “tribo profissional”, decidiu adiar a sua viagem para mais tarde e ser minha guia turística na cidade.
Levou-me ao Fruitmarket Gallery, uma galeria de arte contemporânea que mostrava a exposição “The and of the line - atitudes in drawing” bastante interessante e didádica para quem cultiva o desenho. À National Gallery, como todos museus tradicionais, não fiquei impressionado, quadros e esculturas mediavais dominavam o ambiente expositivo. Ao Castelo de Edinburgh, num tour que foi contornando ruas e avenidas sob o fundo de edifícios e estátuas, cruzando com pessoas de toda parte do Mundo, artistas e mendigos performando, lojas vendendo kilts(veste tradicional escocês) e outros objectos tradicionais, atingimos finalmente o centro folclórico de Edimburgh. Cumprimos com os rituais turísticos (tomadas de poses fotográficas, compra de bilhetes e postais de e um cafezinho. Uma atmosfera bastante exótica invadiu-nos ao penetrar a dentro do castelo. Paredes grossas e escuras, muita gente entrando e saindo, um homem ao fundo trajado de kilt tocando um instrumento típico, um canhão do século 18 preparado para disparar e depois a guia oficial conduziu-nos ao grande salão com tecto alto, muito ornamentado e iluminado contrastando completamente o espaço exterior, onde relatou-nos em 5 minutos a historia de Edimburgh.
Edinburgh é a capital escocesa desde 1492 e é a sede do parlamento escocês, desde 1999. Após a unificação do parlamento da Escócia com o da Inglaterra, Edinburgh perdeu sua importância política mas permaneceu um importante centro económico e cultural. Conta com cerca de 448.624 habitantes e é dominada pelo Castelo de Edinburgh construído sob uma rocha de origem vulcânica o que atrai centenas de
turistas. A Universidade de Edinburgh foi pioneira na informática e gerenciamentos.
A curadora e minha guia na aventura rápida de conhecer Edinburgh em menos de 12 horas, tomou notas sobre tudo e mais alguma coisa das nossas conversas. Partiu no comboio das 17h para Londres. Eu parti as 18.15h para Aberdeen esmagado pelo desejo de continuar naquele sonho de descoberta. Apesar de Edinburgh parecer uma cidade bastante conservadora, está cheia de mistérios, surpresas e muita energia positiva.
“Keep in touch”...
Gemuce
Artista plástico moçambicano em residência em Huntly (Aberdeen share)

A Ilha

Published8 Jan 2010

Tags África ilha de moçambique moçambique


Uma linha recta. Um traço fino. Divide? Não. Une. O continente e a Ilha.
Azul turquesa líquido. Branco areia fina. Casa de macúti, casa de pedra e cal. A costa, a contra costa, o omnipresente Indico. O hospital, a praça, a casa da flor, o forte, as arcadas. O Arsenal gigantesco, um escudo na fachada.
Mussa Al Mbique. Camões. Xavier. Fatimah. Pedro. Oxi. Nazira. Gabriel. Rino. Felismino.

“Quero ser arquitecto, como o Alexandre que trabalha na UNESCO.” Disse o menino.
A porta aberta. O contra luz. Um retrato a preto e branco. A mão tapa o sorriso. A máscara de pó branco. Mussiro. O riso. A dança. Cheira a sal. Turista. O barco. As ilhas. Mais praia. Água morna. Missangas. Vidros. Corais. Moedas. Muito antigas. Mais risos.
“Não há cães na ilha. Abateram-se 52 cães vadios.” Passeia um gato.
Sol aberto. Céu celeste. Luz. Silêncio. Silêncio e luz. Calor. Quase lume. Proteger a pele. Branca. Negra. Quantos quartos tem este pátio? Um véu que desenha os olhos. Descalçar. Voz de chamada. Ouvi um sino. O por do sol. A madrugada. Ventania. Silêncio e ventania. Mesquita verde. Igreja branca.
Deus. Uma linha recta. Um traço fino. Divide? Não. Une.
Elisa Santos
Missionária/Técnica em actividades de desenvolvimento comunitário
P.S. A Ilha de Moçambique tem cerca de 3 km de comprimento, 300-400 m de largura e está orientada no sentido nordeste-sudoeste à entrada da Baía de Mossuril na província de Nampula. Foi a primeira capital de Moçambique e desde 1991 é Património da Humanidade. Decorrem obras de reabilitação que contam com o apoio da UNESCO e o Forte de S. Sebastião deverá acolher em breve uma universidade.

Gaborone

Published6 Jan 2010

Tags África botswana gaborone

População: 186,007 (censo de 2001)
Área: 19,6 Km²
A 1014 m de altitude, no centro da África Austral, vive uma cidade jardim que dá para o céu. Se cada cidade tem um sotaque, Gaborone tem os “erres” muito fortes: o próprio nome da cidade, dita Raborone, a palavra senhor, rra, passando esta forte pronúncia também para o inglês.

Elevada a capital um ano antes da independência (1965), devido à proximidade de água ali existente, disfruta de Pula – chuva, dinheiro, brindes – até à exaustão. A riqueza é-lhe dada pelos diamantes e pela criação de gado, a chuva só a trechos, e os brindes todos os fins-de-semana, de sexta a domingo, nos bares da cidade ou em festas oficiais e privadas.
Mas depois da festa vem o cansaço, que se pode ver no modo de andar lento e pacato dos seus habitantes, expostos a temperaturas extremas durante todo o ano, que oscilam entre os 5 e os 45 graus.
Cidade de terra vermelho ocre, com odor de deserto, pela distância que a avizinha do Kgalagadi, a sensação de infinito vai-a buscar ao céu, de um azul límpido, pontilhado de nuvens curiosas, e o contrabaixo contínuo ao verde que a acompanha e atravessa em todas as direcções.
A música é um elemento constante em toda a cidade, seja a que irrompe da loja chinesa de Broadhurst aos sábados – com um cantor, de microfone na mão, que serve de chamariz para os compradores distraídos – seja o African Pop, Afro Techno ou Kwasa-Kwaito (mistura entre o Kwasa Kwasa congolês e o Kwaito sul-africano) que ecoa pelo Main Mall a qualquer hora do dia, ou ainda a que se evapora das igrejas zionistas, a que se murmura nos pequenos bairros dos muitos zimbabweanos que sonham um dia poder regressar e nas festas da comunidade cubana. Também as combis (transporte semi-colectivo), num delirante vaivém, transpiram a música, depois da pausa feita para o pagamento dos 3 Pulas de tarifa.
O poeta contemporâneo Tiro Sebina foi quem melhor conseguiu captar a atmosfera da cidade no seu poema "Gaborone".
Sandra Pires
Leitora do Instituto Camões no Botswana

Joanesburgo

Published4 Jan 2010

Tags África áfrica do sul joanesburgo

                               
Like a net; Egoli collects the brightest stars of the dark constellation, coming to chip away at her gold and seeking her diamonds
Its beacon of light: the coke tower, now the vodacom tower with its prostitutes, and hustlers, Joburg proudly displays her disparities, even in the scenic Joubert Park with its whites only benches and likewise drinking fountains.
My mother told me stories of batoned police keeping the peace in the town centre. I remember riot police, enforcing the law, and keeping the pavements safe. Back then there were no street vendors from Ghana and Mozambique selling roots and herbs, or Chinese traders vending golden watches and sunglasses.
Like a magnet Jozi transfixes the country bumpkin, fresh off the train and teaches him to wield a knife, as he slips into the seat of his newly acquired German-crafted, four-wheeled status symbol. Oranges, pears, bananas, and avocados tumble to the ground as a father of four looses his pulse in the wake of Jakes and his crews´ scrambling feet-cuoshioned in the high stepping bright white All Star trainers; as red syrup seeps in to the concrete sidewalk.
Deeper and deeper below, the sound of the pneumatic drill comes to an abrupt halt as an army of sixteen blackened faces burrows further in search of a slight twinkle in the dark. Their black voices beat on the army of white ear drums above with their hands on their hips.
In the Newtown District, the new generation, the first generation, of black-diamonds* sips cocktails, and strokes silk-clad thighs, while signing million rand contracts in the full glory of the African sun. They... we, smile, and the African sky smiles back. After all we are the new precious article of this Southern Africa Capital. The new kings and queens driving capital and industry on the very streets where our grandparents drove wheel barrows. We spit instructions in English, Sotho, and Venda, while receiving concurrence in Afrikaans, Xhosa and the almighty Zulu.
On either end; Alexandra and the infamous Soweto townships buttress this powerhouse of African modernity. In these outskirts of Johannesburg the young and old continue the waiting game for fathers and mothers to return to these battlegrounds where dreams are dashed and schemes realised.
Jabulani Maseko
* A marketing term describing the group of young black (not including Indians or coloureds) South Africans who make up the middle class (well-educated, wealthy, salaried, in suitable employment, creditworthy, property and car owners, aspirant, with confidence in themselves and in the future).
Fotografia:
Jabulani Maseko
Afrovova

Dennis Brutus


Morreu Dennis Brutus, poeta sul-africano. Mais aqui
1.
Golden oaks and jacarandas
flowering:
exquisite images
to wrench my heart.
2.
Each day, each hour
is not painful,
exile is not amputation,
there is no bleeding wound
no torn flesh and severed nerves;
the secret is clamping down
holding the lid of awareness tight shut—
sealing in the acrid searing stench
that scalds the eyes,
swallows up the breath
and fixes the brain in a wail—
until some thoughtless questioner
pries the sealed lid loose;
I can exclude awareness of exile
until someone calls me one.
3.
The agony returns;
after a crisis, delirium,
surcease and aftermath;
my heart knows an exhausted calm,
catharsis brings forgetfulness
but
with recovery, resilience
the agony returns.
4.
At night
to put myself to sleep
I play alphabet games
but something reminds me of you
and I cry out
and am wakened.
5.
I have been bedded
in London and Paris
Amsterdam and Rotterdam,
in Munich and Frankfort
Warsaw and Rome—
and still my heart cries out for home!
6.
Exile
is the reproach
of beauty
in a foreign landscape,
vaguely familiar
because it echoes
remembered beauty.
(1975)
E um dos maiores poetas africanos, um herói.

Um livro a ler e a discutir

Published12 Nov 2009

Tags África dambisa moyo


Em inglês chama-se Dead Aid e em francês o título é L'Aide Fatale. A sua autora é a zambiana Dambisa Moyo (n. 1969), economista que faz parte da nova geração de africanos da diáspora com formações académicas de excelência (Harvard e Oxford). Tem uma carreira profissional onde se destacam os cargos de directora do Banco Mundial e da Goldman Sachs. A revista Time considerou-a como uma das mulheres mais influentes na actualidade.
A publicação do seu livro tem provocado uma polémica global dadas as soluções que propõe para o desenvolvimento africano, que vão contra a corrente das estratégias actuais de ajuda ao desenvolvimento. A sua tese mais radical defende o fim da ajuda internacional no espaço dos próximos cinco anos. Ou, como ela sugere, que os responsáveis do banco Mundial, do FMI, da União Europeia e de outras organizações internacionais telefonem aos presidentes dos países africanos anunciando-lhes que a "torneira" da ajuda ao desenvolvimento será fechada dentro de cinco anos, e que, por isso, é urgente que se encontrem alternativas ao seu financiamento.
O diagnóstico que faz é detalhado e acompanhado de uma História Social e Económica de África, onde a geografia e a sociologia política são uma ajuda preciosa aos números, factos e relatos do desenvolvimento do século 20 naquele continente. A pergunta de partida para o seu livro é: Porque é que a África continua tão pobre apesar dos biliões de dólares que recebeu para a ajuda ao desenvolvimento? Seguidamente, coloca a interrogação sobre a comparação com o desenvolvimento de países da Ásia, quando muitos países africanos partiram há cinquenta anos atrás de um nível de desenvolvimento superior a muitos países asiáticos.
Aponta como razões evidentes a corrupção, a enorme diversidade dos países africanos, facto que não tem sido considerado fulcral nas estratégias seguidas até agora. Mas, Dambisa Moyo aponta também a erros crassos aos dadores, a começar pela denúncia de ser a ajuda ao desenvolvimento uma actividade de geração de empregos (mais de 500.000 nos países dos doadores) difícil de estancar, como difícil de parar é a disputa destes países, num conflito silencioso de influência e de interesses comerciais. Aponta ainda a incapacidade dos países dadores, e muito em particular os europeus, de conseguirem pensar noutra solução mais imaginativa que vá para lá da cópia do plano Marshall, criado pelos EUA para a Europa no pós -guerra.
No estado da arte que descreve, Dambisa Moyo destaca a importância que a China tem vindo a adquirir em todos os países africanos, sendo hoje o maior investidor no continente, a par de exportador de mão de obra e de ocupação silenciosa territorial. Mas, os outros países do BIC (Brasil, Índia e China) têm também um papel importante na alteração do modo como se estão a tornar parceiros africanos e como as suas economias, bem como as economias dos países onde investem, têm usufruído destas parcerias inovadoras que, naturalmente, estão a alterar a ordem mundial. De uma forma muito sintética, como soluções a curto prazo para que o desenvolvimento africano seja eficaz e realista, Dambisa Moyo aponta: a) seguir o exemplo dos países asiáticos emergentes, nomeadamente, a sua aproximação aos mercados internacionais de capitais, recorrendo à emissão de obrigações, b) estimular a política chinesa de investimentos directos em grande escala em infra-estruturas, c) manter a pressão à escala internacional para criar um mercado autenticamente livre dos produtos agrícolas, o que favoreceria fortemente os produtores africanos, d) implantar outras formas de pequenos financiamentos, como as versões do micro-crédito aplicadas noutros países, que têm sido reconhecidas com assinalável sucesso.
Não há nunca neste livro uma abordagem moralista aos problemas, e é nele evidente uma vontade autêntica, com recursos a instrumentos inteligentes, de contribuir para acabar com a "droga" do apoio ao desenvolvimento, para que os africanos possam ser autónomos e capazes de gerir o seu futuro. Estando mais ou menos próximos das soluções de Dambisa Moyo, este é um livro que é fundamental ler e discutir.